Mercedes-Benz lança o novo GLA 200 AMG Line

Da Redação

IMG_0344

A Mercedes-Benz lançou oficialmente, hoje, o novo GLA 200 AMG Line. Agora, em sua segunda geração, o modelo foi totalmente renovado.

“Em 2020, os SUV’sjá representaram mais de 40% de nossas vendas no Brasil. Com a chegada do novo GLA, estamos muito confiantes de que temos as melhores opções para todos os tipos de clientes que procuram um SUV com visual esportivo e personalidade própria” disse Jefferson Ferrarez, CEO da Mercedes-Benz Cars & Vans do Brasil.

O modelo cresceu em todos os sentidos. Maior altura, largura e, principalmente, entre-eixos são os responsáveis diretos por essa nova percepção em comparação com a geração anterior.

Dimensões exteriores

Novo GLA

1ª geração GLA

 

Comprimento

4,41 metros

4,42 metros

 

Largura

1,83 metro

1,80 metro

 

Largura incluindo espelhos retrovisores

2,02 metros

2,02 metros

 

Altura

1,61 metro

1,52 metro

 

Entre-eixos

2,73 metros

2,69 metros

 

IMG_0346

Na dianteira, os destaques vão para o capô com vigorosos powerdomes, os faróis de led de alta performance e a grade em estilo diamante com pins cromados, que oferece um visual mais esportivo e exclusivo.

As barras de teto cromado em combinação com os acabamentos externos dos para-lamas na cor preta trazem a identidade inconfundível de um SUV. E as rodas AMG de 20 polegadas acrescentam o toque esportivo.

As lanternas traseiras em led são divididas em duas partes, facilitando o acesso ao porta-malas e incrementando a percepção de amplitude e estabilidade.

O acesso ao porta-malas está mais confortável com a soleira mais baixa. As opções de rebatimentos dos encostos tornam o novo GLA um veículo de transporte flexível para o uso diário, saindo de 435 litros, na área normal do porta-malas, indo até 1.430 litros, com os assentos traseiros rebatidos.

IMG_9733

A Mercedes-AMG também está presente no novo GLA. Além de criar e produzir alguns dos melhores superesportivos do mundo, a Mercedes-AMG também possui vasta experiência com design e elementos visuais que concedem uma imagem esportiva a modelos Mercedes-Benz de linha.

O novo GLA 200 AMG Line tem como equipamento de série os Pacotes AMG para Exterior e Interior. Fazem parte desses pacotes os seguintes itens:

Pacote AMG Exterior:

– Grade frontal diamante com pins cromados;

– Para-choques exclusivos;

– Rodas exclusivas AMG de 20 polegadas;

– Acabamentos cromados nas maçanetas e linhas laterais das janelas.

IMG_9406

Pacote AMG Interior:

– Volante multifuncional com base achatada;

– Pedais cromados esportivos;

– Molduras de acabamento interno em visual de fibra carbono;

– Bancos esportivos com acabamento Artico e Dinamica (material usado em F1, que traz mais aderência);

– Tapetes AMG.

No interior, o grande destaque vai para as duas telas de alta resolução com 10,25 polegadas no quadro de instrumentos e console central, que em conjunto com o sistema MBUX (Olá Mercedes) facilita a vida a bordo, utilizando comandos via tela touchscreen, touchpad no volante e console central e por voz.

Tudo isso para que o acesso as funções de entretenimento, integração de smartphones e ajustes gerais sejam ainda mais rápidas e intuitivas.

IMG_9527

Visando sempre incrementar a experiência a bordo, uma longa lista de equipamentos de série está disponível no novo GLA 200 AMG Line, destacando:

  • Acesso sem chaves Keyless-Go (partida, portas e porta-malas)
  • Pacote de estacionamento ativo Parktronic e câmera de ré
  • Bancos dianteiros com ajustes elétricos e memória
  • Teto solar panorâmico
  • Ar condicionado Thermotronic de duas zonas
  • Carregador sem fios para celular no console central

O tradicional pacote de alarmes traz mais uma inovação: com o veículo estacionado, o sistema Urban Guard faz o monitoramento do veículo e informa o condutor quando acontecem situações como: tentativa de roubo, colisão estacionado e se for guinchado. Assim que o automóvel é ligado novamente, uma mensagem é mostrada no console central.

Um novo recurso de série é a função lava-rápido especialmente útil em um SUV. Os equipamentos que podem causar um incidente ao dirigir em um lava-rápido são automaticamente protegidos:

  • Rebatimento dos retrovisores externos;
  • As janelas laterais e o teto solar são fechados;
  • Suprime a informação do sensor de chuva para que as palhetas fiquem desligadas na lavagem;
  • Os alertas de Parktronic são suprimidos;
  • Aciona o controle do clima para o modo de recirculação de ar e, após oito segundos, ativa a imagem frontal da câmera para auxiliar o motorista ao dirigir no lava-rápido;
  • Essas configurações são desativadas automaticamente quando o motorista sai do lava-rápido e atinge uma velocidade acima de 20 km/h ou seleciona no painel central a opção “desligar”.

IMG_9804

Os sistemas que compõem o Mercedes-Benz Intelligent Drive são os primeiros passos para o universo dos veículos autônomos. São inúmeros sensores, câmeras de vídeo, câmeras infravermelho e radares de longo e curto alcance que auxiliam ativamente na função de dirigir.

Fazem parte do sistema as seguintes funções:

  • Assistente ativo de distância Distronic: detecta o tráfego parado e ajuda o condutor a ajustar a velocidade, podendo ajudar até com a parada total do veículo;
  • Assistente de frenagem: com função de tráfego cruzado pode evitar colisões com veículos na frente, e também com veículos em trânsito, pedestres e ciclistas;
  • Assistente de ponto cego: diferencia entre zonas de aviso e de colisão. O aviso de saída também é capaz de alertar os veículos na zona de perigo ao abrir as portas com o motor parado (até três minutos após desligar o motor);
  • Auxílio à direção evasiva: oferece suporte na realização de uma manobra evasiva controlada em torno de um pedestre detectado, fornecendo torque de direção adicional e torna mais fácil endireitar o veículo novamente;
  • Assistente de direção: ajuda o condutor a manter o veículo no centro da faixa, com leves intervenções no volante. O sistema pode funcionar até uma velocidade de 210 km/h;
  • Assistente de desembarque: ao estacionar, os radares e sensores continuam em funcionamento por alguns momentos, e se algum outro veículo em uma possível trajetória que represente um risco é detectado, um sinal sonoro e visual é emito para chamar a sua atenção do ocupante e para que ele não deixe o veículo;
  • Pacote de estacionamento Parktronic: com câmera de ré, em conjunto com a Assistência de Ponto Cego, é capaz de detectar o tráfego cruzado ao estacionar em marcha ré e também pode frear autonomamente após emitir um aviso.

IMG_9809

O novo GLA 200 AMG Line é equipado um motor turbo de 4 cilindros e 1.3 litros. São 163 cv e 250 Nm de torque à disposição em qualquer situação.

O modelo é equipado com um câmbio automático de 7 velocidades 7G-Tronic DCT de dupla embreagem, que oferece trocas mais rápidas e suaves, uma vez que a marcha seguinte já está pré-engatada.

Em combinação, o condutor ainda pode escolher entre três programas de condução por meio da tecla Dynamic Select no console central, além de um individual:

  • Eco
  • Comfort
  • Sport
  • Individual

IMG_9361

IMG_9589

São diferentes programas de condução com opções de configuração para o motor, transmissão, direção e ESP.

No modo Sport o veículo é mais dinâmico e no Comfort sua configuração é mais equilibrada. O modo Eco, por outro lado, coloca a ênfase na eficiência máxima e economiza combustível, pois o motor automaticamente trabalha somente com dois cilindros em rotações baixas.

Conforme o DC Auto antecipou, em uma matéria no último dia 10 de fevereiro, o Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line está disponível em toda a rede de concessionários da marca com o preço público sugerido de R$ 325,90 mil.

