Família Delivery passa a ter onze modelos

José Oswaldo Costa*    (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 15/09/2017)

de Resende (RJ)

Volkswagen Caminhões e Ônibus mira no segmento de até 3,5 ton. com a opção Express

Vei1 - Malagrine - Volkswagen - DivulgaçãoAtravessamos um momento único no que diz respeito ao transporte de cargas urbano. Muitas cidades já proíbem, ou restringem ao máximo, a circulação de grandes caminhões em ruas e avenidas mais centralizadas e movimentadas.

É nesse cenário que os caminhões leves e semileves, com capacidade de carga entre 3,5 e 11 toneladas, ganham importância. Principalmente os primeiros.

Além de ter a circulação permitida (se enquadram entre os chamados VUC – Veículo Urbano de Carga), veículos com até 3,5 toneladas de capacidade de carga podem ser dirigidos por condutores que possuem, apenas, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) da categoria B. Não há exigência pelas categorias C ou D.

Hoje, o segmento de leves e semileves é responsável por 31% da vendas totais de caminhões no Brasil. Os extrapesados respondem por idênticos 31% enquanto, os médios e pesados (capacidade de carga entre 13 e 31 toneladas), são donos de 38% da fatia do bolo.

As projeções mostram que, até 2030, os leves e semileves responderão por 39% das vendas totais. Por esses motivos apresentados, a Volkswagen Caminhões e Ônibus acaba de lançar seis novos modelos para integrar a família Delivery.

A linha Delivery já contava com cinco opções: 5.150 (5 ton.), 8.160 (8 ton.), 9.160 (9 ton.), 10.160 (10 ton.) e 13.160 (13 ton.). Agora, recebe os seguintes modelos: Express (3,5 ton.), 4.150 (4 ton.), 6.160 (6 ton.), 9.170 (9 ton.), 11.180 (11 ton.) e 13.180 (13 ton.).

Com esses lançamentos, a linha completa abrangerá o mercado de caminhões desde os que partem de 3,5 toneladas chegando, até, aos que possuem capacidade para 13 toneladas.

Vei2 - Malagrine - Volkswagen - DivulgaçãoDe acordo com a VW Caminhões e Ônibus, o investimento total para o desenvolvimento dos novos modelos foi da ordem de R$ 1 bilhão. O tempo necessário para chegar ao produto final foi de 5 anos e foram rodados mais de 4 milhões de quilômetros em testes.

A nova linha será lançada mundialmente, mas o Brasil será o primeiro mercado a recebê-la. Produzido na planta de Resende, no interior do Rio de Janeiro, conta com três versões de acabamento: City, Trend e Prime (topo de linha).

A nova linha Delivery teve sua engenharia desenvolvida no Brasil enquanto, o design, ficou aos cuidados dos alemães. É um caminhão desenvolvido totalmente do zero.

Apesar do lançamento de seis novos caminhões, pode-se dizer que a grande estrela do evento de apresentação à imprensa especializada foi o Delivery Express.

Ele é o principal modelo a se encaixar nos parâmetros que apresentamos no início dessa matéria: capacidade para até 3,5 toneladas, permissão para rodar em locais de circulação restrita e pode ser conduzido por quem possui, apenas, a CNH da categoria B. Além disso, em pedágios, paga o mesmo valor de um automóvel.

IMG_2349A VW Caminhões e Ônibus apresentou soluções interessantes para esse modelo. Um bom exemplo é o fato de, pela primeira vez na história da montadora, ele contar com suspensa dianteira independente.

Outro detalhe importante é que ele pode sair da fábrica já encarroçado, seja para carga seca, seja com baú. Sua capacidade de carga líquida é de 1 tonelada. Caso não queira dessa forma, o cliente pode optar para que o veículo seja entregue, apenas, no chassi.

De acordo com a Volkswagen, seus concorrentes ou são veículos derivados de picapes ou são caminhões com cabine semiavançada. O Delivery Express é o único com cabine avançada (posicionada acima do motor) e que oferece 2 metros de largura dentro da cabine.

