Emplacamentos de veículos crescem em dezembro, mas acumulado de 2016 fecha em queda

Da Redação

De acordo com o levantamento realizado pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), os emplacamentos de todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos) apresentaram queda acumulada de 20,29% em 2016, no comparativo com 2015.

Ao todo, foram emplacadas 3.174.625 unidades em 2016, ante as 3.982.765 registradas no ano anterior.

Na comparação entre dezembro e novembro de 2016, o mercado automotivo apresentou alta de 14,32%. Foram emplacadas 298.917 unidades em dezembro, contra 261.479 em novembro. Já em relação a dezembro de 2015 (370.939 unidades), houve retração de 19,42%.

Conforme os dados apresentados pela entidade, os segmentos de automóveis e comerciais leves também apresentaram queda no acumulado do ano, com uma redução de 19,80% sobre o ano anterior, confirmando as projeções indicadas pela Fenabrave.

Ao todo, foram emplacadas 1.986.389 unidades em 2016, contra 2.476.823 em 2015. Já no mês de dezembro (199.024 unidades) houve crescimento de 14,66% para os segmentos, se comparados ao mês de novembro (173.574 unidades). Com relação a dezembro de 2015 (220.590 unidades), o resultado aponta uma baixa de 9,78%.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, o mês de dezembro, tradicionalmente, apresenta um volume de vendas maior que os meses anteriores. “O resultado positivo em dezembro, que teve 22 dias úteis, foi reflexo de dois dias a mais de vendas em relação ao mês de novembro. Além disso, as promoções que foram oferecidas e o incremento do 13º salário no orçamento das famílias contribuíram para o resultado positivo do último mês de 2016 “, explicou.

O presidente da entidade avaliou o ano de 2016 como “o pior da história da Distribuição de veículos no Brasil nos últimos 11 anos”. Segundo Assumpção Júnior, “este foi um dos setores da economia que mais sofreu com a crise econômica e política do País. O mercado retroagiu a volumes equivalentes aos anos de 2005 e 2006. Este resultado deve-se a fatores já comentados ao longo do ano passado, como a queda acentuada do PIB, incertezas geradas pela política, desemprego, baixo índice de confiança do consumidor e de investidores, entre outros”, argumentou Assumpção Júnior.

Segundo o presidente da entidade, as incertezas nos cenários político e econômico, presentes em 2016, afetaram, diretamente, a concessão de crédito, fundamental para a Distribuição Automotiva. “Dificuldades como essas, agregadas ao baixo índice de confiança, fizeram com que as famílias e as empresas se retraíssem em relação ao consumo, retardando a tomada de decisão para a compra de veículos novos”, completou Assumpção Júnior.

Previsões para 2017

Com base nos estudos realizados pela Fenabrave, o setor como um todo deverá apresentar crescimento moderado em 2017, chegando a 3,11% para todos os segmentos somados.

Para os segmentos de automóveis e comerciais leves, a expectativa é de alta de 2,4% sobre os resultados.

Já para caminhões e ônibus, a Fenabrave projeta crescimento de 3,15%, sendo 2,8% para caminhões, 4,40% para ônibus e 7,08% para implementos rodoviários.

O segmento de motocicletas, que vem sofrendo sucessivas quedas desde a crise de 2008, deverá apresentar alta estimada em 4,04%.

Para tratores e máquinas agrícolas, a previsão é chegar a um crescimento de 13,5% em 2017, reforçado pelos bons resultados do agronegócio no País.

Imagem: Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave)

Sexta geração do Chevrolet Camaro chega ao País

José Oswaldo Costa   (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 30/12/2016)

vei1-divulgacao-general-motors-do-brasilDe acordo com a General Motors, desde que o Chevrolet Camaro foi lançado no Brasil, em 2010, já emplacou mais de 5 mil unidades. Agora, o esportivo chega ao Brasil, em sua sexta geração, trazendo várias mudanças.

O Camaro 2017 está, entre outras mudanças, menor: comprimento – 4,78 metros (eram 4,84 metros); largura – 1,89 metro (era 1,92 metro); altura – 1,34 metro (era 1,37 metro) e entre-eixos – 2,81 metros (eram 2,85 metros).

Estruturalmente, o novo Camaro está 28% mais rígido e 83 kg mais leve graças, segundo a Chevrolet, ao uso abundante de materiais nobres, como o aço de alta resistência e o alumínio. A montadora informa que o sistema de suspensão está 12 kg mais leve.

O conjunto dianteiro passa a ser multi-link McPherson com geometria específica, barra estabilizadora e pivô duplo. O traseiro é do tipo independente com cinco braços.

O Camaro de 6ª geração passa a contar com o sistema Drive ModeSelector que oferece quatro modos de condução (Passeio, Esportivo, Neve e Pista). Através dele, são configurados diversos parâmetros do veículo, desde a sensibilidade do pedal de acelerador e do volante, passando pelo mapeamento da transmissão até a cor do ambiente da cabine.

vei3-divulgacao-general-motors-do-brasilNo modo “Passeio”, por exemplo, a iluminação fica azul clara. Passando para o modo “Pista”, a iluminação muda para o vermelho.

