Jeep inicia vendas do Wrangler Rubicon no Brasil

Da Redação

Jeep Wrangler Rubicon_01A rede Jeep começa a receber hoje, 28 de abril, os pedidos para o Jeep Wrangler Rubicon, inédito no Brasil. A versão foi mostrada antecipadamente, em 2019, no Jeep Experience Territory, eventos itinerantes gratuitos realizados em oito cidades brasileiras.

A iniciativa foi criada para que os consumidores possam experimentar e conhecer mais sobre a gama Jeep, além de se divertir com atividades para toda a família. A versão Wrangler Rubicon tem preço sugerido de R$ 419,99 mil.

“Mesmo com muitas das nossas 199 concessionárias com as portas fechadas por causa dos decretos em cada cidade ou Estado para reforçar o isolamento social contra a pandemia, a Jeep está com sua equipe de vendas a pleno vapor pelos canais digitais ou por telefone. Temos inclusive a possibilidade de agendamento de test-drive e entregas de carros em domicilio, seguindo todas as orientações de segurança para a saúde de todos”, comentou Alexandre Aquino, gerente-sênior do Brand Jeep para a América Latina.

Jeep Wrangler Rubicon_05Os clientes podem conhecer mais sobre o Jeep Wrangler Rubicon no hotsite https://www.jeep.com.br/wrangler-rubicon.html. Na mesma página, podem clicar em “Compre o Seu”, então preenchem um formulário e escolhem a concessionária Jeep mais próxima, que irá entrar em contato.

A versão chegou ao Wrangler desde o TJ (lançado em 1997) em homenagem à Rubicon Trail. A trilha da Califórnia (EUA), ao sul do Lake Tahoe, tem extensão de aproximadamente 35 km e é considerada uma das pistas mais técnicas de condução off-road dos Estados Unidos e o Wrangler Rubicon encara o trajeto sem a necessidade de qualquer preparação, exatamente como sai da concessionária.

Vale ressaltar que todo Wrangler já nasce com o selo Trail Rated que garante sua capacidade off-road, ao atender as exigências da Jeep em cinco quesitos: tração, distância do solo, articulação, manobrabilidade e capacidade de submersão.

Dessa forma, a versão Wrangler Rubicon é a mais capaz da família no uso off-road e traz como destaque o sistema 4×4 Rock-Trac com eixos Dana 44 de última geração e alto desempenho com relação reduzida de 4:1.

Outros recursos exclusivos são bloqueio eletrônico dos diferenciais dianteiro e traseiro Tru-Lok, que bloqueiam e distribuem uniformemente a potência possibilitando tração impressionante; barra estabilizadora dianteira com desconexão eletrônica; suspensão 5 cm mais alta; pneus lameiros BF Goodrich de 33 polegadas, que oferecem uma área de superfície maior do que os comuns para melhorar a tração e obter maior controle no off-road; além de proteção extra sob a carroceria para proteger do impacto com pedras.

A versão Jeep Wrangler Rubicon Unlimited conta, ainda, com motor 2.0 DOHC turbo (gasolina) que conta com 272 cv e 40,7 kgfm de torque. O propulsor é integrado à transmissão automática de 8 marchas TorqueFlite.

Jeep Wrangler Rubicon_07Com uma capacidade de reboque de mais de 1,5 tonelada, o Wrangler Rubicon se mostra capaz em todas as situações, inclusive em áreas inundadas com até 76 cm de altura. Os ângulos de ataque e saída são os seguintes: 44 graus e 37 graus, respectivamente.

O conteúdo tecnológico inclui a central multimídia Uconnect com tela sensível ao toque de 8,4 polegadas. O modelo conta com navegação GPS própria e conectividade com os sistemas Apple Car Play e Android Auto. Outra exclusividade do Uconnect no Wrangler são as Off-Road Pages.

Essas telas passam informações importantes como os graus de inclinação lateral e longitudinal do veículo, o modo de tração selecionado, o grau de esterço da direção, as coordenadas geográficas, altitude em relação ao nível do mar, entre outras.

Jeep Wrangler Rubicon_02O modelo possui, ainda, sensores frontais e traseiros, câmera de ré com linhas de grade dinâmicas e itens de alta tecnologia, como monitoramento de ponto cego e aviso de colisão frontal com alertas de frenagem ativa.

A versão Rubicon, assim como as outras do Wrangler, conta ainda com para-brisa dobrável e portas removíveis. Os faróis full LED entregam maior visibilidade e segurança ao condutor. O Jeep Wrangler Rubicon está disponível nas cores Granite Crystal, Black, Bright White e Punk’n, que é exclusiva da versão.

Jeep Wrangler Rubicon_03Fotos: FCA – Fiat Chrysler Automóveis / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Toyota apresenta Corolla que vai disputar a Stock Car

Da Redação

069eaf86e12c12d06c0feef33920ffc8A Toyota GAZOO Racing apresentou o layout do Corolla que irá disputar a Stock Car com o piloto argentino Matías Rossi e a equipe Full Time Sports.

A grande novidade é que o veículo será o primeiro da modalidade, e da América Latina, a utilizar as cores oficiais e os gráficos da Toyota GAZOO Racing, similar aos empregados em competições como Rally Dakar, WRC, WEC, 24 horas de Nürburgring, entre outras.

Com base na filosofia GAZOO Racing, que tem como lema “pushing the limits for better” – ou em tradução livre “indo ao limite em busca do melhor” -, a escolha por utilizar o Corolla e participar da Stock Car faz parte da estratégia da marca com o intuito de aprender sobre as competições e desenvolver seus carros.

498361da1d7fc67d1a7a5b2831fa3535Matías Rossi, que será piloto da GAZOO Racing no Brasil (Stock Car) e na Argentina (Súper TC2000), terá como companheiro de equipe Rubens Barrichello em ambas as competições.

“É um orgulho fazer parte da equipe da Full Time com esses companheiros. Vou aproveitar ao máximo essa experiência para aprender o mais rápido possível o funcionamento da Stock Car e também os circuitos. Juntamente com o Rubens Barrichello, tanto no Brasil como na Argentina, tenho certeza que iremos nos ajudar a entendermos mais rápido o trabalho”, afirmou Matías.

Com relação ao layout, o piloto argentino foi só elogios na escolha das cores e dos gráficos. “O Toyota Corolla ficou espetacular e muito bonito. Os veículos da Stock Car deste ano foram aprimorados ao incorporarem a carroceria original do Corolla, com as mesmas características. Estou muito confiante em participar, pilotar e estrear na categoria”, finalizou Rossi.

102fd602c7e238852a59749c83b6ee22Conforme o calendário atualizado da Stock Car, devido à pandemia do novo coronavírus, a primeira etapa está programada para acontecer em julho.

Desde abril de 2015, a Toyota GAZOO Racing é a marca que abrange todas as atividades de automobilismo da Toyota. Sob essa marca, a Toyota disputa provas no WRC, WEC, 24 horas de Nürburgring, Rally Dakar, Super GT (GT500 e GT300), Super Formula japonesa, Campeonato de Rally do Japão, entre outras competições.

31fd61e33eedcf83bc1330c67afeff7fFotos: Toyota / Divulgação

TOYOTA COROLLA STOCK CAR

Suspensão: independente nas quatro rodas. Triângulos sobrepostos (“duplo A”). Sistema pushrod. Amortecedores reguláveis de competição. Barras estabilizadoras dianteiras e traseiras reguláveis de dentro do carro.

