BMW Group revela as primeiras imagens do BMW Z4 Concept

Da Redação

P90273646_highRes_bmw-concept-z4-08-20

P90273625_highRes_bmw-concept-z4-08-20O BMW Group acaba de revelar as primeiras imagens do BMW Z4 Concept. Dinâmica e progressiva, a versão conceitual do novo Z4 desperta emoções, ostenta proporções compactas e contornos suaves, além de uma silhueta dinâmica e que abusa emocionalmente de formas atraentes.

P90273626_highRes_bmw-concept-z4-08-20O estudo de design fornece algumas percepções sobre o modelo definitivo de produção do roadster, a ser apresentado no decorrer do ano que vem. “O BMW Z4 Concept é tudo o que podemos esperar de uma máquina completa”, explica Adrian van Hooydonk, vice-presidente Sênior de Design do BMW Group.

P90273658_highRes_bmw-concept-z4-08-20“Fazer com que o carro volte ao seu estado essencial, proporciona ao motorista uma experiência com todos os ingredientes de prazer pela condução com extrema fidelidade. Isto é liberdade total sobre quatro rodas”, celebra o executivo.

P90273638_highRes_bmw-concept-z4-08-20O protótipo da nova geração do icônico BMW Z4 será apresentado, em primeira mão, no dia 20 de agosto, durante a edição 2017 do Concurso de Elegância de Pebble Beach, na costa oeste dos Estados Unidos.

P90273627_highRes_bmw-concept-z4-08-20

P90273637_highRes_bmw-concept-z4-08-20

Fotos: Agnieszka Doroszewicz / BMW Group / Divulgação

Estudo revela mercado automotivo em recessão, no mínimo, até 2018

Da Redação

“Os fundos de Private Equity trabalham com expectativas e o atual cenário não propicia investimentos no setor, mesmo com o PIB do segmento automotivo crescendo historicamente sempre mais que o dobro que o PIB do País”, revelou Vicente Koki, Analista-Chefe da DMI Group.

ViewImage

Tendo em vista as fracas projeções de PIB para 2017 e 2018, respectivamente de 0,34% e de 2%, além dos reflexos negativos da crise política sobre a economia, é plausível supor que o setor automotivo continuará pressionado, com expectativas modestas de recuperação de desempenho e de reversão da queda contínua nas vendas dos últimos anos.

A crise política aumenta as incertezas na economia e os agentes acabam postergando investimentos. “Mesmo após a aprovação da reforma trabalhista, ainda há grandes dificuldades para o avanço e aprovação das reformas da previdência e tributária, o que aumenta a percepção nos agentes financeiros detentores do capital de que o Brasil ainda é uma incógnita”, afirmou Vicente Koki, Analista-Chefe da DMI Group, Fundo de Private Equity responsável por investimentos em empresas de alta rentabilidade.

ViewImage

 

O analista ainda explicou que existe uma equação matemática que mostra, por meio do PIB, como fica a produção de veículos: “Estudamos o setor automotivo (veículos pesados, veículos leves e indústria de autopeças) e observamos uma deterioração das variáveis macroeconômicas, tais como taxas de desemprego elevada (13%), altas taxas de juros (10,25%) e política de crédito restritiva. Essa combinação de fatores deve resultar em um fraco desempenho do setor automotivo nos próximos períodos. Destacamos que existe uma correlação histórica de 2,3X entre a produção automotiva e o PIB, ou seja, se o PIB crescer 1%, o PIB do setor automotivo crescerá 2,3%”, revelou Koki.

A venda de automóveis é, principalmente, impulsionada pela disponibilidade de financiamento aos consumidores. Em vista da elevada inadimplência decorrente do período de crédito abundante de 2012, os bancos aumentaram, e muito, as restrições para novas concessões.

O ano de 2012 havia fechado com recorde de vendas de veículos, com um total de 3,8 milhões de unidades emplacadas, entre leves, pesados, comerciais leves e ônibus. “O setor automotivo deve apresentar fraco desempenho nos próximos períodos, em função de taxa de juros elevadas, falta de crédito, ausência de estímulos ao consumo, endividamento das famílias, elevada taxa de desemprego. Devido a esses fatores, o setor apresenta-se pouco atrativo para chamar a atenção dos fundos Private Equity”, finalizou Koki.

Mercedes-Benz apresenta o novo GLA

Da Redação   (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 11/08/2017)

Com visual atualizado, modelo foi preparado para brigar no segmento de utilitários esportivos

IMG_1847Maior presença visual e uma sensação de robustez são as marcas do novo Mercedes-Benz GLA, que está chegando aos concessionários brasileiros da marca no mês de agosto.

Segundo modelo mais vendido da Mercedes-Benz no Brasil, de acordo com a montadora, o utilitário esportivo foi  lançado no País em 2014.

