BMW 330i M Sport agrega esportividade ao luxo dos modelos premium

Amintas Vidal*  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 27/09/2019)

Motor 2.0 turbo, de 528 cv, leva o sedan grande aos 250 km/h de velocidade máxima

_DSC2939Apesar de usada à revelia para justificar diferença de preços entre carros de um mesmo segmento, a palavra premium, originalmente, distinguia carros luxuosos e de qualidade superior. No Brasil, Audi, BMW e Mercedes-Benz são alguns exemplos de marcas que ostentam essa fama.

Este é um mercado de pequeno volume em vendas e o preço das unidades é que viabiliza o negócio. Contudo, no fechamento de 2018, a BMW registrou 2.981 emplacamentos do Série 3 na versão 320i (29,18% de participação no segmento de sedans grandes) e 288 unidades na versão 328i (mais 2,82% das vendas desta categoria).

Com exatos 32% do total, o Série 3 fechou o ano passado com uma liderança folgada sobre o Volkswagen Passat (1.474 unidades e 14,43% de participação) e o Mercedes Benz CLA (1.209 unidades e 11,83% de participação), segundo e terceiro colocados entre os sedans grandes.

Neste ano, até o fechamento de agosto, as versões 320i e a nova 330i, substituta da 228i, já venderam 787 e 775 unidades respectivamente. Estes números somados representam 30,41% do total do segmento. Os dados são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

_DSC2929330i M Sport – DC Auto recebeu o BMW Série 3 330i M Sport para avaliação. Ela tem o preço sugerido de R$ 269,95 mil com pintura sólida. A unidade avaliada tinha pintura metálica na nova cor azul Portimao, que eleva a etiqueta em R$ 1,99 mil.

Esta versão foi a primeira Série 3 da sétima geração a desembarcar no Brasil. Em medidas, ela ganhou 41 mm no entre-eixos, 43 mm na bitola dianteira e 21 mm na traseira. Ela está 76 mm mais comprida, 16 mm mais larga e 6 mm mais alta que a sexta geração.

Em relação à 328i M Sport da sexta geração, praticamente todo o design externo e interno foi renovado neste modelo 2020. Nas laterais, novos vincos, elevados acima e curvos abaixo, conferiram dinâmica e robustez ao mesmo tempo, assim como as formas pronunciadas do capô e da tampa do porta-malas.

O pára-choque dianteiro ganhou aberturas maiores e desenho mais robusto, enquanto o traseiro, também mais encorpado, recebeu extrator em preto com dupla saída de escapamentos.

_DSC2937Os faróis foram ampliados, recortados em duas partes e permanecem encostados na grade central em “duplo rim” que está mais ampla e avançada que nunca. Finalizando, as lanternas estão mais estreitas, compridas e têm luzes em LED. As rodas de 19 polegadas continuam com cinco raios duplos, porém, com desenho mais angulado e menor espessura em cada raio.

Interior – O design interno está mais horizontal, simétrico e menos volumoso. As partes dos painéis, portas e console central ganharam desenho mais geométrico, assim como as saídas de ar, as maçanetas e os botões de comando.

O sistema multimídia está posicionado mais baixo e próximo às mãos, alinhado com o painel de instrumentos que, agora, é 100% digital. O volante é novo, assim como os bancos e o desenho das partes que compõe o seu revestimento.

Os principais equipamentos do BMW 330i M Sport são: ar-condicionado digital de três zonas, direção esportiva variável, BMW Live Cockpit Professional (painel de instrumentos com tela 12,3 polegadas conjugada à central multimídia com tela de 10,25 polegads), head-up display (projeção de informações no para brisa), Parking Assistant Plus com Surround View (assistente de estacionamento com visualização externa virtual) e Driving Assistant Professional (auxílios de condução semiautônoma).

_DSC2989

_DSC2975Também estão presentes: faróis BMW Laserlight com comutação automática dos fachos alto e baixo, chave presencial e abertura e fechamento automático do porta-malas, sistema de som surround Harman Kardon com 16 alto-falantes, pneus run-flat, revestimento em couro Vernasca, entre outros.

M Sport – O pacote M Sport diferencia os seguintes itens: os para-choques e as soleiras das portas, os freios, o acerto das suspensões, o design do volante e dos cintos de segurança, as rodas de 19 polegadas, os bancos dianteiros esportivos e o revestimento do teto.

Todos os BMW 330 são equipados com o motor 2.0 turbo com injeção direta e movido à gasolina. O bloco é de quatro cilindros em linha e o cabeçote conta com duplo comando de válvulas tracionado por corrente com variação de abertura na admissão e na exaustão.

Ele fica em posição longitudinal, acoplado a um câmbio automático de 8 marchas com conversor de torque e tração traseira por eixo cardam. Sua taxa de compressão é de 10,2 /1, a potência atinge 258 cv as 5.000 rpm e seu torque máximo é de 40,8 kgmf à partir das 1.550 rpm. A versão acelera de 0 aos 100 km/h em 5,8 segundos e a velocidade máxima é de 250 km/h.

_DSC2995Entre as três marcas alemãs que dominam a categoria premium, a BMW é que tem o acerto mais esportivo em seus carros e isso começa pelo design e, consequentemente, reflete na ergonomia.

O Série 3 tem uma posição muito baixa dos bancos e, ao assentarem, motorista e passageiro ficam envolvidos pelo console central e apoios dos braços.  Apesar da sensação de proteção e de todos os comandos ficarem à mão, algo muito positivo, as pernas ficam muito esticadas, pois não há muita altura entre o piso e o assento.

Para as cabeças, pernas e ombros de quatro adultos existe espaço de sobra, porém, no meio do banco traseiro, mal cabe uma criança, pois o túnel central é muito alto para poder acomoda o eixo cardan.

_DSC2984(1)

_DSC2956Para um veículo com vocação esportiva, consumo surpreende positivamente

No interior da Série 3 todas as partes são revestidas por forrações macias ao toque ou são peças construídas em materiais como alumínio, aço ou mesmo em borracha ou plástico, mas tudo muito bem injetado e com encaixes perfeitos.

O revestimento em couro Vernasca pode ser escolhido entre quatro cores para combinar com os predominantes preto e cinza dos emborrachados e das partes em alumínio. Além do padrão em preto, o couro pode vir em bege, caramelo ou tabaco, como nesta unidade avaliada.

Filetes de luzes em LED posicionados nas portas e painéis sofisticam a ambientação. Detalhes do pacote M Sport aplicados nas cores azul e vermelho no cinto de segurança, no emblema do volante e nas soleiras nas portas fazem lembrar que esse veículo luxuoso também é esportivo.

_DSC2978

_DSC2961Rodando – Ao pisarmos com vontade no acelerador, o motor acorda rapidamente e empurra os 1.470 kg desta versão sem cerimônia. O som do motor é agradável, principalmente na programação Sport, quando fica mais grave.

Mas apenas nessas horas de maior diversão é possível ouvi-lo. A disponibilidade de oito marchas deixa o motor sempre em baixas rotações e, em estradas, escutamos apenas o contato dos pneus com o asfalto, pois as rodas são grandes e, o perfil deles, muito baixo (225/40 na frente e 255/35 atrás), o que exige uma alta calibragem. A aerodinâmica é exemplar e não se ouve o vento contra a carroceria.

A direção é leve, mas muito direta, como deveria ser em todos os carros. O sedan grande faz curvas como se fosse um compacto. Diversos sistemas de auxilio ajudam ao estacionar, e são quase obrigatórios, pois o carro é longo e largo e a posição baixa do motorista não ajuda na visibilidade.

O destaque da programação é a manobra reversa. Ela memoriza até 50 metros do percurso em uma garagem, por exemplo, e repete a operação em marcha à ré automaticamente, facilitando a saída.

_DSC2962Os recursos mais interessantes são os de auxilio à condução. O monitoramento ativo de permanência em faixas avisa quando se avança sobre as mesmas e corrige a trajetória. O piloto, neste caso, é automático, ou quase. Ele mantém a velocidade determinada ou reduz para a velocidade do carro que segue à frente.