IMG_9892

IMG_9808Fotos: Malagrine / Mercedes-Benz / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Avaliamos o Peugeot 208, eleito o carro do ano 2020 na Europa

Hatch compacto apresenta design destacado, tecnologias e uma ergonomia diferenciada

Amintas Vidal*  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 19/02/2021)

DSCN8834

Os hatches são os carros mais vendidos no Brasil. Existem modelos “populares” a partir de R$ 40 mil, chegando aos importados de luxo que ultrapassam os R$ 300 mil. Eles são segmentados em três tamanhos: subcompactos, compactos e médios. Também apresentam algumas variações de estilo, como os aventureiros e os esportivos, por exemplo.

Além disso, há uma subdivisão entre os compactos que abrange hatches e sedans. Ela foi criada para posicionar os modelos mais modernos, normalmente desenvolvidos na Europa, acima dos carros projetados nacionalmente, produtos menos sofisticados.

Denominada premium, abriga os compactos mais atualizados de diversas marcas, como o novo Peugeot 208, lançado ano passado em nosso mercado.

Entre os 50 modelos mais emplacados em 2020, os hatches lideraram em número de unidades. Entretanto, existiam apenas 12 carros com carroceria de dois volumes nessa lista, a terceira maior representatividade.

DSCN8880

Agora, em janeiro de 2021, o Peugeot 208 figurou neste levantamento, elevando para 13 o número de hatches entre os automóveis. Os utilitários esportivos (SUV) aparecem com 20 modelos, eram 18, e sustentam o segundo lugar em emplacamentos.

Os sedans caíram dos 16 representantes para 15, mas ainda ocupam a terceira posição em vendas, segundo dados fornecidos pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

O DC Auto recebeu o Peugeot 208 Griffe, 2021, para avaliação, versão de topo da gama. No site da montadora, seu preço sugerido é R$ 96,99 mil. Este valor só é válido na cor sólida branca. As outras cores custam R$ 1,89 mil, inclusive a branca perolizada desta unidade que avaliamos.

Todas as versões são completas de série, sem opcionais, mas podem receber acessórios. Existem três pacotes formatados, focados em equipamentos de estilo, tecnologia e segurança. Além destes conjuntos, alguns itens podem ser adquiridos avulsos.

DSCN8872

Equipamentos – Os principais equipamentos de série da versão Griffe são: Peugeot i-Cockpit 3D (painel de instrumentos digital configurável); teto de vidro panorâmico; carregamento do celular por indução; entrada e partida sem chave e multimídia com espelhamento para Apple CarPlay e Google Android Auto, operável por meio de sete botões no volante e programado com uma tela dedicada para o controle das funções do ar-condicionado automático digital.

A versão conta, ainda, com: controlador automático de velocidade; direção com assistência elétrica; duas entradas USB (uma no painel e outra no multimídia); bancos revestidos em Alcantara (material sintético); painel soft carbon; maçanetas internas cromadas; rodas diamantadas aro 16 polegadas; aerofólio e retrovisores pintados em preto brilhante e grade dianteira com detalhes cromados.

São muitos os equipamentos de segurança: seis airbags; controles de estabilidade e tração; assistente de partida em rampas; sensores de chuva e luminosidade; câmera de estacionamento traseira e faróis em full LED são os destaques.

Os equipamentos de auxílio à condução são exclusivos da versão Griffe. É um conjunto de sistemas denominado Peugeot Driver Assist. Seus recursos são: alerta de colisão eminente com frenagem automática de emergência; alerta e correção de permanência em faixa; comutação automática de farol; reconhecimento de placas de sinalização; visão de estacionamento em 180º e detector de fadiga do motorista.

DSCN8908

Motor e Câmbio – O motor é o mesmo em todas as versões, um 1.6 16V, bicombustível e com quatro cilindros. Sua arquitetura tem cabeçote com duplo comando de válvulas tracionado por correia dentada e conta com variação de abertura na admissão.

A injeção é indireta, multiponto, e a taxa de compressão é 12,5/1. Sua potência máxima é de 118 / 115 cv às 5.750 rpm e ele atinge um torque de 15,5 / 15,4 kgfm às 4.000 rpm, com etanol e gasolina, respectivamente.

O câmbio é automático, convencional, com conversor de torque e seis (6) marchas. Ele tem deslocamento da alavanca orientado por grelha, mas esta fica oculta sob a coifa.

É possível a utilização em modo “manual” ao se deslocar a alavanca para a esquerda e comutar as marchas para frente, para reduzir, e para trás, para avançar. Essa é a programação mais correta, pois acompanha o movimento natural do corpo em ambas as ações, na desaceleração e na aceleração.

Essa segunda geração do Peugeot 208 utiliza uma nova plataforma, a Common Modular Plataform (CMP). Também preparada para eletrificação, essa nova base será usada em diversos modelos da Stellantis, o grupo automotivo franco-ítalo-americano formado, recentemente, a partir da união da PSA (Peugeot Citroën) com a FCA (Fiat Chrysler Automobiles).

DSCN8912

Design – O design, externo e interno, é o destaque do hatch compacto. Muito espelhado nos SUVs da marca, sua carroceria ganhou robustez e agressividade rara em carros de passeio.

A frente alta com grade e vincos em forma de “V”, as laterais com linha de cintura igualmente alta, os vidros estreitos e a traseira com lanternas horizontais interligadas por peça plástica em preto brilhante são elementos comuns aos utilitários da Peugeot que destacam o 208 dos seus concorrentes.

Por dentro, a cabine é envolvente e os materiais usados dão uma aparência tecnológica ao interior. O painel arqueado se estende às portas formando uma linha contínua revestida em material acolchoado que imita fibra de carbono.

O desenho é limpo, os poucos botões de controle são teclas inspiradas em elementos aeronáuticos e os detalhes metálicos realçam as partes internas sem exageros, um bom exemplo a ser seguido.

DSCN8885

Os materiais são simples, as áreas macias são pequenas e os encaixes não são tão precisos. Porém, o interior tem um design arrebatador, tanto quanto o exterior. Ao vivo, o Peugeot 208 é mais bonito e parece maior do que por fotos.

Suas medidas externas são amplas, realmente, mas as internas, nem tanto. O porta-malas comporta apenas 265 litros e, o tanque de combustíveis, 47 litros. Ele tem 4,05 metros de comprimento; 2,53 metros de distância entre-eixos; 1,73 metro de largura e 1,45 metro de altura.

Espaço – A ergonomia é diferenciada. O volante é mínimo e o painel digital é visto sobre o mesmo. É possível deixar o banco bem baixo, posicionando as pernas mais na horizontal, postura tão esportiva quanto seu design sugere.

O espaço continua amplo para o passageiro da frente, pois o painel principal é recuado, mesmo sendo envolvente, algo que deixa muita área livre nessa posição.

Mas, a fartura acaba por aí. Ao passar para o banco de trás, nós nos lembramos de que este é um modelo de entrada na Europa, focado em jovens sem filhos.  O 208 é um carro de primeiro mundo e, não, de países emergentes, onde os compactos são mais espaçosos para atender a famílias maiores.

Para o bem, ou para o mal, ele herda as qualidades e especificações europeias: projeto sofisticado, considerando os nossos padrões, em uma cabine compacta. Só dois adultos andam com relativo conforto atrás, mas sem sobras para as pernas.

Ao centro do banco traseiro, apenas uma criança, pois o túnel central é alto, característica comum em plataformas projetadas para a eletrificação. No mais, os bancos têm bom apoio para as costas e pernas, a alavanca de câmbio está próxima e garante agilidade no uso “manual” e todos os outros comandos estão à mão.

Tecnologias – O painel digital é diferenciado por ter um leve efeito 3D e por mostrar informações completas e apresentadas de forma inteligente: os números variáveis ficam destacados em primeiro plano, e seus índices, em segundo.

As configurações pré-programadas oferecem diversos dados simultâneos, corretamente hierarquizados pelo tamanho dos números, facilitando a leitura. Ainda existe a possibilidade de configurações pessoais, um sistema muito completo.

Quanto ao multimídia, não podemos elogiar tanto. Não que faltem informações e recursos, mas ele só tem o mínimo aceitável atualmente, principalmente, em um modelo deste valor. Funcionou muito bem quando pareado ou espelhando o celular, mas sua tela é pequena e pode melhorar em definição e sensibilidade ao toque.

Velocidade de processamento e qualidade do áudio surpreenderam positivamente, mas não elevaram este equipamento ao nível do ótimo painel de instrumentos digital.

