Primeiro veículo 100% elétrico da Jaguar, I-PACE chega ao Brasil

Da Redação

jipace19mylocation01031838Hoje é um dia que ficará marcado na história da Jaguar no Brasil. Seu primeiro modelo 100% elétrico, o SUV (utilitário esportivo) I-PACE, chega ao mercado brasileiro e está disponível para os clientes com o preço a partir R$ 437  mil.

As primeiras unidades a desembarcarem no País contam com um pacote de opcionais que inclui teto panorâmico fixo, rodas de 20 polegadas e smartphone pack, sistema que permite a sincronização de alguns aplicativos do celular com o veículo. Com esse pacote de opcionais, o veículo é vendido a R$ 449,19 mil.

Totalmente desenvolvido no Reino Unido, o I-PACE será produzido na fábrica da Jaguar Land Rover em Graz, na Áustria, em uma parceria com a Magna Steyr.

O modelo já está disponível nas concessionárias Jaguar Land Rover no País, em versão única equipada com dois motores elétricos que desenvolvem 400 cv de potência e bateria de 90kW que oferecem autonomia de até 470 quilômetros com uma única carga, de acordo com o ciclo WLTP.

Jaguar I-PACE Global Drive, Portugal, 2018Extremamente ágil, o modelo elétrico traz torque instantâneo de 69,6 kgfm, força suficiente para levá-lo da imobilidade aos 100 km/h em apenas 4,8 segundos, informou a Jaguar.

Equipado com uma bateria íon de lítio de 90kWh formada por 432 células e ampla capacidade térmica, o modelo conta com dois motores elétricos idênticos que enviam tração para as quatro rodas, cada um com a função de gerar força para um eixo do veículo.

Para receber o I-PACE, e oferecer a melhor estrutura de pós-venda aos clientes do modelo, a rede de concessionárias Jaguar Land Rover de todo o Brasil está sendo devidamente preparada.

Uma série de amplos programas de treinamento voltados a todos os seus funcionários, desde vendedores até os técnicos de oficina, estão sendo realizados pela Jaguar Land Rover.

Jaguar I-PACE Global Drive, Portugal, 2018Além disso, as concessionárias terão toda a estrutura física necessária para receber o modelo, incluindo uma unidade de carregamento de 7kW.

O novo Jaguar I-PACE oferece aos seus clientes um SUV prático, com desempenho de um esportivo, amplo espaço interno, tecnologia avançada e design atraente.

O carregador de 100kW permite aos clientes recarregar até 80% da bateria do I-PACE em até 40 minutos, situação ideal para uma viagem longa.

Já quando carregado em um carregador padrão de 7kW, os 80% de carga são alcançados em 10 horas, ou seja, uma situação perfeita para o carregamento durante uma noite de sono.

Jaguar I-PACE Global Drive, Portugal, 2018“O I-PACE é um verdadeiro Jaguar, ao oferecer uma experiência de condução extremamente esportiva. Seu sistema de tração integral oferece aceleração instantânea em todos os tipos e condições de terrenos”, afirmou Mike Cross, engenheiro-chefe da Jaguar.

Os motores são totalmente ajustados ao sistema de transmissão de velocidade única e ao diferencial do I-PACE, construídos para serem extremamente compactos. Ambos trabalham para gerar uma distribuição de força instantânea para as quatro rodas. Tal característica permite que o SUV adapte continuamente seu balanço dianteiro e traseiro, de acordo com as condições da estrada.

A Jaguar colocou a bateria na posição mais baixa possível entre os eixos, de forma a proporcionar uma distribuição de peso 50:50 e um centro de gravidade 130 milímetros mais baixo que o F-PACE, o que reduz muito a rolagem da carroceria.

Os engenheiros da Jaguar substituíram um freio convencional por um freio elétrico no I-PACE. Isso proporciona ao sistema mais flexibilidade ao combinar a frenagem mecânica regenerativa com a tradicional, o que proporciona uma sensação de pedal consistente e precisa em todas as circunstâncias.

Jaguar I-PACE Global Drive, Portugal, 2018O I-PACE também permite que o condutor selecione entre níveis altos ou baixos de frenagem regenerativa para maximizar a eficiência e otimizar o alcance do veículo.

Quando o modo regenerativo elevado é selecionado, ele efetivamente permite que o condutor experimente a condução intuitiva com um único pedal, pois a velocidade do modelo diminui conforme o pedal do acelerador é levantado, o que reduz a dependência do pedal de freio. Neste caso, uma força de frenagem regenerativa máxima de 0.4G pode ser alcançada.

Design – Os designers da Jaguar, chefiados pelo renomado designer Ian Callum, desenharam o I-PACE como um SUV de proporções imponentes e silhueta marcante, que remete a um cupê. Seu design é inteiramente inspirado no superesportivo C-X75, com linhas bastante agressivas e rodas de aro 20.

Seu capô baixo, teto de alta fluidez aerodinâmica e traseira mais quadrada garantem ao I-PACE um coeficiente de arrasto de apenas 0,29. A grade dianteira passa a assumir um importante papel aerodinâmico no modelo, ao canalizar o fluxo de ar para as linhas do capô e para a parte inferior do para-brisas, o que contribui diretamente para a redução do arrasto.

Jaguar I-PACE Global Drive, Portugal, 2018O fluxo de ar que passa pela grade dianteira e pelas linhas do capô também ajudam no resfriamento da bateria, o que garante ainda mais otimização de sua carga.

Da mesma forma que no F-TYPE e no Range Rover Velar, as maçanetas do I-PACE localizam-se dentro da carroceria e são reveladas no momento em que os ocupantes entram ou saem do veículo.

Essa característica dá ao SUV um visual mais limpo e, ao mesmo tempo, proporciona uma melhoria aerodinâmica ao modelo.

Quando equipado com o sistema de suspensão pneumática opcional, o I-PACE ainda pode ser rebaixado em 10 milímetros em velocidade acima de 105 km/h, o que também contribui para a redução do arrasto.

A assinatura dos faróis full LED do modelo em duplo “J” são marcantes e corroboram seu design agressivo.

07-2019-jaguar-i-pace-oemInterior – Os materiais que revestem o interior do I-PACE foram cuidadosamente escolhidos de forma a proporcionar uma aparência amplamente natural e high-tech. Elementos em laca preta (black piano) e alumínio, combinado ao avançado sistema de entretenimento Touch Pro Duo, dão um ar extremamente moderno ao veículo.

Os ocupantes do banco traseiro têm à sua disposição uma ampla variedade de porta objetos além de um espaço para pernas de 890 milímetros. A ausência de um túnel de transmissão proporcionou um porta-objetos central com capacidade de 10,5 litros, ideal para a armazenagem de telefones, chaves ou outros objetos pequenos.

A Jaguar também disponibilizou um porta-objetos em baixo do banco traseiro, que é um bom local para o armazenamento de laptops ou tablets, por exemplo. Já o porta-malas tem capacidade para até 656 litros. A capacidade pode ser ampliada para até 1.453 litros com os bancos rebaixados.

Como opcional, o modelo traz teto de vidro panorâmico, o que amplia a luminosidade e a sensação de espaço da cabine.

2019-Jaguar-I-Pace-front-interior-seats-6Tecnologia – O I-PACE é o primeiro modelo da Jaguar a ser equipado com o novo sistema de entretenimento Touch Pro Duo, formado por duas telas sensíveis ao toque dispostas no console central, nos mesmos moldes do que existe no Range Rover Velar.

O sistema foi desenhado para minimizar a distração do condutor, ao distribuir de forma lógica as informações disponíveis.

Todas as funções do veículo como controle de temperatura, sistema de som, modo de condução, entre outras são controladas por apenas dois botões giratórios, o que minimiza o volume de informações no painel e cria um ambiente mais limpo e agradável.

O cluster disposto aos olhos do condutor é 100% digital, formado por uma tela de alta resolução em TFT de 12 polegadas, que traz as informações mais importantes do veículo de forma clara e precisa.

intEssas informações também podem ser disponibilizadas no para-brisa, por meio do sistema opcional head-up display.