Além disso, esterça a direção em curvas acompanhando as faixas sobre o asfalto, mas por pouco tempo. Um alerta visual na tela de instrumentos e no head-up display, além de um aviso sonoro, determinam que o motorista deve manter as mãos no volante, pois o sistema é apenas auxiliar e, não, autônomo.

Uma característica inerente ao espírito esportivo da Série 3 é a calibração das suspensões, ainda mais com este pacote M Sport. Ela é muito rígida e deixa o carro muito estável em curvas, dando prazer em dirigir de forma esportiva.

Mas isso cobra caro do conforto e, em nossas ruas mal conservadas, a carroceria oscila em frequência muito alta, chegando a cansar em longos percursos nessas condições.  Mas o sistema, independente nos dois eixos, mostra suas qualidades em pisos mais esburacados.

_DSC2920Nos impactos mais severos, apesar de percebermos que pneus e amortecedores estão sofrendo, o conjunto consegue isolar a cabine de boa parte das vibrações provenientes destes buracos.

Consumo – Fizemos o nosso teste padronizado de consumo e tivemos uma grata surpresa. Mesmo calibrado para extrair maior potência, o motor foi econômico. Circulamos duas vezes por um mesmo trecho rodoviário de 38,4 km, mantendo velocidade constante de 90 km/h na primeira volta e de 110 km/h na segunda, mas sempre conduzindo economicamente.

Ar-condicionado ligado e regulado na refrigeração média, os vidros fechados e somente o motorista a bordo completam os parâmetros. Na volta mais econômica, registramos 5,9 litros a cada 100 km rodados, uma média de 16,9 km/l. Mantendo 110 km/h, velocidade máxima permitida nas vias, consumimos 7,6 litros para cada 100 km percorridos, ou seja, 13,1 km/l. Na cidade o consumo oscilou entre 6,5 e 8,5 km/l, dependendo da intensidade do tráfego.

_DSC2927

_DSC2921Fotos: Amintas Vidal

*Colaborador

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Lexus lança seu primeiro iate de luxo

Da Redação

LY 650_1A Lexus realizou, na última semana, em Boca Raton, na Flórida (EUA), a estreia mundial de seu primeiro iate de luxo, o Lexus LY 650.

O LY 650 é uma nova forma da Lexus de encarar o desafio de ir além do automóvel para oferecer experiências inovadoras e surpreendentes, informou o fabricante. Baseado no Lexus Sport Yacht Concept, apresentado pela primeira vez em janeiro de 2017, o LY 650 apresenta estilo único e excelente desempenho de cruzeiro.

A forma do casco, o volume abundante da popa e outros elementos, além das belas linhas curvas, conferem ao LY 650 um estilo exterior sem precedentes e distinto. A colaboração com o estúdio italiano de design de iates Nuvolari Lenard resultou em um design avançado e um confortável espaço interno que exemplifica a alta qualidade em todos os detalhes.

O iate possui um casco composto leve e altamente rígido que combina CFRP (plástico reforçado com fibra de carbono) e GFRP (plástico reforçado com fibra de vidro), desenvolvido com a Marquis Yachts LLC.

Além disso, o LY 650 está equipado com o LY-Link, uma tecnologia avançada de conectividade para passeios de barco que compartilha informações e fornece controle de várias funções do iate.

LY 650_3O LY 650 é construído em colaboração com a Marquis Yachts em Pulaski, Wisconsin, nos Estados Unidos. O novo iate aparecerá no Fort Lauderdale International Boat Show, na Flórida (EUA), que acontece entre os dias 30 de outubro e 3 de novembro de 2019.

O presidente Akio Toyoda comentou: “O LY 650 simboliza o desafio assumido pela Lexus, que aspira ser uma verdadeira marca de estilo de vida de luxo, de se aventurar além do automóvel. Uma equipe de colaboração entre a Toyota e a Marquis Yachts introduziu o Sistema de Produção Toyota nas instalações de fabricação de barcos para melhorar a produtividade e a qualidade. Isso permitiu que a filosofia Lexus “CRAFTED” de hospitalidade antecipada e atenção meticulosa aos detalhes se tornasse realidade na forma de um iate de luxo. Estou realmente ansioso para ver o LY 650 avançado e de alta qualidade exibir sua beleza nos oceanos em todo o mundo. Como empresa de mobilidade, estamos buscando novas possibilidades, até mesmo no mar.”

Destaques do LY 650:

Expressando a linguagem de design Lexus na forma de um iate de 65 pés

  • O cruzeiro flybridge LY 650 mantém a forma vibrante e as belas linhas curvas do Lexus Sport Yacht Concept e é elegante e esportivo. Seu arco forte, junto com o casco dinâmico que sustenta uma das vigas mais largas de sua classe, revelam rapidamente a presença de um LY 650, enquanto sua linha de teto tipo cupê e sua popa acentuada enfatizam o alto nível de seu desempenho de cruzeiro.
  • O iate de estreia apresenta um esquema de cores de dois tons opcional que destaca sua forma única e captura a imagem do Lexus Sports Yacht Concept. Detalhes metálicos na proa, janelas laterais e entradas de ar em forma de “L” da embarcação criam a imagem icônica de um iate Lexus.
  • O interior une design avançado e omotenashi (termo que significa hospitalidade japonesa que antecipa e atende as necessidades das pessoas) em busca da alta qualidade, característica enraizada nos produtos Lexus, apresentando um espaço interior com tema branco brilhante para uma sensação de abertura, enquanto o uso de linhas curvas e iluminação criativa proporcionam uma sensação confortável de envolvimento.
  • O layout eficiente do salão apresenta assentos duplos de capitão e sofás, com uma cozinha na popa. Abaixo do salão, há três cabines elegantes com mais de dois metros de altura, cada uma com chuveiro.

LY 650_5

LY 650_6Desempenho e tranquilidade excepcionais condizentes com um carro-chefe marítimo

  • O powertrain possui dois motores Volvo Penta IPS (1350/1200/1050). Ao integrá-los a uma forma única de casco subaquático, obtida através da aplicação da modelagem computacional da dinâmica de fluídos, a Lexus conseguiu alcançar não apenas alto rendimento e baixo consumo de combustível, mas também excepcional estabilidade e manobrabilidade de cruzeiro. O LY 650 também possui uma variedade de funções de suporte à pilotagem, incluindo controle por joystick, manutenção de posição de ponto fixo no mar e uma função auto-flap.
  • O casco subaquático e a parte superior do casco são construídos em CFRP para oferecer leveza e alta rigidez, contribuindo para um desempenho notável em alta velocidade e uma experiência de cruzeiro confortável. Painéis com excelente qualidade de isolamento acústico são usados nas paredes principais para ajudar a garantir uma tranquilidade excepcional para conversas ininterruptas.

Uma experiência extraordinária do usuário criada por tecnologia avançada

  • O LY-Link, uma tecnologia avançada para conectividade de barcos, compartilha e fornece várias informações em tempo hábil. A tecnologia pode ser usada para monitorar a embarcação e receber notificações por mensagem de texto, caso seja detectada uma anormalidade. Ele também aumenta a conveniência, permitindo que os usuários liguem e desliguem remotamente componentes como o sistema de ar condicionado do iate e luzes através de um smartphone.
  • Do assento do capitão, o estilo e a alta operacionalidade entram em jogo, graças a um elegante painel de instrumentos com tela sensível ao toque.
  • Um Surround Sound System personalizado Mark Levinson disponível com um sistema de subwoofer cria um espaço acústico imersivo como uma sala de concertos.