A conexão por cabo USB para o espelhamento não combina com o carregamento do celular por indução, pois existe um nicho com tampa para este sistema, mas ela não pode ficar fechada se o aparelho estiver sendo espelhado.

DSCN8897

A entrada USB que faz essa conexão está na parte alta da lateral da tela e o fio fica dependurado para interligar os dois dispositivos. Essa mesma tampa, quando aberta, tem um encaixe que mantém um celular na horizontal com a tela voltada para o condutor, algo simples e prático.

O ar-condicionado é muito eficiente em todas as operações, mas suas principais funções só são acessadas na página dedicada do multimídia. O ideal seriam botões físicos, de preferência, rotativos. Os atalhos que estão nas teclas físicas posicionadas abaixo da tela ajudam amenizar a falta dos controles diretos. Entretanto, só comandam funções secundárias.

Modelo, avançado, peca na motorização comum e sem brilho

Dirigir o 208 Griffe é uma experiência diferenciada.  Poder assentar em uma posição mais baixa, algo cada vez menos comum, é o primeiro ponto positivo observado.

Sentir-se envolvido pelo interior, usar um volante muito pequeno, e ao mesmo tempo leve, e ainda ver diversas informações digitais, algumas com profundidade, causa um ótimo impacto e a certeza de se estar em um modelo avançado para a categoria.

Quando em movimento, as sensações são mais comuns. O conjunto motor e câmbio trabalha em harmonia, as trocas de marchas são suaves e as reações ao acelerador são as esperadas para um modelo aspirado.

No modo “manual” é possível extrair máximo de desempenho do carro. Pode-se acelerar até o motor atingir as 6.000 rpm, momento em que o câmbio comuta as marchas, ou trocá-las na alavanca. Entretanto, a posição esportiva do banco, e o volante com reações diretas, pede as aletas (paddle shifts) para essas trocas, uma grande falta no 208.

Na sexta marcha, e aos 110 km/h, o motor gira próximo aos 3.000 rpm, mas, praticamente não se escuta o seu funcionamento. Nessas condições, o vento contra a carroceria é o que mais se ouve.

Nem o ótimo isolamento acústico esconde essa característica. Não dá para ter um design parecido com um SUV sem ter os seus inconvenientes. Aerodinâmica ruim acompanha todos os modelos com frente alta e robusta.

DSCN8848

O acerto das suspensões agradou mais do que esperávamos para um modelo francês. Elas entregam estabilidade e conforto de forma equilibrada. Apenas em pisos muito esburacados, o sistema mostrou trabalhar no limite, sofrendo um pouco para isolar a cabine.

No geral, a adaptação às nossas vias parece ter sido mais elaborada que a promovida aos compactos da marca anteriores ao 208.

Consumo – No nosso teste padronizado de consumo rodoviário, realizamos duas voltas no percurso de 38,4 km, uma mantendo 90 km/h e outra os 110 km/h, sempre conduzindo economicamente. Na volta mais lenta atingimos 13,6 km/l. Na mais rápida, 12,1 km/l, com etanol no tanque.

Em nosso circuito urbano de 6,3 km realizamos quatro voltas, totalizando 25,2 km. Simulamos 20 paradas em semáforos com tempos entre 5 e 50 segundos. Vencemos 152 metros entre o ponto mais alto e o mais baixo do acidentado percurso. Nessas condições severas, o Peugeot 208 finalizou o teste com 7,4 km/l, também com etanol.

DSCN8865Fotos: Amintas Vidal

O novo Peugeot 208 é um hatch para quem valoriza o design e quer se destacar na multidão, pois suas versões são mais caras do que as dos seus concorrentes diretos, tornando-o um modelo de nicho.

Quando o compartilhamento entre as marcas da Stellantis for efetivado, o 208 poderá receber sistemas mecânicos da Fiat e disputar o mercado de hatches com preços mais competitivos.

*Colaborador

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Audi A5 Sportback chega ao Brasil com faróis Led Matrix e tração quattro

Da Redação

a5-galeria-01

A Audi do Brasil apresentou o novo Audi A5 Sportback no mercado nacional. Com visual renovado, o modelo traz, como itens de série, controle de cruzeiro adaptativo, faróis dianteiros LED Matrix, display com tela sensível ao toque e tecnologia de assistência elétrica – na versão topo há, ainda, a tradicional tração quattro.

O veículo já está disponível nas concessionárias Audi Center em duas versões, Prestige Plus e Performance Black quattro, com preços a partir de R$ 284,99 mil e R$ 329,99 mil, respectivamente.

Os clientes que efetivarem a compra, ainda em fevereiro, poderão escolher entre valorização de R$ 15 mil na troca de seu veículo usado ou aquisição do Plano Audi Pass Plus com taxa de 0,59% e carência de 90 dias.

a5-final

“Em 2019 apresentamos no Brasil os novos A6 e A7, que iniciaram a renovação da família A no País. No fim de 2020 lançamos o novo A4. E agora chegou a vez do novo A5, primeiro lançamento da Audi no Brasil em 2021. Com linhas que remetem a um visual coupé, o modelo alia esportividade com elegância e chega com novas tecnologias, pronto para seguir sua trajetória de sucesso em nosso mercado”, avaliou Johannes Roscheck, CEO e presidente da Audi do Brasil.

Na versão Prestige Plus o modelo é equipado com o motor 2.0 TFSI configurado para uma potência de 190 cv e torque de 320 Nm. Já na versão de topo, Performance Black quattro, o mesmo motor 2.0 TFSI recebe um ajuste diferenciado para entregar 249 cv de potência e torque de 370 Nm.

Nesta versão, o trem-de-força é complementado pela tração integral quattro, marca registrada de tecnologia e inovação da Audi. A transmissão de ambos é a S Tronic de dupla-embreagem e sete (7) velocidades.

galeriaa5sb02

O novo A5 Sportback conta, ainda, com um sistema de assistência elétrica, composto por uma bateria de íons de lítio e um alternador de correia (BAS) em um sistema elétrico primário de 12 volts.

Com ele, o veículo pode se deslocar em velocidades entre 55 e 160 km/h com o motor desligado e, em seguida, o BAS reinicia o propulsor rapidamente. O sistema start-stop começa a funcionar a partir de 22 km/h.

Direção, transmissão e gestão do motor estão igualmente integradas no Audi Drive Select, com possibilidade de cinco modos de direção: Automatic, Efficiency, Comfort, Dynamic e Individual.

galeriaa5sb04

O Audi A5 Sportback conta com alguns elementos introduzidos a partir da nova linguagem de design da Audi, como a grade frontal (Singleframe) mais larga e saídas de ventilação acima da grade que foram inspiradas no clássico Audi Sport quattro, de 1984.

Como nas gerações anteriores, a musculatura no capô o diferencia de outros modelos da marca ao agregar um aspecto de força e esportividade. Na traseira, o modelo apresenta mudanças com ponteiras de escape trapezoidais e uma nova assinatura ótica marcada pelas lanternas traseiras de Ledcom setas dinâmicas.

Na dianteira, o para-choque possui uma lâmina na borda inferior que liga as entradas de ar, ainda maiores. Mas é o novo conjunto ótico que chama toda a atenção: as duas versões recebem os faróis Led Matrix de série. Além de mais eficiente e dinâmica, esta tecnologia agrega segurança ao direcionar o facho de luz de modo que não atrapalhe os veículos vindos na direção contrária.

Cockpit

No interior, as linhas horizontais são tão marcantes como o novo display sensível ao toque MMI (sistema multimídia), que funciona como o ponto focal do painel e está ligeiramente inclinado em direção ao motorista. Nele as informações são projetadas na tela de alta resolução com 10,1 polegadas.

Os gráficos são minimalistas e a estrutura do menu é intuitiva e planejada para toda a linha de veículos da marca. O pacote de iluminação ambiente destaca o espaçoso interior e também é de série.

O modelo conta com o Audi Virtual Cockpit Plus de 12,3 polegadas, com três modos de apresentações diferentes, posicionado logo atrás do volante multifuncional. As rodas de 18 polegadas são de liga-leve. 