Os concorrentes não passam de 1,80 metro de largura. Dentre eles, podemos citar o Iveco Daily, o Mercedes-Benz Sprinter, o Hyundai HR e o Ford F350.

IMG_0873Interior – A cabine do novo Delivery foi desenvolvida com o foco na ergonomia, no conforto e na robustez.

Posição de dirigir, empunhadura do volante, regulagem de altura do banco, painel de instrumentos, porta-objetos e espaço suficiente para transitar no interior, indo do banco do motorista até o do passageiro de forma rápida, foram as premissas iniciais.

Vei3 - Malagrine - Volkswagen - DivulgaçãoA concepção dos bancos, ainda de acordo com a Volkswagen, contou com a colaboração de dezenas de pessoas de diferentes estaturas e portes físicos, de modo que a condução seja confortável para todos.

Os assentos são feitos com tecidos de alta resistência e hidrorrepelentes, que não mancham. Em cores escuras, também são ideais para o dia a dia. A posição dos pedais foi adequada ao anda e para das entregas urbanas, sem exigir grande esforço de acionamento ao motorista, o que reduz os riscos de lesão por esforço repetitivo (LER).

A cabine vem, ainda, com novo sistema de basculamento por meio de uma alavanca localizada em seu interior. De fácil acionamento, proporciona mais segurança e conforto em manutenções.

No quadro de instrumentos destaca-se o conceito modular, que permite ao operador organizar dispositivos como rádio, tacógrafo e equipamentos próprios de cada operação. É o caso da temperatura do baú frigorífico, por exemplo, que deve ser monitorada sem que o motorista tire os olhos da via.

Vei4 - Malagrine - Volkswagen - Divulgação

Motores Cummins e transmissão manual

Os modelos Express e 4.150 são equipados com o motor Cummins ISF de 2.8 litros. Ele alcança 150 cv e um torque máximo de 360 Nm numa ampla faixa de rotações para garantir retomadas rápidas, agilidade e menor consumo possível de combustível nas entregas urbanas. O dois caminhões são os únicos da nova linha dotados com tecnologia EGR

Para o Delivery 6.160, o motor também é o Cummins ISF, 2.8 litros, mas desta vez, com solução SCR para o pós-tratamento. Sua potência chega a 160 cv e o torque máximo fica em 430 Nm.

Os veículos de 9, 11 e 13 toneladas, por sua vez, utilizam o Cummins ISF, de 3.8 litros e tecnologia SCR. Os três registram o torque máximo em 600 Nm, variando a potência entre 165 e 175 cv.

O novo Delivery estreia quatro versões de transmissão manual de seis velocidades totalmente novas, além da opção automatizada.

O Delivery Express e o 4.150 estão equipados com uma caixa ESO-4106, enquanto o de 6 toneladas vem com a ESO-4206. Já os novos modelos de 9 e 11 toneladas contam com a transmissão ESO-6106, e o 13.180 tem a caixa ESO-6206.

IMG_0819

Fotos: Malagrine / VW Caminhões e Ônibus / Divulgação

Haverá, também, a opção de transmissão automatizada para os veículos de 9, 11 e 13 toneladas, baseada na versão manual, mais confortável ao motorista. O item está em fase final de desenvolvimento.

Algumas características do novo VW Delivery (de série e opcionais): ar-condicionado; conector de ar para limpeza da cabine; acionamento elétrico dos vidros; retrovisores com ajuste elétrico; trava elétrica das portas; preparação para climatizador;  faróis de neblina; proteção dos degraus; preparação para PTO; cruise control e alarme sonoro para cinto de segurança do motorista.

A VW Caminhões e Ônibus ainda não divulgou os preços dos novos integrantes da família Delivery. Porém, informou que eles devem ser superiores entre 7% e 10% na comparação com os demais (e antigos) modelos da linha.