Carroceria: monobloco original da fábrica, com alguns componentes produzidos em material compósito.

Entreeixos: 2.740 mm

Freios, dianteira e traseira: discos ventilados. Seis pistões na dianteira e quatro na traseira. Pinças AP Racing de competição.

Direção: sistema pinhão/cremalheira JTEKT, acionamento hidráulico por meio de bomba mecânica.

Motor: configuração V8, capacidade cúbica aumentada para 6,8 litros, 32 válvulas e Injeção eletrônica. Equalizados no Brasil em 460 cv (6.150 rpm). Máximo de 600 Nm de torque (5.000 rpm) em módulo de corrida. No modo push to pass, máximo de 550 cv (6.150 rpm) e 700 Nm de torque (5.000 rpm).

Câmbio: Sequencial e semiautomático (piloto seleciona e um mecanismo que gerencia o engate). Trocas acionadas por borboletas no volante. Tração traseira.

Rodas: Oz Racing (italianas), de liga leve, possuem 18 pol x 11 pol (diâmetro x largura).

Pneus: Pirelli PZero. Especiais para chuva e slicks na especificação DH. Medidas: 660 x  305 mm (diâmetro x largura da banda), R18.

Combustível: gasolina, tanque de fibra de carbono de capacidade ajustável, máximo de 114 litros.

Banco do piloto: Projetado e fabricado especialmente para a Stock Car nos EUA, com homologação FIA.

Testes: realizados até o momento nas pistas do Velo Città, Velopark, Cascavel, Interlagos e Curitiba.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Audi e-tron, SUV 100% elétrico, chega ao Brasil

Da Redação

Audi_E-tron_001A Audi do Brasil inicia um novo capítulo em sua história de 25 anos de presença no País: o SUV Audi e-tron, primeiro veículo 100% elétrico da marca, totalmente livre de emissões, chega ao mercado brasileiro a partir desse mês.

O modelo já está disponível em concessionárias que possuem a bandeira e-tron, com preço público sugerido a partir de R$499,99 mil, e possui 4 anos de garantia no veículo e 8 anos nas baterias.

Durante o período de lançamento, existem condições exclusivas: preço especial de R$459,99 mil, 4 anos de manutenção inclusos e valorização de R$15 mil na troca do usado.

“O e-tron é um verdadeiro marco na história da Audi no mundo todo, pois é o primeiro veículo 100% elétrico da marca produzido em série e comercializado com sucesso em diversos mercados. Agora chegou a vez do Brasil, como prometido ainda no Salão do Automóvel de São Paulo de 2018. É um veículo extremamente inovador e incrível de dirigir, que traz todas as características de esportividade, conforto e praticidade de um grande Audi. É o embaixador perfeito da nova fase do nosso lema Vorsprung durch Technik, que significa evolução através da tecnologia”, avalia Johannes Roscheck, CEO e presidente da Audi do Brasil.

Montado sobre a plataforma MEB, o novo modelo é equipado com dois motores elétricos realmente silenciosos, que combinam para uma potência total de 408 cv com 664 Nm de torque – as forças são distribuídas em 135 kW de potência e 309 Nm de torque na frente e 165 kW de potência e 355 Nm no motor traseiro.

Audi_E-tron_002Por ter torque instantâneo, completa 0-100 km/h em 5,7 segundos, com velocidade máxima limitada eletronicamente em 200 km/h, informou a Audi.

Uma nova geração da tração quattro – a tração elétrica nas quatro rodas – garante excelência em aderência e dinâmica em qualquer tipo de terreno, segundo a fabricante. O modelo regula a distribuição ideal de torques de acionamento entre os dois eixos em uma fração de segundo.

Na maioria dos casos, o SUV usa principalmente seu motor elétrico traseiro para obter a mais alta eficiência. Se o motorista exigir mais energia, a tração elétrica nas quatro rodas redistribui o torque conforme necessário para o eixo dianteiro.

Além disso, com o Audi drive select, o motorista pode variar as características de direção entre sete perfis: Auto, Comfort, Efficiency, Offroad, Dynamic, Allroad e Individual.

No modo Dynamic, a tração privilegia a esportividade ao dar maior preferência de torque para o eixo traseiro, enquanto nos outros modos a distribuição é mais equilibrada entre ambos os eixos.

Audi_E-tron_003O sistema de baterias de íons de lítio pesa cerca de 700 kg e é composto por 36 módulos de alumínio, que deixam o centro de gravidade do Audi e-tron semelhante ao de um sedan, de acordo com a Audi.

O veículo possui autonomia de até 436 km (ciclo europeu WLTP), ideal para percorrer longos trajetos, e pode recarregar de diversas formas.

Uma delas é por meio de redes externas. Basta plugar o veículo em uma tomada, desde uma simples 110V até as de alta tensão, para iniciar a recarga, cujo tempo varia de acordo com a potência elétrica disponível.

Em estações de recarga ultra rápida de 150 kW, por exemplo, é possível carregar até 80% da bateria em 30 minutos.

Na maioria dos casos, os consumidores optam por carregar o veículo elétrico durante a noite, como os smartphones. Nesse caso, o Audi e-tron pode ser carregado com a potência máxima disponível, considerando outros equipamentos elétricos no domicílio, para evitar sobrecarga do sistema residencial.

Audi_E-tron_004Os clientes também podem definir suas próprias prioridades, como programar o horário de carregamento de acordo com o horário que oferece valor reduzido da energia.

Além da recarga em redes externas, o SUV pode recuperar a energia de outras duas maneiras: simplesmente ao tirar o pé do acelerador ou quando o pedal de freio é acionado. Durante mais de 90% de todas as desacelerações, o e-tron recupera a energia exclusivamente por meio de seus motores elétricos.

Um fato totalmente novo é que o motorista pode selecionar o grau de recuperação de energia em três níveis utilizando as aletas localizadas atrás do volante, que lembram os tradicionais shift-paddles (“borboletas”).

No nível 0, o Audi e-tron não recupera energia quando o motorista solta o pedal do acelerador. No nível 1, de desaceleração mínima, e no nível 2, de alta desaceleração, os motores elétricos geram torque de freio regenerativo, fazendo com que o SUV elétrico reduza a velocidade notavelmente enquanto produz eletricidade – o motorista pode desacelerar e acelerar usando apenas o pedal do acelerador, criando a sensação de pedal único. Em baixas velocidades, praticamente não há necessidade de usar o pedal do freio.

Além de ajustar manualmente o nível de recuperação com as aletas do volante, o motorista também pode selecionar o modo automático na MMI. Assim, o modelo aproveita seu potencial máximo de recuperação em combinação com o sistema de controle integrado de freios eletro-hidráulicos.

Audi_E-tron_023O gerenciamento térmico do sistema de bateria é um capítulo à parte: um total de 22 litros de líquido de arrefecimento flui através dos 40 metros de conexões no Audi e-tron, garantindo que as baterias sejam mantidas, na maior parte das vezes, dentro de sua faixa ideal de eficiência de 25ºC a 35ºC em várias situações, desde um dia frio no inverno até os dias quentes de verão, o que contribui para a vida útil.

Em termos de aerodinâmica, um dos destaques do novo SUV são os retrovisores externos virtuais – uma novidade mundial em modelos de produção em série. Quando equipado com esta tecnologia inovadora, o Audi e-tron alcança um coeficiente de arrasto de 0,27, aumentando muito sua eficiência e contribuindo para sua autonomia.

