Versão de entrada do Chevrolet Tracker, a LT passa a contar com controles de estabilidade e tração na linha 2019

Da Redação

Chevrolet Tracker LT - 2019*Chevrolet Tracker LT

A linha 2019 do Chevrolet Tracker agora está completa. As versões LT e Premier chegam com mudanças.

A principal delas é a incorporação do sistema de controle eletrônico de estabilidade à versão LT. O modelo de entrada passa a somar também controle de tração e assistente para partidas em rampas. Estas tecnologias já eram ofertadas nas demais configurações.

O controle eletrônico de estabilidade é capaz de identificar perda de estabilidade e atuar automaticamente freando as rodas de maneira assimétrica ou mesmo reduzindo a aceleração do motor para que o motorista consiga manter o máximo controle possível do veículo.

Já o controle de tração evita que as rodas girem em falso durante arrancadas ou acelerações, reduzindo o torque do motor para otimizar a aderência e garantir melhor desempenho.

Útil em aclives, o assistente para partidas em rampas pode manter os freios acionados por até três segundos, tempo suficiente para que o motorista tire o pé do freio e pressione o pedal do acelerador sem que o veículo recue.

A versão de entrada do Tracker sempre se destacou pelo conjunto de série: motor flex turbo de 153 cv e 24,5 kgfm de torque, transmissão automática de seis velocidades e a conectividade total do sistema de telemática avançada OnStar e o multimídia com Android Auto e Apple CarPlay.

A versão LT conta, ainda, com rodas de liga leve, faróis auxiliares, ar-condicionado, sistema Isofix para fixação de cadeirinha infantil, sistema de som com 6 alto-falantes com tweeter, além de retrovisores elétricos, travas e vidros com comandos remotos e computador de bordo com indicador da vida útil do óleo em percentual.

1_VkU3MSO*Chevrolet Tracker Premier

Premier – Para quem busca um SUV urbano mais equipado, a Chevrolet disponibiliza o Tracker Premier, que oferece, entre outros itens, alerta de colisão frontal, alerta de ponto cego, câmera de ré com alerta de tráfego cruzado, teto solar, airbgs laterais e de cortina, banco do motorista com ajuste elétrico lombar, farois e lanternas com LED, rodas aro 18, ignição por botão, destravamento das portas por chave presencial, além de acabamento premium da cabine.

A versão topo de linha do Tracker 2019 passa a ser caracterizada por um novo emblema Premier na tampa traseira. A peça, que é cromada, acompanha o mesmo estilo adotado pela Chevrolet a partir de então.

carpage-tracker-midnight-design-04-2019*Chevrolet Tracker Midnight

Midnight – Outra novidade é o Tracker Midnight, de estilo “todo preto” que deixa o veículo com aspecto mais esportivo, típico de carros customizados. O modelo traz ainda a gravata Chevrolet com fundo preto em vez do tradicional dourado.

O Tracker é ofertado em cinco opções de cores: branco, preto, prata, cinza e vermelho. A garantia do veículo é de três anos.

Os preços para a linha 2019 do Chevrolet Tracker são:

LT – R$ 92,19 mil

Premier I – R$ 103,69 mil

Midnight – R$ 105,69 mil

Premier II – R$ 106,99 mil

*Fotos: General Motors / Divulgação

Linha 2019 do Chevrolet Cruze ganha a série exclusiva Black Bow Tie

Da Redação

01_gm_FGD_9632_26-10-2018A Chevrolet está lançou a linha 2019 do Cruze no mercado brasileiro. A principal novidade é a série exclusiva Black Bow Tie, que traz um conjunto de acessórios originais alinhado com uma nova proposta de customização para o veículo.

Baseado na configuração intermediária LT, a série Black Bow Tie do Cruze está disponível para as versões sedan e hatch. O preço sugerido, para as duas carrocerias, é o mesmo: R$98,79 mil. Ou seja, exatos R$2 mil a mais na comparação com a versão LT “normal”.

A série diferencia-se pela gravata Chevrolet com fundo preto, rodas aro 17 e emblema Cruze, escurecidos, além de tapete em carpete. O modelo também pode ser equipado com o sistema de som premium da JBL especialmente projetado para o veículo, assim como outros acessórios já disponíveis.

02_gm_FGD_9652a_26-10-2018“O Cruze Black Bow Tie foca na crescente demanda de consumidores por veículos com acabamento diferenciado, mas que prezam pela originalidade, por agregar valor ao veículo”, atenta Rogério Sasaki, gerente de marketing do produto.

O modelo conta com motor flex turbo de 153 cv e 24,5 kgfm de torque. A transmissão é automática, de seis velocidades, com opção de trocas manuais sequenciais para quem busca mais esportividade.

O Cruze Black Bow Tie traz acabamento premium para bancos, volante e painel, câmera de ré com sensor de estacionamento, multimídia MyLink compatível com Android Auto e Apple CarPlay e o exclusivo sistema de telemática avançado OnStar.