Os executivos disseram que, mundialmente, a nova linha tem potencial para vender 100 mil unidades anualmente. Para o Brasil, a expectativa, disseram, é de comercializar 30 mil unidades nos próximos anos (sem especificar em quantos).

O desafio é grande no atual momento econômico que o País atravessa. Para que se tenha uma ideia, no melhor ano da planta de Resende, 2011, foram produzidas pouco mais de 80 mil unidades (entre caminhões e ônibus). Ano passado, com a recessão econômica, esse número total foi um pouco superior à marca de 20 mil unidades.

As vendas da nova linha respeitarão o seguinte cronograma: setembro de 2017 – Delivery 11.180 e 9.170; entre dezembro de 2017 e janeiro de 2018 – Delivery 6.160; fevereiro de 2018 – Delivery Express; entre fevereiro e março de 2018 – Delivery 4.150 e entre março e abril de 2018 – Delivery 13.180.

*o jornalista viajou a convite da Volkswagen Caminhões e Ônibus

**as fotos dessa matéria (caminhão branco, interior e motor) são da versão Express

Honda apresenta o Fit 2018

Da Redação

EXL_Externas (86)A Honda apresentou, ontem, o Fit em sua versão 2018. O modelo da montadora japonesa recebeu aprimoramentos no design, segurança e conforto.

O Fit 2018 traz mudanças no design frontal e traseiro, bem como novas tecnologias de iluminação, como luzes diurnas de rodagem e lanternas em LED, além de faróis em LED na versão EXL.

Em suas versões superiores, o modelo traz ar-condicionado digital e conectividade com os sistemas Apple CarPlay e Android Auto.

O Fit apresenta novos para-choques de desenho mais encorpado, grade frontal redesenhada, bem como novos faróis e lanternas.

EXL_Externas (18)Ele passa a contar com luzes de rodagem diurnas em LED, que mudam de posição de acordo com sua versão: nos modelos DX, LX e EX, estão localizadas na parte inferior do para-choque.

Ela é item de série na versão EX e disponível como acessório para as versões DX e LX. Já na EXL, topo de Lina, o sistema de iluminação é integrado aos faróis Full LED, exclusivos da versão, que permitem uma visibilidade superior à noite e mais requinte ao modelo.

EXL_Externas (87)As inéditas lanternas com iluminação em LED, agora, também acendem na região das colunas traseiras, aumentando ainda mais a visibilidade e a segurança e são item de série em todas as versões.

EXL_Externas (19)Essas novas lanternas oferecem o sistema de sinalização em frenagens de emergência ESS (Emergency Stop Signal) que, em frenagens bruscas, piscam automaticamente e de forma rápida e intermitente para alertar o condutor que vem atrás, minimizando o risco de colisões traseiras.

As versões DX e LX adotam rodas de liga leve de 15 polegadas, com desenhos diferenciados, enquanto as versões EX e EXL recebem rodas de 16 polegadas com novo acabamento escurecido.

Palhetas de limpadores do para-brisa do tipo flat blade são de série em todas as versões, mais aerodinâmicas, de design mais limpo e de maior funcionalidade.

EXL_Externas (82)Segurança – A segurança foi aprimorada no modelo 2018 com a adoção, em toda a linha, do sistema VSA (Vehicle Stability Assist), que agrega controle de tração e estabilidade, freios ABS com EBD (Electronic Brake Distribuition) e BA (Brake Assist) e MA-EPS (Motion Adaptive Electric Power Steering), que auxilia no controle da direção em situações de baixa aderência ou em curvas, atuando de maneira ativa no controle do veículo.

Além disso, o Fit passa a trazer o sistema HSA (Hill Start Assist) de auxílio de saída em ladeiras e o ESS, de alerta de frenagem de emergência.  São equipamentos de segurança de série, disponíveis em todas as versões.

EXL_Internas (2)A versão EX, além dos dois airbags frontais obrigatórios, adotará airbags laterais. A EXL, por sua vez, traz também as bolsas infláveis laterais do tipo cortina, totalizando seis airbags.