AA5_SB_D_191007

O novo Audi A5 Sportback traz diversas novidades tecnológicas dentre seus equipamentos. Além dos já citados controle de cruzeiro adaptativo e faróis dianteiros Led Matrix de série, o modelo possui, também, aviso de saída de faixa, teto solar elétrico panorâmico, ar-condicionado de três zonas e volante esportivo multifuncional com shift paddles e base aplanada como itens de série. O Audi Phone Box Light, que carrega celulares por indução, também faz parte do pacote de ambos os modelos.

A versão Prestige Plus possui nove cores disponíveis no exterior: azul Navarra, branco Geleira, branco Íbis, cinza Manhattan, preto Brilhante, preto Mito, prata Florete, vermelho Tango e verde District. No interior é possível escolher entre bege, marrom e preto. Apenas a pintura metálica aparece como opcional dessa versão.

Já na versão Performance Black quattro, além da motorização mais potente, o modelo conta com kit exterior S line com acabamento em preto high gloss e rodas de 18 polegadas com design exclusivo.

2020 a5 interior angled

Esta versão agrega, ainda, acabamento interno em Black Piano, bancos em combinação couro e Alcântara (material sintético), teto moldado em tecido na cor preta e função Park Assist.

Como opcionais, é possível solicitar pintura metálica, head-up display, sistema de som Bang&Olufsen 3D e Pacote Assistance City, composto por Audi Pre Sense traseiro e assistente de mudança de faixa. A versão também possui outras opções de cores como azul Turbo, cinza Daytona e cinza Quantum – o interior está disponível apenas em preto.

Audi A5 SportbackFotos: Audi AG / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Audi faz estreia mundial dos novos e-tron GT quattro e RS e-tron GT

A potência combinada dos dois motores elétricos pode chegar a 476/598 cv

Da Redação  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 12/02/2021)

Audi e-tron GT quattro / Audi RS e-tron GT

Esta semana ficou marcada pelo lançamento de dois modelos 100% elétricos: Audi e-tron GT quattro e Audi RS e-tron GT. Eles foram apresentados ao mundo em uma world première completamente digital. Os dois modelos estão confirmados para o Brasil e chegarão ainda em 2021, de acordo com a Audi.

“O e-tron GT é um gran turismo reinterpretado para o futuro. Sua aparência é um testemunho do novo design automotivo premium. Com uma performance impressionante, ele é a eletromobilidade em sua face mais emocional. E com seu conceito sustentável, ele se impõe”, explicou Markus Duesmann, CEO da Audi AG. “Não é apenas o conceito do veículo que é sustentável. Toda a produção na planta de Böllinger Höfe (Alemanha) agora é neutra no balanço de carbono. Isso passa um importante sinal para o futuro da Audi”, completou.

Os dois princípios clássicos de um gran turismo são esportividade e conforto. O projeto do Audi e-tron GT quattro adota esta ideia e acrescenta uma nova perspectiva a ela: a sustentabilidade.

No exterior, a grade singleframe, que possui esquema invertido de cores, possui o emblema Audi na frente, uma indicação clara da tração elétrica. Enquanto a principal finalidade da Singleframe em modelos com motor a combustão é resfriar o motor, no e-tron GT ela oculta a maioria dos sensores. Somente a parte inferior tem aberturas para passagem de ar.

Audi RS e-tron GT

O desenho lateral, com linhas bem marcadas, nasce no capô alongado e para-brisa plano até mergulhar na linha de teto rapidamente inclinada em direção à traseira. O emblema quattro esculpido nos arcos de rodas simboliza a tração elétrica nas quatro rodas.

A tração quattro é ainda mais enfatizada pela combinação de um baixo centro de gravidade na principal seção da carroceria e a forte cintura no meio do veículo.

As luzes na traseira estão conectadas por uma faixa plana de luz. Um difusor visualmente descentralizado dá ao e-tron GT um inconfundível visual dentro do portfólio de produtos da Audi. O aerofólio corre em paralelo à faixa de luz e arredonda o visual esportivo.

O Audi e-tron GT tem as dimensões de um gran turismo clássico: com distância entre eixos de 2,90 metros, ele mede 4,99 metros de comprimento, 1,96 metro de largura e somente 1,41 metro de altura.

Audi RS e-tron GT

O compartimento de bagagem fornece um volume de 405 litros no e-tron GT quattro e 366 litros no RS e-tron GT. Um segundo compartimento de bagagem, embaixo do capô dianteiro, oferece mais 85 litros de espaço.

A aerodinâmica é uma característica importante do projeto como um todo. O Audi e-tron GT quattro, com seu coeficiente de arrasto de 0,24, parece ter sido moldado pelo vento – e de fato foi. Ele foi desenvolvido em estreita colaboração entre os projetistas e os engenheiros de aerodinâmica.

As entradas de ar na seção inferior da frente desempenham um papel fundamental. As cortinas de ar verticais no exterior direcionam o ar nos arcos das rodas do veículo de forma que ele flua perto da roda e então ao longo da lateral.

O segundo fator mais importante no conceito de aerodinâmica ativa é o aerofólio traseiro, que se estende eletricamente em duas posições diferentes, dependendo da situação da condução.

Audi e-tron GT quattro / Audi RS e-tron GT

Isto permite que o ar flua de modo limpo para a extremidade traseira e a elevação que acontece no eixo traseiro em altas velocidades é quase totalmente compensada.

Os faróis e as lanternas são elementos característicos do projeto exterior do e-tron GT e destacam ainda mais suas características. As assinaturas das luzes de LED na frente e na traseira apresentam uma modelação pronunciada tridimensional e enfatizam seu visual.

As luzes de condução diurna fornecem uma assinatura impactante das luzes, junto com o característico friso azul da luz dos faróis altos a laser que está localizado no centro dos faróis da Audi pela primeira vez.

A faixa de luz na lanterna se estende em toda a traseira do veículo, mudando dinamicamente de uma linha no centro para segmentos maiores em direção à parte externa, o que faz o e-tron GT parecer ainda mais potente.

Audi RS e-tron GT

Interior – O interior do e-tron GT destaca esportividade, conforto e extensão em igual medida. O foco mais forte do interior é no motorista, inspirado pela ideia de “monoposto”, uma característica dos modelos esportivos da Audi e do e-tron GT em particular.

O painel central é ligeiramente inclinado em direção ao motorista. O display do virtual cockpit plus parece flutuar, enquanto o sistema multimídia (MMI touch) é cercado por um acabamento black piano que fica acima do painel de instrumentos.

O motorista e o passageiro dianteiro se sentem em posição esportiva baixa, separados por um amplo console central. O seletor compacto para as marchas está localizado no console do túnel central.

Os bancos traseiros oferecem espaço suficiente mesmo para adultos. Os bancos são revestidos com uma combinação de material sintético que imita o couro e materiais reciclados (Kaskade e microfibra).

Audi RS e-tron GT

Materiais reciclados são usados nos dois casos, como fibras de poliéster que foram feitas de garrafas plásticas usadas, têxteis ou fibras residuais. O material de microfibra é similar ao Alcantara, enquanto o Kaskade é criado a partir de fibras naturais como lã.

Motores Elétricos e Tração quattroO novo modelo totalmente elétrico da Audi oferece desempenho dinâmico nas duas versões de motor: o e-tron GT quattro acelera de zero a 100 km/h em 4,1 segundos, enquanto o modelo RS precisa de 3,3 segundos. A velocidade máxima é de 245 km/h e 250 km/h, respectivamente.

O motor elétrico dianteiro no e-tron GT quattro tem potência de 238 cv e, o motor traseiro, tem 435 cv. Ambos mantêm reserva disponível para situações extremas de condução e é por isso que a soma de suas potências individuais excede consideravelmente a potência total da tração de 476 cv.

Até 530 cv estão disponíveis por 2,5 segundos no modo boost via launch control. O torque total é 630 Nm, que sobe para 640 Nm no modo boost.

Audi e-tron GT quattro

No RS e-tron GT, o motor elétrico no eixo dianteiro também libera 238 cv, enquanto o motor na traseira libera 455 cv. A potência total é 598 cv e o torque total é 830 Nm. No modo boost, a potência aumenta brevemente para 645 cv.

O e-tron GT quattro e o RS e-tron GT normalmente rodam com tração elétrica nas quatro rodas – somente o modo efficiency do Audi Drive Select prioriza tração dianteira.

