Honda CB 250F Twister 2021 ganha novas cores e grafismo

Da Redação

a3bbe01b1194b09d9df899a9bcbf5ec4

A Honda CB 250F Twister completou cinco anos de mercado comemorando a liderança nas vendas de seu segmento. Foram mais de 175 mil unidades do modelo vendidas desde o lançamento, de acordo com a fabricante.

Entre os principais fatores que fizeram a Honda CB 250F Twister ser a nº1 nas vendas de sua categoria está, certamente, a versatilidade. Ela é capaz de satisfazer necessidades tanto de novatos – que muitas vezes a escolhem como primeiro degrau em suas trajetórias de motociclista – como atender usuários experimentados, que buscam uma motocicleta de desempenho consistente, adequada ao uso urbano e rodoviário, mas com economia de exercício reduzida.

Na versão 2021, o modelo permanece com duas versões: a CB 250F Twister ABS e a CB 250F Twister CBS. A novidade fica por conta das atualizações nas linhas de grafismos que reforçam o nome Twister no tanque e cilindrada na rabeta, comuns em ambas versões, além das novas opções de cores na versão ABS como a exclusiva cinza fosco com detalhes em laranja nas rodas, além do vermelho.

a3af00de691fcf17fcb3135d4e14da8d

Já na versão CBS, as novidades ficam na nova opção de cor azul perolizado, além do prata metálico e vermelho, já presentes no line-up mas que seguem a mesma atualização de grafismos.

Outro diferencial da linha CB 250F Twister é oferecer sistemas de freio diferentes, ABS e CBS, ambos totalmente capazes de garantir excelente performance em termos de segurança.

A versão ABS traz o sistema eletrônico de frenagem que impede o travamento das rodas, reduz a possibilidade de perdas de aderência e maximiza a eficácia dos freios, oferecendo espaços de parada mínimos em qualquer condição de piso, seco ou molhado.

ee9fd0487d3590255129f2c01accca2d

Já a versão de entrada CBS (Combined Brake System) é equipada com um sistema de frenagem no qual o pedal do freio atua não apenas na roda traseira, mas também direciona parte da ação frenante à roda dianteira.

O chassi tubular de aço tipo Diamond conta com suspensão dianteira telescópica com curso de 130 mm, e traseira monoamortecida, com 108 mm de curso. Os freios são a disco em ambas rodas, de 276 mm de diâmetro à frente e 220 mm atrás. Rodas de liga leve aro 17 polegadas são calçadas por pneus radiais, medidas 110/70 na dianteira e 140/70 na traseira.

O motor OHC monocilíndrico 4 tempos, arrefecido a ar e com quatro válvulas, tem exatos 249,5 cm3, alimentação por injeção eletrônica PGM-Fi e tecnologia FlexOne. A potência máxima é de 22,4 cv (gasolina) e 22,6 cv (etanol) a 7.500 rpm.

O torque alcança 2,24 kgf.m (gasolina) e 2,28 kgf.m (etanol) a 6.000 rpm com ambos combustíveis. Tais números dão à Twister a melhor relação peso/potência de seu segmento, segundo a Honda.

30d85ce3e65c822b7bc2d6b71f76acedFotos: Honda / Divulgação

A Honda CB 250F Twister ABS 2021 será oferecida nas cores cinza fosco, com preço público sugerido de R$ 16,99 mil, e vermelho, com preço público sugerido de R$ 16,69 mil.

Já na Honda CB Twister CBS 2021 as opções de cores são o azul perolizado, prata metálico e vermelho e preço público sugerido de R$ 15,79 mil. Os preços têm como base o Estado de São Paulo e não estão inclusos valores de frete e seguro.

Ambas versões têm 3 anos de garantia sem limite de quilometragem, mais sete trocas de óleo gratuitas.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Caoa Chery Arrizo 5 ganha versão intermediária

Da Redação

A Caoa Chery anunciou, hoje, que o sedan Arrizo 5 ganhou uma nova versão. Chamada de RXS, essa versão intermediária chega à rede de concessionárias da marca com nova central multimídia de 7 polegadas equipada com sistemas Android Auto e Apple Car Play.

Além disso, o Arrizo 5 RXS passa a contar com uma nova cor prata. Os preços partem de R$ 84,39 mil para as cores sólidas.

