Ducati apresenta a nova Multistrada 950S

Da Redação

Ducati Multistrada 950 S Action 03

A Ducati lançou, nessa semana, a nova Multistrada 950S. O modelo chega ao Brasil se destacando pela alta tecnologia embarcada.

A moto vem equipada, entre outros, com a nova Unidade de Medição Inercial Bosch de seis eixos (6D IMU), Vehicle Hold Control (VHC) para arranques mais fáceis em subidas (especialmente com piloto, garupa e bagagem) e embreagem hidráulica.

O Ducati Quick Shift up & down (DQS) permite a troca de marchas sem o uso da embreagem, tanto para cima quanto para baixo. A Multistrada 950S tem tanque de 20 litros, e peso seco de 206 kg.

A moto é compatível com o Ducati Link App: esta aplicação permite ao utilizador ativar o journey mode (uma combinação do Load e Riding Mode) e personalizar os parâmetros de cada Riding Mode através do seu smartphone.

Sua versatilidade de aplicação também fornece informação detalhada sobre os intervalos de manutenção, manual de utilização e localizador de Ducati Store. Além disto, o Ducati Link App possibilita aos motociclistas gravarem as suas performances e viagens.

DucativMultistrada 950 S Touring Static 07

A 950S conta com espaço e conforto, permitindo que duas pessoas possam sentar-se facilmente, mesmo com a top case e as malas laterais. Os pedais foram revestidos com inserções em borracha para minimizar as vibrações.

Outra característica é o assento com altura de 840 mm do solo. O assento mais baixo (820 mm de altura do solo) está disponível para os motociclistas que queiram colocar os pés no chão com maior facilidade, bem como uma opção de assento mais alto (860 mm).

O para-brisas permite o ajuste vertical com uma mão numa amplitude de 60 mm (e a gama de acessórios inclui, também, uma opção de para-brisas mais baixo). Existem duas tomadas de 12 V, uma sob o assento do passageiro e a outra na área do painel. As duas podem ser usadas para carregar itens eletrônicos.

O GPS da Garmin, disponível como acessório, é carregado com um conector dedicado. Existe também uma entrada USB sob o assento, que pode ser utilizada para carregar smartphones.

A área de armazenamento sob o assento do passageiro permite guardar o kit de ferramentas, manual de utilizador e objetos pessoais.

Ducati Multistrada 950 S Static 02

O motor que equipa a Multistrada 950S é o bicilíndrico Testastretta 11º de 937 cm3 com distribuição desmodrômica. Com refrigeração líquida e quatro válvulas por cilindro, ele conta com medidas de 94 e 67,5 mm para o diâmetro e curso, respetivamente.

A potência máxima é de 113 cv a 9.000 rpm e o torque máximo é de 9,6 kgf.m a 7.500 rpm. A taxa de compressão é de 12.6:1.

O motor tem intervalos de manutenção de 15.000 km ou a cada 12 meses, com a inspeção da folga das válvulas a cada 30.000 km.

O quadro é em treliça com tubos de diâmetro largo e espessura reduzida e dois sub-quadros laterais. A Multistrada 950 tem uma distância mínima ao solo de 183,5 mm, enquanto numa distância entre eixos de 1.594 mm distribui o peso do condutor e bagagem (quando aplicável), beneficiando as entregas dinâmicas do veículo. O novo e mais leve duplo braço oscilante em alumínio fundido está pintado de preto.

A moto apresenta um garfo ajustável de 48 mm e curso da suspensão de 170 mm, sendo totalmente regulável em compressão, extensão e pré-carga da mola.

Ducati Multistrada 950 S Static 06

Na traseira, um amortecedor liga o braço oscilante ao elemento esquerdo do subquadro, também totalmente ajustável e com curso de suspensão de 170 mm.

A Multistrada 950S está equipada com o sistema Ducati Skyhook Suspension Evo (DSS). A compressão e extensão são continuamente ajustadas de acordo com a abordagem semiativa que assegura o equilíbrio ideal da moto.