07_gm_009_26-10-2018

09_gm_013_26-10-2018

10_gm_015_26-10-2018Controle eletrônico de tração e de estabilidade, freios ABS com EBD (distribuição da força de frenagem) e PBA (frenagem de emergência), direção elétrica progressiva, controle de cruzeiro, abertura e fechamento dos vidros por controle remoto, sistema Isofix para fixação de cadeirinha infantil, assistente de partida em rampas e sistema de monitoramento da pressão dos pneus também fazem parte do pacote.

O Cruze Black Bow Tie está disponível, inicialmente, na cor preta. Os itens exclusivos presentes nesta série, como a gravata preta e os tapetes em carpete, podem ser encontrados na rede Chevrolet como acessórios originais e montados em carros de outras cores também.

04_gm_005_26-10-2018O Cruze, tanto o sedan quanto o hatch, também é ofertado na versão topo de linha LTZ.

Esta configuração soma, entre outros itens, airbags laterais e de cortina, luz de condução diurna em LED, sensor de estacionamento dianteiro, sensor de chuva, sensor crepuscular, abertura das portas por sensor de aproximação na chave e partida por botão no painel.

Conta ainda com acionamento da ignição por controle remoto, retrovisores externos com rebatimento elétrico e aquecimento, retrovisor interno eletrocrômico, multimídia MyLink com tela de 8 polegadas e GPS integrado, além de acabamento cromado para grade e maçanetas externas.

03_gm_003_26-10-2018

06_gm_007_26-10-2018

05_gm_006_26-10-2018

Fotos: General Motors / Divulgação

Outro diferencial é a opção de um pacote tecnológico, que se destaca pelos seguintes itens:

  • Assistente de permanência na faixa
  • Alerta de colisão frontal
  • Alerta de ponto cego
  • Sistema de estacionamento automático
  • Farol alto inteligente
  • Carregador de celular sem fio
  • Banco do motorista com ajustes elétricos

Novo Chery Arrizo 5 chega em novembro

Da Redação

ARRIZO 5 (3)O novo Arrizo 5 marca a entrada da Caoa Chery no mercado de sedans para atrair um novo público: clientes que buscam na tradição deste segmento um veículo sofisticado e com muita personalidade, informou a montadora.

O modelo é o segundo da marca a ser fabricado na planta da Caoa Chery em Jacareí (SP), que teve a produção totalmente adaptada para receber o novo veículo. A produção teve início em outubro e o modelo começa a ser comercializado agora em novembro.

A montadora ainda não divulgou os valores exatos, mas informou que o modelo se situará na faixa entre R$69 mil e R$79 mil.

Para a estreia no Brasil, o modelo contou com o trabalho de um time de engenheiros da marca que promoveu adaptações na motorização, transmissão e suspensão do veículo para atender as necessidades do consumidor brasileiro.

ARRIZO 5 (2)Motor e câmbio – Uma das principais mudanças ocorreu na motorização, que ganhou alimentação bicombustível compatível com a necessidade do mercado nacional.

O motor de 1.5 turbo segue uma tendência global focados no downsizing e eficiência energética, com veículos mais econômicos e menos poluentes, sem perder em desempenho. A potência máxima do propulsor é de 150 cv com etanol e 147 cv com gasolina e torque máximo de  19,4 Kgfm a 5.500 rpm, em ambos combustíveis.

O Arrizo 5 vem equipado com sistema partida frio sem reservatório de gasolina e câmbio automático CVT, que garante um funcionamento suave e linear do motor, sem trancos e oscilações bruscas de rotação, proporcionando uma condução mais confortável, além de contribuir para um baixo consumo de combustível e maior eficiência energética.

Para os motoristas que apreciam a sensação da troca de marchas manual, esse câmbio possibilita até 7 relações simuladas.

ARRIZO 5 (5)Design – O Arrizo 5 tapresenta linhas harmoniosas. Na dianteira, a grade central se une aos faróis com duplo refletor e guia de LED, enquanto as extremidades inferiores destacam as luzes DRL. Nas laterais,  os retrovisores e maçanetas na cor do veículo contribuem para a aparência uniforme do modelo, que se conecta de forma elegante com a traseira.

Assim como o Tiggo 2, o novo modelo também traz a assinatura Arrizo dentro do conjunto óptico do farol.

Conteúdo –  O modelo conta, entre outros, com sistemas keyless e de partida sem chave, computador de bordo para o motorista com tela de 3,5 polegadas e sistema multimídia de 7 polegadas com espelhamento de celular Android Auto e iOS.

ARRIZO 5 (4)No quesito segurança, estão presentes o controle eletrônico de estabilidade e tração, air-bags dianteiros, freio a disco nas quatro rodas com ABS e EBD, sistema Isofix de fixação de cadeirinha e indicador de baixa pressão nos pneus, para as duas versões que estarão disponíveis no mercado.

Quanto ao conforto, direção elétrica, ar-condicionado digital, sensor de estacionamento traseiro e a câmera de ré são os destaques, assim como o espaço interno. O volante, multifuncional, possui regulagem apenas para a altura.