O I-PACE também conta com a tecnologia Smart Settings, que registra o estilo de condução do motorista e consegue assim adaptar o veículo às necessidades de cada um.

Por meio da conexão bluetooth entre o smartphone do proprietário e o veículo, uma vez conectado, todas as configurações de temperatura, posição dos bancos e modo de condução podem ser previamente configuradas e já estarem prontas antes mesmo de o motorista entrar no I-PACE.

De série, o I-PACE traz o sistema de entretenimento In Control Touch Pro Duo. Compatível com as plataformas Apple Car Play e Android Auto, ele permite aos usuários espelharem alguns aplicativos de música e navegação de seus smart phones na tela localizada no painel do I-PACE.    

Jaguar I-PACE Global Drive, Portugal, 2018Segurança – O I-PACE, de acordo com a Jaguar, alcançou uma classificação de 5 estrelas nos testes de segurança da Euro NCAP, confirmando-o como um dos veículos mais seguros na estrada.

O utilitário marcou 91% para proteção de ocupante adulto, 81% para proteção de ocupante infantil e 81% para assistência de segurança. Para os testes de impacto da barreira lateral e impacto da coluna lateral mais severa, o modelo obteve pontuação máxima, com boa proteção de todas as áreas críticas da carroceria.

O I-PACE também oferece avançadas tecnologias de segurança para proteger os usuários e pedestres, incluindo Capô Destacável e Frenagem Autônoma de Emergência com detecção de pedestres e ciclistas.

A Jaguar também desenvolveu um sistema único de Alerta Audível de Veículos (AVAS) para seu primeiro modelo elétrico que avisa os pedestres quando o veículo está se aproximando.

Jaguar I-PACE Global Drive, Portugal, 2018Fotos: Nick Dimbleby / Jaguar Land Rover / Divulgação

O som pode ser ouvido a velocidades de até 20 km/h e excede o mínimo de 56dB (A) exigido pela legislação de alguns países. O sistema foi testado em conjunto com membros da instituição Guide Dogs for the Blind, principal ONG do Reino Unido para pessoas afetadas por perda de visão.

Além das tecnologias de segurança, o SUV oferece um conjunto de sistemas avançados de assistência ao condutor, como Controle de Velocidade Cruzeiro Adaptativo (Adaptive Cruise Control); Assistente de Ponto Cego (Blind Spot Assist); e Auxílio de Estacionamento 360º (360º Parking Aid).

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Honda HR-V ganha motor 1.5 turbo para a linha 2020

Da Redação  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 10/05/2019)

SUV compacto passa a contar, na versão topo de linha, com motorização de 173 cv

honda_strip_390837_2_fullA Honda lançará, em junho, a linha 2020 do HR-V. A principal novidade é o retorno da versão topo de linha Touring. Ela chegará ao mercado com a adoção de equipamentos inéditos ao modelo, como teto solar panorâmico, Honda LaneWatch, bem como o motor 1.5 turbo de 173 cv, dentre outras novidades.

As demais versões do SUV trazem novos equipamentos de conforto e comodidade. Na linha 2020, a versão EXL passa a oferecer os sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, bem como uma nova grade frontal com acabamento em black piano.

A central multimídia de 7 polegadas touchscreen, com conectividade aos sistemas Apple CarPlay e Android Auto, é a principal novidade para a versão EX, que recebe, ainda, sensores de estacionamento traseiros.

Por meio desta nova central é possível a operação intuitiva de mapas do sistema de navegação do Waze (navegação disponibilizada por meio do Android Auto e Apple CarPlay), além da reprodução de músicas via bluetooth, por dispositivos portáteis, ou de serviços de streaming (via conexões Bluetooth, Android Auto ou Apple CarPlay).

Por fim, a versão LX, de entrada, recebe câmera de ré integrada à central multimídia de 5 polegadas, com três modos de visão, facilitando as manobras e aumentando a visibilidade do condutor.

honda_strip_390837_4_fullTouring – A versão Touring, que retorna na linha 2020 para completar a família do SUV, composta pelos modelos LX, EX e EXL, recebe equipamentos inéditos ao utilitário.

No design, o visual ficou mais refinado no modelo Touring, informou a Honda. A dianteira ganha uma nova personalidade, com a adoção de faróis principais e de neblina Full LED – com alta eficiência luminosa em diferentes condições de rodagem –, bem como uma nova grade frontal, com acabamento em black piano, que complementam o visual do HR-V.

O inédito teto solar panorâmico da versão Touring – o primeiro do tipo oferecido em um modelo da marca no Brasil – aumenta a sensação de espaço e luminosidade para os ocupantes dos bancos dianteiros e traseiros, bem como agrega um estilo único ao HR-V, combinado a nova antena em formato barbatana, itens exclusivos da versão Touring.

Na parte traseira, o logotipo Turbo e o sistema de escapamento em inox com duas saídas completam o design da versão Touring.

Interior – No interior, a versão topo de linha passa a ter, de acordo com a cor externa, a opção de acabamento na cor cinza claro ou preto para bancos (revestidos co material sintético que imita o couro), laterais de porta, console central e painel. Costuras duplas nas laterais de porta também são exclusivas da versão Touring.

honda_strip_390837_11_fullEquipado com a tecnologia Smart Entry, o HR-V Touring permite a abertura do modelo sem o uso da chave, por aproximação, enquanto o botão de partida torna mais cômoda a operação do veículo.

Equipado com sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, câmera de ré (com três modos de visualização) e o exclusivo sistema Honda LaneWatch, o HR-V em sua versão topo de linha permite visibilidade total em manobras e durante a condução.

O sistema Honda LaneWatch é composto de uma câmera instalada no retrovisor direito, que amplia o ângulo de visão do motorista além do proporcionado pelo espelho retrovisor, eliminando pontos cegos e projetando essa imagem ampliada no sistema multimídia, ao se acionar a seta, ou mesmo ao pressionar um botão na alavanca.

Com isso, o condutor passa a ter muito mais segurança em mudanças de faixa e mais comodidade em manobras. O HR-V Touring traz, ainda, equipamentos exclusivos, como sensores de chuva e retrovisor fotocrômico automático.

Essa versão recebe a central multimídia de 7 polegadas touchscreen, com conectividade aos sistemas Apple CarPlay e Android Auto, com navegador GPS integrado ao sistema.

honda_strip_390837_12_fullMotorização – As versões LX, EX e EXL do HR-V 2020 são equipadas com o motor 1.8 16V capaz de render 139/140 cv, que é combinado à transmissão CVT – com simulação de sete velocidades e aletas para trocas de marchas no volante (equipamento das versões EX e EXL).

A versão Touring, por sua vez, marca a estreia da motorização turbo com injeção direta no HR-V, garantindo desempenho e eficiência energética, posicionando-o em um novo patamar.

O motor 1.5 de quatro cilindros, que traz calibragem específica para o HR-V, utiliza turbo de baixa inércia, injeção direta, variação de tempo de abertura das válvulas de admissão e escape (Dual VTC) e válvula wastegate eletrônica, gerando 173 cv a 5.500 rpm, com o torque linear de 22,4 kgfm entre 1.700 rpm a 5.500 rpm.

Câmbio CVT e conjunto de suspensão foram aprimorados para o motor turbo

O motor turbo é acoplado à uma transmissão continuamente variável (CVT), a mesma adotada no Civic Touring e no CR-V, mas ajustada especificamente para o HR-V, que entrega ampla potência ao longo de toda a faixa de trabalho do motor, segundo a Honda.

Essa transmissão traz algumas características específicas: função Kick Down, que reduz rapidamente a relação de marcha para permitir uma retomada mais eficiente quando o pedal do acelerador é pressionado até o fim do curso e uma modularidade maior da aceleração em médias rotações, bem como a simulação das sete velocidades com o acelerador à plena carga, aumentando a percepção de performance e reduzindo o ruído de aceleração nesta condição.

honda_strip_390837_13_fullO freio motor fornecido pela transmissão CVT do modelo Touring também foi aprimorado, com a simulação de reduções de marcha de forma automática em condições de frenagem brusca, aumentando a eficiência nestas condições.