LY 650_4Qualidade artesanal e qualidade integrada do Sistema Toyota de Produção

  • A produção do LY 650 é realizada pela Marquis Yachts em Wisconsin (EUA). Sua extensa experiência marítima e habilidade em takumi são evidentes em cada casco pintado personalizado, moldado à mão, criado com precisão exata, que também é aplicada aos processos de usinagem e soldagem. Detalhes finamente trabalhados são evidentes nos acessórios de aço inoxidável do convés, feitos sob medida para cada embarcação, fabricados internamente por takumi de fabricação e soldagem, os extensos acabamentos de madeira verdadeira personalizados e componentes de móveis fabricados e o assento costurado à mão.

Descrição das vendas

  • Lançamento de vendas: 30 de outubro de 2019

Especificações principais do LY 650

Comprimento total 65 pés e 5 polegadas (19,94 metros)
Viga (largura) 18 pés e 11 polegadas (5,76 metros)
Opções de motor Dois Volvo Penta IPS
produzindo 1350, 1200 ou 1050 HP (cada)
Capacidade de combustível 1.060 galões (4.012 litros)
Capacidade de água 225 galões (852 litros)
Quartos

3 cabines (acomodando 6 pessoas)

LY 650_2Fotos: Lexus / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Mitsubishi retorna com a série especial Outdoor para a L200 Triton Sport

Da Redação

L200 Triton Sport Outdoor - Tom Papp (134)A linha de picapes da Mitsubishi Motors acaba de ganhar mais um integrante. A L200 Triton Sport Outdoor traz novos e exclusivos elementos aliados ao verdadeiro DNA 4×4 da marca dos três diamantes.

“O nome ‘Outdoor’ para nossa linha de picapes é sinônimo de confiabilidade, força e resistência. Com essa série especial, trazemos de volta essa referência e oferecemos um novo produto em nossa linha de picapes”, destacou Reinaldo Muratori, diretor de planejamento da Mitsubishi Motors.

A L200 Triton Sport Outdoor tem um visual único, com elementos exclusivos que trazem robustez e originalidade, segundo a Mitsubishi. Na parte frontal, o novo para-choque de impulsão é na cor preta com skid plate integrado em grafite.

L200 Triton Sport Outdoor - Tom Papp (29)Os novos flares incrementam o visual da parte externa, com grade frontal, rodas de 16 polegadas de liga leve e retrovisores com acabamento na cor preta.

A picape vem equipada com capota marítima e protetor da caçamba, trazendo mais comodidade e segurança para carregar até uma tonelada de carga. Para facilitar, seis ganchos posicionados na caçamba facilitam a acomodação dos materiais.O brake light está integrado na tampa.

L200 Triton Sport Outdoor - Tom Papp (17)Para caracterizar a série especial, o emblema Outdoor está na tampa traseira e nas laterais.

No interior, o painel central tem acabamento em material que imita a fibra de carbono e o sistema multimídia de 7 polegadas permite o espelhamento de tela de celular e tem bluetooth com áudio streaming.

L200 Triton Sport Outdoor - MitsubishiO modelo é equipado com o motor 2.4 turbo diesel, em alumínio, com 190 cv e 43,9 kgfm de torque. O câmbio manual de 6 marchas está integrado ao sistema Easy Select II com até 18 combinações de marcha.

Tem o 4×2, para rodar no asfalto, 4×4 com bloqueio do diferencial central, para o off-road, e 4×4 com reduzida, para as situações mais extremas. As trocas podem ser feitas facilmente através do seletor no console central.

O ângulo de entrada é de 33°, o de rampa 24º e o de saída 24º. A picape é produzida na fábrica da Mitsubishi Motors em Catalão (GO).

L200 Triton Sport Outdoor - Tom Papp (137)A picape tem a função de dissipador de água para trechos alagados: quando o veículo passa por um trecho assim, a água não é projetada para o para-brisa, liberando a a visão do motorista, garantindo ainda mais segurança nos mais variados terrenos.

A suspensão SDS II tem barra estabilizadora expandida e molas helicoidais mais rígidas. Na dianteira é independente, com braços triangulares duplos, amortecedores hidráulicos, molas helicoidais e barra estabilizadora. Na traseira, eixo rígido e molas semielípticas.

L200 Triton Sport Outdoor - Tom Papp (50)A família L200 Triton Sport conta com cinco versões: HPE-S, HPE, GLS, GLX e GL. A série especial Outdoor está disponível nas cores branco, prata, cinza e preto. Tem três anos de garantia e revisões com preço fixo.

O preço público sugerido da L200 Triton Sport Outdoor é R$ 126,99 mil.

L200 Triton Sport Outdoor - Tom Papp (85)Fotos: Tom Papp / Mitsubishi Motors / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Com ótimo desempenho em SC, mineiro Ratinho segue firme na briga pelo título brasileiro do Rally Baja 2019

José Oswaldo Costa

IMG_3929Após uma pausa para a realização do Rally dos Sertões, o Campeonato Brasileiro de Rally Baja retornou com tudo nesse último fim de semana.

A etapa, denominada Rally Rota SC, foi disputada em Capão Alto, Santa Catarina. A disputa pelo primeiro lugar da categoria UTV está acirrada entre os pilotos Maurício Pena Rocha (de Nova Lima – MG) e os irmãos Bruno e Rodrigo Varela.

Ao todo, foram 260 km cronometrados nos dois dias de prova, com duas passagens pelo percurso de 130 km de extensão, passando por Capão Alto, Lages e Campo Belo do Sul.

No sábado (21 de setembro), Bruno venceu com um pouco mais de 4 segundos de diferença para Maurício, também conhecido como Ratinho. O piloto Richard Fliter chegou em 3º lugar.

IMG_3928No domingo (22 de setembro), o vencedor foi Denísio Casarini Filho, com Fliter em segundo e Ratinho em terceiro. Cesarini havia ficado em quinto lugar no sábado.

Nesse dia, Bruno Varela encerrou no 6º lugar com seu irmão, Rodrigo, em 5º.

Na soma dos dois dias, Fliter terminou 8s43 à frente de Ratinho, com Casarini em terceiro; Varela em quarto e Otávio Leite em quinto.

A próxima etapa (Rally Serra Azul) ocorrerá nos dias 12 e 13 de outubro em São Manuel (SP).

A última etapa (30 de novembro), que ainda estava sem definição, foi confirmada para Inhaúma (MG).

IMG_3930Maurício “Ratinho” Rocha (#105) em ação em Santa Catarina – Fotos: Photoaction

RALLY ROTA SC – Categoria UTV

  1. #125 – Richard Fliter – Can-Am Maverick X3
  2. #105 – Maurício Pena Rocha – Can-Am Maverick X3
  3. #107 – Deninho Casarini – Can-Am Maverick X3
  4. #102 – Bruno Varela – Can-Am Maverick X3
  5. #119 – Otavio Leite – Can-Am Maverick X3

 CAMPEONATO BRASILEIRO DE RALLY BAJA 2019 – Categoria UTV

  1. Bruno Varela – Can-Am Maverick X3 – 191 pts
  2. Maurício Pena Rocha – Can-Am Maverick X3 – 187 pts
  3. Rodrigo Varela – 158 pts

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Novo Kia Cerato chegas às concessionárias em outubro

Da Redação

Cerato_1O novo Kia Cerato 2.0 está chegando ao mercado brasileiro. Completamente redesenhado, e com uma série de aprimoramentos, o sedan conta com um powertrain totalmente atualizado.

“É um carro completamente novo em design, motorização e tecnologia. Com todas as novidades e aprimoramentos que o novíssimo Kia Certo 2.0 apresenta, temos convicção de que vamos surpreender o mercado brasileiro, em um dos segmentos mais competitivos como o de sedans”, afirmou José Luiz Gandini, presidente da Kia Motors do Brasil.

“O Kia Cerato sempre foi um dos nossos líderes de vendas no País, e isso também deve-se confirmar com essa nova geração que está chegando”, concluiu.

Fabricado na fábrica da Kia em Pesquería, no México, o Cerato às concessionárias brasileiras no início de outubro, em duas versões: EXR$ 94,99 mil e SXR$ 104,99 mil. Ambas possuem garantia de cinco anos ou 100 mil km.