O Fit 2018, nas versões EX e EXL, passa a adotar simulação de trocas de marchas (7), por meio de borboletas atrás do volante, nos modelos equipados com transmissão CVT. A versão DX possui transmissão manual de cinco velocidades,

Toda a linha Fit é equipada com o motor 1.5, com controle eletrônico variável de sincronização e abertura de válvulas. Com etanol, esse propulsor gera 116 cv de potência a 6.000 rpm e 15,3 kgf.m de torque a 4.800 rpm. Quando abastecido com gasolina, são 115 cv a 6.000 rpm e 15,2 kgf.m a 4.800 rpm.

Conteúdo – Desde as versões iniciais, o Honda Fit 2018 oferece de série ar-condicionado, direção elétrica, vidros elétricos em todas as portas, regulagens de altura e profundidade da coluna de direção, além de variados porta-objetos espalhados pelo interior, dentre outros equipamentos.

EXL_Internas (1)A versão EXL passa a oferecer uma nova central multimídia de sete polegadas que traz navegador integrado e conectividade com o sistema Apple CarPlay e Android Auto.

Esse sistema de áudio vem ainda com navegador integrado e a visualização da câmera de ré com três ângulos de visão e indicação de distância por cores, com indicação de ponto máximo para abertura do porta-malas.

EXL_Internas (23)Nesta versão, o sistema de áudio traz dois tweeters nas colunas frontais, enquanto o volante traz comando de voz, para operação das funcionalidades dos sistemas Android Auto e Apple CarPlay.

Outra novidade desta versão é a adoção de retrovisores externos rebatíveis eletricamente.

EXL_Externas (10)Além disso, as versões EX e EXL incorporam novidades como ar condicionado digital automático, com painel touchscreen para regulagem de temperatura e intensidade.

Essas versões recebem, ainda, um descansa-braço central com revestimento em couro, volante com paddle-shifts e vidros elétricos com função um toque para motorista e passageiro da frente.

O Honda Fit 2018 chega ao mercado em cinco versões: DX, LX, EX e EXL, além da nova versão Personal. A transmissão é manual na versão DX e CVT nas demais – com simulação de sete marchas nas versões EX e EXL.

EXL_Internas (6)A versão Personal é uma opção que traz a possibilidade de personalização de conteúdo. Equipada com transmissão CVT, oferece, de série, o VSA com HSA e ESS, controle de cruzeiro, retrovisores com luz indicadora de direção, lanternas traseiras em LED e ajuste de altura do banco do motorista.

O Fit Personal traz ainda os equipamentos comuns a todas versões, como ar-condicionado, direção elétrica, vidros elétricos e travas elétricas em todas as portas e volante com regulagem de altura e profundidade.

EXL_Internas (11)

Fotos: Honda / Divulgação

Seu principal atrativo é o posicionamento de preço pensado em um público que busca opção com valores incluídos em isenção fiscal, aliado à possibilidade de adquirir um pacote adicional composto de jogo de rodas de 15 polegadas e sistema de áudio, que ativa equipamentos pré-instalados no modelo, como os alto-falantes, controle de áudio no volante, sistema HFT por Bluetooth e câmera de marcha a ré.

Preços Sugeridos*:

DX – MT: R$58,70 mil

Personal – CVT: R$68,70 mil

LX – CVT: R$70,10 mil

EX – CVT: R$75,60 mil

EXL – CVT: R$80,90 mil

*Pintura metálica (acréscimo de R$990) e pintura especial (acréscimo de R$1,29 mil)

Triumph lança a nova geração da Street Triple no Brasil

Da Redação

street-triple-rs-riding-2A Triumph está lançando no mercado brasileiro a nova geração do modelo roadster Street Triple, completamente remodelado, em duas versões: S (R$38,99 mil) e RS (R$48,99 mil), ambas equipadas com o novo motor três cilindros de 765 cc.