Na prática, o sistema mantém a atitude da moto constante, qualquer que seja a superfície da estrada, minimizando as oscilações sofridas pela moto, aumentando significativamente o conforto e a segurança.

A tecnologia DSS Evolution analisa os dados de numerosos sensores para calcular e estabelecer os ajustes necessários de modo a tornar a pilotagem o mais suave possível.

O sistema permite um ajuste fácil e intuitivo das definições da moto através da nova interface HMI, garantindo que a suspensão esteja exatamente de acordo com as condições de utilização.

Ducati Multistrada 950 S Action 02

Ele tem um potencial de configuração praticamente ilimitado, uma vez que se podem selecionar eletronicamente 400 combinações de parâmetros através da nova interface.

A Multistrada 950S dispõe de rodas redesenhadas que reduzem o peso total em 500 g em relação ao modelo anterior. Os aros têm as medidas de 3.0” x 19’’ na frente e 4.5” x 17’’ atrás, equipada com pneus Pirelli SCORPION Trail II (120/70 ZR19 à frente e 170/60 ZR17 na roda traseira).

A moto é equipada com pinças monobloco Brembo M4.32 de fixação radial, com quatro pistões de 32 mm de diâmetro e duas pastilhas, bombas radiais com manetes reguláveis e dois discos dianteiros de 320 mm. Na traseira ela traz um disco de 265 mm com pinça flutuante Brembo.

O Ducati Traction Control (DTC) detecta, e controla, qualquer derrapagem da roda traseira, aumentando a segurança. Este sistema permite selecionar entre oito diferentes perfis, cada um deles calibrado para permitir uma tolerância ao derrapar da roda traseira que se molde aos níveis progressivos de capacidade de pilotagem (classificados de 1 a 8).

O modelo pode ser ligado sem a chave mecânica graças ao sistema Hands Free que permite acionar a moto num raio de até dois metros. O código da chave é reconhecido e a ignição ativada.

Ducati Multistrada 950 S Static 01

Os modos de pilotagem introduzidos pela primeira vez na Multistrada em 2010, permitem a seleção de diferentes modos pré-definidos que otimizam o comportamento da moto de acordo com o estilo de condução individual e as condições da estrada.

A Multistrada 950S conta com quatro modos de pilotagem: Touring, Esportivo, Urbano e Enduro.

Cada um deles programado para agir sobre o sistema eletrônico Ride-by-Wire de comando do motor, bem como nos níveis de intervenção do ABS e DTC.

Os modos de pilotagem podem ser alterados mesmo em movimento, enquanto as definições personalizadas do ABS e do DTC têm de ser efetuadas com a moto parada.

Touring – entrega a potência máxima de 113 cv com uma resposta progressiva do acelerador Ride-by-Wire; o DTC está num nível mais elevado, tal como o ABS, maximizando tanto a estabilidade em travagem com a prevenção da elevação da roda traseira.

Esportivo –  transforma a Multistrada numa máquina capaz de proporcionar elevadas doses de adrenalina, com uma potência máxima de 113 cv. Este modo de pilotagem caracteriza-se por uma resposta direta do Ride-by-Wire às solicitações do acelerador e baixa intervenção do DTC e do ABS, não contando com a prevenção da elevação da roda traseira.

Urbano –  entrega uma potência máxima de 75 cv e uma resposta progressiva do acelerador Ride-by-Wire; O DTC está regulado para um nível de intervenção mais elevado, tal como o ABS, maximizando a estabilidade em travagem e a prevenção da elevação da roda traseira.

Enduro – dá à Multistrada 950S uma potência máxima de 75 cv com uma resposta progressiva do acelerador Ride-by-Wire; a intervenção do DTC está adaptada à utilização em off-road e a regulação do ABS é baixa, desativando a prevenção de elevação da roda traseira.

