Harley-Davidson apresenta dois conceitos elétricos leves nos X Games de Aspen

Da Redação

hd-electric-concept-1.1

hd-electric-concept-2.1

Fotos: Harley-Davidson / Divulgação

A Harley-Davidson introduziu dois novos conceitos elétricos, mostrando a emoção e o estilo do futuro, no X Games Aspen 2019.

Seguindo a LiveWire, motocicleta elétrica revelada recentemente, esses dois conceitos visam um novo capítulo eletrificado da história da Harley-Davidson que continuará com abordagens inovadoras de transporte e tecnologia, envolvidas em estilo e design surpreendentes.

O próximo portfólio elétrico contará com um espectro de modelos e preços.

Como parte do movimento para um futuro diferente, esses conceitos exploram o potencial da mobilidade urbana e da adoção de duas rodas.

Ambos trazem o conhecimento da Harley-Davidson em experiências expressivas sobre duas rodas e ampliam fronteiras em design e tecnologia.

  • Atrair novos pilotos: O objetivo desses conceitos é não exigir uma habilitação de motocicleta para operar e apresentar o modo de operação twist and go (é só girar o acelerador e ir); diminuindo a curva de aprendizagem e expandindo a oportunidade para pilotos experientes e iniciantes em todo o processo.
  • A experiência de pilotagem: Com um público-alvo específico para cada conceito, agilidade e manobrabilidade estão no centro de sua experiência de pilotagem e facilidade de uso. Combinado com motorizações elétricas que proporcionam aceleração instantânea, o objetivo é oferecer uma experiência de condução indescritível que acrescente momentos emocionantes ao seu dia a dia.
  • O design da bateria: Foi feito intencionalmente para ser removível e permitir que seja carregada até um apartamento, ou espaço de escritório, para realizar a carga usando uma estação de carregamento que se conecta a qualquer tomada doméstica padrão.

Em 2018, a empresa anunciou a estratégia More Roads to Harley-Davidson, acelerando o plano de crescimento. O plano inclui iniciativas para entregar novos produtos em segmentos adicionais de motocicletas, criar acesso mais amplo e fortalecer a rede de concessionários H-D.

Ele também proclama que a Harley-Davidson vai liderar a eletrificação do motociclismo. Esses dois novos conceitos são manifestações dessa visão e, juntamente com a produção da motocicleta LiveWire, apontam para um amplo portfólio de veículos elétricos de duas rodas destinados a estabelecer a empresa como líder na eletrificação da mobilidade nos próximos anos e inspirar novos pilotos com novas maneiras de pilotar.

Assista aos vídeos dos conceitos elétricos em ação:

 

Mitos e verdades sobre amortecedores

Da Redação

Itens de segurança necessitam de atenção especial por parte dos proprietários de veículos. E os amortecedores fazem parte desse rol de componentes, sendo responsáveis por controlar a movimentação das molas da suspensão e manter os pneus em contato permanente com o solo.

Desse modo, a peça assegura estabilidade, boa dirigibilidade e conforto aos passageiros. Contudo, nem todos os motoristas sabem como cuidar corretamente da suspensão, ou já ouviram muitas informações desencontradas.

Para auxiliá-los, a Monroe, empresa líder no desenvolvimento e fabricação de amortecedores, lista alguns mitos e verdades.

mitoseverdadesDeve-se passar por lombadas na diagonal

Mito. Embora a recomendação seja comum, ao passar por lombadas ou valetas na diagonal, esse deslocamento gera forças laterais na movimentação dos componentes, podendo acarretar folgas excessivas, ruídos, empenamentos e, em situações mais graves, o travamento total das peças. Para preservar os amortecedores e a suspensão, o correto é passar com o veículo em linha reta.

Prazo de troca a cada 40 mil km rodados

Mito. “Algumas pessoas tendem a esperar o prazo de 40 mil km rodados para realizar a manutenção dos amortecedores. Porém, o desgaste será maior em carros que rodam sempre por vias mal pavimentadas ou em condições severas de uso, como táxis e veículos de transporte”, afirma Juliano Caretta, Supervisor de Treinamento Técnico da Tenneco. Nesses casos, a revisão deve ser feita, periodicamente, no máximo a cada 10 mil km, ou conforme recomendação da montadora.