Cerato_4Com apelo esportivo e jovem, o novo Cerato 2.0 adquiriu uma aparência mais sofisticada, graças a um conjunto de elementos inspirados no premiado fastback Kia Stinger GT.

Com aparência mais refinada e detalhes cromados, a grade “nariz de tigre”, agora redesenhada, confere um toque especial de elegância e permite melhor ventilação do motor, o que se traduz também em melhor desempenho.

A antena do tipo shark, os faróis de neblina com lentes de projeção, a luz diurna de navegação (DRL) em LED, as novas rodas de liga leve de 16 polegadas (pneus 205/60) e o capô alongado complementam a aparência mais agressiva e moderna do sedan.

Na traseira, saída de escapamento esportiva e cromada, além de novas lanternas em LED na versão SX, totalmente redesenhadas, e com uma barra conectando as duas peças.

Cerato_2Medidas – A nova geração passou dos 4,56 metros os 4,640 metros de comprimento, e dos 1,78 metro para 1,80 metro de largura.

A altura é de 1,44 metro enquanto, a distância entre-eixos, é de 2,70 metros. O porta-malas tem capacidade para litros.

Nas duas versões disponíveis no Brasil, o sedan possui sistema multimídia com tela flutuante de 8 polegadas, colorida e sensível ao toque e painel redesenhado. A versão SX ainda possui ar-condicionado digital de duas zonas com filtro antipólen e design tipo turbina, com saídas de ventilação para os bancos traseiros.

Com novo desenho, revestimento de couro e regulagens de altura e profundidade, o volante multifuncional possui controles do sistema de som e de chamada, do piloto automático e do computador de bordo.

amjqf6xrso17n64ku85pe3fmhDentro da versão SX, chamam atenção os bancos de couro, com sistema de aquecimento de três níveis nos assentos dianteiros.

Na versão SX, a partida do motor é acionada pelo botão Start/Stop, através do reconhecimento da presença da chave (smart key). A tecnologia ainda permite o travamento e a abertura das portas e do porta-malas à distância.

O sistema multimídia conta com bluetooth com comandos de voz e conectividade de smartphones, por meio do Android Auto e do Apple CarPlay, entrada auxiliar e USB. O sistema de som vem equipado com 4 alto-falantes e 2 tweeters.

Cerato_5Motor – Sob o capô alongado do sedan está o motor 2.0 litros, flex, de quatro cilindros, 16 válvulas, Dual CVVT.

O novo Cerato 2.0 desenvolve até 157 cv a 6.200 rpm e torque de 19,2 kgm a 4.700 rpm, quando abastecido com gasolina. Com etanol, a potência sobe para 167 cv a 6.200 rpm e torque de 20,6 kgm a 4.700 rpm.

Equipado com acelerador eletrônico tipo drive-by-wire, o modelo se adapta facilmente ao estilo de pilotagem do condutor, com transmissão automática de 6 velocidades, com opção de trocas sequenciais, além de quatro modos de condução: Comfort, Economy, Smart e Sport. Na versão SX, os paddle shifts para trocas de marcha, atrás do volante, reforçam a esportividade do modelo.

Segurança – Na versão topo de linha, o veículo possui 6 airbags (dois frontais, dois laterais e dois de cortina); freios a disco nas quatro rodas com ABS e EBD; controles eletrônicos de tração (TSC) e estabilidade (ESC); direção elétrica progressiva; assistente de partida em rampa (HAC); câmera de ré com gráfico auxiliar de manobra; vidros elétricos com sistemas antiesmagamento e de subida/descida de um toque para o motorista; sensor de monitoramento de pressão nos pneus (TPMS); sistema imobilizador; destravamento automático das portas em caso de colisão; retrovisor interno eletrocrômico e retrovisores externos elétricos (com rebatimento automático, setas integradas de LED e aquecimento).

kia-cerato-2019-como-é-por-dentroAlém disso, o sedã vem equipado com barras de proteção contra impactos laterais nas 4 portas e zona de deformação programada (chapa dupla), acendimento automático dos faróis, sistema Isofix para fixação de cadeiras infantis e cintos de segurança de três pontos para todos os passageiros.

Cerato_3Fotos: Kia / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Mini confirma lançamento do Clubman, no Brasil, até o fim do ano

Da Redação

P90360839_highRes_the-new-mini-john-coO novo Mini Clubman poderá ser visto acelerando pelas ruas do País, em breve. A Mini Brasil confirmou a chegada do modelo ao mercado brasileiro para o último trimestre deste ano.

P90360871_highRes_the-new-mini-john-co

P90360866_highRes_the-new-mini-john-coCom um design renovado, uma ampla seleção de equipamentos inovadores e uma avançada tecnologia de conectividade, o Clubman se destaca como um veículo altamente exclusivo e de estilo singular.

P90360879_highRes_the-new-mini-john-co

P90360877_highRes_the-new-mini-john-coNovos detalhes no exterior e interior, bem como os mais recentes dispositivos digitais, tornam o novo Mini Clubman um modelo familiar sofisticado e único em sua categoria, segundo o fabricante.

P90347872_highRes_the-new-mini-john-co

 

P90360928_highRes_the-new-mini-john-coA data de lançamento do mais novo integrante da gama de veículos Mini disponível no Brasil, bem como o preço sugerido e as especificações técnicas, será divulgada em breve.

P90360872_highRes_the-new-mini-john-coFotos: BMW Group / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Avaliamos o Renault Logan reestilizado em sua versão topo de linha

Amintas Vidal*  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 20/09/2019)

Sedan com câmbio automático CVT teve a suspensão elevada por necessidade técnica

DSCN6284Com a abertura do mercado para os carros importados, no início dos anos de 1990, diversas montadoras estrangeiras investiram no Brasil, primeiramente como importadoras e, em seguida, como produtoras. Das marcas francesas, a Renault foi a que melhor se adaptou ao nosso mercado.

Assim como a Citroën e a Peugeot, a Renault também tinha carros mais sofisticados que os nacionais, mas pouco adaptados às nossas ruas esburacadas. Falta de “tropicalização” adequada, ou mesmo, impossibilidade para tal, fizeram seus modelos amargarem fama de frágeis e de darem muita manutenção.

Se a PSA Group, associação das marcas Peugeot, Citroën e DS, insistiu nesses produtos, perdendo participação em nosso mercado a cada ano, a Renault virou a chave em 2007 e apostou em modelos mais simples e mais robustos, chegando este ano à quarta posição em vendas no Brasil.

No fechamento de 2018 a Renault registrou 8,70% do total de emplacamentos, a quinta marca em nosso mercado, considerando todos os automóveis e comerciais leves juntos. Agora, em 2019, até o encerramento de agosto, ela está em quarto lugar, com 8,86% de participação, segundo dados fornecidos pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

Quando dissemos que a Renault optou por modelos mais simples e robustos para ganhar mercado no Brasil, estamos falando da família Sandero. Sobre sua plataforma estão quase todos os modelos que a Renault vende no País atualmente, exceto o sub-compacto Kwid.

DSCN6328Logan, Stepway, Duster e Captur são filhos legítimos deste hatch desenvolvido pela Dacia, subsidiária romena da Renault.

Espaço interno, preço e robustez destes modelos atenderam melhor aos anseios do consumidor brasileiro, assim como acontece com os compradores do Leste Europeu e Ásia, regiões para qual eles foram desenvolvidos originalmente.

No fim de julho deste ano, Logan e Sandero receberam sua terceira reestilização. Na ocasião, a variante aventureira do Sandero, a Stepway, passou a ser um modelo à parte e ganhou três versões.

Lançada há 12 anos, essa nova reestilização da família Sandero, provavelmente, chega ao seu ápice evolutivo e ganhará uma nova geração na próxima mudança. Algo que sinaliza este limite é a adoção do câmbio CVT.