Os retrovisores virtuais não apenas reduzem o arrasto, mas também levam a digitalização do veículo a um nível totalmente novo. O equipamento conta com uma câmera, onde as imagens são processadas digitalmente e exibidas nos monitores internos laterais de 7 polegadas com tecnologia OLED de 1.280 x 800 pixels, cujo brilho se ajusta automaticamente.

 

Se o motorista move o dedo sobre a tela sensível ao toque, símbolos são ativados possibilitando mover a imagem e ajustar o ângulo desejado.

Graças ao processamento sofisticado de imagens, os monitores oferecem uma qualidade superior ao espelho convencional em várias situações, como o reflexo direto da luz solar, nitidez para visão noturna ou mesmo pelo fato de não embaçar em dias chuvosos.

Outras soluções aerodinâmicas também foram adotadas, como a suspensão a ar, que se ajustam individualmente às condições da estrada.

Dependendo da velocidade e preferência do motorista, a altura da suspensão varia até 76 milímetros. Especialmente em viagens mais longas, uma altura de condução mais baixa melhora a aerodinâmica e também contribui para a autonomia.

 

É possível destacar, ainda, a parte inferior do veículo totalmente forrada com placa de alumínio, que além de proteger a bateria também reduz o arrasto, e a entrada de ar frontal ajustável na grade dianteira conhecida como Singleframe, que pode se abrir e fechar dependendo das condições.

Toda essa eficiência aerodinâmica resulta, segundo a Audi, em um silêncio que merece atenção especial. Os únicos sons perceptíveis são do rolamento dos pneus na superfície e do suave funcionamento dos motores elétricos.

A sensação de dirigir o Audi e-tron é de muita esportividade e excelente dinâmica. Um fator-chave para isso é a posição baixa e central na qual o sistema de baterias é instalado: entre os eixos, na forma de um bloco plano e largo, e abaixo do habitáculo reservado aos passageiros.

Desta forma, a distribuição de peso é perfeitamente equilibrada em 50:50 nos eixos. A bateria é fixada à estrutura do corpo do Audi e-tron em 35 pontos, o que aumenta sua rigidez torcional e contribui para o alto nível de segurança.

Comparado a um SUV convencional, o Audi e-tron oferece rigidez torcional 45% maior, um parâmetro essencial para excelência na dirigibilidade.

Audi_E-tron_034

Audi_E-tron_035Dependendo do modo de direção selecionado no Audi drive select, o sistema também influencia a suspensão padrão com amortecedores adaptáveis. Como resultado, existe uma grande diferença entre conforto para rodar suavemente ou escolher uma dirigibilidade mais esportiva.

O modelo tem 4,90 metros de comprimento, 2,04 metros de largura e 1,63 metro de altura. Com entre-eixos de 2,93 metros, o Audi e-tron tem amplo espaço para cinco ocupantes e bagagens.

Como o veículo elétrico não possui o eixo cardã, na parte traseira não há mais o túnel central, o que oferece um ganho de espaço para o passageiro que ocupa a parte central do assento traseiro.

A capacidade de bagagem é de 600 litros e, com o banco traseiro rebatido, o espaço aumenta para 1.725 litros. A ausência de um motor tradicional na parte frontal dá lugar a um compartimento que acomoda o kit de ferramentas do veículo e o cabo do carregador Audi compact charger.

Design – Como representante elétrico da gama de veículos SUV da marca, o e-tron tem a grade Singleframe de design octogonal com linhas verticais e horizontais. Na extremidade inferior, o modelo é amplamente fechado, identificando-o como um modelo totalmente elétrico.

Audi_E-tron_020

Audi_E-tron_011A linha de ombro desenhada desde os faróis Full LED até as lanternas dá ao SUV a impressão de um modelo ainda mais próximo do chão. Com o teto solar panorâmico Open Sky, o modelo intensifica a sensação de leveza e espaço amplo.

Na borda inferior dos faróis, quatro linhas horizontais criam a assinatura e-tron nas luzes diurnas. Pela primeira vez, isso é integrado diretamente aos faróis.

Na parte traseira, a assinatura ótica mantém o design inaugurado no Audi Q8 e chama a atenção para a ausência dos tubos de escape. Na lateral do veículo, destaca-se o logotipo e-tron na cor laranja na tampa de abertura para acoplar o carregador.

No interior, os assentos possuem costura que lembra placas de um circuito elétrico, com ajuste de lombar e com memória para o motorista. A área do motorista foi projetada para que os dois grandes displays do MMI Touch, de 10,1 e 8,6 polegadas, com retorno tátil e sonoro, sejam levemente direcionados para o condutor.

No visor superior, o motorista controla informações, entretenimento, navegação e configurações do e-tron – onde eles podem ativar um timer de carregamento ou especificar o tipo de regeneração, por exemplo.

Audi_E-tron_029Na parte inferior, o motorista gerencia a entrada de texto, as funções de conforto e o ar-condicionado com o pulso apoiado confortavelmente no seletor de modo de direção.

O Audi e-tron será comercializado em duas. A versão Performance traz, dentre os itens de conforto, bancos dianteiros elétricos em couro com ajuste lombar e memória para o motorista, ar-condicionado de 4 zonas, teto solar elétrico panorâmico, volante com ajuste elétrico de altura, projeção do logotipo e-tron em todas as portas e luzes internas personalizáveis com 30 opções.

Como itens de segurança, vem de série com faróis Full LED com assistente de farol alto, controle de cruzeiro adaptativo com assistente de saída de faixa, abertura e fechamento elétrico do porta-malas com sistema hands-free, abertura de veículo por proximidade, auxílio de estacionamento plus com display 360º, indicador de pressão dos pneus, espelho retrovisor interno com função antiofuscante automática e oito airbags.

Como equipamentos de informação e entretenimento, os principais destaques são rádio MMI com sistema de navegação e interface para smartphones com sistema iOS e Android.

A estrutura do menu é intuitiva como em um smartphone e muitas funções também podem ser controladas através do sistema de controle de voz natural. Há também o Audi virtual cockpit plus, onde o motorista pode escolher entre duas visões que apresentam claramente todas as informações na forma de gráficos nítidos e de alta resolução.

Audi_E-tron_032Como opcional nesta versão existe apenas a pintura metálica e o Pacote Tecnológico, que contempla head-up display, pre sense dianteiro – que avisa o motorista e prepara o veículo para o caso de uma colisão iminente – e o night vision assist.

A versão topo de linha é a Performance Black, que agrega no interior bancos dianteiros esportivos em Alcântara, acabamentos na cor cinza volcano e teto interior na cor preta.

No exterior, incorpora o kit S line com soleiras em alumínio e iluminadas, capa do retrovisor externo na cor preta, frisos decorativos em High Gloss Black e pinças de freio laranja. De série nessa versão há também o sistema de som Bang & Olufsen 3D, com 16 alto falantes.

Na Performance Black, além dos opcionais de pintura metálica e Pacote Tecnológico, os clientes podem acrescentar os retrovisores virtuais, faróis full LED Matrix HD com luz de direção dinâmica e o Audi Side Assist.

Este último é um pacote que contempla tecnologias inovadoras como o Audi Pre Sense traseiro (reconhece a iminência de uma colisão e regula o tensionamento dos cintos dianteiros, posicionamento de banco e fechamento de teto solar e vidros), o Exit Warning Assist (aviso de perigo quando os passageiros estão saindo do veículo), o Audi Side Assist (aviso de perigo em mudança de faixa) e o Assistente de Tráfego Reverso (informa o condutor sobre a possibilidade de um acidente ao realizar uma manobra traseira com a utilização dos sensores e radares do veículo, além de uma breve utilização dos freios caso necessário).