No caso de uma superfície escorregadia da via, exigências de alta potência ou curvas rápidas, o motor elétrico para a tração traseira também é ativado cerca de cinco vezes mais rápido do que uma tração mecânica quattro.

A tração elétrica nas quatro rodas regula a distribuição do torque de tração entre os eixos – continuamente, totalmente variável e dentro de alguns milésimos de segundo. O princípio quattro que a Audi introduziu no mercado há mais de 40 se apresenta em novo nível tecnológico.

Audi RS e-tron GT

Baterias permitem que o modelo tenha autonomia de até 487 km

O sistema de bateria de íons de lítio dos Audi e-tron GT quattro e RS e-tron GT está localizado entre os eixos, no ponto mais baixo do veículo. Isto fornece um baixo centro de gravidade, apropriado para um veículo esportivo e uma distribuição de peso entre os eixos dianteiro e traseiro que fica muito próximo do valor ideal de 50:50.

A bateria de alta voltagem pode armazenar 85 kWh de energia nos dois modelos. Ela integra 33 módulos, cada um deles compreendendo 12 células com revestimento externo flexível, sendo que 30 módulos formam o nível inferior que apresenta um largo recesso na seção traseira, criando espaço para os pés dos passageiros.

O nível superior da bateria contém mais três módulos, situados embaixo dos bancos traseiros. As conexões, fusíveis e a principal unidade de controle estão localizados embaixo do console central.

A voltagem de 800 Volts do sistema permite alta potência contínua e abrevia o tempo de recarga. Além disso, reduz o peso e espaço necessário para a fiação.

Audi RS e-tron GT

A estrutura interna da bateria que contém os módulos, a estrutura em volta dela e as placas da tampa são feitas de alumínio. O sistema da bateria contribui significativamente para a rigidez e segurança em impactos da carroceria na qual ela está fixada com 28 parafusos.

Embaixo deste espaço das células existe uma estrutura composta de seções planas através das quais os fluxos do líquido de arrefecimento circulam em seu próprio circuito de baixa temperatura. A temperatura ideal da bateria fica entre 30 e 35 graus Celsius.

As entradas de recarga do gran turismo estão localizadas atrás das rodas dianteiras. Os dois lados apresentam conexões para corrente alternada (AC) e também existe uma conexão para corrente direta (DC) do lado direito.

O e-tron GT pode carregar com 11 kW AC como padrão, o que permite que ele recarregue uma bateria por completo durante a noite. Em um terminal DC com potência adequada, o gran turismo elétrico atinge um pico de capacidade de carga de até 270 kW. Isto permite que ele recarregue até 100 km em pouco mais de cinco minutos. A carga até 80% demora menos de 22,5 minutos em condições ideais.

O Audi e-tron GT quattro tem autonomia de até 487 km, de acordo com as informações da fabricante.

Audi RS e-tron GT

Fotos: Audi AG / Divulgação

Som esportivo – A Audi informou que compôs um som único para o e-tron GT quattro. O som esportivo e-tron compreende duas unidades de controle e amplificadores no compartimento de bagagem.

Eles geram um som separando exterior e interior, que sai através de dois alto-falantes cada, fora e dentro do veículo. Dados sobre a velocidade rotacional dos motores elétricos, carga, velocidade do veículo e outros parâmetros servem como base para o som digital, um som sintético que oferece uma impressão autêntica do trabalho executado pelo sistema de tração.

O motorista pode modular o som via Audi Drive Select. No perfil efficiency, somente o AVAS (Sistema Acústico de Alerta do Veículo) fica ativo, o que já gera um som mais amplo para reconhecimento de um veículo elétrico.

O som exterior é mais completo e tem melhor qualidade no modo comfort. O perfil dynamic torna o som ainda mais potente e o som interior é adicionado.

O e-tron GT é o primeiro veículo totalmente elétrico da Audi construído na Alemanha – e-tron e e-tron Sportback são fabricados em Bruxelas, na Bélgica. Ele é fabricado na linha de Böllinger Höfe, na planta de Neckarsulm.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Range Rover Velar 2021 chega ao Brasil

Da Redação

A Land Rover anunciou a chegada ao Brasil do novo Range Rover Velar 2021. O SUV conta com nova motorização, cabine com novas funções e tecnologias, além de opções de customização.

Debaixo do capô, o utilitário esportivo conta com novo motor P340, um 3.0 com seis cilindros, a gasolina, que gera 340 cv a 5.500 rpm e 48,9 kgfm de torque a 1.500 rpm.

O motor está acoplado a uma transmissão automática de 8 velocidades. O conjunto leva o modelo de 0 a 100 km/h em 6,3 segundos, atingindo a velocidade máxima de 240 km/h, informou a Land Rover.

O novo conjunto Ingenium MHEV do Velar substitui as versões P300 (quatro cilindros)  e P380 (V6), entregando uma combinação entre eficiência e potência, reduzindo peso em 12,9 kg em relação ao motor P380 e, com o suporte do sistema híbrido-leve, entrega torque instantâneo, redução na emissão de gases e economia de combustível, além de não ter a necessidade de carregamento da bateria de 48 volts graças ao supercharger elétrico que se abastece diretamente do conjunto.

No exterior, os destaques são as novas rodas de 22 polegadas opcionais com acabamento diamantado. Para a pintura, a paleta conta com duas novas cores metálicas, prata Hakuba e azul Portofino, completando a paleta de 10 cores.

Os clientes podem montar suas próprias configurações de opcionais, combinações de interior e pintura através do configurador no site da Land Rover.

Por dentro, destaque para o novo volante multifuncional costurado em couro com botões sensíveis ao toque que se comunicam com o painel de instrumentos digital interativo de 12,3 polegadas.

No painel, a central de configuração do carro agora é comandada pelo sistema de infoentretenimento PIVI PRO com tela de 10 polegadas. A central já está à disposição do usuário logo que o carro é ativado, graças ao sistema de dados e bateria independentes.

Com as atualizações OTA (over the air), a plataforma se mantém atualizada, garantindo que o motorista sempre receba as últimas mudanças em mapas, aplicativos e funcionalidades do veículo, sem a necessidade de visitar uma concessionária autorizada, acompanhado da conectividade com Apple Carplay e Android Auto.

Além disso, o PIVI PRO controla as novas tecnologias embarcadas na cabine: sistema de câmeras 360º, visualizando todo o entorno do carro, com visão aérea, facilitando a manobra por obstáculos; “capô transparente”, tecnologia exclusiva da Land Rover, permitindo que o motorista enxergue o caminho logo à frente das rodas dianteiras através de câmeras de última geração, e o sensor de profundidade, acompanhando o nível de submersão do carro, que ajuda em travessia de pequenos rios ou alagamentos de até 580 mm de profundidade.

O Velar ainda é equipado com suspensão pneumática a ar com regulagem de altura, adicionando conforto aos ocupantes em qualquer situação.

Ainda no interior, o Velar conta com nova manopla de câmbio costurada em couro, mais ergonômica e luxuosa, e, de série em toda a linha, o sistema de som surround Meridian 3D com 750 W de potência, o assistente de ponto cego, indicando ao motorista pelos retrovisores laterais algum veículo que esteja fora do seu campo de visão, e o sistema de tração o Terrain Response II, que permite que o motorista ajuste as configurações individuais do carro para se adequar perfeitamente às condições de piso, mantendo a segurança e confiança na transposição do terreno.

O Range Rover Velar será comercializado no Brasil a partir da última semana de fevereiro em duas versões: R-Dynamic SE e R-Dynamic HSE, ambas com motorização P340.

Os preços partem de R$ 520,05 mil, para a versão R-Dynamic SE, e de R$ 565,35 mil para a versão R-Dynamic HSE.

Fotos: Land Rover / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line já pode ser reservado

Da Redação

A Mercedes-Benz iniciou as reservas de seu novo SUV, o GLA 200 AMG Line. Agora em sua segunda geração, o modelo foi totalmente renovado, apresentando maiores dimensões externas e internas.

Destacam-se nessa versão os pacotes AMG para o exterior (grade frontal diamante cromada, para-choques e rodas exclusivas AMG de 20 polegadas) e interior (volante, pedais, molduras de acabamento e bancos esportivos).

Completam a lista de inovações da versão as duas telas de 10 polegadas no quadro de instrumentos e console central que, em conjunto com o sistema MBUX – Olá Mercedes, facilita a vida a bordo, utilizando comandos via tela touchscreen, touchpads no volante e console central e por voz.