O sedan da Caoa Chery tem distância entre-eixos de 2,65 metros, altura de 1,4o metro, largura de 1,81 metro e 4,53 metros de comprimento. O porta malas é de 430 litros.

O modelo tem três anos de garantia para o veículo completo e cinco anos para motor e câmbio. Ele será ofertado nas cores branca e preta (sólidas) e prata e marrom (metálicas).

ARRIZO 5 (7)Versões – O Arrizo 5 chega ao mercado em duas versões: RX e RXT, que se diferenciam, basicamente, pelos itens de série. Na versão RXT, a topo de linha, o modelo conta com rodas em liga leve de 17 polegadas (na RX são de 16 polegadas), airbags laterais e aviso do cinto de segurança do passageiro, revestimento dos bancos em material sintético que imita o couro com porta revistas, banco traseiro com descansa-braço central, porta-copos e teto solar elétrico.

A expectativa da montadora é vender entre 300 e 400 unidades/mês a partir do próximo ano. A “mira” do novo Arrizo 5 está apontada para o segmento que conta com modelos como o Honda City, o Chevrolet Cobalt, o Fiat Cronos e o VW Virtus.

ARRIZO 5 (8)

Fotos: Caoa Chery / Divulgação

Volkswagen apresenta o mais novo SUV compacto do mercado nacional: T-Cross

José Oswaldo Costa*

de São Paulo (SP)

Volkswagen_T-Cross__2_A Volkswagen realizou, na tarde dessa quarta-feira (25 de outubro), a avant-première do seu mais no utilitário esportivo. O T-Cross, que brigará no segmento de SUVs compactos, será lançado oficialmente no Brasil no 1º semestre de 2019.

O novo modelo chegará para brigar em um dos segmentos mais disputados do mercado nacional e terá como rivais, entre outros, o Jeep Renegade, o Honda HR-V, o Hyundai Creta, o Nissan Kicks e o Ford EcoSport.

A montadora anunciou, que em 2018, até o mês de setembro, comercializou cerca de 349.400 unidades na América Latina. Em comparação com o mesmo período do ano passado, esse número significa um aumento de 10,9% nas suas vendas.

No Brasil, nesse mesmo período, seu crescimento em vendas foi de 34%. Um ótimo desempenho ao verificarmos que o crescimento do nosso mercado foi de 13% no período informado. A aposta da montadora no segmento de SUVs mostra-se acertada tendo em vista que esse mercado específico teve um crescimento, em 2018, de 16%.

Volkswagen_T-Cross__3_A VW informou que, dentro da sua análise de mercado, a previsão é de que, até 2020, de cada 10 veículos vendidos no Brasil, 3 serão utilitários esportivos. Certo é que, em se tratando do mercado nacional, a chegada do T-Cross ocorre com bastante atraso, uma vez que todas as principais concorrentes da VW já possuem um modelo nesse segmento.

Ou seja, o novo SUV terá que brigar bastante para abocanhar sua fatia em um nicho que já tem, por exemplo, Honda HR-V, Jeep Renegade e Nissan Kicks bastante estabelecidos.

O T-Cross foi apresentado globalmente, para a imprensa especializada, em evento inédito que integrou os três continentes onde o modelo será produzido (Europa, Ásia e América) e terá seus principais mercados.

Ele faz parte da estratégia da empresa de oferecer modelos globais com características específicas para atender às necessidades locais de cada região. A versão final do SUV foi revelada, de forma simultânea, em Amsterdam (Holanda), Xangai (China) e São Paulo (Brasil).

Volkswagen_T-Cross__4_“O T-Cross é o primeiro SUV produzido pela Volkswagen no Brasil, que chega para revolucionar os padrões de seu segmento”, afirmou o presidente e CEO da Volkswagen América Latina, Pablo Di Si.

“É um carro global, que traz alterações para o gosto e perfil dos clientes da América Latina, reforçando a nossa estratégia de Regionalização”, explicou Di Si. “O T-Cross que será feito no Brasil traz mudanças em seu design, maior espaço interno e é mais alto que o modelo europeu, além de ser um modelo seguro, conectado e cheio de tecnologia”, concluiu.

O T-Cross para os mercados da América Latina será produzido em São José dos Pinhais (PR) – para isso, a fábrica recebeu R$2 bilhões em investimentos – e faz parte dos cinco novos SUVs a serem lançados pela Volkswagen na região até 2020. O modelo será produzido sobre a plataforma MQB, a mesa utilizada por Polo e Virtus, por exemplo.

Volkswagen_T-Cross_-_Estrategia_Modular_MQB__3_O T-Cross oferecerá itens exclusivos no segmento, informou a VW, como o painel totalmente digital (Active Info Display), seletor de perfil de condução, controle de estabilidade (ESC) de série, bloqueio eletrônico do diferencial, Park Assist 3.0, suporte para celular no painel, quatro entradas USB (inclusive para o banco traseiro), iluminação da cabine em LED e acabamento com apliques no painel.