A nova versão do Arrizo 5 segue equipada com o motor 1.5 turbo Flex de 150 cv de potência e 21,4 kgfm de torque. Esse propulsor atua em conjunto com o câmbio CVT com 9 velocidades simuladas.

O Arrizo 5 possui itens de segurança como freio de estacionamento eletrônico, AutoHold, freio a disco nas quatro rodas com ABS e EBD, monitor de pressão e temperatura dos pneus, controle de estabilidade e tração e airbag duplo frontal.

O modelo também conta com chave presencial, botão de partida, computador de bordo colorido, sensor de estacionamento e câmera de ré.

O Arrizo 5 possui garantia de três anos para o veículo completo e de cinco anos para motor e câmbio. Além do novo prata, a versão intermediária RXS está disponível nas cores sólidas: branco e preto; metálica: cinza; e perolizada: branco.

As demais versões do modelo são: RT (de entrada – R$ 79,49 mil) e RTS (topo de linha – R$ 88,69 mil).

Fotos: Caoa Chery / Divulgação

Confira a relação de itens de série de cada uma das versões do Arrizo 5:

Seção

Equipamentos

ARRIZO 5
RT

ARRIZO 5
RXS

ARRIZO 5
RTS

Exterior

DRL – Luz diurna de rodagem

X

X

X

Faróis com duplo refletor e guia de LED

X

X

X

Faróis com ajuste elétrico de altura

X

X

X

Lanterna traseira de neblina

X

X

X

Lanternas traseiras com LED

X

X

X

Lanternas indicadoras de direção nos retrovisores

X

X

X

Moldura cromada nos vidros laterais

X

X

Para-choques, espelhos e maçanetas na cor do veículo

X

X

X

4 Rodas em Liga Aro 16″

X

4 Rodas em Liga Aro 17″ polidas

X

X

Segurança

Air-bags duplo frontal e indicador de cinto do motorista

X

X

X

Air-bags laterais dianteiros e indicador de cinto do passageiro

X

Air-bags de cortina

X

Alças de segurança

X

X

X

Cinto de 3 pontos e apoio de cabeça para os 5 ocupantes

X

X

X

Controle eletrônico de estabilidade

X

X

X

Controle eletrônico de tração

X

X

X

Freio a disco nas 4 rodas com ABS e EBD

X

X

X

Indicador de pressão e temperatura dos pneus

X

X

X

Indicador de portas abertas / mal fechadas

X

X

X

ISOFIX – fixação para cadeira de criança

X

X

X

Sistema de alarme

X

X

X

Interior

Console central total com porta objetos e descansa braço dianteiro

X

X

X

Para-sol com espelho do passageiro

X

X

X

Revestimento dos bancos em tecido

X

X

Revestimento dos bancos com acabamento premium em corino com porta revistas

X

Volante revestido com acabamento premium em corino

X

X

X

Conforto

Acendimento Automático dos Faróis

X

X

X

Ar condicionado eletrônico

X

X

X

Abertura/travamento das portas e alarme por controle

X

X

X

Banco do motorista com regulagem de altura

X

X

X

Banco traseiro com encosto rebatível

X

X

X

Banco traseiro com descansa-braço central e porta copos

X

Câmera traseira para estacionamento

X

X

X

Comando de rádio no volante

X

X

X

Controle elétrico para os retrovisores

X

X

X

Direção elétrica

X

X

X

Piloto automático

X

X

X

Sensor de estacionamento traseiro

X

X

X

Sistema auxiliar para partida em aclives

X

X

X

Teto solar elétrico

X

Tomada 12V

X

X

X

Vidros elétricos nas 4 portas com fechamento remoto

X

X

X

Volante com regulagem de altura

X

X

X

Tecnologia

Destravamento das portas por sensor de aproximação

X

X

X

Acionamento do motor por botão

X

X

X

Freio de estacionamento com acionamento eletrônico e função AUTO HOLD

X

X

X

Multimídia de 7 polegadas com espelhamento de celular Android e Apple Car Play

X

X

Multimídia de 7 polegadas com Android Auto e Apple Car Play

X

Viva-voz com sistema Bluetooth

X

X

X

Conexão USB

X

X

X

Computador de bordo para motorista com tela colorida de 3,5 polegadas

X

X

X

Tabela: Caoa Chery / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Emplacamentos de veículos crescem em dezembro e o ano de 2020 teve queda menor do que a esperada

Da Redação

O mês de dezembro registrou o maior volume de emplacamentos de veículos de todo o ano de 2020, segundo apuração da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). Considerando todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos), foram emplacadas 363.163 unidades, em dezembro, contra 334.349 veículos, no mês anterior, numa alta de 8,62%.