Desenvolvido a partir do motor Daytona feito para competições, o novo motor de 765 cc da Street Triple oferece um grande aumento de potência e torque com mais de 80 novos componentes em seu interior – incluindo novo virabrequim, pistões e cilindros galvanizados em Nikasil, e ainda maior diâmetro e curso.

A versão S, por exemplo, oferece 113 cv de potência (a 11.250 rpm), o que representa um aumento de até 33% em relação ao pico de potência da geração anterior lançada no Brasil (85 cv, a 11.260 rpm).

Além disso, agora seu torque chega a 73 Nm (a 9.100 rpm), um crescimento de 22% em comparação com o pico de torque do modelo anterior (59,9 Nm, a 8.304 rpm).

Já a versão RS proporciona o mais alto nível de desempenho já obtido por uma Street Triple até hoje, com um aumento de potência de até 44% sobre o modelo anterior, oferecendo 123 cv (a 11.700 rpm), e um crescimento de pico de torque de 28%, atingindo  77 Nm (a 10.800 rpm).

street-triple-rs-static-location-6Ambos os modelos contam com o recurso eletrônico Modos de Pilotagem para ajudar o piloto a controlar melhor as maiores potência e torque em cada condição de pilotagem.

A aceleração mais forte e as trocas de marchas mais precisas são permitidas com uma combinação de geometria revisada da transmissão, que também conta com a 1ª e a 2ª marchas mais curtas.

A 1ª marcha ficou 12% mais curta que no modelo anterior, enquanto a 2ª agora está 5% mais curta. Além disso, no modelo RS, uma nova configuração de embreagem slip-assist (deslizante e assistida) fornece ação mais leve da embreagem com menor esforço e ainda traz um sistema de segurança que evita o travamento das rodas durante a redução das marchas e frenagens.

Algumas tecnologias de controle e segurança presentes na Street Triple:

Sistema de aceleração ride-by-wire: Oferece uma aceleração mais precisa e respostas de aceleração mais exatas. Permite o uso de diferentes mapas de aceleração que, em conjunto com as configurações de controle de ABS e tração, resultam em até cinco modos de pilotagem (na RS).

Modos de pilotagem: Em conjunto com o sistema ride-by-wire, os dois modelos apresentam novos modos de pilotagem, que ajustam as configurações de resposta de aceleração, ABS e controle de tração. Na Street Triple S são dois modos de pilotagem: estrada e chuva. Na RS, são cinco modos de pilotagem: estrada, chuva, esportivo, pista e programável pelo piloto.

street-triple-rs-riding-1A Street Triple RS apresenta um novo painel de instrumentos de 5 polegadas, em TFT totalmente colorido, com ângulo ajustável para os pilotos acessarem o novo computador de bordo.

Há três estilos diferentes de exibição de tela à sua escolha, pré-definidos para os modos de pilotagem e facilmente alteráveis durante o uso.

Também é equipada com recursos adicionais, incluindo consumo de combustível médio e instantâneo, autonomia, seleção de modos de pilotagem, informações de serviço, temperatura do motor e cronômetro de voltas, entre outras informações.

Na Street Triple S há um conjunto de instrumentos em LCD totalmente revisado. Isso permite ao piloto selecionar os modos de pilotagem em movimento ou parado e acessar informações importantes do computador de bordo, como hodômetro, medidor de combustível, autonomia, distância percorrida, relógio e indicador de posição de marcha.

tft-instruments-3A Street Triple RS é equipada com um quickshifter, que permite aumentos de marcha sem o uso de embreagem, o que é até 2,5 vezes mais rápido do que o tempo exercido por um piloto competente com a embreagem. Esta tecnologia pode ser adicionada como um acessório opcional na versão S.

A Street Triple S vem com garfos dianteiros invertidos Showa de 41 mm, com funções separadas, com 110 mm de curso, e suspensão traseira com monochoque, com reservatório piggyback ajustável para pré-carga.

Já a RS possui garfos frontais com 41 mm de pistão Showa com maior especificação, ajustáveis para retorno e compressão. A suspensão traseira é um monochoque com reservatório piggyback premium Öhlins STX40.