Também contará com faróis full-LED, seis airbags, saída de ar-condicionado para o banco traseiro e teto solar panorâmico, entre outros recursos.

Volkswagen_T-Cross__11_No Brasil, o T-Cross terá exclusivamente motores TSI, que combinam injeção direta de combustível e turbocompressor. O motor 250 TSI (1.4 turbo) gera potência de até 150 cv (110 kW), com gasolina ou etanol, a 4.500 rpm.

O torque máximo, também com ambos os combustíveis, é de 250 Nm (25,5 kgfm). Esse motor será combinado exclusivamente à transmissão automática de seis marchas com função Tiptronic e aletas (shift paddles) para trocas no volante.

Já o motor 200 TSI (1.0 turbo) desenvolve potência de até 128 cv (94 kW) a 5.500 rpm, com etanol – com gasolina, são 116 cv (85 kW), à mesma rotação. O torque máximo é de 200 Nm (20,4 kgfm), com gasolina ou etanol, sempre na faixa de 2.000 a 3.500 rpm.

Esse motor poderá ser combinado à transmissão manual ou à automática com função Tiptronic (também com as aletas no volante), ambas de seis marchas.

Volkswagen_T-Cross__9_Medidas – O T-Cross mede 4,20 metros de comprimento e 1,57 metro de altura (9 mm mais alto que o T-Cross europeu). A distância entre os eixos do modelo que será produzido no Brasil é maior: 2,65 metros (88 mm a mais do que a distância entre-eixos do T-Cross europeu).

A capacidade do porta-malas do modelo varia entre 373 e 420 litros. O encosto rebatível do banco do passageiro dianteiro oferece ainda mais flexibilidade.

Além de sensores dianteiro e traseiro para estacionamento, o T-Cross também poderá ser equipado com o sistema Park Assist 3.0, que permite o estacionamento autônomo em vagas paralelas e transversais – e agora com a função de freio de manobra.

Volkswagen_T-Cross__14_Design – A parte dianteira destaca-se por sua altura, com uma grade ampla e faróis de LED integrados e diferencia-se do desenho do modelo europeu.

Também responsável por essa altura acentuada é a tampa do compartimento do motor. A região inferior da parte dianteira distingue-se por detalhes como os faróis de neblina.

Todas as versões do T-Cross serão equipadas com luz de condução diurna (DRL) em LED, integrada ao farol de neblina. Haverá oferta de faróis full-LED – neste caso, a luz de condução diurna encontra-se na própria carcaça do farol.

Nas laterais, uma linha característica acentuada divide os espaços. Atrás, ela forma uma seção dos ombros impactante, e assinala na traseira um novo elemento de design da Volkswagen: a faixa de refletores estendida transversalmente na parte traseira e emoldurada por um painel preto.

Volkswagen_T-Cross__16_Serão oito as opções de cores para a carroceria: branco, preto, prata, cinza, vermelho, azul e as novas laranja e bronze – haverá também opção de teto na cor preta, para um visual ainda mais diferenciado e moderno.

O T-Cross também poderá ser equipado com teto solar panorâmico Sky View – dois painéis de vidro que abrangem mais da metade da área do teto do carro (a seção dianteira pode ser aberta eletricamente).

Interior – Um destaque no interior do T-Cross é a iluminação ambiente em LED. Há luzes na região dos pés, no centro do console, no painel e nas maçanetas.

Volkswagen_T-Cross__7_O SUV terá disponível o sistema de som Beats, de alta fidelidade sonora, com sete alto-falantes (incluindo um subwoofer no porta-malas) e potência é de 300W RMS.

O T-Cross inclui, opcionalmente, um sistema multimídia com tela sensível ao toque (touchscreen) de 8 polegadas e o quadro de instrumentos totalmente digital Active Info Display, de última geração. O mesmo que pode equipar Polo e Virtus, por exemplo.

O modelo poderá ser equipado com Seletor do perfil de Condução, para o motorista ajustar a experiência de direção entre os modos normal, ecológico, esportivo ou individual.

Volkswagen_T-Cross__12_Quatro entradas USB (duas na frente, duas atrás) garantem a conexão ideal e energia suficiente para os smartphones. Todas as versões são equipadas, de série, com o suporte para telefone celular localizado no centro do painel, que contará com tomada USB de carregamento rápido.

Assim como o Virtus, o Tiguan Allspace e o novo Jetta, o T-Cross também será o primeiro modelo em seu segmento no Brasil a oferecer o Manual Cognitivo – que usa IBM Watson para responder, ao motorista, questões sobre o veículo, incluindo informações contidas no manual do carro.

Volkswagen_T-Cross__8_Todas as versões serão equipadas de série com ESC – Controle Eletrônico de Estabilidade. O ESC inclui uma série de sistemas de assistência à condução. Entre eles estão:

HHC (Hill Hold Control) ou controle de assistência de partida em rampa – Em aclives acima de 5%, o sistema mantém o veículo freado por até 2 segundos, após o motorista aliviar o pedal do freio. Os freios são liberados progressivamente durante a aceleração, permitindo a partida do veículo com mais conforto e tranquilidade em rampas.