Trocar os amortecedores sempre aos pares  

Verdade. Ao trocar apenas um amortecedor, utilizando uma peça nova e outra usada, haverá um desequilíbrio, capaz de prejudicar a dirigibilidade do veículo. Como resultado, o motorista notará perda de eficiência. O ideal é substituir sempre os pares em cada eixo ou, se possível, realizar a manutenção de todo o conjunto.

Peças recondicionadas têm a mesma eficiência

Mito. Peças recondicionadas não passam pelo mesmo processo de produção, que garante a qualidade e a segurança. Em geral, elas recebem apenas nova pintura e melhorias estéticas, além de utilizarem lubrificante diferente do recomendado. Por isso, podem apresentar eficiência bem menor quando comparadas às peças originais. A orientação é usar sempre amortecedores novos e desconfiar de preços muito baixos.

imagen_4_10_pag3_1Maior desgaste leva a menor conforto dentro do carro

Verdade. Amortecedores em más condições causam balanços e trepidações excessivas, dificultando as manobras. “Testes realizados pela Monroe apontam que um equipamento com 50% de desgaste eleva em 26% o cansaço do motorista, o que pode causar acidentes graves”, alerta Caretta.

Amortecedor em mau estado causa aquaplanagem

Verdade. Um conjunto em mau estado não garante contato permanente entre os pneus e o solo. Em dias chuvosos, isso permite a formação de uma camada de água entre eles, processo conhecido como aquaplanagem. Testes realizados pela Monroe apontam que amortecedores com 50% de desgaste começam a aquaplanar a velocidades a partir de 109 km/h, enquanto amortecedores novos podem perder aderência somente ao ultrapassar os 125 km/h.

Problema na suspensão aumenta a distância de frenagem

Verdade. A frenagem tem relação direta com o estado de conservação da suspensão. Testes realizados pela Monroe comprovam que amortecedores com 50% de desgaste aumentam a distância de frenagem em até 2,6 metros, a uma velocidade de 80 km/h.

distancia frenagem

Imagens: Divulgação / Monroe

Amortecedores desgastados interferem em outros componentes

Verdade. Muitos motoristas acreditam que o estado dos amortecedores não interfere nos demais componentes do veículo. Como o trabalho da suspensão é resultado da ação de vários componentes diferentes, quando um deles se desgasta, acaba sobrecarregando os outros.

Sistema de iluminação pode provocar acidentes

Verdade. O balanço excessivo causado pelos componentes desgastados produz oscilações no feixe de luz dos faróis, podendo ofuscar a visão dos condutores que trafegam em sentido oposto e provocar acidentes.

Maresia e amortecedores não têm relação

Mito. A maresia ocasiona oxidação e corrosão na lataria e em peças de metal, como a suspensão. Para evitar este problema, ao retornar do litoral, o automóvel deve ser lavado no mesmo dia ou o mais breve possível. A lavagem precisa ser feita com shampoo automotivo, ou água e sabão neutro, incluindo a parte inferior do veículo.

Blindagem requer cuidado extra

Verdade. A blindagem, conforme os níveis disponíveis, acrescenta até 250 kg ao peso do veículo, aumentando o esforço e, consequentemente, o desgaste de componentes como os amortecedores. Como não há peças específicas para esses automóveis, a Monroe recomenda fazer revisões periódicas no sistema, no máximo, a cada 10 mil km rodados.

Peso não interfere

Mito. Ao viajar, é comum colocar todas as malas e passageiros no veículo, sem atenção ao limite de carga do modelo. Extrapolar esse limite, descrito no manual da montadora, compromete a dirigibilidade e o conforto, colocando todos os ocupantes em perigo. Tenha cuidado ao distribuir o peso de forma igualitária no porta-malas, evitando diferenças de altura entre os lados da suspensão.