Entre todas as caixas de marchas que já equiparam esses modelos, essa é a mais atual e sofisticada, mas a plataforma não foi projetada prevendo seu uso, tanto que, o Logan e o Sandero com essa transmissão, tiveram suas suspensões elevadas em 40 mm para acomodar essa caixa sem que a mesma ficasse muito próxima ao chão.

DSCN6300Em tempos de transformação de tudo em SUV, agora temos até um sedan elevado, não por demanda de mercado, mas sim para viabilizar o uso deste câmbio.

DC Auto recebeu o Logan Iconic 1.6 CVT X-Tronic para avaliação, versão de topo da gama. Agora, todas as versões dos três modelos da família são oferecidas completas e sem opcionais, ficando a escolha da cor como a única variação no preço final.

No site da montadora essa versão é ofertada por R$ 71,09 mil. A unidade avaliada tem pintura metálica na cor cinza Cassiopée, que eleva a etiqueta para R$ 72,59 mil.

Equipamentos – Os principais equipamentos desta versão, todos de série, como já dissemos, são: ABS, quatro airbags (dois frontais e dois laterais), Isofix, controle eletrônico de estabilidade (ESC), assistente de partida em rampas (HSA), direção eletro-hidráulica, ar-condicionado automático, câmera de marcha à ré, faróis de neblina, vidros elétricos com “one touch”, retrovisores elétricos e piloto automático (controlador e limitador de velocidade).

Também estão presentes central multimídia, comando satélite no volante, sensor de estacionamento, ajustes de altura do banco e volante, computador de bordo, alarme, rodas de liga leve de 16 polegadas diamantadas, revestimento dos bancos em material sintético que imita o couro, sensor de chuva, sensor de luminosidade, entre outros.

DSCN6331Desenvolvido pelo Renault Design Center São Paulo, Sandero, Logan e Stepway têm novos para-choques dianteiros e uma nova assinatura luminosa com luzes diurnas de LED, no formato de “C” ao redor dos faróis.  Essas mudanças estão alinhadas com a atual identidade mundial da marca. A traseira do Logan manteve-se a mesma.

A diferença desta para as outras versões do Logan que trazem o câmbio automático CVT são as molduras plásticas nas caixas de rodas, sobre as caixas de ar e nas bases dos para-choques.

Elas são semelhantes às usadas no Stepway e visam dar mais sentido estético a um sedan com as suspensões elevadas. Em conjunto com as rodas de 16 polegadas, estes apliques conferiram mais robustez à carroceria e harmonia ao modelo, algo pouco esperado para um três volumes com altura de um hatch aventureiro.

Interior – O interior de todas as versões da família passou a ser escuro, inclusive o revestimento do teto e os apliques plásticos das colunas. O volante tem um novo design e detalhes metálicos, assim como a alavanca do câmbio, até então, inédito para estes modelos. No mais, o interior é igual, ganhando apenas novos tipos de acabamentos em algumas peças de painéis e portas.

DSCN6375

DSCN6405Nessa versão, única com bancos em material que imita o couro, a aparência é bem melhor que nas que usam tecido, apesar de o interior ficar muito monocromático. Mas são os detalhes que nos fazem lembrar da escolha que a Renault fez em 2007. Rebarbas em peças plásticas e parafusos aparentes são heranças de berço que o Logan carrega e somente uma nova geração poderá resolver.

 

DSCN6383

DSCN6387O Logan Iconic vem equipado com o motor 1.6 SCe (115/118 cv) acoplado ao câmbio automático CVT X-Tronic, mesmo conjunto oferecido no Duster e no Captur. Seu bloco tem 4 cilindros em linha, o cabeçote conta com 16 válvulas e o sistema de injeção é multiponto. O torque é de 16 kgfm, com gasolina ou etanol.

A caixa de marchas CVT X-Tronic tem uma programação que simula seis velocidades que podem ser acionadas através da alavanca de comando. Seu acoplamento é feito por conversor de torque.

Modelo se destaca ao rodar em nossas ruas e estradas esburacadas

O conjunto, motor e câmbio, agradou em uma condução suave. As trocas são imperceptíveis e o escalonamento das marchas é apropriado para um sedan familiar. Somente nas arrancadas, o motor demora um pouco para acordar, obrigando o motorista pisar de forma mais vigorosa no acelerador.

Comutar o câmbio para manual, através da alavanca de marchas, também ajuda, pois o Logan muda de temperamento, ficando bem mais esperto. Mas este sistema não é o ideal, pois não tem aletas (“borboletas”) para as trocas no volante e só funciona com essa mudança de posição da alavanca.

DSCN6425Ao menos deveria haver um botão “Sport” para que o motor respondesse mais rapidamente aos comandos do acelerador e as marchas fossem trocadas em rotações mais elevadas.

Este motor garante um desempenho satisfatório e silencioso, mais pelas longas relações das marchas do que pelo isolamento acústico do modelo. Aos 110 km/h, de sexta marcha, ele trabalha em baixas 2.000 rpm.

Nesta situação ouve-se mais os pneus sobre o asfalto e a intensa briga do ar contra a carroceria, efeito colateral causado pela elevação das suspensões. Em altas rotações o barulho invade a cabine.

As suspensões alteraram muito o comportamento de marcha do carro. Em relação ao Logan “normal”, este está mais estável, mas menos confortável. O acerto é mais rígido e a carroceria quase não aderna em curvas.

Para as nossas vias mal conservadas, isso é muito bom. As grandes rodas passam sobre remendos, buracos e lombadas sem aparentarem castigar a estrutura do sedan, mas transferem as vibrações para a cabine.

DSCN6320No trabalho de amortecimento o conjunto mecânico se mostrou eficiente e não deixou o fundo do carro tocar o chão e nem mesmo os para-choques em entradas e saídas de garagens. Mas no momento de retorno, este mesmo conjunto não é tão eficaz, pelo menos acusticamente.

Ao passar por lombadas maiores, no trabalho de retorno das rodas, ouvem-se alguns barulhos metálicos que caracterizam simplicidade dos dispositivos de limitação destes movimentos. Mesmo com estas características, preferimos este acerto ao antigo, pois ele passa uma percepção de qualidade que o conjunto mais baixo e menos rígido do Logan não passava anteriormente.

A direção ainda é eletro-hidráulica. Funciona bem, sendo até mais direta que muitos sistemas elétricos, mas é pesada, principalmente em manobras de estacionamento. Até o tamanho do volante, grande, entrega que este sistema não é o ideal para o peso do carro e, provavelmente, deverá ser aposentado na próxima geração, dando lugar a uma direção elétrica.

O ar-condicionado automático tem dois botões giratórios de fácil uso e identificação, além de informarem na tela do multimídia todas as regulagens feitas, algo muito útil quando se está dirigindo. Seu funcionamento é eficiente, pouco ruidoso, esfriando o ambiente rapidamente.

Multimídia – A central multimídia Media Evolution passou a contar com as tecnologias Android Auto e Apple Carplay, permitindo usar Spotify, Waze e Google Maps (Android Auto).

DSCN6416A tela de 7 polegadas touchscreen evoluiu, agora é capacitiva, antes era resistiva. Seu funcionamento já era bom e ficou melhor. Conectado ao Android Auto ela permitiu fácil acesso a todos os recursos do smart phone, com destaque para o Spotify.

O sistema nativo tem um aplicativo para medir e orientar a condução visando um menor consumo de combustível, algo que pode ajudar aos motoristas mais gastões.

O aparelho possui botões para ligar e regular o volume do som, mas não são giratórios, como seria o ideal. A entrada USB fica na parte de cima, deixando o cabo à frente da tela, algo que deveria ser corrigido. Dependendo a luminosidade ambiente, a tela fica um pouco escura.  Mas o comando do áudio é satélite, atrás do volante e de uso cego. Em nossa opinião, o melhor que tem, pois não desvia a atenção do motorista.