Nos freios, a versão S é equipada com pinças deslizantes de dois pistões Nissin na dianteira e uma pinça deslizante de pistão único Brembo na traseira.

A Street Triple RS possui pinças radiais monobloco Brembo M50 de quatro pistões na dianteira, fornecendo potência de parada líder na categoria, com alavanca de razão e duração ajustável e uma pinça deslizante de pistão individual Brembo na traseira.

street-triple-rs-detail-5A Street Triple S é equipada com pneus premium Pirelli Diablo Rosso Corsa, que oferecem manuseio preciso e apurado, bem como excelente estabilidade e aderência na estrada. Enquanto isso, a RS vem com pneus topo de linha Pirelli Diablo Supercorsa SP, que oferecem desempenho esportivo avançado para uso em estrada e, ocasionalmente, em pista.

street-triple-rs-static-location-5

street-triple-rs-detail-7

street-triple-rs-detail-4

street-triple-rs-detail-6

Fotos: Triumph / Divulgação

OBS: as fotos que ilustram esse texto são da Street Triple RS

Chevrolet Cruze Sport6 está no topo

José Oswaldo Costa  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 08/09/2017)

Moderno motor 1.4 turbo traz esportividade ao hatch e ajuda a levá-lo à liderança do segmento

GEDSC DIGITAL CAMERA

O Chevrolet Cruze Sport6 foi lançado no fim do ano passado, em dezembro. A segunda geração do modelo chegou com a incumbência de disputar mercado com, principalmente, VW Golf e Ford Focus, os líderes do segmento de hatches médios até então.

E a diretoria da GM pode comemorar, o objetivo foi alcançado. De acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), entre janeiro e agosto desse ano, o Cruze hatch vendeu 4.748 unidades. Isso significa uma média mensal de cerca de 593 unidades.

O Volkswagen Golf, no mesmo período, emplacou 3.108 unidades, ou seja, algo em torno de 388 unidades/mês. O Ford Focus hatch caiu para a terceira colocação do segmento: 2.994 unidades comercializadas entre janeiro e agosto desse ano (cerca de 374 unidades/mês).

O sucesso do Cruze não se deu por acaso. O modelo da General Motors chegou ao Brasil, importado da Argentina, trazendo um belo design, que agradou a muitos, e, principalmente, o ótimo motor 1.4 turbo.

Esse motor é capaz de render 150/153 cv (gasolina/etanol) e oferece um torque de 24/24,5 kgfm (gasolina/etanol). O câmbio é automático de 6 marchas. Além do bom desempenho, ajuda o fato da nova plataforma utilizada no carro ter reduzido seu peso em 114 kg em relação à geração anterior.

GEDSC DIGITAL CAMERA

DC Auto recebeu, para avaliações, a versão top de linha do modelo, a LTZ. Como dissemos, o design se destaca. Nem tanto a dianteira, idêntica à do Cruze sedan. O que chama a atenção é a bonita traseira.

As lanternas, que invadem a tampa do porta-malas e as laterais, possuem belo e moderno desenho. O para-choque é envolvente e apresente linhas musculosas, aumentando a sensação de esportividade do Cruze.

Olhando de perfil, o caimento do teto é pronunciado, mas não chega a incomodar a cabeça dos passageiros que viajam no banco traseiro. As bonitas rodas em liga leve de 17 polegadas apresentam a cor cinza, recurso muito utilizado atualmente.

O conjunto que elas formaram com a carroceria, também cinza, da unidade que avaliamos, ficou bonito, elegante e trouxe um resultado final de muito bom gosto. Completava o visual esportivo o teto solar elétrico.

GEDSC DIGITAL CAMERA

Quanto ao interior, também é herança do Cruze sedan, sendo idêntico. Destaca-se a utilização do couro em inúmeras partes, como painel, bancos e portas. Isso ajuda a aumentar a sensação de requinte. O acabamento foi muito bem executado, com materiais de qualidade e sem apresentar rebarbas ou encaixe ruim.