Barro ressecado compromete a suspensão

Verdade. Depois de rodar por estradas de terra ou enlameadas, é preciso lavar o veículo, principalmente na parte inferior. Sujeiras e detritos, como o barro ressecado, comprometem o funcionamento dos amortecedores caso entrem em contato com a haste ou retentor da peça.

BMW do Brasil anuncia o recall de 33 veículos importados

Da Redação

A BMW do Brasil está convocando os proprietários de modelos BMW M4 Coupé, M4 GTS e M3 Sedan, fabricados entre 30 de junho de 2016 e 26 de setembro de 2016, a entrar em contato com uma concessionária autorizada BMW para efetuar o agendamento da substituição do eixo cardã traseiro de fibra de carbono. A troca da peça é gratuita.

O procedimento se faz necessário uma vez que foi verificado que, devido a pouca resistência do material utilizado no dispositivo de acoplamento do eixo cardã ao diferencial traseiro, pode haver desprendimento da peça, impedindo a transmissão da força do motor para as rodas, causando a perda de tração do veículo.

Caso esta falha ocorra, não se descarta a possibilidade de ocorrência de danos físicos e materiais aos ocupantes dos veículos e a terceiros.

A BMW do Brasil destaca que, até o presente momento, não teve conhecimento de acidentes relacionados ao objeto desta campanha de recall.

Desde que tomou conhecimento sobre o recall, a BMW vem tomando as providências necessárias para agilizar ao máximo a obtenção de todas as informações necessárias junto à BMW AG para a realização dos reparos dos veículos afetados.

A campanha envolve 33 veículos BMW importados.

Os códigos de chassis, não sequenciais, afetados são:

MODELO CHASSI
M4 Coupé WBS3R9103HK863535
M4 GTS WBS4S9100HK576968
M3 Sedan WBS8M9107H5F94459
WBS8M9109H5F94544
WBS8M9104H5F94595
WBS8M9103H5F94653
WBS8M9108H5F94678
WBS8M9104H5F94693
WBS8M910XH5F94696
WBS8M9104H5F94726
WBS8M9105H5F94329
WBS8M9109H5F94334
WBS8M9109H5F94527
WBS8M9105H5F94640
WBS8M9104H5F94788
WBS8M9104H5F94371
WBS8M9109H5F94530
WBS8M9103H5F94572
WBS8M9100H5F94335
WBS8M9106H5F94467
WBS8M9104H5F94466
WBS8M9101H5F94604
WBS8M9106H5F94694
WBS8M9104H5F94368
WBS8M9106H5F94582
WBS8M9101H5F94652
WBS8M9102H5F94451
WBS8M9104H5F94452
WBS8M9104H5F94578
WBS8M9109H5F94608
WBS8M9105H5F94654
WBS8M9104H5F94659
WBS8M9103H5F94796

Os atendimentos podem ser agendados a partir do dia 31 de janeiro e os serviços de verificação e substituição do componente têm duração estimada de 2h.

Para obter outras informações sobre o recall, o cliente pode acessar o site www.bmw.com.br/recall ou www.mini.com.br/recall.

Também pode entrar em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente BMW, exclusivo para recall, no 0800 019 7097, de 2ª a 6ª feira, das 8h às 19h.

JAC surpreende e anuncia a pré-venda de um SUV 100% elétrico no País

Da Redação

De acordo com a montadora, primeiras unidades serão entregues ainda no 1º semestre

iev 40_1A JAC Motors está lançando o iEV 40, primeiro modelo com propulsão 100% elétrica da marca no Brasil. Trazido da China, mercado que representa mais da metade de todos os modelos elétricos do mundo, o JAC iEV 40 foi responsável pela venda de 43 mil unidades em 2018 naquele país, informou a montadora.

Esse volume é maior, por exemplo, do que o do campeão de vendas do mercado europeu no ano passado, que não passou de 40 mil unidades vendidas.