O motor permanece sendo um 6.2 V8, porém, totalmente novo. Ele apresenta sistema de injeção direta de combustível e comando de válvulas continuamente variável, que aumenta a oferta de torque e potência dentro da faixa de rotação do motor.

Em relação à potência, o novo propulsor rende até 461 cv, conta os 406 cv da geração anterior. O torque passou de 55,9 kgfm, a 4.400 rpm, para 62,9 kgfm.  O esportivo recebeu, também, sistema de vetorização de torque. Ele utiliza recursos do controle eletrônico de estabilidade para a máxima performance do carro em curvas, possibilitando que as rodas recebam quantidade distinta de torque, na medida exata para a otimização da tração.

Além dos ganhos de potência e torque a GM alega que o modelo está até 20% mais econômico. A tração é traseira.

Esse propulsor é equipado com a nova geração do sistema AFM (Active Fuel Management) de desligamento dos cilindros. Quando não está sendo exigido, como em velocidades de cruzeiro em uma viagem tranquila, o sistema de gerenciamento do motor desativa metade dos cilindros para economizar combustível.

vei2-divulgacao-general-motors-do-brasilOutra novidade no powertrain é a transmissão automática. Na antiga geração, era de 6 marchas.

Agora passa a ser de 8 marchas trazendo, ainda, a possibilidade de trocas manuais por meio de “borboletas” atrás do volante (paddle shifts).

Os freios são de alta performance da marca Brembo, trazendo discos ventilados de 345 mm na dianteira e 338 mm na traseira, todos com pinças de quatro pistões. Também está presentes a assistência antiblocante (ABS), distribuição da força de frenagem (EBD) e a frenagem de urgência (PBA).

camaro-10Os pneus, peças fundamentais que colocam o veículo em contato com o solo, também foram alterados. Na geração anterior eram 245/45 ZR20 na dianteira e 275/40 ZR 20 na traseira. Agora, passam a ser 245/40 ZR 20 e 275/35 ZR20, respectivamente. As rodas permanecem sendo de alumínio e com o tamanho de 20 polegadas.

Destaque externo para os faróis, que passam a contar com lâmpada de xenônio e luz diurna de LED. As lanternas traseiras também ganharam assinatura em LED e, a versão SS, novo aerofólio. Esse último passa a ser suspenso, com três pontos de fixação. O downforce traseiro foi elevado em 50% com essa alteração, de acordo com a Chevrolet.

Enquanto a carroceria cupê ganha teto solar elétrico como equipamento de série, a conversível passa a oferecer capota com acionamento retrátil completamente automático. A operação pode ser feita através de comando na chave ou por botão no console, em velocidades de até 50 km/h.

Interior também passou por alterações

Com tantas mudanças, o interior do Camaro não poderia passar em branco. O painel foi completamente modificado. No quadro de instrumentos, entre os tradicionais mostradores do velocímetro e conta-giros, está presente a nova tela de alta definição (8 polegadas) configurável.

vei5-divulgacao-general-motors-do-brasilEla pode exibir informações adicionais de performance, navegação, multimídia e do computador de bordo.

Na parte central do painel, acima das saídas de ar em formato redondo, está alojada outra tela (também de 8 polegadas) sensível ao toque. Ela exibe informações do sistema multimídia (MyLink), com Android Auto e Apple CarPlay, comando de voz e sistema de navegação com mapas em 3D.

Os comandos do sistema de ar-condicionado, de duas zonas, foram incorporados às molduras das saídas de ventilação centrais. O sistema de freio de mão passa a ter acionamento elétrico.

É uma pena que as alterações feitas tenham “banido” os belos e nostálgicos mostradores que ficavam alojados à frente da alavanca de câmbio, fornecendo informações da pressão do óleo, da temperatura do óleo, temperatura do motor e da bateria. Um charme que deveria ter sido mantido.

vei6-divulgacao-general-motors-do-brasilOs bancos dianteiros ganharam sistema de ventilação interno e ajuste elétrico com três posições de memória, incluindo os retrovisores externos. O volante foi redesenhado, adotando a base reta e trazendo aquecimento.

A partida do motor pode ser feita remotamente (através da chave) ou por meio de botão no painel. Outras novidades são o carregador para celular do tipo wireless, o sistema de som da marca Bose, os 8 airbags, os alertas para movimentação na traseira e de ponto cego, além dos alertas de pressão e temperatura dos pneus.

O novo Chevrolet Camaro chega às concessionárias da marca no primeiro trimestre de 2017 nas versões cupê e conversível. Os preços ainda não foram oficialmente divulgados pela assessoria de imprensa da GM.

camaro-1Porém, no site da Chevrolet, o cupê aparece com preço a partir de R$ 305 mil e, o conversível, a partir de R$ 338 mil. A série especial Fifty, comemorativa aos 50 anos do modelo (fotos dessa matéria e limitada a 100 unidades no Brasil), terá o preço sugerido de R$ 297 mil, de acordo com informações dos bastidores. No site, o Camaro Fifty não tem o preço divulgado.

vei4-divulgacao-general-motors-do-brasil

Fotos: Divulgação / General Motors do Brasil