Outro aprimoramento, já aplicado à transmissão CVT na linha 2019, torna mais progressiva a aceleração nas condições de “anda e para” fazendo com que a rotação do motor não suba excessivamente em situações de aceleração em trânsito, aumentando o conforto para os ocupantes nestas condições, informou a Honda.

Para se adequar ao novo motor 1.5 turbo, o HR-V Touring recebeu uma calibragem específica para o conjunto de suspensão, com novas molas e amortecedores, barra estabilizadora dianteira de maior diâmetro e a adoção da tecnologia Agile Handling Assist (AHA), que aprimora a estabilidade dinâmica do SUV em curvas, aplicando o conceito de vetorização de torque ao modelo.

De série – O HR-V traz de série, em todas as versões, o sistema de rebatimento de bancos Magic Seat, com três modos de utilização: Utility, que permite rebater os bancos traseiros e ter uma superfície verdadeiramente plana para acomodação de bagagens; Tall, que proporciona um espaço para acomodar objetos altos no assoalho do veículo, como um vaso de plantas, elevando o assento dos bancos traseiros e Long, para o transporte de volumes longos como uma prancha de surf, rebatendo também o encosto do banco do passageiro dianteiro.

Todas as versões contam com ar-condicionado, freio de estacionamento com acionamento eletrônico e função brake hold, controle de cruzeiro e faróis de neblina (halógeno nas versões LX, EX e EXL e de LED na versão Touring), bem como vidros elétricos com um toque para subida/descida e destravamento do porta-malas por controle.

honda_strip_390837_10_fullNo quesito segurança, todas as versões são equipadas com controle de tração e estabilidade (VSA), assistente de partida em rampa (HSA) e luzes de frenagem de emergência (ESS).

As versões EX, EXL e Touring trazem, ainda, ar-condicionado digital touchscreen, airbags laterais, e aletas para trocas de marcha no volante, habilitando a simulação de sete marchas na transmissão CVT, e volante com revestimento em couro.

As versões EXL e Touring oferecem bancos revestidos co material sintético que imita o couro, airbags laterais do tipo cortina, acendimento automático dos faróis, central multimídia de 7 polegadas com navegador integrado, bem como espelhos retrovisores com rebatimento elétrico e função tilt down em marcha a ré.

O modelo está disponível nas cores: branco Tafetá (sólido), prata Platinum, cinza Barium, azul Cósmico (metálicos), branco Estelar, preto Cristal e vermelho Mercúrio (perolizados). A versão Touring traz interior na cor cinza nas cores branco Estelar, cinza Barium e azul Cósmico. As demais cores trazem interior com acabamento preto.

honda_strip_390837_7_full

honda_strip_390837_8_fullPreços:

HR-V LX: R$ 94,40 mil

HR-V EX: R$ 101,70 mil

HR-V EXL: R$ 111,90 mil

HR-V Touring: R$ 139,90 mil

honda_strip_390837_0_fullFotos: Honda / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

 

Audi A4 completa 25 anos de produção

Da Redação

Silver jubilee: Audi A4 celebrates its 25th birthdayFoto: Audi AG / Divulgação

A Audi está celebrando um grande aniversário de produção no segmento premium: há 25 anos, o primeiro Audi A4 saiu da linha de montagem em Ingolstadt, na Alemanha.

Desde então, a marca das quatro argolas produziu mais de 7,5 milhões de unidades do modelo. Um quarto de século após o seu nascimento, a demanda pelo  modelo continua grande com o A4, agora, em sua quinta geração.

Com 344.586 unidades vendidas em 2018, é o modelo Audi mais popular do mundo. Aproximadamente a cada cinco modelos da marca entregues em todo o mundo, hoje, um vem desta série.

O modelo tornou-se um best-seller em seu primeiro ano completo de produção, em 1995, quando mais de 272.052 unidades saíram da linha.

“Por um quarto de século, o A4 simbolizou a marca Audi como nenhum outro modelo. É sinônimo de tecnologia de ponta em seu segmento, bem como tecnologias de produção inovadoras ao mais alto nível”, disse Albert Mayer, diretor de fábrica da unidade da Audi em Ingolstadt.

“O Audi A4 é um pilar fundamental da fábrica de Ingolstadt. O compromisso incansável e a paixão de nossos funcionários pela nossa marca foram e continuam a ser a força motriz por trás da impressionante história de sucesso da A4”, completou.

Peter Mosch, presidente do conselho geral dos trabalhadores do grupo na AudiAG: “O A4 é um símbolo do sucesso da marca Audi. Nossos colegas tornaram isso possível nos últimos 25 anos com muita dedicação e comprometimento. Esta é uma grande conquista da qual nós, membros do Conselho dos Trabalhadores, estamos muito orgulhosos e sobre a qual gostaria de parabenizar todos os envolvidos”.

Em 2018, praticamente um em cada cinco carros entregues pela Audi no mercado alemão veio desta série. O modelo Audi mais popular na China é o A4 com distância entre eixos longa, que é produzido especialmente para o mercado local.

Com produção total de mais de 7,5 milhões de unidades, o A4 é o modelo Audi de maior sucesso da marca em todos os tempos. Desde o lançamento da quarta geração A4, em 2007, as duas principais fábricas da Audi na Alemanha – Ingolstadt e Neckarsulm – compartilharam a produção do modelo através do chamado sistema de mesa giratória de produção.

A Audi fabrica o A4 também na Ásia para os mercados locais: em Changchun, na China, e em Aurangabad, na Índia.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Novo Porsche 911 Speedster entra em produção, com 510 cv e edição limitada

Da Redação

P19_0368_a4_rgbO 911 Speedster já havia causado sensação ao ser apresentado como veículo conceito. A Porsche, agora, está colocando o carro aberto de dois lugares em produção.

O 911 R (2016) e o 911 GT3 serviram de base para seu desenvolvimento. Um motor boxer 4.0, naturalmente aspirado, de alta rotação, com 510 cv, proporciona uma emocionante experiência sonora no cockpit.

A transmissão GT de 6 velocidades é operada manualmente. Visualmente, o novo Speedster cria uma ponte de ligação com sua própria história, para o antecessor de todos os carros esportivos da Porsche, o Roadster “Nº 1”, de 1948.

P19_0356_a4_rgbA edição limitada do novo 911 Speedster também descende desse veículo. Em alusão a esse ano, serão fabricadas exatamente 1.948 unidades do modelo a partir da metade de 2019, na fábrica da Porsche de Zuffenhausen, na Alemanha.

Como veículo conceito, o 911 Speedster celebrou sua estreia mundial em 2018 na cerimônia comemorativa do aniversário de “70 Anos dos Carros esportivo da Porsche”, em Zuffenhausen.

Houve, também, outras aparições públicas como no festival de Velocidade de Goodwood, na Inglaterra, o Rennsport Reunion VI em Laguna Seca, na Califórnia (EUA), além do Salão do Automóvel de Paris (França), em outubro.

P19_0366_a4_rgbOcupando o centro das atenções está a tampa do compartimento da capota conversível, esteticamente moldada com uma configuração aerodinâmica composta por duas bolhas – um elemento essencial desse tipo de carro esportivo desde o 911 Speedster, de 1988.

Ela é o maior e mais complexo componente usado pela Porsche até hoje num modelo de estrada feito numa única peça de plástico reforçado com fibra de carbono. Dois elementos de acabamento na dupla bolha abrem espaço para o sistema de proteção anticapotagem, caso necessário. Ele foi incluído de série no modelo biposto, da mesma forma que no 911 Carrera Cabriolet.

Uma estrutura de teto com peso leve substitui a cobertura tonneau (posicionada ao nível das portas) apresentada no veículo conceito. Apesar de seu design purista, a capota conversível de tecido é própria para o uso diário.