O levantamento, que tem como base os dados do Registro Nacional de Veículos Automotores (RENAVAM), apontou, ainda, que, em relação a dezembro de 2019, quando foram comercializadas 370.748 unidades, a retração foi de apenas 2,05%.

Já no acumulado do ano, houve queda de 21,63% (3.162.851 unidades contra 4.036.046 registradas em 2019), um recuo inferior às projeções divulgadas pela Fenabrave em julho, quando a expectativa era de que o mercado retrairia 35,8% em 2020.

Em outubro, a previsão foi revisada para uma baixa de 25,3%, mas o ano acabou sendo um pouco melhor do que o esperado.

“Os principais fatores que influenciaram nessa melhora, principalmente, a partir do segundo semestre, foram a manutenção da taxa de juros, em um patamar baixo e o Auxílio Emergencial, oferecido pelo Governo Federal, que colaboraram para o aquecimento do comércio e para a baixa inadimplência. Com isso, melhorou a oferta de crédito, favorecendo a tomada de decisão para a aquisição de veículos”, explicou o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.

Para ele, “o mercado só não foi melhor em função da crise enfrentada pelas montadoras, que tiveram problemas com falta de peças e componentes, além das regras para manter o distanciamento social nas unidades fabris”.

No ranking histórico (entre todos os meses de dezembro, desde 1957), dezembro/2020 está na 10ª posição e, o acumulado de janeiro a dezembro, está na 15ª colocação.

Automóveis e comerciais leves

As vendas de automóveis e comerciais leves cresceram 8,66% em dezembro, totalizando 232.814 unidades licenciadas, contra as 214.260 unidades emplacadas, em novembro. Já com relação a dezembro de 2019, quando foram comercializadas 251.775 unidades, houve queda de 7,53%.

No acumulado de 2020, foram emplacadas 1.950.889 unidades, contra 2.658.692, no ano anterior, uma queda de 26,62%.

“Apesar de o último trimestre ter sido positivo e ter demonstrado uma forte reação dos segmentos, essa recuperação não foi suficiente para superar os resultados do último trimestre de 2019. Isso se deve, entre outros fatores, à falta de disponibilidade de automóveis e comerciais leves no mercado, causada pelo reflexo da pandemia, que retraiu a produção na indústria. Vale ressaltar que a oferta de crédito para os segmentos continua abundante e a demanda permanece aquecida”, destacou o presidente da Fenabrave.

Na apuração da entidade, o mês de dezembro/2020 está na 8ª colocação histórica, entre todos os meses de dezembro (desde 1957), para automóveis e comerciais leves, e o acumulado ocupa a 14ª posição nesse ranking.

Caminhões

Em dezembro de 2020, o segmento de caminhões registrou alta de 6,84%, totalizando 9.639 unidades comercializadas, frente às 9.022 vendidas em novembro.

Na comparação com dezembro de 2019 (8.328 unidades), houve crescimento de 15,74%, mas, no acumulado de janeiro a dezembro, os resultados de 2020 (89.207 caminhões emplacados) ficaram 12,31% abaixo dos registrados no mesmo período de 2019, quando foram vendidas 101.733 unidades.

“Os fabricantes de caminhões tiveram muita dificuldade para atender à demanda, por conta da retração da produção, provocada pela pandemia, na indústria. A boa oferta de crédito e a melhora dos preços das commodities são fatores positivos, que impulsionaram e continuam mantendo a procura aquecida”, comentou Assumpção Júnior.

Ônibus

Em dezembro/2020, os emplacamentos de ônibus (1.551 unidades) registraram queda de 11,07% sobre novembro (1.744 ônibus emplacados).

Na comparação com dezembro de 2019 (2.434 unidades), o resultado foi 36,28% menor e, se considerarmos o acumulado de janeiro a dezembro/2020 (18.219 unidades), a queda foi de 33% sobre igual período de 2019 (27.193 unidades).