Tudo isso para que os acessos as funções de entretenimento, integração de smartphones e ajustes gerais sejam ainda mais rápidos e intuitivos.

Um extenso pacote de equipamentos de série está disponível na versão de lançamento, com destaque para itens como os assistentes ativos de distância Distronic, de direção, de ponto cego, de manutenção de faixa, de desembarque, de estacionamento Parktronic e câmera de ré, carregador de celular wireless, pacote completo de funções Keyless Go (partida, aberturas e fechamento de portas e porta-malas sem uso da chave), faróis LED High Performance e teto solar panorâmico.

O Mercedes-Benz GLA 200 AMG Line está disponível para reservas em toda a rede de concessionários com o preço público sugerido de R$ 325,90 mil.

 

GLA 200 AMG Line

Cilindros

4 em linha

Cilindrada (cm3)

1.332

Potência máxima (cv/rpm)

163/ 5.500

Torque (Nm/rpm)

250 / 1.620 – 4.000

Câmbio

7G-DCT

Aceleração 0 – 100 km/h (s)

8,7

Velocidade máxima (km/h)

210

Peso (kg)

1.485

Pneus

235/45 R20

Capacidade do porta-malas (L)

435

Tanque de combustível/reserva (L)

43 / 5

Comprimento

4,41 metros

Largura

2,02 metro

Altura

1,61 metro

Fotos: Mercedes-Benz / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Primeiras unidades do Audi RS Q3 e do RS Q3 Sportback são entregues

Da Redação

Audi RS Q3 / Audi RS Q3 Sportback

Audi AG / Divulgação

As primeiras unidades dos novos Audi RS Q3 e RS Q3 Sportback chegaram ao Brasil e já começam a ser entregues aos clientes. Desde o início das vendas dos modelos no País, em meados do ano passado, mais de 90 pedidos já foram efetuados, de acordo com a fabricante.

Com motor de cinco cilindros 2.5 TFSI e 400 cv de potência, os esportivos podem ser adquiridos por R$ 458,99 mil na carroceria SUV e R$ 488,99 mil na carroceria Sportback, ambos por venda direta.

Os novos RS Q3 e RS Q3 Sportback fazem parte da renovação completa da linha de esportivos da Audi, que anunciou a chegada de nove modelos em 2020. Os clientes interessados na aquisição dos veículos têm a possibilidade de personalizar diversos itens antes da produção.

“Estes modelos conseguem aliar esportividade com usabilidade diária e, por isso, são tão procurados. Ao acrescentar a possibilidade de personalização de diversos itens, os clientes têm a certeza de que estão adquirindo um veículo exclusivo, inovador e com performance ímpar. São características que fazem a linha de esportivos da Audi uma das mais desejadas do mundo”, avaliou Daniel Rojas, diretor de vendas da Audi do Brasil.

Dentro da família Q3, o RS Q3 e o RS Q3 Sportback são os carros-chefe esportivos. Os números de desempenho para os motores compactos são atraentes: cinco cilindros, 400 cv  de potência, 480 Nm de torque e tração quattro.

Segundo a Audi, o RS Q3 acelera de 0 a 100 km/h em 4,5 segundos, nas duas carrocerias. Já a velocidade máxima alcança até 280 km/h.

A potência do motor de cinco cilindros flui através do câmbio S tronic de sete (7) velocidades para a tração integral quattro, que distribui a potência conforme necessário entre os eixos por meio de uma embreagem de múltiplas placas. O controle de torque seletivo da roda aperfeiçoa o manuseio seguro e ágil.

O Audi Drive Select influencia a tração quattro e outros componentes, como direção, suspensão, câmbio, características do motor e som. É possível escolher até cinco modos de condução: auto, comfort, dynamic, efficiency e individual, além dos novos modos esportivos com ajustes exclusivos – RS1 e RS2.

Através do MMI, o motorista pode ajustar e salvar os dois modos RS individualmente. Simplesmente pressionando o novo botão RS MODE no volante fornece acesso rápido aos dois novos modos e permite que o motorista alterne entre eles.

A suspensão esportiva RS abaixa o veículo em até 10 milímetros em comparação com o Audi Q3 e Q3 Sportback.

Ao efetuar a compra, o cliente pode escolher diferentes pacotes RS de design que definem cores das costuras do cinto, alavanca do câmbio, volante e tapetes esportivos com detalhes em vermelho, azul ou preto.

Ainda é possível incluir o pacote exterior que modifica molduras e acabamentos externos para alumínio, incluindo capa do retrovisor. Também é possível escolher entre cinco opções de desenho de rodas – todas 21 polegadas.

Entre os principais equipamentos estão o controle de cruzeiro adaptativo, assistente de partida em rampa e controle de descida, carregamento de smartphone por indução se compatível com tecnologia, teto solar panorâmico, volante esportivo com base aplanada em Alcantara, porta-malas com abertura e fechamento elétrico e sistema hands-free e pacote de luzes ambiente customizáveis com até 30 cores.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Jeep Compass Longitude diesel é o 4×4 de entrada do modelo

Versão do SUV médio conta com motor de 170 cv e câmbio automático de 9 marchas

Amintas Vidal*  (Publicado no Diário do Comércio) – Edição: 05/02/2021)

DSCN8702

Nem mesmo a Jeep esperava tamanho sucesso do Compass no Brasil. Comercializado deste outubro de 2016, já foram emplacadas 234.426 unidades do modelo até o fechamento de janeiro deste ano.

Utilitário esportivo (SUV) médio, ele foi o mais vendido em 2017 e 2018, superando diversos concorrentes compactos e outros tantos do seu tamanho, uma grande façanha. Em 2019, ficou em segundo, atrás do Jeep Renegade, o líder geral do período.

Em 2020, e neste único mês de 2021, ele permanece no pódio, atrás do Renegade e do Volkswagen T-Cross, segundo dados fornecidos pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

DC Auto recebeu o Jeep Compass Longitude 2.0 Turbo Diesel 4×4, automático, para avaliação. Trata-se da versão mais em conta do modelo com este combustível e tração integral. No site da montadora, seu preço básico na cor verde sólida é R$ 188,99 mil. O azul metálico da unidade avaliada custa R$ 1,90 mil.

Dois opcionais também foram configurados no modelo que recebemos. Pelo preço de R$ 5,40 mil, o Pack Premium traz o som da marca Beats de 506W, o assistente de estacionamento semiautônomo, os faróis em xênon e a partida remota do motor. Pagando mais R$ 1,50 mil, o cliente leva o revestimento interno em cinza claro. O preço final desta unidade é de R$197,79 mil.

DSCN8778

Itens de Série – Os principais itens de série do Compass Longitude a diesel são: multimídia com tela de 8,4 polegadas com Apple Carplay e Android Auto; ar-condicionado dual zone; direção elétrica; freio de estacionamento com comando elétrico; chave presencial para abertura das portas e partida por botão; rebatimento elétrico dos retrovisores; entre outros.

Os equipamentos de segurança mais importantes são: dois airbags; ABS e os controles de estabilidade, de tração, anti-capotamento, de partida em rampas e autônomo de decida; sensores de chuva e crepuscular; espelho retrovisor interno eletrocrômico; gancho universal para fixação de cadeira infantil, luzes diurnas em LED e sistema de monitoramento de pressão dos pneus.

Motor, câmbio e tração – O motor é o Multijet 2.0 turbodiesel de 4 cilindros que tem injeção direta e duplo comando acionado por correia dentada. Ele desenvolve 170 cv de potencia às 3.750 rpm e torque de 35,69 Kgfm às 1.750 rpm.

O câmbio é automático com conversor de torque e tem nove (9) marchas com possibilidade de trocas manuais na alavanca ou por meio das aletas atrás do volante (paddle shift).

A tração pode ser bloqueada em 4×4 e funcionar em modo reduzido. Ela conta com programação automática ou dedicada para neve, areia e lama. No modo automático, e em condições ideais de aderência, o sistema pode desacoplar a tração traseira deixando o Compass em 4×2 para economizar combustível.

DSCN8768

O design externo do Compass é um dos maiores atrativos do modelo. A harmonia entre as partes, e a proporção dos seus volumes, resulta em uma carroceria parruda e dinâmica ao mesmo tempo, algo raro em SUVs médios ou grandes.