O espaço interno, grande trunfo do modelo, continua o mesmo. Ele é mais largo que a maioria dos seus concorrentes e tem um desenho mais quadrado da carroceria que garante bom espaço para ombros, pernas e cabeças de quatro adultos.

Até um quinto passageiro pode se acomodar no centro do banco traseiro com conforto, se todos ali não forem muito grandes. A ergonomia também é boa, com quase tudo ao alcance das mãos. A visibilidade é boa, menos para trás, pois a altura da carroceria prejudica enxergar os carros mais próximos à traseira.

Em marcha à ré, em ruas acidentadas, não se vê nada pelo retrovisor interno, tornando obrigatório o uso da câmera para realizar essa manobra. Este sistema apresenta linhas auxiliares, mas elas não são esterçáveis.

DSCN6413Consumo – O primeiro teste padronizado de consumo que fizemos na ultima avaliação, a do Argo GSR, repetimos com Logan. Resumindo, circulamos em um mesmo trecho rodoviário de exatos 38,4 km, duas vezes, rodando de forma econômica e de forma usual.

Na volta econômica, mantivemos a velocidade em 90 km/h e, na usual, 110 km/h, respeitando as velocidades máximas em cada trecho. Ar-condicionado ligado e regulado na refrigeração média, os vidros fechados e somente o motorista a bordo completam os parâmetros.

Em ambos os casos, aceleramos de forma progressiva e antecipamos as desacelerações usando o freio motor, isto é, mesmo buscando manter as velocidades determinadas, dirigimos sempre de forma econômica.  Apenas com etanol no tanque, na volta econômica, registramos 13 km/l. Já na volta usual o consumo foi de 11,7 km/l.

A solução encontrada pela Renault para usar o câmbio CVT no Logan criou o primeiro sedan aventureiro do nosso mercado, pelo menos na altura da carroceria. Como o vão livre não atinge o valor mínimo para homologar um SUV no Brasil, nem ele e nem mesmo o Stepway CVT receberam essa comenda.

Mesmo assim, essa versão tem um comportamento mais apropriado nas nossas vias ruins e mesmo nas não pavimentadas. Para quem quer levar a família e bagagem para circular por nossas estradas precárias, o Logan CVT é uma boa opção.

DSCN6281Fotos: Amintas Vidal

*Colaborador

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Novos Audi A6 e A7 chegam ao Brasil

Da Redação

MCB_8530A Audi está apresentando, ao mercado brasileiro, duas novidades: os novos A6 Sedan e A7 Sportback. Assim como o Q8 trouxe em primeira mão as inovações que estarão presentes nos futuros modelos da linha Q, o A6 e o A7 são os responsáveis por introduzir no Brasil a nova linguagem de design e digitalização para a família A, com destaque para as novas telas sensíveis ao toque do MMI e os diversos itens de assistência à condução, como o Traffic Jam Assist.

“Os novos Audi A6 e A7 representam o segundo passo da revolução tecnológica que a marca terá a partir deste ano no País. Eles trazem elegância, tecnologia e sofisticação ímpar, além de conforto e estabilidade que proporcionam esportividade exclusiva para esta categoria em todo o mercado”, revelou Johannes Roscheck, presidente e CEO da Audi do Brasil.

Motor – O A6 Sedan e o A7 Sportback são equipados com motor 3.0 TFSI, que desenvolve 340 cv de potência e torque de 500 Nm, e transmissão S tronic de 7 velocidades.

O A6 faz de 0 a 100  km/h em 5,1 segundos e o A7 em 5,3 segundos, informou a Audi. A velocidade máxima é limitada eletronicamente em 250 km/h. Já a tração quattro usa a eficiente tecnologia ultra, que ativa a tração nas quatro rodas conforme necessário.

MCB_9620Os modelos também são altamente eficientes graças à nova tecnologia de assistência elétrica, composta por uma bateria de íons de lítio e um alternador de correia em um sistema elétrico primário de 48 volts.

Os veículos podem se deslocar em velocidades entre 55 e 160 km/h com o motor desligado e, em seguida, o alternador de correia reinicia o propulsor rápida e confortavelmente. O sistema start-stop desativa o motor a partir de 22 km/h. O principal objetivo é reduzir a emissão de CO2.

Segurança e conforto – A Audi trouxe ao A6 e A7 o mesmo conjunto de assistência disponível no Audi Q8 para tornar a vida mais fácil e segura para o motorista e os passageiros em diversas situações.

Um dos principais é o Traffic Jam Assist, que alia o controle de cruzeiro adaptativo com o Audi Lane Assist para criar um sistema de assistência de condução. Em utilização, ele mantém o veículo dentro de sua faixa e controla aceleração e frenagem para manter a distância do veículo da frente, por exemplo. Em situações de trânsito pesado, o sistema é uma grande vantagem ao trazer conforto ao motorista.

MCB_8496Os modelos também oferecem o Audi Side Assist, com várias tecnologias: o Audi Pre Sense traseiro (reconhece a iminência de uma colisão e prepara os passageiros aumentando o tensionamento dos cintos dianteiros, posicionamento de banco e fechamento de teto solar e vidros), o Exit Warning Assist (aviso de perigo na saída do veículo), o Audi Side Assist (aviso de perigo em mudança de faixa) e o Assistente de Tráfego Reverso (informa o condutor sobre a possibilidade de um acidente ao realizar uma manobra traseira com a utilização dos radares do veículo, além de uma breve utilização dos freios se necessário).

Há, ainda, a câmera 360°, que auxilia o motorista na hora de estacionar ao mostrar o veículo digitalmente no display do MMI.

Os novos Audi A6 e A7 seguem a estratégia global de digitalização do recém-lançado Q8. A arquitetura do interior se mescla sem emendas com o novo conceito operacional no console central e painel, que trazem dois grandes displays sensíveis ao toque de alta resolução que substituem o botão giratório e os botões de controles convencionais dos modelos anteriores.

Na tela superior, de 10,1 polegadas, o display traz o MMI que exibe diversas informações, como interface com smartphones com Android e iOS, informações de navegação, seleção de rádio e o Audi Drive Select com 5 funções de direção: Comfort, Dynamic, Efficiency, Indivudal e Auto.

RF_04413

RF_04373

RF_04393

MCB_9921O display inferior, de 8,6 polegadas montado no console do túnel central, fornece acesso ao controle de climatização, funções de conforto e entrada de texto. Para manuseá-lo, o motorista pode repousar o punho sobre a alavanca seletora da transmissão automática.

O conceito operacional das telas possui uma resposta intuitiva como a de um smartphone. Um “click” de confirmação pode ser sentido e ouvido quando uma função é selecionada pelo toque. Além disso, o controle de voz usa uma linguagem coloquial para transformar os novos A6 e A7 em um parceiro inteligente de diálogo.

Ambos trazem, de série, o sistema de som Bang & Olufsen 3D, com 16 alto-falantes e 705 watts de potência.

Carroceria – Devido a utilização de diferentes tipos de aço, alumínio e outras ligas de metais, a rigidez torcional aumenta, a suspensão funciona de forma mais eficiente e a sensação de direção se torna mais agradável. Com essas características, os veículos permanecem agradavelmente silencioso, mesmo em alta velocidade.

MCB_9589

MCB_9593

MCB_9604O interior do novo A6 é ainda maior do que a geração anterior.. Possui 4,94 metros milímetros de comprimento, 2,11 metros de largura, 2,92 metros de entre eixos e 1,46 metro de altura.

O compartimento de bagagem oferece espaço para carga com 530 litros. A tampa do porta-malas pode ser aberta e fechada eletricamente com um movimento dos pés.

O A7 Sportback oferece o desenho de um coupé, o espaço de um sedan e a versatilidade de um Avant, segundo a Audi.

Ele mede 4,97 metros de comprimento, tem distância entre eixos de 2,9 3 metros, 2,12 metros de largura e 1,42 metro de altura. O porta-malas suporta 535 litros que pode aumentar para 1.390 litros com os bancos traseiros dobrados.