HBA (Hydraulic Brake Assist system) – reconhece a frenagem de emergência por meio da velocidade de acionamento e da pressão aplicada no pedal. Então aumenta ativamente a pressão de freio, que é modulada pela intervenção do ABS. Quando o motorista reduz a pressão no pedal de freio ou ocorrer redução da velocidade do veículo abaixo de um limite mínimo, ocorre o fim da assistência de frenagem.

EDS (Elektronische Differenzialsperre ou bloqueio eletrônico do diferencial) – Em trilhas, ou em situação de baixa tração em uma das rodas motrizes, o bloqueio eletrônico do diferencial aciona o freio da roda com menor tração, transferindo o torque para a roda com maior tração, proporcionando assim melhor eficiência à saída do veículo.

Esse sistema de “tração inteligente” funciona de forma automática, sem necessidade de o motorista acionar um botão no painel. Além disso, o sistema atua em curvas e em velocidade de até 80 km/h.

XDS+ (bloqueio eletrônico do diferencial), uma exclusividade no segmento. Função integrada ao controle eletrônico de estabilidade (ESC), o XDS+ melhora o comportamento dinâmico do carro. Esse sistema aumenta a agilidade e diminui a necessidade de movimentação do volante por meio de intervenções seletivas nos freios das rodas internas às curvas nos dois eixos e permitindo uma transferência do torque disponível do motor para as rodas externas.

Além disso, o XDS+ funciona com quaisquer condições de aderência do piso. Isso resulta em uma dirigibilidade mais precisa, com mais tração e agilidade nas curvas.

RKA+ (monitoramento da pressão dos pneus), sistema que monitora a pressão dos pneus e colabora para maior segurança. O recurso funciona por meio dos sensores que monitoram o modo de vibração e frequência dos pneus, detectando se houve perda de pressão em um ou mais pneus.

Entre os outros recursos de assistência à condução também estarão o sistema de Frenagem Automática Pós-Colisão (aciona automaticamente os freios do veículo em caso de acidente) e o Detector de Fadiga (detecta a perda de concentração do motorista e o sistema recomenda uma pausa para descanso).

O detector de fadiga analisa a forma como o motorista dirige e compara com os 15 primeiros minutos de direção. Caso detecte desvio no comportamento ao volante, o equipamento emite um alerta, sugerindo uma parada para descansar e tomar um café.

Volkswagen_T-Cross__15_O T-Cross terá configuração dianteira independente tipo McPherson e interdependente na traseira, com eixo de torção.

Trará pneus “verdes”, de baixa resistência ao rolamento, que colaboram para a redução no consumo de combustível – sem deixar de lado a performance dinâmica (dirigibilidade e frenagens). Serão duas medidas disponíveis: 205/60 R16 e 205/55 R17.

O modelo terá freios a disco nas quatro rodas como item de série. Os discos terão 276 mm de diâmetro nas rodas dianteiras e 230 mm de diâmetro nas rodas traseiras.

Volkswagen_T-Cross__13_

Fotos: Volkswagen / Divulgação

*o jornalista viajou à convite da Volkswagen

**com informações da VW

O policial era fanático pelo Monza. Tinha um hatch, mas não era um SR 1.8 como aquele…

Chico Lelis*

MEU LOGO

Corria o ano de 1986 e lá ia eu, correndo, mas dentro do permitido, para o Rio de Janeiro, levando um SR 1.8, vermelho, com sua aparência esportiva que causava admiração e realmente impressionava. Todo mundo olhava. Ele era realmente atraente.

Era gerente de Imprensa da GM e estava indo ao Rio, levando o carro para testes dos jornalistas cariocas, entre eles, Waldyr Figueiredo, Jader Vieira, João Mendes, Ivan de Oliveira…

Quando cheguei ao Posto da Polícia Rodoviária Federal, próximo à entrada de Penedo e Visconde de Mauá, (ainda se cruzava a pista, parando no acostamento), vi o policial me fazendo sinal para parar.

Como estava dentro da velocidade permitida, não me preocupei. Parei e busquei os documentos para apresentar ao homem da lei.

– Não precisa senhor. Eu só o parei para ver o  carro, esta maravilha. Olha só que coisa linda, adorei esta cor. Eu tenho um, mas não é SR como este. Motor de 106 cavalos, né? Pneu serie 60 e não 70 como o meu. E este banco Recaro, são bons mesmo?

Diante de tamanha “paixão” pelo SR, saí do carro e disse que ele podia entrar. Como um garoto que acaba de ganhar um presente ele não pensou duas vezes e entrou no Monza, ajustou o banco, colocou o cinto, pegou no volante e, visivelmente, se emocionou.

– Dê na partida, disse a ele.