A família é oferecida em cinco versões: GLA 200 ff Style, GLA 200 ff Advance, GLA 200 ff Enduro, GLA 250 Sport e Mercedes-AMG GLA 45 4MATIC. Todos os modelos 200 possuem motor 1,6 litro de 156 cv; a versão 250 é equipada com motor 2,0 litros de 211 cv.

Todas elas contam com câmbio de dupla embreagem com sete marchas, um dos pontos fortes do modelo. A versão de alta performance, Mercedes-AMG GLA 45 4MATIC, possui motor 4 cilindros que oferece 381 cv e câmbio AMG Speedshift DCT de 7 velocidades.

O GLA traz de série a função ECO Start/Stop, que desliga o motor quando o veículo é imobilizado, reduzindo drasticamente o consumo e as emissões nas grandes cidades, onde as paradas em semáforos e engarrafamentos são frequentes.

IMG_1842O novo GLA traz nova grade do radiador, onde se destacam as aberturas retangulares ao longo das duas barras horizontais – elementos trazidos do GLS, maior SUV do portfólio da marca, que criam um visual mais agressivo ao conjunto dianteiro.

O caráter SUV da nova série de modelos é acentuado pelo novo para-choque dianteiro, com suas largas aberturas de ventilação e um aplique central na parte inferior – característica de SUVs de grande porte – para proteção do veículo.

No interior, novas cores e acabamentos dos bancos para as versões com motorização 200, assim como painéis de controle cromados. A tela central, sobre o console, é esguia e de fácil leitura, assim como os novos mostradores com ponteiros vermelhos.

IMG_0947Com a nova suspensão off-road, que já equipava os modelos com motorização 200, a carroceria do GLA 250 Sport está 30 mm mais alta, fator que também contribui para um visual off-road mais marcante, além de aumentar a capacidade de circulação em terrenos irregulares, elevar o posicionamento dos assentos e a visibilidade para o condutor.

O GLA tem eixo dianteiro McPherson e suspensão traseira com braços múltiplos: três braços de controle e um de arrasto por roda administram as forças sobre a suspensão, permitindo que as movimentações longitudinal e lateral ocorram independentemente.

A direção é eletromecânica e proporciona maior sensibilidade ao condutor. Ela também permite a incorporação de várias funções de assistência, a começar pela unidade de controle ESP (controle de estabilidade), como o contraesterço quando o veículo sai de traseira, correções direcionais ao frear em superfícies com diferentes níveis de aderência.

O sistema proporciona mais estabilidade e melhor dirigibilidade em curvas por meio de leves frenagens nas rodas de dentro da curva, uma vez que reconhece a necessidade de mais força e distribui a tração via diferencial para as rodas de fora.

A carroceria do GLA é extremamente rígida, qualidade que contribui decisivamente para uma grande estabilidade e alta segurança na estrada e fora dela, assim como elevado nível de conforto quanto a ruídos, vibrações e aspereza. A construção inclui reforços adicionais nas colunas B, nos suportes dos amortecedores dianteiros, elementos laterais e no assoalho.

20170809_c37c6f12694d451695e698972e5f23c4_img-1805Novas rodas de liga leve estão presentes nas versões Advance e Enduro. Os anteriores faróis bi-xenônio deram lugar a faróis de LED redesenhados a partir da versão Advance, caracterizados por uma temperatura de cor similar à da luz do dia, que reduz a fadiga visual e pela melhor iluminação que proporcionam.

Da mesma forma que na frente, a personalidade SUV do novo GLA foi reforçada na traseira, onde o para-choque conta com vincos mais fundos e é arrematado na parte de baixo por um protetor destacado.

O conjunto posterior ganhou também grandes lanternas agora com tecnologia Stardust, derivada do Classe E, cujo design mais reto, e união por uma barra horizontal, aumenta a percepção de largura e volume do veículo.

Pacote de sistemas de assistência é recheado

Vários sistemas de assistência dão apoio ao condutor no GLA e reduzem a necessidade de esforço. Um importante sistema de segurança é o Attention Assist, capaz de detectar sonolência nas estradas, que alerta o condutor, sugerindo uma parada para descanso.

Luzes de freio adaptativas são outro recurso: em caso de frenagens de emergência, elas piscam alternadamente para avisar aos motoristas que vêm atrás, reduzindo o risco de colisão na traseira.

Outras duas funções de assistência, associadas ao sistema de freios ABS, contribuem para maior segurança e conforto no Mercedes-Benz GLA. A primeira é a função Hold, que imobiliza o carro em paradas temporárias, como nos semáforos, sem que o motorista precise manter o pé no pedal do freio. O veículo é liberado automaticamente assim que o acelerador volte a ser pressionado.