P19_0422_a4_rgb

P19_0420_a4_rgbJuntamente com as molduras das janelas encurtadas, com seus painéis dianteiros rebaixados e janelas laterais menores, ela é responsável por dar ao 911 seu perfil atlético.

O teto conversível não exige esforço para movimentar: o gancho da trava central na moldura do para-brisa e as duas barbatanas laterais da capota de tecido são liberadas ao toque de um botão.

A grande tampa traseira feita de fibra de carbono com baixo peso é destravada eletricamente e desliza para trás por uma curta distância. Após isso, ela é posicionada manualmente e abre espaço para o teto de tecido, que se dobra em forma de Z por trás dos bancos dianteiros.

P19_0419_a4_rgb

P19_0417_a4_rgbAssim que o teto esteja dobrado em sua posição, a cobertura pode ser fechada sem esforço. O teto é fechado novamente da mesma maneira – apenas as barbatanas da capota à esquerda e à direita dos elementos aerodinâmicos têm que ser pressionadas manualmente para dentro de seus suportes, até que se encaixem de forma perceptível.

O design leve também orientou outros elementos da carroceria do Speedster. O capô em material composto de fibra de carbono – que pesa dois quilos menos que o do 911 GT3 – e os para-lamas, também de material composto com fibra de carbono, são originários do 911 R.

O envelope dianteiro foi cedido pelo GT3, mas o lábio defletor dianteiro é um desenvolvimento completamente novo. No lugar dos espelhos tipo Talbot usados no veículo conceito, a versão de produção do novo Speedster traz espelhos retrovisores externos Sport Design, aquecidos e ajustáveis eletricamente.

P19_0347_a4_rgb

P19_0341_a4_rgbO defletor traseiro extensível e aerodinamicamente ajustado e o avental traseiro foram adotados pelo Speedster a partir dos presentes no 911 GT3 Touring.

O interior é marcado pelos elementos de couro preto nos apoios laterais e apoios de cabeça dos bancos integrais de fibra de carbono, os descansos de braços no acabamento das portas e a alavanca de câmbio encurtada.

Os painéis centrais dos bancos são revestidos de couro perfurado, enquanto os painéis leves das portas com puxadores pretos e redes porta-objetos reduzem o peso total do carro.

P19_0350_a4_rgb

P19_0429_a4_rgbLogos “Speedster” adornam os apoios de cabeça e as soleiras das portas de carbono aparente, assim como o conta-giros central. Como os outros instrumentos, ele tem o mostrador preto com ponteiro branco, assim como números e escalas verdes – itens que remetem ao seu famoso antecessor, o Porsche 356 Speedster.

Um emblema da edição limitada, fixado na estrutura entre os bancos dianteiros, mostra o número de série do 911 Speedster, que terá a produção limitada a apenas 1.948 unidades.

A Porsche também oferece o novo 911 Speedster, opcionalmente, com um pacote Heritage Design. Desenvolvido pela Porsche Exclusive Manufaktur, essa versão de equipamento reinterpreta elementos clássicos das décadas de 1950 e 60.

P19_0362_a4_rgb

P19_0428_a4_rgbIsso inclui o esquema cromático interno nas cores Preto e Conhaque. Uma pintura branca em forma de “dardo”, na face e para-lamas dianteiros, é aplicada à pintura básica do veículo, que tem a cor GT Prata Metálico.

Adesivos esportivos redondos para as portas e o capô dianteiro completam o pacote. Os proprietários podem escolher seus próprios números de corrida, até um máximo de dois dígitos, como mostram as fotos.

Os escudos da Porsche e os logotipos dourados correspondem aos designs usados em 1954.

P19_0367_a4_rgbMotor de alta rotação com 510 cv

O coração do novo Speedster foi adotado do 911 GT3. O motor de 6 cilindros naturalmente aspirado, com quatro litros de cilindrada, é um puro propulsor de GTs. A potência máxima de 510 cv é alcançada a 8.400 rpm, com a rotação máxima do motor fixada em 9.000 rpm.

O motor disponibiliza um torque máximo de 470 Nm a 6.250 rpm. O novo 911 Speedster acelera de 0 a 100 km/h em 4,0 segundos e alcança uma velocidade máxima de 310 km/h.

Comparado ao 911 GT3 anterior, o motor usado no Speedster é equipado com dois filtros de partículas de gasolina (GPF) e atende ao padrão de emissões Euro 6d TEMP EVAP-ISC (EU6 DG).

P19_0354_a4_rgbAinda assim, o motor de quatro válvulas por cilindro consegue atingir 10 cv a mais. Isso se deve a desenvolvimentos de detalhes como os injetores de combustível de alta pressão com padrão de aspersão modificado com válvulas de aceleração individuais, que proporcionam uma resposta mais imediata aos comandos do acelerador.

O sistema de escapamento esportivo de aço inoxidável totalmente novo pesa 10 quilos a menos – incluindo os dois filtros de partículas.

De forma adequada a um carro feito para pilotos, a Porsche oferece o 911 apenas com transmissão manual de seis marchas. Ela apresenta uma função de autoaceleração que compensa precisa e independentemente as diferenças de rotação do motor entre as marchas nas reduções de velocidade, através de acionamentos automáticos do acelerador.

P19_0355_a4_rgb

P19_0425_a4_rgbEsse sistema, chamado de auto-blip, pode ser ativado a qualquer momento, independentemente da opção de regulagem do PASM (Porsche Active Suspension Management – sistema de gerenciamento ativo da suspensão). A trava mecânica do diferencial traseiro, com sistema de bloqueio assimétrico, completa a transmissão de força esportiva.

A filosofia GT por trás do novo Speedster também se reflete em seu chassi. Com seus coxins dinâmicos do motor e eixo traseiro direcional, o chassi é baseado na tecnologia do 911 GT3 e 911 R.

Sistemas de controle como o Porsche Torque Vectoring (PTV – vetoreamento de torque), Porsche Stability Management (PSM – gerenciamento de estabilidade) e PASM com acerto esportivo e rebaixamento de 25 milímetros foram adaptados com precisão aos novos requisitos.

P19_0426_a4_rgbO biposto com carroceria aberta conta com rodas de liga forjadas Speedster de 20 polegadas com travamento central. O equipamento de série inclui freios PCCB (Porsche Ceramic Composite Brake – freios de composto de cerâmica) com discos de composto de cerâmica ventilados internamente e perfurados.

Na Alemanha, os preços do novo 911 Speedster começam em 269.274 euros, incluindo o imposto sobre valor adicionado (VAT) e equipamentos específicos para o país. Ele já pode ser encomendado.

O mercado brasileiro espera receber o modelo exclusivo no 2º semestre deste ano, preço e pacote de opcionais estão em definição.

P19_0435_a4_rgbFotos: Porsche AG / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.combr

Mitsubishi Pajero Sport 2020 chega ao País com preço de R$ 266 mil

José Oswaldo Costa*  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 03/05/2019)

de Mogi Guaçu (SP)

Importado da Tailândia, utilitário de sete lugares oferece muito conforto e espaço

Pajero Sport 2020 - 043 - Tom Papp-MitsubishiA Mitsubishi apresentou o novo Pajero Sport 2020. De acordo com os executivos da marca, seus principais concorrentes, no mercado nacional, são o Chevrolet Trailblazer (LTZ 2.8 turbodiesel – R$ 216 mil) e o Toyota SW4 (SRX 4×4 2.8 16V turbodiesel – R$ 245 mil).

Com visual renovado, o SUV de sete lugares chega ao Brasil importado a Tailândia. Em princípio, a montadora japonesa espera comercializar cerca de 250 unidades/mês. Se considerarmos todas as versões do utilitário esportivo (Sport, Full – 3 portas e Full – 5 portas), foram vendidas 1.527 unidades em 2018. Isso dá uma média de cerca de pouco mais de 127 unidades/mês. Conclui-se que a Mitsubishi está bastante otimista com as vendas do novo Pajero Sport.