Outro acerto da Jeep foi resgatar no Compass o “DNA” do Grand Cherokee. Sucesso em nosso mercado, principalmente nos anos de 1990, ele forjou o conceito do utilitário sofisticado e confortável como os sedans de luxo. Talvez, seja este o maior motivo por tornar os SUVs tão desejados atualmente.

Interior – Internamente, o Compass é bem menos inspirado. Na verdade, o design da sua cabine foi mais influenciado por modelos da Dodge, marca que pertence ao mesmo grupo da Jeep. Diversas peças internas são as mesmas e, o design do painel, muito semelhante. Faltou a originalidade e ousadia que se vê no interior do Jeep Renegade, por exemplo.

Se o design interno não é um primor, a qualidade está acima da média. Painel principal e parte superior das portas dianteiras apresentam acabamento emborrachado. Apoio e encosto dos braços de todas as portas são revestidos e acolchoados. Todas as partes em plásticos rígidos apresentam texturas variadas com toque agradável.

Com este material sintético que imita couro no tom cinza claro, coloração também aplicada a algumas peças internas, a cabine do Compass fica muito mais requintada e foge da monotonia do revestimento padrão, todo em preto. O ganho no visual é grande, mas a cor clara dificulta a sua manutenção.

Amplo, o Compass oferece espaço de sobra para cabeças, ombros e pernas de quatro adultos, sendo que o quinto fica um pouco menos confortável. Ele encosta-se ao apoio de braço que fica embutido no banco traseiro, mas pode viajar com os pés sobre o túnel central ou ao lado do mesmo, pois ele é baixo e o console com saídas do ar-condicionado não invade muito este espaço.

Os bancos dianteiros são firmes, envolventes e confortáveis. O traseiro também é firme, menos envolvente e um pouco baixo, obrigando pessoas altas a ficarem com as pernas mais elevadas.

A ergonomia é muito acertada. Todos os comandos estão à mão e não é preciso ampla abertura dos braços para alcançá-los. O único deslize fica por conta da baixa posição do painel de controle do ar-condicionado, mas há uma compensação: quando operamos o sistema, o comando aparece na tela do multimídia que está em posição correta, elevada.

Também existe uma janela dedicada para o sistema pela qual se podem operar todas as funções do ar-condicionado por toque nesta mesma tela. Mesmo mal posicionados, seus botões são físicos, giratórios para a velocidade da ventilação e de pressão para as outras funções.

Ele é eficiente em tempo de resfriamento e manutenção de temperatura. Funciona em duas zonas e tem saída para a parte de trás da cabine, como mencionado anteriormente.

DSCN8737

Multimídia – O sistema multimídia também tem comandos físicos giratórios para as funções de volume e de troca de estações ou músicas. Atrás do volante existe a duplicação dessas funções. De uso cego, estes são os melhores comandos existentes, pois o condutor, após memorizar as funções, os opera sem desviar o olhar da estrada.

Com o celular espelhado, o multimídia funciona com precisão em todas as funções do Android Auto. Existe uma bússola digital que até ajuda em regiões sem sinal de internet, mas, um GPS nativo seria o ideal.

Tamanho e definição da tela, sensibilidade ao toque e velocidade de processamento estão na média dos concorrentes, porém, sistemas mais modernos chegaram ano passado e elevaram a expectativa para um novo patamar.

O sistema de som premium Beats de 506 W (8 alto-falantes + subwoofer) tem áudio de ótima qualidade, boa potência e quase sem distorções, mesmo no limite do volume. O efeito espacial é bom, possibilita ouvir as músicas como se houvesse um palco sobre o painel, mas sem grande amplitude.

Ele fica acima dos equipamentos padronizados, porém, abaixo dos hi-end, como Bang-Olufsen e Harman Kardon, por exemplo. O subwoofer rouba espaço no porta-malas.

DSCN8764

Modelo mostra acerto equilibrado para circular em rodovias e na terra

A direção elétrica é leve em manobras de estacionamento e tem peso adequado em diversas velocidades. Os sensores de estacionamento, e a câmera de marcha à ré com guias esterçáveis, amenizam a baixa visibilidade traseira, principalmente a cruzada, a mais prejudicada pela grande coluna “C”.

O assistente de estacionamento semiautônomo reconhece vagas paralelas dos dois lados do carro e também estaciona em posição perpendicular à via, recursos que ajudam em um veículo alto, largo e comprido.

O Compass tem 4,42 metros de comprimento, 2,64 metros de entre-eixos, 1,82 metro de largura e 1,65 metro de altura. Suas medidas para o fora de estrada são: vão livre de 218 mm; 28,7° de ângulo de entrada; 31,9° de ângulo de saída e 23,2° de ângulo central . Seu porta-malas comporta 410 litros e, o tanque de combustível, 60 litros.

Essa versão Longitude Turbodiesel tem um acerto equilibrado para circular em rodovias e encarar estradas de terra. Seu conjunto de suspensões é menos rígido que da versão preparada para trilhas, a Trailhawk, e ele usa rodas menores e pneus mais altos (225/55 R18) que os das versões Limited e Série S (235/45 R19), que são mais preparadas para circular no asfalto.

Em rodovias, os pneus com baixa resistência à rolagem, conhecidos como “pneus verdes”, são mais silenciosos que os de uso misto da Trailhawk e entregam mais conforto que os pneus usados em rodas aro 19 polegadas.

DSCN8783

Na terra, o Compass Longitude 4×4 passa por estradas bem conservadas com desenvoltura e conforto. Nas mais esburacadas, os impactos são mais sentidos e, sobre pedras soltas, a aderência dos pneus é menor.

Ele venceu nosso circuito off-road com menos eficiência e conforto que a versão Trailhawk, certamente, mas provou que anda com competência sobre qualquer terreno.

Motor e câmbio entregam um bom desempenho ao modelo, nada muito esportivo. Porém, ele acelera mais rápido e atinge velocidades mais altas que o recomendado para um veículo que pesa 1.717 kg e tem uma proposta familiar.

Aos 110 km/h, e de nona marcha, o motor trabalha às 1.600 rpm, garantindo silêncio a bordo e economia de combustível. Aos 90 km/h, a rotação é a mesma, pois o câmbio só permite usar a última marcha acima dos 100 km/h, mantendo a oitava marcha nesta condição.

Consumo – Em nosso teste padrão de consumo rodoviário esperávamos que a versão Longitude fosse mais econômica que a Trailhawk, por suas diferenças nos pneus e na aerodinâmica, mas elas praticamente empataram.

DSCN8684

Neste circuito, realizamos duas voltas no percurso de 38,4 km, uma mantendo 90 km/h e outra os 110 km/h, sempre conduzindo economicamente. Na volta mais lenta atingimos 19,2 km/l. Na mais rápida, 17,1 km/l, ótimas marcas para um SUV médio a diesel.

Em nosso circuito urbano, de 6,3 km, realizamos quatro voltas, totalizando 25,2 km. Simulamos 20 paradas em semáforos com tempos entre 5 e 50 segundos. Vencemos 152 metros entre o ponto mais alto e o mais baixo do acidentado percurso. Mesmo nessas condições severas, a versão Longitude registrou 9,2 km/l, média muito boa para um veículo pesado.

O Jeep Compass Longitude com motor a diesel e tração 4×4 é ideal para quem circula mais em rodovias, mas encara a terra com frequência. O modelo receberá mudanças estéticas e mecânicas na linha 2022, a ser lançada no terceiro trimestre deste ano.

Mesmo assim, por ser um projeto maduro e valorizado no mercado, ele ainda é uma boa compra e, com certeza, toda a linha 2021 está em um preço abaixo do que será pedido pelo modelo do ano que vem.

DSCN8671Fotos: Amintas Vidal

*Colaborador

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Emplacamentos de veículos caem 8,16% em janeiro

Da Redação

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) divulgou, nesta semana, que os emplacamentos de veículos novos, considerando todos os segmentos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros) somaram 274.093 unidades no primeiro mês de 2021, o que representa uma baixa de 8,16% na comparação com janeiro do ano passado (298.459 unidades).

Na comparação com dezembro de 2020 (363.142 unidades), o resultado também foi de retração ainda maior, de 24,52%.