Audi_E-tron_031As rodas em ambas as versões são de 21 polegadas, mas na Performance Black o desenho é exclusivo. São 11 cores externas disponíveis na versão Performance: Azul Galáxia, Azul Navarra, Bege Siam, Branco Geleira, Cinza Manhattan, Cinza Tufão, Prata Florete, Preto Brilhante, Preto Mito e Vermelho Catalunya. No interior, são três opções: bege, preto e marrom.

Na versão Performance Black, são nove cores externas – Azul Antigua, Azul Navarra, Bege Siam, Branco Geleira, Cinza Daytona, Prata Florete, Preto Brilhante, Preto Mito e Vermelho Catalunya – e duas interiores, cinza e preto.

Produzido na fábrica de Bruxelas, na Bélgica, o Audi e-tron tem garantia de 4 anos no veículo e 8 anos nas baterias. Seu preço público sugerido será de R$499,99 mil na versão Performance e de R$539,99 mil na Performance Black.

Contudo, durante o período de lançamento haverá condições especiais: as versões serão negociadas, respectivamente, por R$459,99 mil e R$499,99 mil.

A Audi anunciou, em fevereiro, investimento de R$ 10 milhões em infraestrutura de recarga de veículos elétricos para instalação de 200 pontos até 2022. O objetivo é instalar os pontos em shoppings, academias, hotéis, clubes e restaurantes, ou seja, localidades que o cliente frequenta e pode deixar o veículo carregando enquanto realiza outra atividade.

Audi_E-tron_021Além da infraestrutura oferecida pela Audi do Brasil, a marca também se aliou à Porsche, Volkswagen e EDP para instalar 30 estações de recarga ultra rápida localizadas em estradas e rodovias pelo território brasileiro. Serão 29 estações de 150 kW e uma unidade de 350 kW.

Concessionárias e-tron – A Audi também anunciou recentemente as 14 concessionárias que terão a bandeira e-tron. Cada uma delas já possui representantes especializados para oferecer a melhor experiência em toda a jornada do cliente, desde um atendimento personalizado com um especialista no produto até a manutenção necessária com equipe altamente treinada.

Todas as concessionárias também terão pontos de carga rápida DC de 22 kW e pelo menos um veículo e-tron para test drive.

Os 14 Audi Centers habilitados estão localizados em Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Curitiba (Alto da XV), Londrina, Florianópolis, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro (Botafogo), Vitória, e quatro em São Paulo.

Audi_E-tron_015_1Fotos: Audi / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Volkswagen revela detalhes do Nivus

Da Redação

unnamed(4)O Nivus será fabricado na planta Anchieta, em São Bernardo do Campo (SP), sob a Estratégia Modular MQB, o mais moderno conceito de produção do Grupo Volkswagen no mundo.

Seguindo a receita dos modelos Polo, Virtus e T-Cross, o Nivus foi desenvolvido totalmente pela equipe de designers e engenheiros da Volkswagen América do Sul. E mais: ele será o primeiro modelo desenvolvido localmente e que será também produzido e comercializado no mercado europeu.

O Nivus exibe um desenho com amplo destaque para a queda suave da coluna ‘C’, uma característica típica dos coupès. Os faróis e as lanternas são em LED, além do DRL (Daytime Running Light) totalmente em LED, com uma assinatura visual inédita nos modelos Volkswagen. As novas rodas de liga leve de 17 polegadas completam o pacote visual exclusivo.

unnamedInfotainment – O novo sistema de infotainment, totalmente desenvolvido no Brasil, tem nome e sobrenome: VW Play.

Ele traz uma nova tela de altíssima definição e diversas funcionalidades que, definitivamente, estabelecerão um novo patamar em termos de conectividade no mercado brasileiro.

Graças à Estratégia Modular MQB, o Nivus oferece espaço interno para levar com total conforto os cinco ocupantes, informou a VW. O balanço traseiro mais pronunciado permite oferecer também um porta-malas com capacidade para até 415 litros.

Com relação a tecnologia, a montadora informou que o Nivus será responsável por estrear novos recursos de segurança e conforto no segmento de compactos, alguns itens disponíveis somente em segmentos superiores.

unnamed(5)Fotos: Volkswagen / Divulgação

Um deles é o ACC (Adaptive Cruise Control), que permite ao motorista ajustar a velocidade e a distância que deseja trafegar em relação ao veículo à frente. O Nivus também contará com o AEB (Autonomous Emergency Brake), recurso que, ao identificar o eminente risco de uma colisão frontal, freia o carro de maneira autônoma, evitando, em alguns casos, qualquer dano ao veículo ou ferimento ao motorista e passageiros.

O pacote de segurança traz, ainda, o Front Assist, sistema que, por meio de radar e sensores, monitora o tráfego e alerta o motorista, de forma sonora e visual, para evitar colisões.

O motor é o 200 TSI de três cilindros (1.0 turbo), flexfuel e com injeção direta de combustível. Este propulsor entrega até 128 cv de potência máxima e 20,4 kgfm de torque, quando abastecido com etanol.

A transmissão é automática de 6 marchas. Esse conjunto mecânico é o mesmo que, atualmente, é utilizado nos modelos Polo, Virtus e T-Cross.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Ram 2500 ganha série especial Night Edition

Da Redação

RAM_2500_night_edition_003

Pela primeira vez no País a Ram 2500 passa a contar com uma série especial com o objetivo de oferecer uma dose extra de exclusividade, a Night Edition.

O principal destaque é o acabamento escuro nas peças que habitualmente são cromadas.

O design imponente da picape inteiramente renovada há pouco, matéria publicada pelo DC Auto, ficou mais agressivo, com faróis e lanternas com máscara negra, grade com desenho exclusivo em preto brilhante e rodas com novo estilo, capas dos retrovisores e estribos com pintura preta.

RAM_2500_night_edition_004Para completar o visual diferenciado, os para-choques e as maçanetas receberam a mesma cor da carroceria. O tema all-black se repete na cabine, com o forro de teto e os revestimentos da coluna pretos.

Marcando a estreia da linha 2020, a Ram 2500 Night Edition é uma opção da versão Laramie e, portanto, compartilha da mesma lista de equipamentos.

Vários deles estrearam recentemente no modelo 2019 da picape para reforçar o nível de tecnologia. Seja no infotenimento, a exemplo da central multimídia com tela de 12 polegadas e sistema de som com cancelamento de ruídos externos, ou na segurança: alerta de tráfego traseiro cruzado, monitoramento de pontos cegos e câmeras 360° e de caçamba.

RAM_2500_night_edition_019Até a mecânica ficou mais tecnológica com a grade dianteira com aletas ativas, que se movimentam automaticamente para reduzir o arrasto aerodinâmico sempre que possível e, assim, diminuir o consumo de combustível.

O próprio motor, turbodiesel de seis cilindros em linha da Cummins, que ganhou inúmeras inovações. Além de ficar 28 kg mais leve, a “usina de força” de 6.7 litros passou a render mais 35 cv de potência e 6,7 kgfm de torque, atingindo 365 cv e 110,7 kgfm, respectivamente.

Um equipamento inédito que entrou na linha 2020 da Ram 2500 é o degrau retrátil no canto traseiro esquerdo da picape. A peça fica alojada abaixo do para-choque e facilita o acesso à caçamba. A outra novidade é a roda de liga leve com novo desenho, mais elegante.