Interessante destacar o fato que o modelo recebeu um grande número de tecnologias embarcadas. Foram tantos itens tecnológicos que, hoje, seu preço sugerido é de R$ 265,99 mil. Ou seja, o Pajero Sport está com preço superior em relação ao seu, até então, “irmão” mais caro, o topo de linha Pajero Full (preços entre R$ 227 mil e R$ 256 mil). o novo SUV já está disponível nas concessionárias da marca.

Motor e Câmbio – O novo Mitsubishi Pajero Sport chega a o País em versão única, a HPE. Ela conta com o motor 2.4 16V turbodiesel capaz de rende 190 cv e gerar um torque de 43,9 kgfm (2.200 rpm). Ele apresenta injeção direta, bloco em alumínio e corrente de comando.

A transmissão é automática de 8 marchas e oferece trocas seqüenciais através da própria alavanca do câmbio ou por meio de “borboletas” (paddle shifters) atrás do volante. O SUV foi equipado com a tração 4×4 Super Select 4WD-II.

Pajero Sport 2020 - 044 - Tom Papp-MitsubishiEla apresenta quatro modos de operação, incluindo a reduzida. Através do seletor no console central, o motorista pode optar pelo melhor ajuste, dependendo do local e das características do piso:

2H – Usado para estradas e vias públicas, privilegia a economia de combustível com desempenho suave;

4H – Ideal para estradas e pisos irregulares, inclusive asfalto, serras e chuva. O sistema alterna automaticamente a tração entre os eixos dianteiro e traseiro;

4HLc – Ideal para terreno acidentado com superfícies de baixa aderência;

4LLc – Ideal para subidas ou descidas íngremes, rochas, areia e lama.

Off-Road – A troca de tração de 2H para 4H pode ser feita em velocidades de até 100 km/h. Além disso, o Pajero Sport conta, também, com o sistema Off-Road Mode, um recurso que deixa o SUV ainda mais preparado para enfrentar os mais variados tipos de terreno.

São quatro opções que melhoram o desempenho no off-road: Gravel (terra/cascalho), Mud/Snow (lama/neve), Sand (areia) e Rock (pedra). Cada uma delas tem uma configuração específica e todos são capazes de otimizar a tração para cada tipo de piso, alterando automaticamente a potência do motor, ajustes de transmissão, sistema de freios, controles de tração e estabilidade.

Para finalizar os recursos relativos ao modo 4×4, está presente o RD Lock, que é o bloqueio do diferencial do eixo traseiro. Em situações extremas, onde as rodas ficam suspensas, como valetas transversais ou terrenos com erosões, o utilitário é capaz de superar com facilidade através do acionamento desse sistema por meio de do botão no painel.

Pajero Sport 2020 - 080 - Tom Papp-MitsubishiOs números do Pajero Sport para o off-road são os seguintes: 45 graus de inclinação lateral; 30 graus de ângulo de entrada; 24,2 graus de ângulo de saída e 23,1 graus de ângulo de subida. Ele é capz de superar uma lâmina d’água de até 700 mm.

Recursos tecnológicos, principalmente os de segurança, são destaques

Como dissemos no início, o novo SUV chega com bastante tecnologia embarcada. Dentre elas, podemos destacar controle de descida (HDC), controle de tração (ATC) e estabilidade (ASC), assistente de partidas em rampas (HSA), sensores para acendimento dos faróis e limpador de para-brisa, piloto automático adaptativo (ACC) com frenagem autônoma, sistema de mitigação de colisão (FCM) e aviso de ponto cego (BSW).

Também está presente o útil sistema de prevenção de aceleração involuntária (UMS). Através de sensores dianteiros e traseiros, ele atua quando esses sensores detectam um obstáculo próximo em caso de aceleração brusca, reduzindo a potência do motor para evitar colisões caso o motorista erre os pedais ou a posição do câmbio.

Isso ocorre, por exemplo, quando o motorista está estacionado, imagina ter engatado a marcha ré quando, na verdade, o câmbio está na posição Drive (D).

O Mitsubishi Pajero Sport 2020 ainda é equipado com freios com ABS e EBD, 11 airbags (2 dianteiros, 2 laterais, 6 de cortina – inclusive para a terceira fileira de bancos – e 1 para o joelho do motorista), sistema de partida sem chave e no botão, sistema de entrada sem chave, barras de impacto das portas e sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis.

Pajero Sport 2020 - 042 - Tom Papp-MitsubishiFotos: Tom Papp / Mitsubishi / Divulgação

O novo Mitsubishi Pajero Sport tem 6 opções de cores: branco, preto, azul, marrom, prata e cinza. Essas duas últimas (prata e cinza) serão vendidas com os bancos na cor preta. Já no caso das demais, o comprador poderá optar entre o preto e o bege para os bancos.

O utilitário vem equipado com rodas em liga leve diamantada de 18 polegadas e pneus 265/60 R18. De acordo com a Mitsubishi, sua capacidade de reboque é para até 3.100 kg.

Interior – No interior, destaque para o painel de instrumentos colorido de alto contraste e que traz display de multi-informação. No off-road, por exemplo, o desempenho e atuação de cada roda é mostrado em tempo real ao motorista, facilitando a transposição de obstáculos.

O sistema multimídia tem tela capacitiva de 7 polegadas e vem equipado com Android Auto e Apple Car Play, áudio streaming de última geração e conexão WiFi, que permite o acesso a aplicativos nativos, como Waze e Spotify.

Além da entrada USB na parte dianteira, os passageiros que viajam no bando de trás contam com mais duas entradas para carregar o celular. E, no console central, há uma tomada de 120v (AC) para ligar os mais diversos aparelhos.

Pajero Sport 2020 - 125 - Sergio Chvaicer-Mitsubishi

Pajero Sport 2020 - 129O ar-condicionado é de duas zonas e conta com saídas em cada lado do teto, tanto para a segunda fileira quanto para a terceira. O banco do motorista apresenta ajustes elétricos e a direção é hidráulica. Questionados sobre a ausência da direção eletricamente assistida, os executivos da montadora usaram como justificativa o peso e tamanho do Pajero, bem como sua utilização off-road.

Quando são utilizadas as três fileiras de bancos, a capacidade do porta-malas é de 255 litros. Se a terceira fileira for rebatida, a capacidade sobe para 971 litros. Já com as segunda e terceira fileiras rebatidas, o porta-malas passa a comportar 1.731 litros.

O grande “porém” dessa informação é que os números dizem respeito à utilização do porta-malas até o teto do veículo o que, em termos de segurança, é inadmissível. Sem os bancos como “barreiras”, os objetos que estão acomodados acima do limite dos seus encostos tornam-se verdadeiras armas contra os ocupantes em caso de acidente.

Pajero Sport 2020 - 128

Pajero Sport 2020 - 119 - Sergio Chvaicer-MitsubishiFotos (interior): Sergio Chvaicer / Mitsubishi / Divulgação

Pajero Sport 2020 - 029 - Tom Papp-Mitsubishi

Pajero Sport 2020 - 033 - Tom Papp-MitsubishiFoto: Tom Papp / Mitsubishi / Divulgação

*o jornalista viajou a convite da Mitsubishi

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Maurício Pena Rocha, de MG, vence a 1ª etapa do Brasileiro de Rally Baja

Da Redação

x_02-DoniCastilho-0391 - BFoto: Doni Castilho / BRP / Divulgação

Correndo em casa, o mineiro Maurício Pena Rocha foi o grande destaque da etapa de abertura do Campeonato Brasileiro de Rally Baja.

O piloto acelerou o UTV Can-Am Maverick X3 e conquistou a vitória da classificação geral no Rally Minas Brasil, que incluiu 107 veículos inscritos – entre UTVs, motos, quadriciclos e carros.

A prova terminou neste domingo (17), em Patos de Minas (MG), após dois dias de disputas e cerca de 300 quilômetros de desafios.