MCB_9331

MCB_9405

MCB_9469A grande tampa do compartimento de bagagem termina em um lado pronunciado e curvo, a partir do qual um aerofólio integrado se estende automaticamente a 120 km/h. A tampa do porta-malas controlada por sensor abre e fecha automaticamente em resposta ao movimento do pé.

Uma faixa de luz plana – uma característica comum a todos os modelos topo de linha da Audi – une as lanternas feitas de 13 pontos verticais.

Preços, cores e opcionais – A gama de cores dos novos A6 Sedan e A7 Sportback tem doze tonalidades: azul Firmamento, azul Navarra, eege Carat, branco Geleira, cinza Daytona, cinza Vesúvio, prata Florete, preto Mito, verde Avalon, vermelho Tango, branco Ibis e preto Brilhante. Para o interior, os clientes podem escolher entre o preto, o cinza e o marrom.

Entre os opcionais ofertados estão: Head-up display, Night Vision Assist e faróis Full LED Matrix HD com luz de direção dinâmica e assinatura de luzes ao travar e destravar as portas. No A6 ainda é possível optar por um desenho exclusivo de roda com 20 polegadas.

MCB_8476Foto: Audi / Divulgação

O novo Audi A6 Sedan é oferecido em versão única, Performance, a partir de R$ 426,99 mil.

O Audi A7 Sportback também possui apenas uma versão, Performance, e está disponível a partir de R$ 456,99 mil.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Kawasaki Ninja ZX-10R Standard chega ainda em setembro

Da Redação

Kawasaki Ninja ZX_10R ST_Movimento 03A linha de superbikes da Kawasaki ganha mais uma versão da Ninja ZX-10R ainda este mês.

Equipada com controle de largada KLCM (Kawasaki Launch Control Mode), controle de tração S-KTRC (Sport-Kawasaki TRaction Control), quick-shifter bidirecional e sistema de freios ABS KIBS (Kawasaki Intelligent anti-lock Brake System), a Ninja ZX-10R Standard traz como principal novidade atualizações no motor (incluindo uma mudança no sistema de ação das válvulas) que possibilitaram elevar a potência máxima a 213 cv alcançados a 13.500 rpm e o torque a 11,7 kgfm atingidos a 11.200 rpm (antes 210 cv a 13.000 rpm e 11,6 kgf.m a 11.500 rpm).

E esses ganhos foram possíveis, segundo a fabricante, graças à experiência vitoriosa da marca no Campeonato Mundial de Superbike com o Kawasaki Racing Team (KRT), vencedor e recordista absoluto nas quatro últimas temporadas com o piloto britânico Jonathan Rea.

O modelo, que ainda conta com outros componentes de alta qualidade, como garfo dianteiro Showa Balance Free, suspensão traseira horizontal Back-link com amortecedor Showa BFRC lite (Balance Free Rear Cushion) e um potente pacote de freios Brembo, chega à rede de concessionárias da marca até o fim de setembro nas cores Pearl Storm Gray/Metallic Flat Spark Black e KRT Edition – Lime Green/Ebony /Metallic Graphite Gray, com preços públicos sugeridos de R$ 73,99 mil e R$ 75,99 mil, respectivamente.

Kawasaki Ninja ZX_10R ST_Estúdio 05CHASSI

  • O  quadro em vigas duplas traça uma linha direta do canote até a articulação da balança traseira, entregando um comportamento linear e possibilitando maior controle. A torção do quadro foi projetada para ser o mais próximo possível dos tubos principais, o que favorece ainda mais o controle do piloto.
  • O desenho do quadro também contribui para a estabilidade nas curvas e um alto nível de feedback.
  • O quadro é todo fundido e composto por apenas sete peças, o que permitiu aos engenheiros uma grande liberdade no design. A espessura da parede pode ser minimizada sem perder a resistência e a rigidez.

SUSPENSÕES

  • A Ninja ZX-10R apresenta garfo dianteiro desenvolvido em conjunto com a Showa no Campeonato Mundial de Superbike..
  • O garfo dianteiro Showa Balance Free de 43 mm e a suspensão traseira horizontal Back-link com amortecedor Showa BFRC lite (Balance Free Rear Cushion) contribuem para maior conforto na pilotagem e estabilidade de frenagem. Ambas possuem ajustes dos amortecimentos de compressão, retorno e pré-carga de mola.

FREIOS

  • A Ninja ZX-10R possui sistema de freios Brembo (similar ao da Ninja H2R) com dois discos semiflutuantes de 330 mm e 5,0 mm de espessura que entregam excelente força de frenagem.
  • Pinças monobloco duplas de fixação radial de alumínio fundido M50 seguram os discos dianteiros. As pinças de quatro pistões opostos altamente rígidas com pistões de 30 mm contribuem para uma ótima força de frenagem.
  • O freio traseiro é composto por um disco de 220 mm com uma pinça de pistão simples.
  • Ambos possuem mangueiras trançadas (como as utilizadas em competições) que  asseguram uma transferência de fluido hidráulico mais direta, contribuindo para uma maior sensibilidade do freio.
  • Para garantir ainda mais segurança, a Ninja ZX-10R possui o sistema KIBS (Kawasaki Intelligent anti-lock Brake System).

Kawasaki Ninja ZX_10R ST_Ambientada 01PAINEL DE INSTRUMENTOS

  • O painel de instrumentos da Ninja ZX-10R possui conta-giros de gráfico de barras retro iluminado por LEDs.
  • O conta-giros também funciona como indicador de mudança de marchas: os LEDs piscam quando a rotação ajustada é atingida. O piloto pode ajustar esta rotação de acordo com a preferência.
  • O display digital inclui o KLCM, o controle do freio motor Kawasaki (KEBC) e as funções do KQS (quick shifter), bem como o indicador do IMU.
  • Outras funções: indicador de posição de marcha, odômetro, odômetros parciais duplos, consumo de combustível médio, consumo instantâneo de combustível, modo de potência (3 modos), S-KTRC (5 modos + OFF), indicador de reserva, indicador de pilotagem econômica, temperatura do líquido de arrefecimento/temperatura do ar de admissão e várias luzes indicadoras.

ELETRÔNICA

IMU (Unidade de medição inercial) Bosch

  • A IMU Bosch monitora o movimento de inclinação segundo seis parâmetros: aceleração ao longo de eixos longitudinais, transversais e verticais, mais taxas de rolagem e de inclinação dianteira e traseira (pitch).  A taxa de guinada (desvio de rota) é calculada pela ECU usando o software original da Kawasaki.

S-KTRC (Sport-Kawasaki TRaction Control)

  • Sistema baseado nas tecnologias utilizadas nas competições, monitora vários parâmetros para conseguir informações em tempo real sobre o que está acontecendo na velocidade das rodas dianteira e traseira (escorregamento), rotação do motor, posição do acelerador, escorregamento, aceleração etc.
  • Como o sofisticado software baseia sua análise dinâmica no chassi em relação à superfície da pista (em vez de em relação a um plano horizontal), pode levar em conta a inclinação de curvas, o gradiente etc. e adaptar-se adequadamente.
  • Usando uma complexa análise, o sistema é capaz de prever quando as condições de tração estão prestes a se tornar desfavoráveis. Ao agir antes que a derrapagem exceda os limites para tração ideal, uma eventual queda de potência pode ser minimizada, resultando em funcionamento ultra suave.
  • As condições são confirmadas a cada 5 milissegundos e o controle por meio do tempo de ignição permite uma reação extremamente rápida.
  • Existem 5 modos de ajustes disponíveis, além da opção desligado, e o piloto pode escolher de acordo a sua preferência e nível de habilidade.