MHD19US4_050O cliente da Night Edition tem à disposição uma pintura exclusiva no catálogo da marca Ram, a vermelho Delmonic, perolizada, além das cores preto Diamond (perolizada) e granito Crystal (metálica), um tom de cinza escuro.

Limitada, inicialmente, a apenas 100 unidades, a Ram 2500 Night Edition tem preço sugerido de R$ 326,99 mil, R$ 5 mil a mais do que os R$ 321,99 mil da Laramie.

RAM19_046922_MY20_RedDrvrSide_InWarehouseFotos: FCA – Fiat Chrysler Automóveis / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Fiat Strada 2021 estreia nova geração

José Oswaldo Costa (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 10/04/2020)

Sem data para chegar às revendas, versão com cabine dupla passa a contar com 4 portas

fiat-strada-volcano-2021-22Um dos mais aguardados lançamentos do ano estava marcado para a última terça-feira, dia 7 de abril. Porém, a pandemia da Covid-19 adiou a apresentação da nova Fiat Strada.

Provavelmente, o evento para a imprensa especializada será realizado no mês de julho. Como alguns veículos de comunicação (como revistas, jornais e sites) já haviam recebido, de maneira antecipada, o material referente à picape, a Fiat Chrysler Automóveis (FCA) foi obrigada a liberar a publicação, “furando” o lançamento oficial.

A fabricante até pensou na possibilidade de pedir para que os veículos de comunicação segurassem a informação até julho. Mas, quando a pandemia tornou impossível a realização do evento dessa semana, publicações impressas, como as revistas especializadas, já estavam com as matérias, prontas, em suas gráficas. Não havia mais tempo para impedir.

A única informação relevante que ficou de fora foi o preço de cada versão. Mas, para a imprensa especializada, fica muito fácil fazer uma projeção tendo em vista os números do mercado atual relativos ao segmento que a Strada ocupa (picapes compactas).

Primeiramente, vamos apresentar a nova Strada. De cara, duas informações que podem desagradar a muitos potenciais compradores: se você é fã da versão com cabine estendida, esqueça, ela na existe mais. Agora, a Strada conta, somente, com cabine simples e cabine dupla.

fiat-strada-volcano-1.3-2021 2Porém, pode-se dizer que a cabine dupla foi aprimorada. Sai a carroceria com três portas e entra, em seu lugar, a de quatro portas. Isso facilita, muito, o acesso dos passageiros para o banco traseiro.

Outra decepção poderá ficar por conta das motorizações oferecidas. Aqueles que gostam de um motor mais potente ficarão órfãos. O motor 1.8 16V (130/132 cv) não será oferecido para a linha 2021.

Os clientes que gostam de um bom desempenho ficarão decepcionados com os fracos 1.3 Firefly e 1.4 Fire EVO. O primeiro é capaz de render 101/109 cv e oferece torque de 13,7/14,2 kgfm com gasolina e etanol, respectivamente.

Já o segundo, desenvolve 85/88 cv de potência com gasolina ou etanol no tanque. O torque é de 12,5 kgfm, independente do combustível escolhido.

Em um primeiro momento, ambos trabalharão em conjunto com o câmbio manual de 5 marchas. É bastante provável que a Fiat apresente a opção do câmbio automático, até mesmo um CVT, no próximo ano.

fiata-strada-2021-2Design – A Fiat Strada 2021 incorpora elementos de vários modelos da Fiat, tanto no exterior quanto no interior. Na dianteira, os faróis trazem uma mescla dos modelos Mobi e Argo.

A versão Volcano apresenta uma barra cromada, acima da grade, que une os dois faróis. Além disso, nessa versão eles são em LED, assim como ocorre com as luzes diurnas (DRL).

A grade do radiador é grande e proporcional ao estilo da picape, aumentando a sensação de robustez. Nela estão presentes a nova logomarca da Fiat, que ficou muito bonita, e uma pequena bandeira da Itália, duas novidades da fabricante para o Brasil.

No para-choque, destaque para o desenho dos faróis de neblina, mais retangulares, em substituição aos redondos.

Nas laterais, a herança, principalmente no desenho das portas dianteiras, é do compacto Mobi. Já os espelhos retrovisores são provenientes do hatch Argo.

galeria10_deskNa traseira, chamam a atenção as lanternas que, assim como a nomenclatura das versões e as caixas de roda quadradas, remetem imediatamente para a ‘irmã” Toro. Existia a expectativa da tampa traseira ser dividida em duas com abertura lateral, como a da Toro, mas isso não ocorreu.

Interior – Se alguns elementos do exterior mostram uma “união” dos modelos Mobi e Argo, o interior traz a mescla Mobi/Uno. O quadro de instrumentos, volante (difere-se pela base reta e a opção de acabamento em couro) e coluna de direção têm como base o Mobi.

Aliás, esta última traz um grande defeito: ela conta, somente, com ajuste de altura e não apresenta o de profundidade. Era algo muito sentido na geração anterior da Strada e que, esperava-se, a Fiat corrigisse. Falha grave!

O restante do painel é realmente uma mistura de Mobi e Uno. As saídas centrais de ar assemelham-se às do Uno, enquanto, o grande vão aberto para objetos, em frente ao passageiro, remete ao Mobi.

Uma boa novidade é a nova central multimídia que estréia na linha Fiat. Ela apresenta um exclusivo sistema de espelhamento sem fio para celulares (Android Auto e Apple CarPlay) e a sua tela touchscreen possui 7 polegadas, além de oferecer a opção de configurações personalizáveis para diferentes usuários.

fiat-strada-volcano-2021-19

fiat-strada-volcano-2021-18O espelhamento possibilita que até dois smartphones sejam conectados ao mesmo tempo. As funções do veículo, bem como os dados do computador de bordo, também podem ser visualizadas na tela do novo sistema multimídia.

Endurance, Freedom e Volcano são as novas versões

Nas versões de cabine simples, a capacidade da caçamba é para 1.354 litros e 720 kg de carga. No caso da cabine dupla, são 844 litros de capacidade volumétrica e 650 kg de carga. A caçamba maior tem 1,71 metro de comprimento e, a menor, 1,17 metro.

Como informamos anteriormente, o volume da caçamba, na versão de cabine dupla, passou de 640 para 844 litros. Esse ganho foi possível deslocando o pneu estepe, do interior da caçamba, para a parte inferior do compartimento de carga, como ocorre com a Toro.

As medidas na nova Strada cabine dupla são as seguintes: 4,48 metros de comprimento, 2,74 metros de entre-eixos, 1,73 metro de largura e 1,57 metro de altura. De acordo com a Fiat, o ângulo de entrada é de 24º e a altura em relação ao solo é de 208 milímetros.

A cabine simples se difere na altura, que é de 1,61 metro, e no comprimento (4,47 metros). Em comparação à Strada Working da geração passada, a nova é 36 milímetros mais longa, 68 milímetros mais larga, 18 milímetros mais alta e tem um entre-eixos 19 milímetros maior.

galeria_12_deskA suspensão dianteira (McPherson) utiliza novas molas, amortecedores e barra estabilizadora. Já na traseira, foi mantido o eixo rígido com molas semielípticas.

A nova Fiat Strada contará com três versões: Endurance, Freedom e Volcano. As duas primeiras serão comercializadas com a opção de carroceria com cabine simples ou dupla. Já a topo de linha, Volcano, será vendida somente com cabine dupla.