Chama atenção a tela do sistema multimídia de 8 polegadas e sensível ao toque. O quadro de instrumentos é simples e elegante.

O velocímetro fica do lado direito enquanto, o conta-giros, está posicionado à esquerda. Entre eles, o computador de bordo. Acima, dois marcadores com desenho tradicional (combustível e temperatura do motor).

GEDSC DIGITAL CAMERA

Fotos: José Oswaldo Costa

Modelo oferece pacote completo de segurança

O Cruze Sport6 é muito agradável de dirigir. O motor turbo oferece arrancadas fortes e ágeis. O casamento com o câmbio de 6 marchas foi bem executado e o modelo está sempre “bem disposto” para retomadas.

Em relação ao sedan, o hatch passou por alterações na suspensão que a deixou mais firme, aumentado o prazer para uma tocada mais esportiva. Ele se sente “em casa” em curvas mais fechadas, feitas em velocidades mais elevadas.

Ajuda nesse bom desempenho, principalmente em estradas, a presença dos sistemas de controle de estabilidade e tração.

Motorista e passageiro de sentem bem protegidos já que o Cruze é equipado com seis airbags: frontais, laterais e do tipo cortina. Todos os passageiros contam com encostos para a cabeça e cintos de segurança de três pontos.

Como opcionais para a segurança existem os alertas de ponto cego, de colisão frontal e de mudança de faixa. O hatch também é equipado com o assistente de partidas em rampas. Todos eles estavam presentes na unidade avaliada, revelando-se muito úteis.

O modelo apresenta, ainda, o sistema OnStar que, entre outros, realiza chamadas de emergência para uma central 24h em caso, por exemplo, de acidente.

Dentre outros, o Chevrolet Cruze Sport6 LTZ é equipado, de série, com: seis airbags (frontais, laterais e do tipo cortina), controles de tração e estabilidade, assistente de partida em rampas, câmera de ré, faróis de neblina, luzes diurnas em LED, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, ar-condicionado digital de uma zona, direção eletricamente assistida, ajuste do volante em altura e profundidade, bancos revestidos em couro, rodas em liga leve de 17 polegadas, chave presencial, sistema start/stop para ligar o carro, teto solar elétrico, retrovisores rebatíveis eletricamente, volante multifuncional e sistema multimídia com tela sensível ao toque de 8 polegadas.

Entre os opcionais, destaque para os alertas de ponto cego, colisão frontal e mudança de faixa, ajuste elétrico para o banco do motorista, assistente de estacionamento e carregador sem fio para o celular.

Na tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) seu preço é R$105,41 mil. Para fins de comparação, o preço do VW Golf 1.4 TSI Highline (automático e turbo), na mesma tabela, é R$113,30 mil. Já o Ford Focus Titanium 2.0 (automático e aspirado) tem o preço de R$98,33 mil.

Localiza Fast chega a cinco capitais

Da Redação   (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 08/09/2017)

Vei5 - Juan Cogo - Localiza - Divulgação

Foto: Juan Cogo / Localiza / Divulgação

A Localiza, maior rede de aluguel de carros da América Latina, acaba de efetivar a implantação do Localiza Fast, autosserviço de aluguel de carros via aplicativo de celular.

Depois de um período de teste realizado com clientes selecionados em Belo Horizonte e São Paulo, a novidade chega efetivamente ao mercado.

O Localiza Fast já está disponível para clientes das praças de São Paulo (Guarulhos e Congonhas), Rio de Janeiro (Galeão e Santos Dumont), Belo Horizonte (Confins e Savassi), Brasília e Porto Alegre.

Ao longo dos próximos meses, a ferramenta vai ser disponibilizada nas principais agências Localiza do País. A tecnologia é parte de um programa de investimentos de cerca de R$10 milhões destinados a melhorias de produtos e novas tecnologias, realizado pela empresa em 2016.