Kawasaki Ninja ZX_10R ST_Movimento 24KLCM (Kawasaki Launch Control Mode)

  • Há três modos disponíveis, cada um oferecendo um nível progressivo de intervenção. Com ele o piloto pode largar com o acelerador mantido totalmente aberto.
  • Com o manete de embreagem puxado e o sistema ativado, a rotação do motor é limitada a uma determinada faixa (9.000 rpm no Modo 1; 8.000 rpm nos Modos 2 e 3) – mesmo com o acelerador totalmente aberto.
  • Quando o manete de embreagem é solto para engatar a embreagem, a rotação do motor pode subir normalmente, mas a potência é regulada para evitar derrapagem das rodas e ajudar a manter a roda dianteira no chão.
  • O sistema desarma automaticamente a 150 km/h ou se o piloto passa a terceira marcha.
  • Para ativar o sistema a motocicleta deve estar parada, o Modo de potência deve estar em Full, e o S-KTRC ligado. O indicador do KLCM ficará iluminado quando o sistema estiver funcionando (ON).
  • Para prevenir possíveis danos ao sistema de embreagem ao executar várias largadas, quando a temperatura do líquido de arrefecimento do motor está acima de 40º graus, o KLCM poderá ser ativado após 150 segundos depois da última largada. Quando a temperatura do motor estiver acima de 100 graus não é possível ativar o KLCM.

KIBS (Kawasaki Intelligent anti-lock Brake System)

  • Além dos sensores de velocidade das rodas dianteira e traseira (padrão em qualquer sistema ABS), o KIBS monitora a pressão hidráulica da pinça dianteira e várias informações da ECU do motor (posição do acelerador, rotação do motor, acionamento da embreagem e posição de marcha).
  • Este controle da pressão do freio permite que o sistema evite a redução da performance de frenagem em razão do excesso de quedas de pressão. Dessa forma a sensação no manete de freio é mantida, mesmo quando o KIBS estiver ativo, e assegura que os pulsos do ABS sejam suaves (sem trancos).
  • O controle da pressão do freio traz, ainda, outros benefícios, entre eles a eliminação da elevação da traseira (Rear lift – RL), evita solavancos durante o funcionamento e  leva em conta o back-torque.

KQS (Kawasaki Quick Shifter)

  • O sistema KQS bidirecional permite tanto elevações de marcha quanto reduções sem utilização da embreagem, possibilitando o ganho de preciosas frações de segundo a cada mudança, bem como evitando a queda excessiva de rotações normal no processo de desengate e engate de marcha.

Kawasaki Ninja ZX_10R ST_Estúdio 01Fotos: Kawasaki / Divulgação

Amortecedor de direção eletrônico Öhlins

  • O amortecedor de direção eletrônico da Kawasaki desenvolvido em conjunto com a Öhlins fornece apenas a quantidade certa de amortecimento baseado no que a motocicleta está executando.
  • Utilizando dados do sensor de velocidade da roda traseira (através da ECU do motor), a ECU do amortecedor eletrônico de direção determina a velocidade do veículo, bem como o grau de aceleração ou desaceleração da motocicleta.
  • O nível básico de amortecimento é definido de acordo com a velocidade da motocicleta:

Em baixas velocidades:

– Ao entrar em curvas de baixa velocidade, a direção permanece leve e neutra. Ao  realizar curvas de 180 º ou a mudar de faixas, a direção é leve e fácil.

Em altas velocidades:

– Ao entrar em curvas de alta velocidade, os níveis de amortecimento ideal  asseguram  que o piloto será capaz de colocar a motocicleta na linha que ele escolher percorrer.

– A sensação de melhor estabilidade oferecida pelo amortecedor eletrônico de  direção permite aos pilotos relaxarem mais, reduzindo sua fadiga em longas  jornadas na  estrada.

Modos de potência

A Ninja ZX-10R possui três modos de potência: Full, Middle e Low:

Full: potência total

Middle: funcionamento limitado em cerca de 80% do modo Full

Low: funcionamento limitado em cerca de 60% do modo Full

IMPORTANTE: a assessoria de imprensa da Kawasaki não disponibilizou fotos do painel de instrumentos.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Inversor de 800 volts da Delphi Technologies reduz pela metade tempo de recarga de veículos elétricos

Da Redação

DelphiTechnologies_800V_SiC_InverterFoto: Delphi Technologies / Divulgação

A Delphi Technologies é a primeira do segmento automotivo com produção em massa de um inversor de carboneto de silício de 800 volts (SiC), um dos principais componentes dos veículos elétricos e híbridos de alta eficiência da próxima geração.

O novo inversor permite sistemas elétricos de até 800 volts, aumentando significativamente a autonomia de veículos elétricos e diminuindo pela metade o tempo de recarga em comparação com os sistemas de 400 volts da atualidade.

A novidade é um dos destaques da companhia no Salão do Automóvel de Frankfurt (IAA), na Alemanha. A tecnologia, que suporta plataformas multitensão, é uma evolução do inversor de alta tensão da empresa e se baseia em 25 anos de experiência em eletrificação de veículos.

O inversor de 800 volts da Delphi Technologies usa semicondutores MOSFET (Metal Oxide Semiconductor Field Effect Transistor, ou Transistor de Efeito de Campo Semicondutor de Óxido de Metal, em tradução livre) de última geração feitos de carboneto de silício.

A empresa atingiu recentemente um marco de US$ 2,7 bilhões em vendas para a produção em massa dessa tecnologia por oito anos com um OEM global de primeira linha. O lançamento é esperado para 2022, inicialmente para um veículo de alto desempenho operando em até 800 volts.

Recentemente, a empresa firmou uma parceria com a Cree, líder em semicondutores de carboneto de silício (SiC), para permitir que a próxima geração de veículos elétricos percorra distâncias maiores, tenha um tempo de recarga mais rápido e maior eficiência.

Os inversores da Delphi Technologies utilizarão os MOSFETs em carboneto de silício Wolfspeed da Cree.

A IHS estima que até 45% da produção global de veículos será eletrificada até 2025, com cerca de 46 milhões de veículos eletrificados sendo vendidos anualmente, aumentando para 57% até 2030 (cerca de 62 milhões de veículos anualmente).

Os inversores são um dos componentes de eletrificação de maior valor e sua eficiência tem um impacto que muda o setor em muitos aspectos em relação ao desempenho do veículo.

“Dobrar a tensão dos 400 volts de hoje traz uma variedade substancial de benefícios, tanto para o usuário do veículo quanto para o fabricante”, explicou Richard F. Dauch, CEO da Delphi Technologies.

“Projetamos essa tecnologia para simplificar a estratégia de multitensão das montadoras à medida que elas ampliam sua gama de veículos elétricos e híbridos.”, finalizou.

No centro do novo inversor da Delphi Technologies está o seu interruptor de força patenteado Viper, que combina altos níveis de integração com o resfriamento exclusivo em ambos os lados.

Esses recursos fazem com que a empresa desenvolva inversores 40% mais leves e 30% mais compactos que as tecnologias de inversores concorrentes.

A mais recente adição à linha de interruptores de alimentação Viper substitui o silício convencional por carboneto de silício, um semicondutor de banda larga que permite uma comutação rápida e pode operar em temperaturas ainda mais altas.

“Somente a troca mais ágil permitirá motores mais rápidos, mais compactos e mais leves, que oferecem grande eficiência e maior alcance”, explicou Dauch. “Isso é um complemento aos muitos benefícios de mudar para 800 volts.”

Com o novo inversor SiC da Delphi Technologies operando a 800 volts, os engenheiros de veículos agora têm flexibilidade adicional para otimizar outros sistemas de propulsão.

As opções incluem mais autonomia ou uma bateria menor; recarga ultrarrápida ou cabos menores, mais leves e mais baratos; e maior captação de energia cinética do veículo ao frear, ampliando ainda mais seu alcance.

O novo interruptor de alimentação Viper de carboneto de silício pode ser encaixado no mesmo pacote de inversores em que o atual interruptor de silício está, reduzindo os custos de engenharia associados à mudança de tecnologia, e simplificando o desenvolvimento das várias opções de desempenho do veículo.

O conversor e inversor DC / DC integrados da Delphi Technologies já oferecem economias significativas às montadoras.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br