Para ser vendido por aqui, o Grupo SHC, representante da JAC Motors no Brasil, escolheu, entre diversas configurações de capacidade de carga de bateria e equipamentos a mais completa, a mais equipada e a de maior autonomia.

iev 40_2O preço anunciado é R$139,99 mil e a pré-venda começou hoje (25/01), em toda a rede JAC Motors. As primeiras unidades chegarão às mãos dos compradores ainda no 1º semestre.

 “O JAC iEV 40 terá todos os equipamentos que um carro desta faixa de preços pode ter. O grande trunfo do modelo será o sistema de propulsão elétrica, que é extremamente silencioso e econômico, proporciona emissão zero de poluentes e necessita de somente 8 horas para ser recarregado numa tomada comum de 220 volts”, garantiu Sergio Habib, presidente do Grupo SHC e da JAC Motors Brasil.

Dotado de bateria que acumula capacidade máxima de 40 kWh, o JAC iEV 40 tem autonomia de 300 km (segundo a JAC, o modelo acelera de 0 a 100 km/h em 11 segundos), de acordo com o ciclo europeu (NEDC). Para recarregá-lo, o proprietário irá conectá-lo a uma tomada elétrica de 220 volts e aguardará 8 horas.

iev 40_7Mas há a opção de “abastecê-lo” no modo rápido: o proprietário obterá 80% da carga em apenas 1 hora, desde que se adquira um equipamento próprio para esse fim.

O consumo é equivalente ao de um chuveiro elétrico de boa qualidade, de acordo com a JAC. “Encher o tanque” – na verdade, recarregar a bateria – custa entre R$14,00 e R$18,00, dependendo do custo da energia elétrica de cada cidade e permite rodar 300 km de acordo com a norma NEDC.

Diante da comparação com qualquer modelo movido a motor por combustão (gasolina ou etanol), o JAC iEV 40 tem um custo seis vezes menor por km rodado, além de preservar o meio ambiente com emissão zero de poluentes.

iev 40_8O SUV é equipado com freios regenerativos, que garantem a recuperação da energia capturada nas frenagens e sua conversão em eletricidade (recarregando as baterias e aumentando a autonomia instantânea).

Já o alerta sonoro para pedestres consiste em “anunciar” a presença do carro no trânsito, com um cuidado especial em favor de deficientes auditivos e visuais.

Por fim, o i-pedal, que, ajustado pelo motorista, pode intensificar a ação do “freio-motor”. Funciona assim: quando regulado para o modo ECO, o motorista praticamente não usa mais o pedal de freio. Cada vez que ele tirar o pé do acelerador, o carro já diminui instantaneamente a velocidade, poupando todo o conjunto de freios e até triplicando a vida útil de pastilhas e discos.

iev 40_4Com 5 anos de garantia total, incluindo as baterias, o JAC iEV 40 vai oferecer diversas outras vantagens ao seu proprietário, como o pagamento do IPVA reduzido ou até mesmo um “passe livre” em cidades que adotam o rodízio urbano de veículos, como São Paulo.

Ele é equipado, entre outros, com freios ABS, EBD, TPMS, assistente de partida em rampa, ar-condicionado com função automática, rodas de liga e kit multimídia com tela de 8 polegadas.

No pacote tecnológico exibido pelo modelo, há a possibilidade de monitoramento do veículo por telemetria. “A JAC Motors terá uma central de atendimento para realizar diversas assistências à distância ao cliente. A central acompanha sua localização (mediante autorização do usuário) evitando totalmente o furto do seu iEV40. Além disso, nossa central monitora o nível da carga da bateria orientando o motorista quando estiver abaixo do recomendável”, explicou Habib.

iev 40_3

Fotos: JAC Motors / Divulgação

Um aplicativo exclusivo do JAC iEV 40 para smartphone possibilita ao motorista a verificação da porcentagem de carga da bateria, autonomia, situação de recarga durante o carregamento, além do sistema de rastreamento e telemetria com diagnóstico à distância.

O dispositivo torna possível o controle elétrico dos vidros, a abertura das portas e o acionamento do ar condicionado: um carro na palma da sua mão.