Reação imediata e o ronco do motor foi ouvido.

Sugeri que ele desse uma volta, mas ele não caiu na tentação, explicando que não poderia fazer aquilo, apesar de estar “morrendo de vontade”.

Monza SR foto GM

Fotos: General Motors / Divulgação (responsabilidade do editor da Coluna)

Pode “pisar” à vontade

Vagarosamente o policial saiu do SR, como se tivesse se afastando de algo muito precioso para ele. E devia ser mesmo, pelas suas reações.

Estendeu a mão, agradeceu a oportunidade de conhecer o carro por dentro E me pediu:

– Por favor, quando o senhor sair, pode pisar fundo no acelerador? Quero ouvir os pneus cantando no asfalto. Pode ir tranquilo que eu seguro aqui qualquer carro que venha.

E me encantou com um aviso:

– Pode abusar deste motorzão aí porque, daqui até o Rio, hoje não tem nenhum comando. Acelera tranquilo!

E lá fui eu, cantando pneu. (Pena, ele não passava de 170 km/h).

índice

*chicolelis – chicolelis@gmail.com – Jornalista com passagens pelos jornais A Tribuna  (Santos), O Globo e Diário do Comércio. Foi assessor de Imprensa na Ford, Goodyear e, durante 18 anos, gerenciou o Departamento de Imprensa da General Motors do Brasil. Assina a coluna “Além do Carro”, na revista Carro, onde mostra ações do setor automotivo nos campos social e ambiental.

Apoio

LOGO TOYOTA COLUNA

Linha 2019 do Jeep Renegade recebe tela maior para o sistema multimídia

José Oswaldo Costa*

de Salvador (BA)

Jeep Renegade 2019 - 11O ano passado  terminou com o Jeep Compass na liderança de vendas entre todos os utilitários esportivos. Em 2017, o SUV médio emplacou 49.187 unidades. Na segunda colocação ficou o Honda HR-V com suas 47.775 unidades e a liderança entre os SUVs compactos.

Em terceiro lugar ficou o Hyundai Creta, que vendeu, ao longo de 2017, 41.625 unidades. Na quarta posição, outro modelo da Jeep, o compacto Renegade. O modelo teve 38.334 unidades comercializadas.

Este ano, até o dia de hoje (23 de outubro), o Jeep Compass mantém a liderança, tendo vendido 48.249 unidades. O Honda HR-V também continua com a 2ª colocação, emplacando 38.143 unidades. Também não houve mudança na 3ª posição, ainda ocupada pelo Hyundai Creta: 37.199 unidades.

A mudança que ocorreu, até o dia de hoje, foi na 4ª colocação do ranking de vendas dos utilitários esportivos. Agora ela é ocupada pelo Nissan Kicks, com 36.689 unidades vendidas. Ou seja, o modelo japonês empurrou o Jeep Renegade para a 5ª colocação atual: 35.571 unidades.

O Jeep Renegade chegou, oficialmente, no mercado nacional em abril de 2015. Agora, o modelo entra na linha 2019 trazendo pequenas mudanças, mas bastante solicitadas pelo mercado, como o aumento da tela da central multimídia.

Jeep Renegade 2019 - 1Design – A dianteira exibe a grade com um redesenho nas tradicionais sete fendas, um pouco mais baixas. Nas versões Limited e Trailhawk, os faróis agora são de LED, tanto os principais quanto os de neblina, bem como as luzes diurnas (DRL).

Esse conjunto de iluminação, com alcance mais de 50% superior ao padrão atual (de lâmpadas halógenas), também está disponível como opcional nas versões Longitude.

Nas versões com motor bicombustível, outra novidade é o para-choque dianteiro, que proporciona ao modelo um dos mais amplos ângulos de ataque da categoria, de até 28° (os números são ainda melhores nas opções diesel, chegando a 30º).

As rodas em liga-leve foram redesenhadas e o destaque fica para a versão Limited, que recebeu rodas de 19 polegadas. Além dessa medida ser uma novidade para o segmento, o cliente tem a opção de que elas venham na cor da carroceria.

Jeep Renegade 2019 - 12

Jeep Renegade 2019 - 13Quando o Renegade Limited é cinza, os contornos das aberturas da grade dianteira e as rodas são grafite. Se o veículo é na cor marrom (disponível apenas nesta versão), tais detalhes ostentam acabamento bronze, com a grade grafite.

Nas demais tonalidades do Renegade Limited, a grade, as rodas e outros pontos são em prata acetinado. Há duas novas cores: azul e prata, esta exclusiva para a versão Longitude.

Conectividade – A partir das versões Longitude, o Renegade 2019 passa a contar com a maior tela multimídia da categoria, de 8,4 polegadas. Ela faz parte do mesmo sistema Uconnect aplicado no “irmão maior” Compass.

Dessa forma, é possível parear o smartphone por meio das interfaces Android Auto e Apple Car Play, para acessar pelo monitor do veículo aplicativos de navegação, como Google Maps e Waze e de música, a exemplo do Spotify e Deezer.