IMG_0988

Fotos: Malagrine / Mercedes-Benz / Divulgação

Já o sistema HSA (Hill Start Assistance – assistência de partida em aclives) mantém o GLA imobilizado por alguns segundos após o pedal do freio ter sido liberado em inclinações, evitando que o veículo recue antes de arrancar.

Além de evitar pequenos choques com outros veículos, facilita bastante manobras em locais muito inclinados. O GLA oferece também de série os sistemas ETS (controle de tração eletrônico em cada roda), pré-carregamento dos freios (Priming), que prepara o sistema para frenagens extremas e secagem automática dos discos de freios em caso de chuva.

Para maior comodidade do condutor, a partir da versão Advance todos eles contam com o assistente ativo de estacionamento, que posiciona o carro na vaga (paralela ou perpendicular) sem a necessidade de mexer no volante, controlando apenas o acelerador e os freios.

Ainda no quesito segurança, o modelo é equipado com 7 airbags. São 2 dianteiros para motorista e passageiro, 2 laterais para motorista e passageiro, 2 de janela para motorista e passageiro (dianteiro e traseiro) e 1 airbag de joelho para motorista.

Preços sugeridos:

GLA 200 ff Style – R$ 158,90 mil

GLA 200 ff Advance – R$ 175,90 mil

GLA 200 ff Enduro – R$ 203,90 mil

GLA 250 Sport – R$ 232,90 mil

Mercedes-AMG GLA 45 4MATIC – R$ 359,90 mil

GM também está de olho no sucesso da Fiat Toro

José Oswaldo Costa

De acordo com o programa de TV argentino Zona Utilitarios, a Chevrolet está planejando fabricar uma nova picape 4×4. Como fonte, a nota informa um outro programa televiso do país vizinho, chamado TN Autos.

Segundo o Zona Utilitarios, o foco é no desenvolvimento de uma picape maior que a Montana e menor que a S10. Fica claro, então, que o objetivo é encarar Fiat Toro e Renault Duster Oroch.

Inicialmente, a estimativa é de que tal picape será fabricada no Brasil até o fim dessa década e o investimento para isso será de quase US$500 milhões, com a introdução, ainda, de uma nova plataforma chamada GEM. Essa plataforma será usada em mercados emergentes.

O investimento também inclui futuros novos modelos, que substituiriam Onix, Prisma, Cobalt e Spin.

Se o TN Autos estiver realmente correto, a briga desse segmento no Brasil será boa já que, além de Toro e Oroch, sabe-se que a Volkswagen também prepara uma picape para esse nicho de mercado.

Tanto a montadora americana quanto a alemã estão de olho no enorme sucesso de mercado que a Fiat Toro está alcançando. De acordo com a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), de janeiro até hoje (10/08) a picape vendeu 31.181 unidades, sendo a líder de vendas entre todos os veículos comerciais leves vendidos no País.

Um Porsche para o seu pai…da LEGO

Da Redação

imagem_release_1031367

Foto: vn-thanh.vo / LEGO /Divulgação

Se o sonho do seu pai sempre foi ganhar um Porsche, a LEGO pode ajudá-lo. O modelo 911 GT3 RS já está disponível no Brasil, e chegou justo no mês em que comemoramos o dia dele.

Pela primeira vez, os elementos de montagem individuais estão embalados separadamente, com instruções para cada um, proporcionando uma experiência única de montagem. E, o manual com informações  abrangentes do colecionador informam como se deu o desenvolvimento do modelo.

A engenharia e o design inovadores desse lançamento da linha Technic são de surpreender. Desenvolvido em parceria com a Porsche, conta com detalhes e funções que replicam o modelo original: linhas aerodinâmicas, spoiler traseiro ajustável e carroceria laranja.

Ao abrir as portas, os fãs encontrarão um cockpit elaborado, com bancos de corrida, caixa de câmbio, volante com seleção de mudança de marchas, painel e um porta-luvas com número de série exclusivo.

Ao levantar a tampa traseira, terão acesso a um motor e, embaixo do capô, a uma área reservada para bagagem.

Para finalizar, as molas de suspensão vermelhas, as pinças de freio e aros originais com pneus de aderência são um convite para a brincadeira em família!

A réplica, com 2.704 peças, pode ser encontrada nas dez LEGO Stores do país e no e-commerce (www.legobrasil.com.br) da marca, pelo valor de R$2.199,99.

Ducati lança nova cor para a Multistrada

Da Redação

MULTISTRADA 1200 S Volcano Grey (3_4)A nova cor na tonalidade cinza chamada de Volcano Grey chega como nova opção de escolha para os consumidores da Ducati Multistrada S.

O modelo traz detalhes na cor vermelha em destaque no chassi e maletas laterais na cor da moto.

Na cor Volcano Grey a Multistrada 1200 S tem preço sugerido ao consumidor de R$ 82,90 mil.