A Fiat Strada Endurance (cabine simples ou dupla) será vendida com o motor 1.4. As versões Freedom (intermediária) e Volcano (topo de linha), contarão com a motorização 1.3. A Strada Working 1.4, da atual geração, deverá ser mantida com o preço de cerca de R$60 mil.

Vesões, itens de série e preços*:

Fiat Strada Endurance 1.4 (cabine simples – R$65 mil e cabine dupla – R$70 mil):

galeria05_desk

A versão de entrada apresenta, de série, os seguintes itens: controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, bloqueio eletrônico do diferencial, airbags dianteiros, airbags laterais (cabine dupla), ar-condicionado, direção hidráulica, volante com ajuste de altura, preparação para som, computador de bordo, luz de condução diurna, protetor de caçamba, iluminação da caçamba e rodas de aço de 15 polegadas com pneus 195/65 R15, entre outros.

Fiat Strada Freedom 1.3 (cabine simples – R$75 mil e dupla – R$80 mil):

galeria03_desk

galeria02_deskEsta versão traz todos os itens da Endurance acrescidos de: direção elétrica, brake ligth, banco do motorista com ajuste de altura, vidros, retrovisores e travas elétricos, alarme, tela de 3,5 polegadas no quadro de instrumentos, monitoramento da pressão dos pneus, rádio com entrada USB, volante multifuncional, rodas em liga de 15 polegadas, maçanetas, retrovisores e para-choque dianteiro na cor da carroceria, faróis de neblina, entre outros.

Fiat Strada Volcano 1.3 (cabine dupla – R$85 mil):

fiat-strada-volcano-2021-13-1024x630

fiat-strada-volcano-2021-9-1024x694A Strada Volcano apresenta todos os itens da versão Freedom, acrescidos de: vidros elétricos traseiros, sistema multimídia com tela de 7 polegadas, segunda entrada USB, câmera de ré e sensor de estacionamento traseiro, faróis em LED, bancos com tecido em relevo com faixas de material sintético que imita o couro, volante revestido em couro, capota marítima, rack de teto com santoantônio e pneus de uso misto 205/60 R15. Essa versão oferece rodas em liga leve, de 16 polegadas, como opcional.

*os preços são projeções feitas de acordo com o mercado e não foram confirmados pela Fiat. Eles serão divulgados no lançamento oficial, no 2º semestre.

fiat-strada-07042020115745290Fotos: FCA – Fiat Chrysler Automóveis / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Jaguar Land Rover altera carência para as revisões e manutenções programadas

Da Redação

A Jaguar Land Rover enviou um comunicado para a imprensa especializada, hoje (6 de abril), no qual informa que, seguindo as diretrizes do Ministério da Saúde e da OMS (Organização Mundial da Saúde) para evitar a disseminação da Covid-19, estipulou uma carência de 2 meses ou 3.200 km (o que ocorrer primeiro) para que os clientes da marca possam realizar as revisões e manutenções programadas sem afetar a garantia de fábrica do veículo, que também será estendida em 2 meses, independentemente se a revisão estiver programada para este período ou não.

Hoje, no Brasil, a Jaguar Land Rover tem concessionárias com três regimes de trabalho diferentes, seguindo as diretrizes de isolamento estipuladas pelo estado onde estão localizadas:

1) trabalhando normalmente de portas abertas;

2) funcionando normalmente de portas fechadas;

3) totalmente fechadas.

As que seguem em serviço, estão seguindo todas as regras de distanciamento, higiene e segurança para que funcionários ou clientes não sejam expostos ao vírus.

Em casos de colisão e acidente, todas as oficinas da Jaguar Land Rover continuam recebendo os carros normalmente, e o reparo será feito de acordo com o regime de trabalho de cada concessionária.

A Jaguar Land Rover informou, ainda, que continuará monitorando a situação e, se necessário, reavaliará os procedimentos, alertando a rede de concessionários, funcionários e clientes.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Ford lança, via web, Ranger Storm 4×4

José Oswaldo Costa*  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 03/04/2020)

Com motor 3.2 de 200 cv, modelo apresentado como conceito no Salão do Automóvel chega às ruas

FordRangerStorm-1A Ford apresentou, nessa semana (via internet), a Ranger Storm, nova versão off-road da picape voltada para o segmento de esportes radicais e aventura, com uma combinação de desempenho, estilo e equipamentos, de acordo com a fabricante.

A expectativa da Ford, com a nova versão, é conquistar uma fatia maior do bolo. Ela vem perdendo terreno para modelos como a Volkswagen Amarok, que cresceu muito nas vendas com a chegada da versão com motor V6.

Dentre todos os modelos de picapes (pequenas, médias e grandes), a Ranger ficou com a 6ª colocação no ranking do primeiro trimestre, com 4.476 unidades vendidas, e 3ª no seu segmento.

Nesse ranking geral, a primeira posição é da Fiat Strada, com 15.328 unidades emplacadas. A Toyota Hilux, concorrente direta da Ranger, aparece na 3ª colocação geral e 1ª no segmento, com 9.279 unidades comercializadas.

 A 2ª colocação, no segmento de picapes médias (5ª no ranking geral), é da Chevrolet S10, que vendeu no primeiro trimestre 5.738 unidades. Os números, computados até o último dia 30 de abril, são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

O modelo cabine dupla apresentado como conceito no último Salão do Automóvel de São Paulo teve, segundo a Ford, grande aceitação e foi desenvolvido especialmente para o mercado brasileiro.

A grade dianteira com o nome Storm em destaque é a assinatura da nova picape, personalizada também com faixas no capô e nas laterais, alargadores de paralamas, estribos, rodas e santantônio exclusivo, todos na cor preta.

As lanternas traseiras com lentes escurecidas são emprestadas da série especial global Wildtrak. Ela conta, ainda, com dois acessórios especiais: snorkel e capota marítima.

A Ford informou que, como oferta de lançamento, esses dois itens serão gratuitos para os 60 primeiros compradores da nova versão da picape. Quando forem vendidas as 60 primeiras unidades, os dois itens terão o preço de R$ 5,66 mil e só poderão ser adquiridos juntos.

A Ranger Storm vem equipada com tração 4×4, transmissão automática de 6 marchas,  diferencial traseiro blocante e motor Duratorq 3.2 turbodiesel, de cinco cilindros, das versões de topo XLT e Limited. Ele é capaz de gerar 200 cv e um torque de 47,9 kgfm.

FordRangerStorm-4Outro grande diferencial são os pneus todo-terreno Scorpion AT Plus. Desenvolvidos especialmente para a picape em parceria com a Pirelli.

Resultado de um projeto de um ano, eles foram feitos sob medida, com mais de 90 parâmetros personalizados, para entregar o melhor desempenho tanto na terra, lama, água, cascalho e pedra como no asfalto, com grande equilíbrio entre performance e conforto, de acordo com a Ford.

O alto torque do motor, a tração 4×4, o diferencial traseiro blocante e os novos pneus permitem transpor com facilidade todo tipo de terreno.  O sistema 4×4 possui três opções de funcionamento: 4×2 (tração somente nas rodas traseiras), 4×4 High (tração nas quatro rodas e velocidade máxima de até 120 km/h) e 4×4 Low (tração reduzida e torque em dobro para situações extremas).

A picape vem equipada com o sistema AdvanceTrac, composto por controle eletrônico de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, controle automático de descida, controle de oscilação de reboque, assistência de frenagem de emergência e luzes de emergência em frenagens bruscas, além de sistema anticapotamento e controle adaptativo de carga, exclusivos no segmento. A capacidade de reboque é de até 3.500 kg.