Em evento local, Nissan apresenta a Frontier 2019

Amintas Vidal*

de Nova Lima (MG)

Novas versões são algumas das novidades da picape que passa a ser produzida em Córdoba, na Argentina

Nissan Frontier Attack e LEA 12ª geração da Frontier foi lançada no Brasil em março de 2017. Inicialmente importada do México na versão de topo de linha LE, e depois oferecida na intermediária SE, ela não conseguiu brigar com suas concorrentes, apesar de oferecer conjunto mecânico e de equipamentos igual ou superior aos das suas adversárias.

No fim de 2018, a Nissan inaugurou sua planta em Córdoba, Argentina, na qual produz não só a Frontier, como também as picapes Renault Alaskan e Mercedes Benz Classe X. O projeto do modelo, sofisticado ao ponto de representar até uma marca premium, como a alemã, passou por aprimoramentos ao ser adaptado à nova linha de montagem e foi lançado, nessa semana, em evento local, para os jornalistas de Minas Gerais.

Buscando tornar-se mais competitiva, a linha Frontier 2019 passa a contar com quatro versões, entre elas, a volta da Attack, variante que existiu na 10ª e 11ª gerações.

Todas as versões têm cabine dupla e tração 4×4. As LE, XE e Attack são equipadas com o motor diesel 2.316V biturbo que desenvolve 190 cv e transmissão automática de 7 velocidades que oferece trocas de marchas no modo sequencial através da alavanca de câmbio.

Nissan Frontier AttackJá na versão de entra, a S, este mesmo motor foi simplificado visando maior economia de combustível. Ele conta com apenas uma turbina, reduzindo sua potência para 160 cv, e está acoplado a um câmbio manual com 6 marchas.

A versão LE 4×4 recebeu diversos equipamentos e teve seu preço elevado para R$193,29 mil. A XE 4×4 incorporou a lista de equipamentos que eram da LE, assim como o seu preço: R$172,88 mil. A versão Attack 4×4 substitui a SE e também manteve seu preço, R$153,59 mil. Por fim, a inédita versão voltada para o trabalho, S 4×4 (manula), foi tabelada em R$136,19 mil.

Sem definir especificamente todos os itens de série para cada versão, a equipe de comunicação da Nissan focou a apresentação nos aprimoramentos do produto e nos novos equipamentos tecnológicos incorporados, em sua maioria, à versão LE, topo de linha.

O principal deles é o novo sistema de visão 360°, uma evolução do já disponível para o utilitário Kicks. Além de funcionar durante manobras de estacionamento, agora o sistema pode ser acionado quando o carro já estiver parado para monitorar a circulação ao redor do mesmo, ampliando o seu uso.

Nissan Frontier AttackEm cidades o sistema auxilia em entradas e saídas de garagens e de vagas paralelas e perpendiculares. Em estradas precárias, as imagens do piso permitem traspor passagens difíceis como mata-burros, pontes estreitas ou mesmo erosões em trilhas.

Outro recurso do sistema é a detecção de movimento na parte traseira que pode alertar o motorista para a presença de veículos, animais ou pessoas que ainda não tenham entrado no campo de visão da câmera posterior.

Também se destaca na versão a nova central multimídia A-IVI com tela de 8 polegadas e alta resolução. Além da possibilidade de espelhamento através dos aplicativos Android e iOS, pareamento simultâneo de smart phones e atualização de software via wi-fi,  permite utilizar um aplicativo da própria Nissan.

Nele o usuário programa no smart phone a rota a ser usada no GPS e, assim que entra na picape, o sistema ativa o navegador para auxiliar o deslocamento, tudo automaticamente e através do bluetooth, sem conexão física dos dispositivos ou comando do motorista.

Rodas de liga leve com 18 polegadas, 6 airbags e teto solar elétrico são equipamentos exclusivos que completam os destaques desta versão LE.

Nissan Frontier Attack

Nissan Frontier AttackA outra versão apresentada no evento foi a Attack, variante que o DC Auto já está avaliando e publicará a matéria em breve.