“Foi uma estreia com o pé direito, estou muito feliz”, comemorou Rocha, que representa a equipe UTV Off-Road Quadrijet Racing. Ele fechou a disputa com o tempo de 4h17min40seg, mais de 13 minutos de vantagem com relação ao vencedor da categoria motos, Rafael Espíndola.

Na classe específica para os UTVs, os quatro primeiros utilizaram o veículo Can-Am Maverick X3.

“A prova foi bastante rápida, com trechos molhados por conta da chuva, muito bem sinalizada e prazerosa para acelerar. O Can-Am Maverick X3 teve um desempenho ótimo. Deu tudo certo nesta primeira etapa do Brasileiro de Rally Baja e vamos para cima, em busca do título nacional”, concluiu Rocha.

105_KevinCastilhoDfotos-8746_bFoto: Kevin Castilho / Doni Castilho / BRP / Divulgação

A segunda etapa da competição está marcada para os dias 4 e 5 de maio, em Botucatu (SP).

Brasileiro de Rally Baja – 1ª etapa

Resultados (extraoficiais) – Categoria UTVs:

1 – #105 – MAURICIO PENA ROCHA – 04:17:40 – Can-Am Maverick X3

2 – #115 – DENINHO CASARINI – 4:20:11 – Can-Am Maverick X3

3 – #154 – GUSTAVO GUGELMIN – 4:21:23 – Can-Am Maverick X3

4 – #123 – WILKER DE CAMPOS – 4:21:51 – Can-Am Maverick X3

5 – #138 – HENRIQUE GUTIERREZ – 4:23:27

Sobre a BRP – A BRP é líder global no segmento de veículos motorizados esportivos, sistemas de propulsão e embarcações construídos em mais de 75 anos de capacidade inventiva e foco intensivo no consumidor.

O portfólio do grupo canadense é formado por produtos e marcas líderes de mercado, o que inclui as motos de neve Ski-Doo e Lynx, as embarcações Sea-Doo, os veículos on-road e off-road da Can-Am, os barcos Alumacraft e Manitou e os sistemas de propulsão marítima Evinrude e Rotax, bem como os motores Rotax para karts, motocicletas e aeronaves recreativas.

Com vendas anuais de US$ 4,5 bilhões em mais de 100 países, o grupo conta com força de trabalho global composta por cerca de 10.350 pessoas.

105-gustavoepifanio-012514_bFoto: Gustavo Epifanio / BRP / Divulgação

Volkswagen T-Cross é apresentado em Minas Gerais

Amintas Vidal*  (Publicado no Diário do Comércio – Edição:15/03/2019)

Modelo chega ao mercado para disputar fatia do segmento mais concorrido

bc46ccc1-c51e-4e7b-86e4-9e80c4d8a04fO T-Cross nacional foi projetado sobre a plataforma MQB, a mesma do Polo, Virtus, Jetta, Tiguan Allspace e outros modelos da Volkswagen e da Audi. Ele é ligeiramente maior que o modelo europeu, tendo 88 mm a mais no entre-eixos e sendo 11mm mais alto em relação ao solo, com as  rodas de 17 polegadas. Essas medidas se traduzem em mais espaço no banco traseiro e maior capacidade de transpor obstáculos.

Ele foi lançado em quatro versões: 200TSI com câmbio manual (R$84,99 mil), 200TSI Automático (R$94,49 mil), Comfortline 200TSI Automático (R$99,99 mil) e Highline 250TSI Automático (R$109,99 mil).

200TSI (manual) – O T-Cross 200TSI manual é equipado com ar-condicionado, direção elétrica e ajuste de altura e distância para o volante, volante multifuncional, travas e vidros elétricos, 6 airbags, controle eletrônico de estabilidade (ESC), freios a disco nas quatro rodas, bloqueio eletrônico do diferencial (XDS+), assistente para partida em rampas (Hill Hold), sensores traseiros de estacionamento, sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis, faróis com função Coming & Leaving Home, faróis de neblina com função cornering, luzes de condução diurna em LED, lanternas traseiras em LED, banco dianteiro do passageiro com encosto rebatível, suporte para smartphone com entrada USB para carregamento, entre outros.

Como opcional, o pacote Interactive I (R$1,72 mil) inclui sistema de som Composition Touch com App-Connect, dois alto-falantes adicionais (além dos quatro de série), câmera de ré para auxílio em manobras e sensores dianteiros de estacionamento.

200TSI (automático) – Essa versão traz os mesmos itens da anterior acrescidos de: câmbio automático de 6 marchas, controle automático de velocidade, apoio de braço central com porta-objetos, volante multifuncional revestido em material que imita couro com shift paddles para trocas manuais de marcha, duas entradas USB para o banco traseiro, saída traseira de ar-condicionado, sistema de som Composition Touch com tela colorida sensível ao toque de 6,5 polegadas e App-Connect.

Seu único pacote opcional é o Interactive II (R$1,59 mil) que inclui câmera de ré, sensores dianteiros de estacionamento e espelhos retrovisores externos com rebatimento elétrico.

cf232713-e0bc-4c7a-ac64-3cb0435fa190Comfortline 200TSI (automático) – O T-Coss Comfortline 200TSI, com câmbio automático, vem equipado com ar-condicionado digital, banco do motorista com ajuste lombar, câmera de ré para auxílio no estacionamento, indicador de pressão dos pneus, manopla da alavanca de câmbio revestida em material que imita couro, porta-luvas refrigerado, sistema save de variação do espaço do porta-malas, rodas de liga leve de 17 polegadas com pneus 205/55 R17, sensores dianteiros de estacionamento e sistema de frenagem automática pós-colisão.

Esteticamente, ele se diferencia por detalhes cromados na grade dianteira (que é pintada em preto brilhante), colunas centrais pintadas na cor preto brilhante e para-choque traseiro com apliques cromados na região inferior. O revestimento interno é na cor azul escuro e há insertos decorativos no painel.

Para essa versão, existem quatro pacotes opcionais. O Exclusive & Interactive (R$3,95 mil) inclui sistema multimídia Discover Media com navegador via satélite, tela de 8 polegadas, comando por voz e entrada USB no console central; iluminação ambiente em LED; seletor do modo de condução; sistema Kessy de abertura das portas sem chave e partida do motor por botão; espelhos retrovisores externos com rebatimento elétrico e tapetes adicionais de carpete.

O pacote Sky View II (R$4,80 mil) traz o teto solar panorâmico, espelho retrovisor interno eletrocrômico e sensores de chuva e crepuscular. O pacote Design View (R$1,95 mil) agrega bancos em material que imita couro com detalhes na cor Marrakesh Brown e apliques decorativos no painel com detalhes na cor bronze.

O quarto pacote, Premium (R$6,05 mil), traz o sistema de assistência de estacionamento Park Assist, faróis full-LED com luz de condução diurna em LED e sistema de som da marca Beats com subwoofer.

c0ede57b-867e-4c03-8859-baa3fc357025_mediumHighline 250TSI (automático) – Essa é a única versão do T-Cross com o motor 1.4 turbo já que, as demais, utilizam o 1.0 turbo.

Ela agrega os seguintes itens: bancos revestidos em material que imita couro, espelho retrovisor interno eletrocrômico, espelhos retrovisores externos com rebatimento automático, iluminação ambiente em LED, detector de fadiga, sistema Kessy, sistema start&stop e sensores de chuva e crepuscular.

Ela se diferencia visualmente pelo rack de teto na cor prata, moldura cromada para os faróis de neblina e para a grade dianteira e frisos laterais na região inferior dos vidros.

No interior, iluminação ambiente em LED, manopla da alavanca de freio de estacionamento revestida em material que imita couro e cobertura dos pedais em alumínio.

tcross-2Há três pacotes opcionais para essa versão: o Innovation (R$4 mil) traz o painel totalmente digital (Active Info Display); sistema de som Discover Media com navegador via satélite, tela colorida de 8 polegadas, comando por voz e entrada USB no console central e o seletor de modo de condução.

O opcional Sky View (R$4,80 mil) inclui o teto solar panorâmico. E o pacote Tech&Beats (R$6,05 mil) engloba o sistema Park Assist; faróis full-LED com luz de condução diurna em LED e o sistema de som Beats com subwoofer.