Como toda a linha 2020, o novo modelo tem um ajuste de suspensão com a posição dos amortecedores invertidos no eixo traseiro, o que melhora a dirigibilidade e o conforto tanto no asfalto como fora de estrada. E a caçamba conta com um sistema de assistência que facilita a abertura e fechamento da tampa.

FordRangerStorm-7

Preço, visual , motorização e tração 4×4  têm  foco em fãs de aventuras

Com preço sugerido de R$150,99 mil, a Ranger Storm chega para ocupar um novo espaço entre as versões intermediárias e topo da linha, ampliando o leque de opções para os consumidores.

Importante destacar que a Ranger Storm passa a ser a opção mais barata com a motorização 3.2 turbodiesel no portfólio da Ford. No site da Ford, o preço da Ranger XLT é R$ 183,79 mil , enquanto, a Limited, tem o preço de R$199,99 mil.

Sua lista de equipamentos inclui, também, direção elétrica, ar-condicionado digital de duas zonas, central multimídia SYNC 3 com Android Auto e Apple CarPlay além de uma tela de 8 polegadas, painel configurável com duas telas de 4,2 polegadas, faróis de neblina, sete airbags, câmera de ré e rodas de liga leve de 17 polegadas.

O pacote de equipamentos, que dispensa diversos recursos tecnológicos presentes nas versões topo de linha, é “herança” da versão XLS 2.2 turbodiesel 4×4 automática (R$ 160,89 mil)

Aliás, o acabamento do interior da Ranger Storm é idêntico ao da versão XLS. Um bom exemplo disso são os bancos forrados com tecido e, não, com material sintético que imita o couro, como ocorre com a versão Limited.

Ford-Ranger-Storm_16Uma vez que possui o mesmo interior e pacote de itens de série, além de um motor superior ao da versão XLS, tudo leva a crer que a Storm canibalizará as vendas de sua “irmã”. Para que se tenha uma idéia ainda melhor desse quadro, a Storm é mais barata, até mesmo, do que a XLS equipada com câmbio manual (R$ 154,09 mil).

 “A Ranger Storm oferece tudo o que o cliente fã de aventura quer e precisa: uma picape off-road de verdade, com plataforma robusta, motor potente, tração 4×4, visual personalizado e preço atraente”, disse Fabrizzia Borsari, gerente de marca da plataforma Ranger da Ford.

“Ela foi desenvolvida especificamente para o consumidor brasileiro, com um nível superior de desempenho, atributos e funcionalidades, além de um visual marcante, de muita personalidade”, concluiu Borsari.

As dimensões da Ford Ranger são as seguintes: 5,35 metros de comprimento; 3,22 metros de entre-eixos; 1,82 metro de altura e 1,86 metro de largura. O tanque de combustível tem capacidade para 80 litros.

Garantia e Revisões – A nova picape tem cinco anos de garantia e oferece, também, baixo custo de posse, tanto nas revisões e seguro como no valor das peças e manutenção não programada, de acordo com a Ford.

FordRangerStorm-6As três primeiras revisões, com preço fixo, somam R$2,79 mil, (10.000 km = R$ 599,00 / 20.000 km = R$ 999,00 / 30.000 km = R$ 1,19 mil). Já o programa de seguros Ford oferece uma apólice calculada em 3,1% do valor do veículo.

Ela é disponível em sete cores: as sólidas vermelho e branco, a metálica prata e as perolizadas azul, vermelho, cinza e preto, sempre combinadas com acessórios na cor preta.

A Ranger Storm foi desenvolvida no Brasil, atendendo todos os rígidos controles de qualidade da marca líder mundial em picapes. Seu projeto incluiu testes nos EUA, Tailândia e Austrália para garantir o desempenho e durabilidade de todos os seus componentes, informou a assessoria de imprensa da marca.

“A Ranger 2020 trouxe vários avanços e os novos componentes da Storm foram desenvolvidos com o mesmo cuidado, com foco na funcionalidade e no estilo para entregar tudo o que os clientes esperam de um produto de classe mundial”, disse Gilmar de Paula, engenheiro-chefe da plataforma Ranger na América do Sul.

FordRangerStorm-5Fotos: Ford / Divulgação

*Com informações da Ford

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Emplacamentos de veículos registram queda de mais de 7% no primeiro trimestre de 2020

Da Redação

Sofrendo impacto direto da pandemia do Coronavírus, e da consequente paralisação, quase que absoluta, das concessionárias de veículos, em todo o Brasil, em função dos decretos de quarentena, o setor da distribuição de veículos sofreu forte retração nas vendas, em março, revertendo a curva de crescimento que vinha sendo registrado no primeiro bimestre deste ano.

De acordo com o levantamento da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), em março, foram licenciados 249.158 veículos, considerando automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos.

Esse número reflete retração de 15,02% na comparação com fevereiro, quando foram emplacadas 293.211 unidades. Já na comparação com os 305.510 veículos, licenciados em março do ano passado, a baixa foi de 18,45%.

No acumulado do primeiro trimestre de 2020, foram emplacadas 840.800 unidades, o que representa uma queda de 7,06% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram vendidos 904.698 veículos.

Os dados da Fenabrave mostram que os licenciamentos de automóveis e comerciais leves apresentaram baixa de 19,11% em março, totalizando 155.810 unidades, contra 192.627 unidades registradas em fevereiro.

Se comparado com março do ano passado, este resultado também aponta retração de 21,91% (199.516 unidades). No acumulado do primeiro trimestre de 2020 (532.549 unidades), as vendas desses segmentos registraram queda de 8,18%, comparadas às realizadas de janeiro a março do ano passado, quando foram vendidos 579.988 automóveis e comerciais leves.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, o mês de março foi impactado, drasticamente, em função da pandemia do Coronavírus. “Nosso Setor, que representa 4,5% do PIB e gera, diretamente, mais de 315 mil empregos, por meio de 7,3 mil concessionárias, está praticamente paralisado, em função dos decretos de quarentena. Apenas algumas concessionárias estão com as oficinas abertas, para atender caminhões, ambulâncias e outros veículos essenciais para serviços de primeira necessidade, como os ligados à saúde e alimentação”, comentou.

Segundo Assumpção Júnior, ainda não é possível revisar as projeções do setor para o ano de 2020, em função da falta de previsibilidade de retorno do comércio e dos reais impactos ao final do período de quarentena.

“Sabemos que a prioridade é a saúde da população, mas, a continuar como está, em um mês de estagnação, cerca de 20% dos empregos do nosso setor podem ser comprometidos, pois os concessionários estão sem receita e, ao contrário, têm despesas fixas. Por enquanto, as concessionárias estão segurando a situação como podem, antecipando férias, utilizando banco de horas, mas, chegará um momento em que isso não se sustentará”, revelou o presidente da Fenabrave.

Para atenuar a situação dos empresários do setor, a Fenabrave tem solicitado diversos pleitos, tanto aos Governos Estaduais e Municipais, como junto ao Governo Federal, BNDES, entre outros órgãos.

Entre os pedidos, direcionados aos estados e municípios, estão alguns já atendidos, como a autorização de funcionamento das oficinas, em algumas cidades, para a realização de serviços essenciais e de garantia.