Essa versão de entrada com câmbio automático se destaca pelo visual. Traz adesivos laterais com o nome da versão e a inscrição 4×4 na cor prata. Também apresenta adesivos sobre o capô, grade frontal, protetor do para-choque dianteiro, para-choque traseiro, estribos laterais, “santantônio” e rack de teto, tudo na cor preta. Pneus todo-terreno, rodas escurecidas, sistema multimídia e controle de áudio no volante são outros diferenciais.

Entre os aperfeiçoamentos do modelo, a Nissan destacou os seguintes: o painel de instrumentos digital agora mostra a temperatura externa, a velocidade e, dependendo da versão, a direção através de bússola.

As saídas de ar no painel passam a oferecer maior controle do fluxo e os modelos que têm ar-condicionado automático digital possibilitam regular a temperatura para motorista e passageiro individualmente.

Nissan Frontier AttackO banco traseiro foi redesenhado, apresentando novos ângulos, dimensões e materiais, visando maior conforto. Também ganhou os importantes ganchos Isofix para ancoragem de assentos infantis e o cinto de três pontos e encosto de cabeça na posição central.

Novos reforços estruturais, recalibragem nas suspensões e no sistema de direção e diversos aprimoramentos nos isolamentos acústicos, fazem do modelo 2019 da Frontier uma picape mais robusta e confortável ao mesmo tempo, segundo o engenheiro da marca, bem como o aumento dos componentes dos freios traseiros e a reprogramação do sistema ABS a tornaram mais segura.

No ano passado foram emplacadas 6.325 unidades da Nissan Frontier. A líder, Toyota Hilux, vendeu 39.278 no mesmo período.

Entre as duas ainda ficaram a Chevrolet S10 (31.761 unidades), a Ford Ranger (20.255 unidades), a Volkswagen Amarok (18.766 unidades) e a Mitsubishi L200 (10.766 unidades).

Agora, oferecendo o dobro de versões, além de alguns equipamentos que não estão disponíveis na concorrência, a Nissan pretende dobrar as vendas da Frontier com o lançamento da linha 2019. Se o mercado se mantiver, ou crescer, a montadora japonesa passa a ter um produto ainda mais competitivo para disputá-lo.

Nissan Frontier Attack

Nissan Frontier LE

Fotos: Marcos Camargo / Nissan / Divulgação

*o colaborador foi convidado pela Nissan

Toyota anuncia campanha de recall para os airbags dos modelos Corolla, Fielder, Etios, Hilux e SW4

Da Redação

A Toyota do Brasil enviou comunicado para a imprensa, hoje, informando sobre a abertura de campanha de recall para os modelos Corolla, Fielder, Etios (hatch e sedan), Hilux e SW4.

De acordo com a montadora, a campanha de chamamento preventiva abrange 379.689 unidades de veículos da marca, totalizando 527.595 reparos. O tempo de reparo na concessionária é estimado entre 1h30 e 5h.

Leia, abaixo, o comunicado na íntegra:

Defeito apresentado: No decorrer de uma investigação realizada pelo fornecedor, no Japão, na peça denominada “deflagrador” que integra o sistema de airbag do lado esquerdo (lado do motorista) e/ou do lado direito (lado do passageiro) dos veículos em questão, constatou-se a degradação da substância propelente do deflagrador após longos períodos de exposição dos veículos a altas temperaturas ou grandes variações de temperatura ou mesmo alta umidade relativa do ar.

Este fato torna o deflagrador mais suscetível de deflagrar-se inadequadamente no caso de colisão do veículo, o que pode provocar a ruptura da carcaça do deflagrador com a dispersão de fragmentos metálicos juntamente com a bolsa do airbag.

Riscos e implicações: Danos materiais e lesões físicas graves ou até mesmo fatais ao motorista, ao passageiro e aos demais ocupantes do veículo no caso de colisão frontal com a deflagração inadequada da bolsa do airbag.

Medidas corretivas: A partir de 28/01/2019, a Toyota substituirá o deflagrador da bolsa do airbag do lado do motorista e/ou passageiro.