“Antes da implantação, passamos por uma etapa-piloto com dezenas de veículos. Adotamos o processo de cocriação com os clientes, como uma forma de oferecer um serviço mais ajustado às necessidades do usuário. Com uma aprovação excepcional, o Localiza Fast chega agora às principais capitais e a expectativa é de muito sucesso”, destacou Guilherme Braz, diretor de Experiência do Cliente e Pricing da Localiza.

Com a tecnologia, o cliente pode sair da agência dirigindo o veículo sem passar pelo balcão de atendimento. A experiência começa pela reserva do carro, que pode ser feita por diversos canais – inclusive pelo APP da Localiza.

Feita a reserva, a retirada do veículo acontece em menos de um minuto. Por meio do aplicativo Localiza, o usuário faz o check-in informando a chegada à agência e passa por uma etapa de autenticação via reconhecimento facial.

Em seguida, a ferramenta aponta a localização exata do carro, com detalhes como número da vaga, placa do veículo e a foto do modelo escolhido. Quando o locatário chega à vaga determinada, aparecerá na tela o botão “abrir o carro” que, quando acionado, abre o veículo automaticamente. As chaves e o documento estarão no porta-luvas e o cliente já pode sair dirigindo.

O processo de devolução do veículo, que já era digital, fecha todo o ciclo de experiência, com o máximo de agilidade. A tecnologia é inédita na América Latina e utilizada apenas por outras duas locadoras no mundo.

BMW realiza recall das motocicletas modelo R Nine T

Da Redação

BMW_R_nine_T

A BMW do Brasil está convocando os proprietários das motocicletas BMW modelo R Nine T, fabricadas entre 06/02/2014 e 02/09/2014, a entrarem em contato com um concessionário autorizado para agendarem gratuitamente o reaperto dos parafusos de fixação do pivô do braço oscilante traseiro, em decorrência de possível afrouxamento dos mesmos.

Manifestada a falha, poderão ser notados ruídos e, no pior cenário, a perda da estabilidade da roda traseira e, consequentemente, do controle do veículo.

Neste caso, não se descarta a possibilidade de ocorrência de danos físicos e materiais aos ocupantes da motocicleta e a terceiros.

O reparo tem início imediato e duração de cerca de 30 minutos.

Os 222 chassis, não sequenciais, envolvidos na campanha são:

MODELO DE ATÉ
R Nine T Z418681 Z423893

Para outras informações, acesse http://www.bmw-motorrad.com.br/br/pt/recall, ou entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Cliente BMW, exclusivo para recall, 0800 019 7097, de 2ª a 6ª feira, das 8 às 19 horas.

Ford apresenta versão especial da Ranger destinada ao mercado europeu

Da Redação

FordRangerBlackEdition-2A Ford anunciou o lançamento de uma edição especial da Ranger na Europa, a Black Edition, que será apresentada ao público pela primeira vez no Salão de Frankfurt, a partir do próximo dia 16.

Com produção limitada a 2.500 unidades, a picape se destaca pelo visual todo em preto, com carroceria na cor Absolute Black e acabamento no mesmo tom na grade do radiador, rodas, santantônio e outros detalhes.

A Ranger Black Edition é derivada da versão de topo, Limited, com cabine dupla. Entre outros equipamentos, vem com sistema de navegação por satélite, central multimídia com tela sensível ao toque de 8 polegadas, câmera de ré, ar-condicionado automático digital de dupla zona, bancos em couro e retrovisores com rebatimento elétrico e aquecidos.

FordRangerBlackEdition-3A proposta é oferecer uma opção diferenciada da picape líder de vendas na Europa, que registra este ano um crescimento acumulado de 12%, o seu melhor resultado desde o lançamento, de acordo com a Ford.

“Os clientes da Ranger gostam do seu visual robusto, da sua força e capacidade de rodar em qualquer lugar. Nossa expectativa é que a nova série limitada se esgote em poucas semanas”, disse Hans Schep, gerente geral de Veículos Comerciais da Ford Europa.

FordRangerBlackEdition-4

Fotos: Ford / Divulgação