“Se não fizermos a manutenção dos caminhões, motos, táxis ou veículos que trabalham por aplicativos, como esses poderão transportar itens de primeira necessidade à população? Como as ambulâncias e ônibus poderiam atender e transportar as pessoas? Como a população será reabastecida, de alimentos, se os tratores e máquinas agrícolas não funcionarem?”, explicou Assumpção Júnior.

Outros pedidos têm sido encaminhados às autoridades e entidades ligadas ao setor, como, por exemplo:

  • Suspensão de pagamento do IPVA, aos estados;
  • Linha de crédito especial, ao BNDES, para empresas do setor;
  • Desoneração de folha de pagamentos e encargos, ao Governo Federal, a quem está sendo solicitada e, ainda, a redução ou postergação de tributos, por 120 dias;
  • Solicitação, às entidades que representam as instituições financeiras, para que não elevem as taxas de juros, tanto para empresas como para pessoas físicas;
  • Solicitação de liberação de crédito, às instituições financeiras, para a comercialização de tratores e máquinas agrícolas sem o registro das cédulas em cartório;

Além de pedidos, a Fenabrave fez manifestos de apoio às categorias que têm se mobilizado para atender à população, durante a pandemia, como é o caso dos caminhoneiros, taxistas e motoristas de aplicativos, motoboys e profissionais de saúde, entre outros. A entidade também manifestou apoio ao Ministério da Saúde, pela condução ágil e assertiva em relação à contenção da pandemia no Brasil.

“Temos orgulho desses profissionais, que não poupam esforços e colocam suas vidas em risco para atender à população. Da mesma forma, acreditamos no nosso Governo e no nosso País. Não estamos pedindo benefícios. Estamos solicitando medidas de contenção para evitar o colapso do nosso e de outros setores importantes para a nossa economia”, enfatizou o presidente da fenabrave, concluindo que “já passamos por uma forte crise recente e devemos tentar mitigar os impactos desta nova crise para que, quando a pandemia passar, as empresas continuem abertas, gerando empregos”.

Segundo o Alarico Assumpção Júnior, tão logo seja possível e autorizada a reabertura total dos estabelecimentos comerciais, conforme deliberação de cada estado e município, as concessionárias estarão preparadas para voltar a operar, normalmente, e com todas as garantias de segurança sanitária e de saúde, preconizadas pela OMS.

“A Fenabrave criou um Guia Prático, contra a disseminação do Coronavírus, disponibilizado para as concessionárias, para que garantam a saúde de seus colaboradores e clientes, com orientações sobre a devida assepsia dos ambientes, equipamentos, peças, acessórios e veículos, até os cuidados no trato pessoal, oferecendo álcool em gel em todas as áreas de permanência dos clientes, distância mínima de 1,5m entre as pessoas, entre outros cuidados, preconizados pelo Ministério da Saúde e OMS”, comentou Assumpção Júnior.

Segundo ele, entre os colaboradores das redes, casos de grupos de risco, como pessoas com mais de 60 anos de idade ou com acometimentos de doenças pré-existentes, como hipertensão arterial, cardiopatias, lúpus, em tratamento contra o câncer, entre outros, continuariam atuando, remotamente, por tele trabalho, de seus domicílios, até que a pandemia estivesse totalmente controlada.

“Não queremos colocar a vida de ninguém em risco, mas precisamos de uma certa previsibilidade sobre quando voltaremos a operar, assim como necessitamos de medidas que permitam, às empresas e pessoas, postergar despesas, às quais, não terão condições de pagar nesse momento”, finalizou o presidente da Fenabrave.

unnamed(1)

Tabela: Fenabrave / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Ranking dos veículos mais vendidos no 1º trimestre de 2020

Da Redação

*GERAL:

1º) Chevrolet Onix – 47.121 unidades (cerca de 15.707 unidades/mês)

2º) Chevrolet Onix Plus – 24.514 unidades (cerca de 8.171 unidades/mês)

3º) Ford Ka – 22.620 unidades (cerca de 7.540 unidades/mês)

4º) Hyundai HB20 – 21.998 unidades (cerca de 7.332 unidades/mês)

5º) Volkswagen Gol – 17.655 unidades (cerca de 5.885 unidades/mês)

6º) Fiat Argo – 16.781 unidades (cerca de 5.593 unidades/mês)

7º) Renault Kwid – 16.661 unidades (cerca de 5.553 unidades/mês)

8º) Volkswagen Polo – 14.883 unidades (cerca de 4.961 unidades/mês)

9º) Jeep Renegade – 14.170 unidades (cerca de 4.723 unidades/mês)

10º) Volkswagen T-Cross – 13.128 unidades (cerca de 4.376 unidades/mês)

11º) Fiat Mobi – 12.521 unidades (cerca de 4.173 unidades/mês)

12º) Nissan Kicks – 12.362 unidades (cerca de 4.120 unidades/mês)

13º) Toyota Corolla – 12.088 unidades (cerca de 4.029 unidades/mês)

14º) Jeep Compass – 12.055 unidades (cerca de 4.018 unidades/mês)

15º) Hyundai Creta – 11.681 unidades (cerca de 3.893 unidades/mês)

*UTILITÁRIOS ESPORTIVOS (SUVs):

1º) Jeep Renegade – 14.170 unidades (cerca de 4.723 unidades/mês)

2º) Volkswagen T-Cross – 13.128 unidades (cerca de 4.376 unidades/mês)

3º) Nissan Kicks – 12.362 unidades (cerca de 4.120 unidades/mês)

4º) Jeep Compass – 12.055 unidades (cerca de 4.018 unidades/mês)

5º) Hyundai Creta – 11.681 unidades (cerca de 3.893 unidades/mês)

6º) Honda HR-V – 9.071 unidades (cerca de 3.023 unidades/mês)

7º) Ford EcoSport – 6.727 unidades (cerca de 2.242 unidades/mês)

8º) Chevrolet Tracker – 4.201 unidades (cerca de 1.400 unidades/mês)

9º) Citroën C4 Cactus – 3.441 unidades (cerca de 1.147 unidades/mês)

10º) Chery Tiggo 5X – 3.115 unidades (cerca de 1.038 unidades/mês)

11º) Renault Captur – 3.022 unidades (cerca de 1.007 unidades/mês)

12º) Renault Duster – 2.888 unidades (cerca de 962 unidades/mês)

13º) Volkswagen Tiguan – 2.500 unidades (cerca de 833 unidades/mês)

14º) Toyota Hilux SW4 – 2.399 unidades (cerca de 799 unidades/mês)

15º) Peugeot 2008 – 1.406 unidades (cerca de 468 unidades/mês)

*COMERCIAIS LEVES:

1º) Fiat Strada – 15.408 unidades (cerca de 5.136 unidades/mês)

2º) Fiat Toro – 13.371 unidades (cerca de 4.457 unidades/mês)

3º) Toyota Hilux – 9.406 unidades (cerca de 3.135 unidades/mês)

4º) Volkswagen Saveiro – 9.109 unidades (cerca de 3.036 unidades/mês)

5º) Chevrolet S10 – 5.765 unidades (cerca de 1.921 unidades/mês)

6º) Ford Ranger – 4.513 unidades (cerca de 1.504 unidades/mês)

7º) Volkswagen Amarok – 4.135 unidades (cerca de 1.378 unidades/mês)

8º) Fiat Fiorino – 3.602 unidades (cerca de 1.200 unidades/mês)

9º) Nissan Frontier – 2.017 unidades (cerca de 672 unidades/mês)

10º) Mitsubishi L200 – 1.985 unidades (cerca de 661 unidades/mês)

*Os números foram computados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave)

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br