“Já vínhamos acompanhando as dificuldades que as montadoras, de forma geral, estão enfrentando com relação ao fornecimento de peças e componentes. Este gargalo se intensificou em janeiro, diminuindo, ainda mais, a oferta de produtos. Outros fatores relevantes impactaram nos resultados, como a segunda onda da pandemia da COVID-19″, disse o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.

Automóveis e Comerciais Leves

Os segmentos de automóveis e comerciais leves, somados, apresentaram queda de 11,7% em janeiro/2021, se comparado com o mesmo mês de 2020, totalizando 162.567 veículos esse ano, contra 184.112 unidades, no primeiro mês do ano passado.

Houve queda, também, quando comparados os dados de janeiro/2021 com os de dezembro de 2020 (232.795 unidades comercializadas). Nesse caso, a retração chegou a 30,17%.

“Historicamente, o mês de janeiro costuma apresentar uma pequena retração nas vendas, já que os gastos das famílias aumentam nesse primeiro mês do ano, com matrículas e materiais escolares, IPVA, entre outras despesas. Além disso, alguns modelos estão com pouca disponibilidade no mercado, em função da falta de componentes, o que tornou previsível a queda nas vendas desses segmentos”, analisou Assumpção Júnior.

Caminhões

As vendas de caminhões, por outro lado, iniciaram o ano em ritmo forte. Em janeiro, foram emplacados 7.262 veículos, 1,13% acima do resultado de igual mês de 2020 (7.181 unidades), mas ainda com retração de 24,66%, na comparação com dezembro do ano passado (9.639 unidades). Vale observar que este setor vem atendendo, à forte demanda, praticamente, sem estoque.

“Os caminhões, assim como os demais segmentos, vêm enfrentando a escassez de peças e componentes, que limitam a oferta. Observamos que a demanda se mantém aquecida, tanto pelos resultados das commodities, quanto pela boa oferta de crédito para o segmento. Já se trabalha com a programação de entrega, de alguns modelos de caminhões, para o mês de junho”, comentou Assumpção Júnior.

Ônibus

Em janeiro, o mercado de ônibus somou 1.324 unidades, numa retração de 38,65% sobre janeiro de 2020 (2.158 unidades) e queda de 14,64% sobre dezembro passado (1.551 unidades).

“Este segmento foi o mais atingido pelos efeitos da pandemia. As restrições de circulação e cancelamento de viagens afetaram muito as empresas do setor, desmotivando a compra de novas unidades”, disse Assumpção Júnior.

Implementos Rodoviários

O mercado de implementos rodoviários emplacou, em janeiro/2021, 6.726 unidades, num crescimento de 44,8% sobre mesmo mês do ano passado (4.645 unidades), mas teve 8,54% de queda sobre dezembro (7.354 unidades).

“As razões, para este crescimento, em relação a igual período de 2020 são, praticamente, as mesmas do segmento de caminhões (mercado de commodities aquecido e boa oferta de crédito). Devemos considerar, também, que a base comparativa de janeiro de 2020 é baixa”, explicou o presidente da Fenabrave.

Motocicletas

Em janeiro de 2021, o mercado de motocicletas somou 85.839 unidades, o que significa uma baixa de 6,38% sobre janeiro de 2020, quando foram emplacadas 91.691 motos. Houve, também, queda de 13,14% sobre dezembro passado (98.829 unidades).

“O mês de janeiro foi impactado pela paralisação da produção das unidades fabris, localizadas em Manaus (AM), por cerca de 10 dias, além do problema gerado pela falta de peças e componentes, que já se estende pelos últimos meses, causando um desabastecimento de oferta, também para este segmento. O estoque de motos, nas concessionárias, tem estado extremamente baixo e, para alguns modelos, a espera chega a até 60 dias. A demanda segue aquecida, fomentada pela consolidação da motocicleta como veículo de transporte pessoal e de carga, dado o incremento das vendas do e-commerce, além da boa oferta de crédito pelas instituições financeiras, que estão aprovando 45% das propostas apresentadas”, avaliou Assumpção Júnior.

Tratores e máquinas agrícolas

OBS.: Por não serem emplacados, os tratores e as máquinas agrícolas apresentam dados com um mês de defasagem, pois dependem de levantamento junto aos fabricantes.

Em dezembro/2020, as vendas de tratores e máquinas agrícolas (4.871 unidades) registraram alta de 15,84%, na comparação com o mês de novembro (4.205 unidades). Na comparação com dezembro de 2019, quando foram vendidas 3.168 unidades, a alta chegou a 53,76%.

No acumulado do ano de 2020, foram comercializadas 46.368 unidades, contra 43.268, no mesmo período do ano anterior, resultando em um crescimento de 7,16%.

As razões para esse resultado podem ser atribuídas ao “bom desempenho da safra agrícola e à valorização das commodities, durante o ano de 2020. O resultado poderia ter sido ainda melhor, se a demanda, que sofreu alta significativa, pudesse ter sido atendida, na totalidade, pelos recursos disponíveis no Plano Safra 2020/2021.Outro fator que impediu uma expansão mais robusta, foram as dificuldades enfrentadas pela indústria, que não conseguiu atender à totalidade dos pedidos das concessionárias”, explicou o presidente da Fenabrave.

FENABRAVAE - JAN 2021

Tabela: Fenabrave / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Linha 2022 do Toyota Corolla já está nas concessionárias

Da Redação

toyota_novo_corolla_2020_1

Desde o último dia 1º de fevereiro, a linha Toyota Corolla 2022 está disponível nas concessionárias da marca de todo o País.

As mudanças foram mínimas e podem ser resumidas da seguinte forma:

Todas as versões: retirada da cobertura traseira da central multimídia.

02-Corolla-2022-Multimidia-de-8-polegadasToyota Corolla 2022 – Multimídia

1567468716629

Toyota Corolla 2020 – Multimídia

Versões XEi e Altis Hybrid: Maçanetas internas passam a ter acabamento na cor prata.

Versão Altis 2.0 Premium: Tela TFT com aumento de tamanho de 4,2 polegadas para 7 polegadas, como disponível atualmente nas versões híbridas, e inclusão de sensores de estacionamento dianteiro e traseiro.

Versão Altis Premium Hybrid: inclusão de sensores de estacionamento dianteiro e traseiro.

O Corolla 2022 está disponível nas cores cinza Celestial, prata Supernova, vermelho Granada, preto Eclipse, branco Polar e nas novas opções branco Lunar e cinza Granito.

01-Corolla-2022-Interior-scaled

Em um ano desafiador como foi 2020, o Corolla superou 40 mil unidades comercializadas, mantendo a liderança no segmento de sedans médios no País.

A configuração híbrida flex, que teve cerca de 9 mil unidades vendidas no ano passado, foi responsável por mais de 48% das vendas de todos os veículos eletrificados no Brasil neste período, de acordo com a Toyota.

O Corolla é equipado, desde a versão de entrada GLi, com sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um de joelho para o motorista), câmera de ré com linhas de distância com projeção na central multimídia, faróis com acendimento automático e com ajuste de altura, controle eletrônico de estabilidade (VSC), controle eletrônico de tração (TRC), sistema de assistência ao arranque em subida (HAC), sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis no banco traseiro, dentre outros.

Já as versões Altis (com motorização convencional e híbrida) recebem o exclusivo pacote de segurança ativa Toyota Safety Sense (TSS), sistema que conta com um radar de ondas milimétricas combinado com uma câmera monocular para detectar uma variedade de perigos e alertar o motorista.

Toyota-Corolla_1-1Fotos: Toyota / Divulgação

Neste pacote, estão incluídas as seguintes tecnologias:

. Sistema de Pré-Colisão Frontal (PCS)

. Sistema de Alerta de Mudança de Faixa com condução assistida (LDA)

. Faróis altos automáticos (AHB)

. Controle de Cruzeiro Adaptativo (ACC)

O Corolla conta com cinco anos de garantia de fábrica, tanto para a versão 2.0 Dynamic Force, quanto para a versão híbrida flex.

A fabricante disponibiliza garantia estendida de oito anos para todo o sistema híbrido do Corolla, composto por bateria híbrida, inversor/conversor, módulo de controle da bateria híbrida e módulo de controle de energia.

unnamed(2)

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br