A Ducati Multistrada 1200 S 2017 vem equipada com um pacote tecnológico de última geração, tornando o modelo um dos mais completos do mercado. São quatro opções de pilotagem: sport, touring, urban e enduro.

 Entre os diferenciais está o motor Ducati Testastretta DVT (Desmodromic Variable Timing), que dispõe de um sistema variável de sincronização de válvula com controle independente da entrada de admissão e do eixo de comando, que otimiza o desempenho do motor e garante a máxima potência em altas rotações.

O modelo possui a tecnologia IMU (Unidade de Medição Inercial), desenvolvida para medir com os ângulos de inclinação, guinada e de distância entre o eixo e a marcha da motocicleta, assim como o índice de suas mudanças.

Isso permite o ajuste instantâneo da entrega de potência e torque, além do ajuste eletrônico dos modos de suspensão, controle de tração e ABS.

MULTISTRADA 1200 S Volcano Grey (chapada)

Fotos: Ducati / Divulgação

Resultados da indústria automobilística em julho

Da Redação

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, Anfavea, apresentou na sexta-feira, 4, em São Paulo (SP), o desempenho de julho da indústria automobilística.

No sétimo mês do ano a produção de autoveículos alcançou 224,8 mil unidades, alta de 17,9% sobre as 190,6 mil do mesmo mês do ano anterior e de 5,9% ante as 212,3 mil de junho passado.

O período acumulado da produção aponta para alta também: 22,4% ao se comparar às 1,49 milhão de unidades de 2017, com as 1,22 milhão de 2016.

No licenciamento de autoveículos novos, julho registrou 184,8 mil unidades, diminuição de 5,2% na análise com as 195,0 mil de junho e aumento de 1,9% sobre as 181,4 mil de julho do ano passado.

Na soma dos primeiros sete meses as vendas chegaram em 1,20 milhão de unidades, acréscimo de 3,4% frente as 1,17 mil de 2016.

Para Antonio Megale, presidente da Anfavea, o cenário de vendas continua estável e há uma boa expectativa com a melhoria de alguns indicadores econômicos:

“Este foi mais um mês que comprovou a estabilidade das vendas. A média diária continua próxima da casa das 9 mil unidades e ficamos acima do mesmo mês do ano passado, apesar da base de comparação ser baixa. Entretanto, o cenário econômico tem apresentado sinais positivos, como a forte queda da inflação e também da taxa básica de juros. Com as próximas reformas, esse panorama pode melhorar cada vez mais”.

As exportações de autoveículos mantiveram ritmo crescente: as 65,7 mil unidades enviadas para outros países em julho representam elevação de 42,5% no comparativo com as 46,1 mil de igual mês de 2016, mas uma leve baixa de 2,4% contra as 67,4 mil de junho.

Nesses sete meses, 439,6 mil unidades foram exportadas, alta de 55,3% quando analisado com as 283,1 mil do ano passado. O resultado acumulado de 2017 permanece como o melhor da série histórica.

Caminhões e ônibus

As vendas de caminhões novos subiram 7,5% na comparação das 4,5 mil unidades de julho com as 4,2 mil de junho, mas caíram 3,2% sobre as 4,7 mil do mesmo mês do ano anterior. No acumulado do ano o registro é de baixa de 14,1%: 26 mil unidades foram negociadas nesse ano e 30,3 mil em 2016.

A produção do segmento em julho ficou em 7,2 mil unidades – acréscimo de 6% em relação as 6,8 mil de junho e de 41,5% quando defrontado com as 5,1 mil de julho do ano passado. Até o último mês, 43,2 mil caminhões foram produzidos, 19% acima dos 36,3 mil de 2016.

Os fabricantes de caminhões exportaram no último mês 3 mil unidades, resultado superior em 6,2% em comparação com as 2,8 mil de junho e maior em 57,3% ante as 1,9 mil de julho de 2016. No acumulado do ano, os dados apontam crescimento de 47,4%: foram 16,6 mil este ano contra 11,3 mil um ano antes.

No segmento de ônibus, as vendas em julho somaram 1,2 mil unidades, baixa de 1,0% ante as 1,3 mil de junho e de 27,0% em relação as 1,7 mil de julho do ano passado. Nos sete primeiros meses deste ano 6,1 mil unidades foram comercializadas, número menor em 16,9% contra as 7,4 mil de 2016.

Na produção, 2,3 mil chassis para ônibus saíram das linhas de montagem em julho, leve alta de 2,9% no comparativo com as 2,2 mil de junho, e salto de 40,7% ante as 1,6 mil de julho de 2016.

No ano, até agora 12,3 mil unidades foram fabricadas, crescimento de 12,9% com relação as 10,9 mil unidades do ano passado.

As exportações de ônibus no acumulado estão estáveis em 4,9 mil unidades, mesmo resultado registrado em 2016.