“O segmento de ônibus foi o mais impactado nesta pandemia. As empresas de transporte de passageiros, os fretamentos, entre outros, sofreram muito com a queda em seu faturamento. A fabricação deste segmento também sofreu com a falta de insumos e componentes”, analisou o presidente da Fenabrave.

Implementos Rodoviários

Os emplacamentos de implementos rodoviários apresentaram crescimento geral, em todos os comparativos. Em dezembro de 2020, quando foram emplacadas 7.354 unidades, o crescimento foi de 14,83% sobre novembro/2020, quando 6.404 unidades foram vendidas.

Também na comparação com dezembro de 2019 (4.992 unidades), houve alta de 47,32% e, no acumulado de janeiro a dezembro de 2020, as 67.377 unidades comercializadas ficaram 6,11% acima das 63.498 unidades registradas em igual período de 2019.

“O cenário de implementos rodoviários é parecido com o de caminhões, em que a demanda é maior do que a oferta. Contudo, a base comparativa de 2019 é baixa, o que justifica o seu crescimento também no acumulado do ano. O crédito para este segmento continua sendo fartamente ofertado, com taxas de juros em níveis razoáveis, assim como a demanda segue aquecida”, avaliou Alarico Assumpção Júnior.

Motocicletas

As vendas de motocicletas registraram alta de 10,5% em dezembro/2020, totalizando 98.831 unidades, contra as 89.438 emplacadas em novembro. Se comparado a dezembro de 2019, quando foram emplacadas 94.103 motocicletas, esse resultado aponta aumento de 5,02%.

Mas, a falta de produtos no mercado afetou o resultado do segmento, no acumulado do ano. Entre janeiro e dezembro/2020, foram emplacadas 915.502 motocicletas, volume 15,04% menor que as 1.077.537 unidades, vendidas no mesmo período de 2019.

“Assim como os demais segmentos, as motos sofreram com a queda na produção local e na importação de peças e componentes, em função da pandemia. No entanto, ao contrário de outros anos, notamos que houve boa oferta e aprovação de crédito, com taxas de juros razoáveis, o que favoreceu e continua estimulando o aumento de demanda, gerada pela utilização de motocicletas como transporte individual e para serviços de entrega”, avaliou Assumpção Júnior.

Vale ressaltar que entre os meses de abril e maio as fábricas de motocicletas foram fechadas e paralisaram sua produção, o que impactou no resultado do ano. “Não fosse isso, teríamos alcançado a projeção de superar 1.100.000 unidades em 2020”, concluiu o presidente da Fenabrave.

Tratores e Máquinas Agrícolas

Obs.: Por não serem emplacados, os tratores e as máquinas agrícolas apresentam dados com um mês de defasagem, pois dependem de levantamento junto aos fabricantes.

Em novembro/2020, as vendas de tratores e máquinas agrícolas (4.205 unidades) registraram queda de 10,01%, na comparação com o mês de outubro (4.673 unidades).

Ante novembro de 2019 (3.169 unidades comercializadas), no entanto, houve alta de 32,69%.

No acumulado do ano, de janeiro a novembro/2020, houve crescimento de 3,48% sobre o mesmo período de 2019, com 41.497 unidades comercializadas, contra 40.100, em igual período de 2019.

“O mercado de tratores e máquinas agrícolas foi impulsionado pelo bom resultado da safra e aumento de renda, causado pela valorização das commodities durante o ano de 2020. O resultado não foi melhor pela alta demanda, que não conseguiu ser atendida pelo volume de recursos ofertados pelo Plano Safra 2020/2021, assim como pelas dificuldades enfrentadas pela indústria, que não conseguiu atender à totalidade dos pedidos das concessionárias”, explicou o presidente da Fenabrave.

Projeções preliminares para 2021

Apesar do momento de alta volatilidade, mas com a expectativa de crescimento do PIB, inicialmente, estimado em 3,5%, e com a esperada retomada da economia, a Fenabrave espera um retorno do crescimento das vendas de veículos para 2021, e projeta alta de 16,6% para o setor, em geral, sobre os resultados obtidos em 2020.

“Esperamos poder recuperar, aos poucos, o mercado, mas ainda há incertezas e fatos que podem repercutir nas nossas projeções”, advertiu Alarico Assumpção Júnior.

Tabela: Fenabrave / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br