Motor 1.4 turbo é o destaque da versão topo de linha Highline

Os motores são turbo alimentados, tem injeção direta de combustível, duplo comando de válvulas tracionado por correia dentada com variação da abertura, tanto na admissão como na exaustão.

O motor 200TSI é 1.0 turbo flex que rende 128/116 cv às 5.500 rpm com etanol e gasolina, respectivamente, e tem torque de 200 NM (20,4 kgfm) às 2.000 rpm com os dois combustíveis.

O motor 250TSI é 1.4 turbo flex que rende 150 cv às 4.500 rpm e tem torque de 250 NM (25,5 kgfm) às 1.500 rpm, números iguais com os dois combustíveis.

Ambos os câmbios tem 6 marchas. O manual tem embreagem monodisco a seco e o automático tem conversor de torque tradicional, com opção de trocas sequenciais na alavanca ou nas aletas atrás do volante.

2edfcb2f-61ac-4643-a516-8953c9254a94_mediumTest-Drive – Apesar de curto, o circuito do teste-drive foi variado, descendo e subindo serras em estradas estreitas e sinuosas e também em estradas planas, largas e com velocidades de até 110 km/h. Percorremos as estradas entre as serras do Rola Moça e da Moeda (RMBH).

Andamos na versão Highline 250 TSI. Assim como outros modelos da marca que usam essa mesa plataforma, o T-Cross se destacou pela dirigibilidade. A direção é leve e, ao mesmo tempo, precisa. Qualidades que nem sempre andam juntas.

O isolamento acústico é muito bom, quase não se ouve o motor, pneus e o vento passando pela carroceria. Por falar em motor, este 1.4 turbo sobra para o modelo compacto. Acelera com bastante desenvoltura.

Segundo a montadora, de 0 a 100 km/h ele cumpre em 8,7 segundos e, entre 80 e 120km/h, ele retoma em 6,1s. Também divulgaram a eficiência em frenagem. Entre 100 e 0 km/h, ele desacelera em 37,8 metros.

Por ter um centro de gravidade mais alto, desvantagem de todos os SUVs, as suspensões são mais rígidas, mas não são desconfortáveis, ao menos sobre o asfalto. Não andamos na terra, pois não estava programado um trecho fora de estrada no percurso.

0c04df19-6ca0-4fad-a797-263fff25a83b_mediumPelas características do T-Cross, inclusive como ele é apresentado em fotos e vídeos pela Volkswagen, sua pegada deve ser mesmo urbana. Quando recebermos uma unidade para avaliação, reportaremos as impressões no uso off-road.

Dos cinco utilitários que Volkswagen prometeu lançar até 2020, o T-Cross é o segundo e o mais importante. Ele terá a árdua missão de competir entre os modelos compactos, fatia mais disputada do mercado brasileiro de automóveis.

Segundo dados fornecidos pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), entre os 50 carros mais emplacados este ano figuram 12 SUVs compactos e apenas um médio-compacto.

Os números dos principais compactos são os seguintes: Jeep Renegade (9.488), Honda HRV (7.923), Nissan Kicks (7.621) e Hyundai Creta (7.222). Pela pequena diferença de unidades emplacadas de cada modelo, e o número de concorrentes querendo abocanhar este bolo, tem-se a exata noção da responsabilidade depositada sobre o caçula da marca de origem alemã.

860ae36b-68e3-4a09-8b45-4f0f2c6a1b18_mediumFotos: Pedro Danthas / Volkswagen / Divulgação

*Colaborador

Chega ao mercado brasileiro a 2ª geração da Yamaha MT-09

Da Redação

2020_MTN850-A_DPBMC_JPN_3A Yamaha lançou a segunda geração da MT-09. A motocicleta, modelo 2020, tem um novo design onde se destacam o conjunto óptico formado por dois faróis duplos em LED, as maiores tomadas de ar junto ao tanque de combustível e as carenagens de proteção do radiador, na qual agora são fixados os piscas dianteiros.

Na traseira, as mudanças incluem a nova lanterna com efeito 3D em LED e o para-lama junto à roda que é fixado diretamente na balança da suspensão, que também tem a função de suporte da placa.

STE_6441Para poder curtir ainda mais toda sua esportividade e o grande torque de seu motor de 3 cilindros, a MT-09 2020 também vem equipada com controle de tração, sistema Quick Shift (que permite trocas de marchas ainda mais rápidas) e embreagem deslizante do tipo Slip Clutch (que possibilita reduções de marcha mais bruscas sem risco do travamento da roda traseira).

O motor é capaz de gerar um torque de 8,92 kgf.m. Além disso, ela é leve, com peso em ordem de marchas de apenas 193 quilos, que dividido pelos 115 cv, gera a ótima relação peso e potência de 1,67 quilo por cv.

Ele é de três cilindros e o ronco é uma verdadeira música aos ouvidos, além de impressionar por sua concepção. Do tipo DOHC, com dois comandos, 12 válvulas e arrefecimento a líquido, ele foi batizado pela Yamaha com a sigla CP3, que significa Crossplane 3, uma alusão ao número de cilindros e à tecnologia Crossplane nele empregado (a mesma utilizada na Yamaha M1 de Valentino Rossi).

STE_6291Essa tecnologia é responsável por permitir não somente um baixo nível de vibração como, principalmente, por entregar o torque e potência de forma linear e progressiva, permitindo, assim, que todo o potencial do motor seja mais facilmente explorado.

Com o novo sistema Quick Shift as trocas de marchas são feitas em um piscar de olhos, apenas pressionando para cima o pedal do câmbio, sem a necessidade de acionar a embreagem a cada engate, e mantendo a rotação do motor sempre alta.

Isso acontece graças a um sensor junto ao pedal do câmbio que identifica seu movimento quando as marchas vão ser engatadas. Nesse momento, o sistema Quick Shift – que não atua nas reduções – realiza o corte na ignição em uma fração de segundos, permitindo assim o rápido acionamento do câmbio sem que o mesmo, e também a embreagem, sejam danificados.

2020_MTN850-A_DPBMC_JPN_1O motor da MT-09 é equipado com um sistema de injeção eletrônica em que o combustível é injetado na câmara de combustão como um “spray micrométrico” por meio de doze orifícios instalados em cada um dos três bicos injetores..

Trabalhando integrado ao sistema de injeção, está o sistema YCC-T (Yamaha Chip Controlled – Throttle), que  detecta as menores ações do piloto por meio do punho do acelerador e transmite os dados para a ECU (Electronic Control Unit), que calcula instantaneamente o quanto de combustível deve ser injetado no motor e o quanto de ar deve entrar no sistema. Isso permite ao condutor ter um controle mais preciso das respostas do motor.

Outro importante recurso oferecido, para melhor adequá-la às condições de utilização e ao gosto de seu condutor, é o sistema Yamaha D-MODE (Drive Mode), que possibilita a escolha de três diferentes formas de respostas ao acelerador (STD, A e B), que podem ser escolhidos de acordo com as condições de pilotagem e estilo de cada um:

  • STD: Opção que cobre várias situações de pilotagem, entregando torque firme e contínuo tanto em baixa como em alta velocidade;
  • A: Mais agressivo do que o modo STD, com respostas mais rápidas;
  • B: Brando, se comparado ao STD, este modo proporciona uma pilotagem mais moderada.

STE_6339O quadro inteiramente em alumínio é leve, compacto e sua geometria privilegia a agilidade na pilotagem. Também conta a favor de sua ciclística, o baixo peso em ordem de marcha de 193 kg e a forma na qual ele é distribuído.

Além das massas estarem concentradas na parte de baixo da motocicleta, o que a torna rápida nas mudanças de direção, sua distribuição do peso entre os dois eixos tem a ótima proporção de 50.2% por 49.8%, ou seja, 97 kg para o dianteiro, e 96 kg para o traseiro.