Jeep Renegade 2019 - 5O multimídia permite, ainda, acessar as funções do ar-condicionado remotamente, por toques no monitor ou por comandos de voz. Por sinal, o tempo de resfriamento da cabine, em qualquer versão, ficou 20% mais rápido, graças a melhorias no sistema, informou a montadora.

Nas configurações Sport 1.8 Flex, com câmbio manual ou automático, o Renegade tem de série o Uconnect com tela de 5 polegadas sensível ao toque e câmera de ré incorporada. A segunda entrada USB, que ficava dentro do porta-objetos central, agora está voltada para os passageiros traseiros.

Traseira – Atrás, a tampa traseira ganhou uma maçaneta externa, que torna a abertura mais fácil e ergonômica. Ao fazer isso, é possível conferir que, agora, o porta-malas de todas as versões comporta 320 litros.

Jeep Renegade 2019 - 2São 47 litros extras, obtidos com a adoção do estepe temporário – que as opções Flex já haviam recebido no início deste ano. A exceção é o Trailhawk, que manteve o estepe full size por conta de sua vocação maior para o fora de estrada.

Interior – Os comandos do ar-condicionado são novos, bem como os porta-objetos, mais numerosos e espaçosos. Tanto o que fica à frente da alavanca do câmbio quanto o posicionado entre as poltronas, onde se abriu um novo nicho, para acomodar itens como um telefone celular.

Nas versões diesel, o botão giratório do Selec-Terrain (sistema 4×4) subiu um pouco para gerar mais amplitude na área ao redor.

Jeep Renegade 2019 - 4

Jeep Renegade 2019 - 8

Jeep Renegade 2019 - 6Todas as versões do Jeep Renegade 2019 são equipadas com controles de estabilidade (ESC) e de tração, suspensão independente nas quatro rodas, freio de estacionamento eletrônico, tela multifuncional no quadro de instrumentos e rodas de liga leve, entre outros destaques.

Jeep Renegade 2019 - 3Fotos:  FCA (Fiat Chrysler Automóveis Brasil) / Divulgação

Confira, abaixo, um resumo dos novos itens que passaram a ser de série em cada versão:

1.8 Flex (automático de 6 marchas / PCD) – rodas de liga leve de 16 polegadas;

Sport 1.8 Flex (manual de 5 marchas e automático de 6 marchas) – sistema multimídia Uconnect com tela de toque de 5 polegadas, câmera de ré e novas rodas de liga leve de 17 polegadas (somente com câmbio automático);

Longitude 1.8 Flex (automático de 6 marchas) e 2.0 Diesel 4×4 (automático de 9 marchas) – sistema multimídia Uconnect com tela de toque de 8,4 polegadas, compatível com interfaces Android Auto e Apple Car Play, controle do ar-condicionado pelo monitor ou comandos de voz e novas rodas de liga leve de 18 polegadas;

Limited 1.8 Flex (automático de 6 marchas) – faróis principais e de neblina de LED, luzes diurnas de LED, dois airbags laterais, dois de cortina e um para os joelhos do motorista, sistema multimídia Uconnect com tela de toque de 8,4 polegadas, compatível com interfaces Android Auto e Apple Car Play, controle do ar-condicionado pelo monitor ou comandos de voz e novas rodas de liga leve de 19 polegadas;

Trailhawk 2.0 Diesel 4×4 (automático de 9 marchas) – faróis principais e de neblina de LED, luzes diurnas de LED, sistema multimídia Uconnect com tela de toque de 8,4 polegadas, compatível com interfaces Android Auto e Apple Car Play, controle do ar-condicionado pelo monitor ou comandos de voz e novas rodas de liga leve de 17 polegadas.

Preços da linha 2019 do Jeep Renegade:

1.8 Flex (automático de 6 marchas / exclusivo para PCD) – R$69,99 mil

Sport 1.8 Flex (manual de 5 marchas) – R$78,49 mil

Sport 1.8 Flex (automático de 6 marchas) – R$83,99 mil

Longitude 1.8 Flex (automático de 6 marchas) – R$96,99 mil

Limited 1.8 Flex (automático de 6 marchas) – R$103,49 mil

Longitude 2.0 Diesel 4×4 (automático de 9 marchas) – R$125,49 mil

Trailhawk 2.0 Diesel 4×4 (automático de 9 marchas) – R$136,39 mil

*o jornalista viajou à convite da FCA

**com informações da FCA

McLaren Senna já desembarcou no Brasil para o Salão do Automóvel de SP

Da Redação

McLaren Senna de frente estática no autódromoO superesportivo McLaren Senna já chegou ao Brasil e desembarcou, no Porto de Santos (SP), no fim de semana. O modelo de rua mais radical, ousado e completo produzido, até hoje, pela fábrica inglesa tem tudo para ser a principal atração do Salão do Automóvel de São Paulo 2018.