Locais de atendimento e agendamento: Os proprietários deverão entrar em contato com a Rede de Concessionárias Autorizadas Toyota, para agendamento prévio. A relação de concessionárias autorizadas para atendimento está disponível no site http://www.toyota.com.br

Para outras informações, o cliente também pode ligar para o serviço de atendimento ao consumidor da Toyota pelo telefone 0800 703 0206.

Modelo Airbag envolvido Data de fabricação Chassis envolvidos
Código alfanumérico Últimos 8 dígitos do chassi
HILUX Motorista 02/01/2015 à 09/10/2015 8AJDY22G* F7007651 à F7010233
8AJEX32G* F4039751 à F4040512
8AJEX39G* F3001418 à F3004319
8AJFX22G* F6005170 à F6005183
8AJFX29G* F6607506 à F6609485
8AJFY22G* F8020976 à F8028378
8AJFY29G* F8580373 à F8593513
SW4 Motorista 02/01/2015 à 26/09/2015 8AJYY59G* F6529299 à F6533154
8AJZX62G* F5008357 à F5011519
 

 

 

COROLLA

Motorista 12/01/2015 à 24/02/2017 9BRBD3HE* F0250222 à H0346194
9BRBDWHE* F0250219 à H0346204
9BRBLWHE* F0022220 à H0104445
Passageiro 31/05/2002 à 12/02/2008 9BR53ZEC* 38500021 à 88714544
15/01/2014 à 14/02/2014 9BRBD48E* E2642174 à E2645306
9BRBL42E* E4789171 à E4789171
FIELDER Passageiro 06/04/2004 à 17/07/2008 9BR72ZEC* 58546105 à 88716911
 

ETIOS (HATCH/SEDAN)

 

Motorista 12/01/2015 à 22/03/2017 9BRB29BT* F2069073 à J2157627
9BRK19BT* F2045057 à J2091289
9BRK29BT* F0051748 à J0120598
Passageiro 12/01/2015 à 31/03/2017 9BRB29BT* F2069095 à J2159198
9BRK19BT* F2045057 à J2092024
9BRK29BT* F0051790 à J0121630

Honda lança a linha 2019 da scooter PCX 150

Da Redação

pcx - sport - 3.4 fdA scooter PCX 150 chega à sua 3ª geração com algumas novidades, mas preservando características como economia de combustível e facilidade de pilotagem, informou a Honda.

Para a versão 2019, os destaques são a nova suspensão traseira, pneus mais largos, Smart Key e ABS. Painel digital e iluminação por LED complementam o design renovado.

O grupo ótico dianteiro conta com a adoção da tecnologia de iluminação por LED e a presença do DRL – Daytime Running Light, ou luzes de rodagem diurna. A lanterna traseira também é iluminada por LED.

pcx - sport - detalhe 03Outra novidade das PCX 150 DLX e Sport 2019 é o Smart Key System de chave presencial, pelo qual basta portar o sensor para que o botão localizado à direita no escudo frontal libere a trava do guidão e ignição, assim como a tecla que opera a abertura do assento e da tampa do bocal de combustível situada no túnel central.

Do lado oposto ao botão de trava/ignição está um porta-objetos com tampa, dotado da tomada 12V em seu interior, que é capaz de abrigar um smartphone e outros objetos.

pcx - creme - detalhe 01Nas versões Sport e DLX, a PCX agora conta com a tecnologia de freio antitravamento ABS que atua evitando o bloqueio da roda dianteira ao acionar o manete de freio do lado direito.

O freio traseiro, acionado pelo manete do lado esquerdo, recebe acionamento hidráulico do cáliper, com disco de dimensões adequadas para proporcionar frenagens mais precisas.