Outras novidades na nova MT-09, que também garantem maior controle na pilotagem, são a embreagem deslizante (Slip Clutch) e o controle eletrônico de tração.

STE_6404O sistema de embreagem deslizante tem como objetivo impedir o travamento da roda traseira em reduções de marcha mais bruscas, ajudando a manter a estabilidade e controle, além de deixar o manete de embreagem 20% mais leve para facilitar seu acionamento.

Já o controle eletrônico de tração tem a função de dosar a entrega de torque do motor para a roda traseira, evitando que ela perca tração em situações de aceleração brusca ou quando houver baixa aderência no piso.

Na MT-09, esse recurso tem duas opções de ajustes: o modo 1 evita que a roda patine em qualquer situação, enquanto o modo 2 realiza um controle moderado, intervindo menos na pilotagem.

Além disso, o sistema permite ser desligado, ideal para quem utiliza a motocicleta de forma mais esportiva, como em um track day.

STE_6351A MT-09 ganhou novos ajustes da suspensão dianteira. Como já acontecia no amortecedor traseiro, os amortecedores dianteiros do tipo invertido agora contam, além da regulagem da pré-carga da mola, com ajuste do retorno e a compressão da parte hidráulica.

Dessa forma, é possível adequar o funcionamento de ambas suspensões ao peso do condutor, à forma que ele pilota a moto, e até mesmo ao tipo de piso em que ela será utilizada.

Os freios contam com sistema ABS. A motocicleta é equipada com dois discos flutuantes de 298 mm e pinças radiais de quatro pistões cada na dianteira, e pinça e disco simples de 245 mm na traseira.

STE_6275Já o sistema ABS, garante o não travamento das rodas, tantos nas frenagens mais bruscas, quanto em condições de baixa aderência, como por exemplo no asfalto molhado ou sujo.

O banco também é novo. Ele ganhou um formato mais anatômico e sua parte traseira está mais longa para oferecer maior espaço e conforto ao garupa.

Na parte central, a ponteira de escapamento toda em aço inox foi modificada, ganhado um design mais moderno e único.

O painel 100% digital ganhou novo posicionamento, mais para a direita, para tornar sua visualização mais fácil. Ele traz informações como os indicadores de marcha, combustível, posição do D-mode, conta giros, odômetro total e parcial, média de consumo, consumo de combustível instantâneo, contagem regressiva de Km em “reserva”, temperatura do motor e temperatura ambiente.

STE_6487Além disso, foram incorporadas três novas funções: as luzes de funcionamento do sistema Quick Shift e do Controle de Tração, e o mostrador digital que indica em qual modo de utilização está selecionado o Controle de Tração, e se ele está desligado ou não.

São três opções de cores: preto fosco (Matt Black), azul (Racing Blue), e cinza sólido (Night Fluo).

A nova MT-09 2020 estará disponível na rede de concessionárias da Yamaha, no fim desse mês, ao preço público sugerido (sem frete) de R$43,69 mil. Sua garantia é de um ano sem limite de quilometragem.

2020_MTN850-A_MDNM6_JPN_3

2020_MTN850-A_BNS4_JPN_3Fotos: Yamaha / Divulgação

Ducati realiza recall da alavanca da caixa de câmbio da Monster 1200 S e da SuperSport S

Da Redação

ducati_monster_1200_s_23

ducati-supersport_s-14Fotos: Ducati / Divulgação

A partir de hoje (12 de março), a  Ducati do Brasil está convocando os proprietários de duas motocicletas da marca para a verificação da alavanca da caixa de câmbio.

O recall inclui a  Monster 1200 S, modelo 2017, com início do chassi 95VMA02AAHM000002 e final do chassi 95VMA02AAHM000060 (Data de Fabricação Inicial: 24/04/17 e Data de Fabricação Final: 28/08/17).

Já a Monster 1200 S, modelo 2018, com início do chassi  95VMA02AAJM000061 e final do chassi 95VMA02AAJM000161 (Data de Fabricação Inicial: 14/09/17 e Data de Fabricação Final: 20/06/18).

A convocação também é para os proprietários da SuperSport S, modelo 2018, com início de chassi  95VVA00AAJM000001 e final de chassi 95VVA00AAJM000053 (Data de Fabricação Inicial: 01/03/18 e Data de Fabricação Final: 26/07/18).

A Ducati identificou um potencial problema na alavanca da caixa de câmbio para os modelos acima mencionados.

Em alguns casos raros pode acontecer que, devido a um erro de fornecimento, a interferência presente entre o eixo e a alavanca da caixa de câmbio não esteja em conformidade e poderá resultar na sua soltura e perda do eixo. Desta forma, o engate das marchas ficará comprometido.

A realização desta convocação é de caráter 100% preventivo, sem nenhum registro de qualquer tipo de ocorrência no Brasil, informou a empresa.

Se você é proprietário de um dos modelos citados, deve entrar em contato com uma concessionária autorizada Ducati, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, para agendar gratuitamente a verificação e, se necessário, a substituição da peça.

O serviço de atendimento ao consumidor Ducati (0800 738 2284) poderá indicar a concessionária mais próxima.

O tempo estimado para verificação é de aproximadamente 10 minutos. Caso haja a necessidade da substituição da alavanca de câmbio, o tempo do serviço é de, aproximadamente, 20 minutos.

Para outras informações, o cliente pode acessar o site www.brasil.ducati.com.

VW Caminhões e Ônibus lança o Constellation 30.280

Da Redação

ViewImage.aspx2A Volkswagen Caminhões e Ônibus está lançando o Constellation 30.280, caminhão rígido 8×2 que estreia para ampliar a presença da marca no segmento de semipesados, no qual o Constellation 24.280 já é, segundo a montadora, o campeão de vendas.

O novo modelo traz uma importante vantagem competitiva: é o único 8×2 com sistema EGR de tratamento, o que dispensa o uso de Arla 32. Com isso, não necessita de um tanque extra para o aditivo, trazendo facilidade na instalação do implemento, sem agregar peso extra no conjunto.

O motor é o MAN D08 de 277 cv de potência e 1.050 Nm de torque, que garante performance e alta velocidade média operacional, proporcionando ótima produtividade e menor custo.

Ao atingir o máximo de torque com rotação menor, é ágil em subidas e ultrapassagens e traz economia de combustível, maior vida útil aos componentes e consequente redução dos custos operacionais.

O modelo é equipado com segundo eixo direcional com suspensor pneumático. O powertrain é completado por uma transmissão mecânica ZF de 9 velocidades. O câmbio automatizado V-Tronic é opcional.

ViewImage.aspx3O motorista e os passageiros contam com as principais características da cabine Constellation, reconhecida no mercado pelo espaço interno e ergonomia, proporcionando boas condições de operação.

O modelo está disponível nas opções de cabine Estendida, Leito Teto Baixo e Leito Teto Alto.

O VW Constellation 30.280 8×2 é indicado para aplicações rodoviárias de médias e longas distâncias para: baú carga geral, carga seca, tanque, sider, graneleiro, entre outras.

“O VW Constellation 30.280 8×2 traz todos os grandes atributos do Constellation 24.280, agora com um 4º eixo de fábrica e PBT homologado de 29 toneladas, estendendo essas vantagens ao operador que precisa de mais capacidade de carga. A novidade traz em seu DNA nosso conceito sob medida”, explicou Ricardo Yada, supervisor de marketing do produto da VW Caminhões e Ônibus.

O caminhão estreia também com foco em segurança operacional: traz, de série, os sistemas ABS e EBD, que respectivamente impede o travamento das rodas em pisos em condições de baixa aderência e gerencia automaticamente a quantidade de força aplicada em cada roda a fim de maximizar a potência de frenagem.

Para o Constellation 30.280 8×2 V-Tronic estão disponíveis os sistemas de controle automático de tração (ATC), que também pode ser adquirido como opcional para a versão com transmissão mecânica, e o Easy Start, que auxilia a partida em rampa.

ViewImage.aspxFotos: Malagrine / Volkswagen / Divulgação