Na cor atraente Delta Red, a máquina vai estar exposta entre os dias 8 e 18 de novembro no estande da marca Senna, montado na área Vip Dream Lounge do evento. Pela primeira vez, o público brasileiro e os fãs do piloto Ayrton Senna poderão ver de perto um dos veículos mais potentes, rápidos e com melhor aerodinâmica do mundo.

Mclaren Senna cor Delta Red de traseira no Autódromo de EstorilAlém do exclusivo esportivo que acaba de desembarcar no Brasil, a marca Senna vai expor, também, no salão o carro de corrida de Fórmula 1 MP4/6, que foi utilizado pelo piloto, em 1991, quando ele conquistou a sua primeira vitória no Grande Prêmio do Brasil, em Interlagos.

“O McLaren Senna foi escolhido a dedo para representar a marca Senna na categoria de superesportivos. Estamos muito felizes de poder trazer este carro ao Brasil para que os fanáticos por carro e os fãs de Ayrton Senna possam vê-lo mais de pertinho. Durante todo este ano fizemos eventos para mostrar o carro ao redor do mundo, e o Salão do Automóvel não poderia faltar”, afirmou Bianca Senna, CEO responsável pela marca Senna.

McLaren Senna de frente no depósitoAs 500 unidades que estão sendo produzidas na McLaren Automotive, em Woking, na Inglaterra, foram imediatamente comercializadas. Três delas para o mercado brasileiro e por, aproximadamente, R$8 milhões cada uma. A primeira delas deve chegar ao País até o final do primeiro semestre do ano que vem.

O novo McLaren Senna é o carro de estrada mais rápido de toda a história da McLaren: atinge velocidade máxima de 340 km/h e acelera de 0 a 200 km/h em apenas 6,8 segundos. Faz de 0 a 100 km/h em excepcionais 2,8 segundos, informou a marca.

McLaren Senna de lateral no portoEste desempenho é proporcionado pelo motor V8 bi-turbo, de 4 litros, com 800 cv de potência máxima (a maior entre todos os modelos de rua da marca) e 800 Nm de torque, sendo 700 Nm disponíveis a apenas 3.000 rpm.

Outra tecnologia avançada do superesportivo está em sua aerodinâmica de chassi proporcionada pela combinação da suspensão desenvolvida para o McLaren P1 com a mais recente criação de controle denominada RaceActive Chassis Control II (RCC II).

McLaren Senna de traseiraO sistema de suspensão de última geração foi projetado para gerar e gerenciar incríveis cargas aerodinâmicas e criar um desempenho de pista sem concessões.

O RCC II permite que o McLaren Senna seja conduzido na estrada com relativo conforto; no entanto, selecione o modo Race e o superesportivo pode oferecer uma volta verdadeiramente incrível, com níveis de downforce nunca antes vistos em um carro de estrada, e rigidez de rolamento que é comparável a um carro de corrida com especificação GT3.

McLaren Senna sendo vistoriada após saida do contêinerAlém da exclusiva suspensão, o McLaren Senna tem outros elementos aerodinâmicos ativos, incluindo a gigantesco aerofólio traseiro duplo controlado por um sistema hidráulico.

Sua atuação lembra a asa de um carro de Fórmula 1, já que ele se reposiciona constantemente para aumentar o nível de pressão aerodinâmica, além de atuar como freio aerodinâmico em velocidades altas. Todas as tomadas de ar são funcionais, inclusive aquelas presentes abaixo dos faróis e das lanternas.

McLaren Senna ainda dentro do contêiner em sua chegada para vistoriaO McLaren Senna produz até 800 kg de downforce – 200 kg a mais que o McLaren P1 – e os flaps dianteiros e a asa traseira ativos são fundamentais para desbloquear esse desempenho aerodinâmico.

O inovador aerofólio ativo aproveita o fluxo de ar, otimiza o equilíbrio do veículo e mantém a janela aerodinâmica o mais ampla possível. Isso abre o potencial do McLaren Senna e permite que o motorista se aproxime cada vez mais dos limites do carro.

McLaren Senna cor Delta Red de frente em movimento

Fotos: SENNA / Divulgação

As frenagens também são poderosas. O veículo percorre apenas 100 metros de distância vindo à velocidade de 240 km/h – graças ao sistema de freios mais moderno já instalado em um esportivo de via pública da McLaren.

O sistema utiliza tecnologia de corrida com discos de cerâmica de carbono que a, cada geração, demoram cerca de sete meses a serem criados (sete vezes mais do que um disco de cerâmica de carbono convencional).

As pinças dianteiras inspiradas na Fórmula 1 apresentam um design monobloco super-rígido e seis pistões ventilados para reduzir as temperaturas. Um servo-freio usado no McLaren P1 GTR, somente para pista, melhora a modulação e a consistência do pedal.

Colaboram também os pneus especiais Pirelli P Zero Trofeo R 245/35 ZR 19 na frente e 315/30 ZR 20 na traseira, que envolvem as rodas de alumínio ultraleves com uma porca central – como em um carro de competição.