Na PCX 150, modelo de entrada, foi mantido o sistema de freios CBS (Combined Brake System), com disco na dianteira e tambor na traseira. Desenvolvido para condutores novatos tem a característica de um único comando, a manete da esquerda, para frear ambas rodas, ficando o manete da direita exclusiva para o freio dianteiro.

pcx - creme - detalhe 02O inédito painel de instrumentos passa a ser totalmente digital. A porção central oferece leitura do velocímetro digital, que ocupa a parte superior da ampla tela LCD – mais de 50% da área – enquanto na parte inferior estão posicionados o marcador do nível de combustível, computador de bordo, hodômetro e relógio.

Duas áreas laterais servem de moldura à tela principal do painel e trazem as luzes-alerta e os indicadores das luzes de direção acionadas.

A capacidade do compartimento, destinado a abrigar um capacete integral e outros objetos sob o assento, cresceu em cerca de 1 litro, agora alcançando um total de 28 litros, a maior capacidade entre as scooter deste segmento, segundo a Honda.

honda_strip_304952_5_full.jpgO amplo porta-capacete faz par com o tanque de combustível de 8 litros de capacidade, o que dá à PCX uma autonomia de mais de 380 km – segundo dados aferidos ao Instituto de Pesquisas Mauá, com consumo urbano médio de 47,5 km/l.

Com o intuito de melhorar o funcionamento da suspensão traseira, o par de amortecedores tem nova calibragem da parte hidráulica e conta com três estágios de regulagem na tensão da mola, o que garante atuação mais progressiva.

Outro fator associado à evolução do amortecimento, informou a Honda, foi a modificação dos pontos de ancoragem dos amortecedores ao chassi e balança de suspensão, o que resultou em um ângulo de funcionamento que privilegiou o conforto sem perda de eficiência ou do curso livre da suspensão traseira.

pcx - sport - 3.4 tdA PCX 150 2019 também traz uma importante alteração na dimensão dos pneus, agora mais largos tanto na dianteira quanto na traseira. As medidas passaram a ser 100/80-14 na dianteira e 120/70-14 na traseira (anteriormente 90/90-14 e 100/90-14), complementada por rodas com novo design, mais robustas, agora com oito raios em substituição às rodas anteriores de cinco raios.

Com a chegada de pneus maiores, não foi só a resistência à eventuais impactos com imperfeições da pavimentação que melhorou: também a estabilidade se beneficiou da alteração nos pneus em razão da maior área de contato com o solo.

O motor da PCX150 é dotado do sistema eSP (Enhanced Smart Power), que conta com um exclusivo dispositivo capaz de reduzir a rotação do motor automaticamente quando detectada aceleração constante em terreno plano.

Nesta condição específica, o sistema de transmissão CVT atua como em modo “overdrive“, permitindo uma condição de funcionamento suave, econômica e que proporciona maior durabilidade do conjunto mecânico.

pcx - sport - detalhe 01

Fotos: Honda / Divulgação

As três versões disponíveis (PCX 150, PCX 150 DLX ABS e PCX 150 Sport ABS) compartilham o motor de 149,3 cm3, monocilíndrico OHC (Over Head Camshaft), 4 tempos, com injeção eletrônica PGM-FI (Programmed Fuel Injection), a gasolina, arrefecido a líquido e com transmissão automática continuamente variável CVT (V-Matic). A potência máxima é de 13,2 cv a 8.500 rpm e, o torque máximo, de 1,38 kgf.m a 5.000 rpm.

Outro destaque da PCX é o sistema Idling Stop de desligamento automático do motor em situações cotidianas, como uma parada em semáforo, com partida automática imediata após acionamento do acelerador.

As scooter PCX 150 2019 chegarão aos 1.100 pontos de venda Honda espalhados por todo o Brasil em fevereiro de 2019.

A PCX 150 de entrada será oferecida nas cores prata e azul perolizado e terá preço público sugerido de R$11,27 mil. A PCX 150 DLX será oferecida na cor branco perolizado e com preço sugerido de R$12,99 mil. A PCX 150 Sport será oferecida na cor prata, também com o preço de R$12,99 mil.

Todos os preços são base estado de São Paulo. A garantia é de três anos, sem limite de quilometragem além de sete trocas de óleo gratuitas na rede de concessionárias Honda.