Ducati Multistrada 950 S Static 04

O quadro de instrumentos consiste num painel TFT de alta resolução, o mesmo disponível nas Multistrada 1260S e Enduro. Fácil de ler, mesmo sob a luz solar direta, este painel caracteriza-se pela interface extremamente intuitiva, o que torna fácil percorrer os menus e ajustar as definições. O novo HMI da 950S conta com os mesmos computadores retroiluminados que equipam a Multistrada 1260.

Tal como em outros modelos da família Multistrada, a 950S tem um conjunto ótico full-LED, integrando o sistema Ducati Cornering Lights (DCL) que otimiza a iluminação em curva de acordo com o ângulo de inclinação da moto. Também conta com uma nova função que desliga automaticamente os indicadores de mudança de direção de acordo com o ângulo de inclinação.

Graças à IMU (Unidade de Medição Inercial), os piscas desligam-se após completar uma mudança de direção ou percorrer uma distância prolongada.

O preço público sugerido da Ducati Multistrada 950S é de R$94,99 mil e a moto já está disponível nas concessionárias da Ducati.

O novo modelo será vendido com duas opções de cores: Ducati Red e na nova cor Glossy Grey. São quatro pacotes completos de acessórios para customização: touring, enduro, esportiva, e urbana.

Ducati Multistrada 950 S Action 04Fotos: Ducati / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Chevrolet Tracker ganhará duas novas versões com a motorização 1.0 Turbo

Da Redação

De março até agosto desse ano, o Chevrolet Tracker registrou a venda de 20,9 mil unidades, alta de 145% ante o mesmo período do ano passado, segundo a General Motors.

Quando foi lançada, há seis meses, a nova geração do SUV teve a maior parte de suas vendas concentradas na versão topo de linha, a 1.2 Turbo Premier, de 133cv e 21,4 kgfm de torque.

Porém, com o ajuste do mercado, as vendas começaram a migrar para as versões com o motor 1.0 Turbo, de 116 cv e 16,8 kgfm de torque. De olho nesse movimento, a GM vai ampliar as opções com essa motorização.

Ao mesmo tempo, vai retirar duas versões com o motor 1.2 do catálogo (1.2 Turbo AT e 1.2 Turbo LTZ). Ou seja, o motor mais potente equipara somente a versão topo de linha, a mais cara.

As novas versões 1.0 Turbo chegarão ao mercado em outubro. Por esse motivo, a fabricante ainda não informou os seus respectivos preços. O portfólio manterá, basicamente, os que são praticados hoje: entre os R$ 87,49 mil, da versão de entrada mais básica, e os R$ 119,49 mil, para a 1.2 Turbo Premier.

Fotos: General Motors do Brasil / Divulgação

“O Tracker 1.0 Turbo surpreendeu em performance e eficiência energética, superando inclusive concorrentes equipados com motores maiores. Além disso, estamos observando grande interesse do mercado por configurações mais equipadas”, disse Rodrigo Fioco, diretor de marketing de produto da GM América do Sul.

Com estas duas novas opções de acabamento, LTZ e Premier, o modelo 1.0 Turbo passa a oferecer itens até então exclusivos do modelo 1.2 Turbo, como sensor de ponto cego, alerta de colisão com assistente autônomo de frenagem, assistente de estacionamento, rodas de 17 polegadas, ar-condicionado digital e acabamento interno premium.

Multimídia com Wi-Fi e câmera de ré, sistema de telemática OnStar com serviços conectados de segurança e proteção, além do aplicativo myChevrolet app para comandar funções do veículo à distância eram algumas das tecnologias já disponíveis para o modelo.

Além do motor mais potente, o teto solar panorâmico é outra exclusividade do Tracker 1.2 Turbo Premier.

Com estas alterações, a gama de versões do produto fica da seguinte forma:

  • 1.0 Turbo MT/AT
  • 1.0 Turbo LT
  • 1.0 Turbo LTZ
  • 1.0 Turbo Premier
  • 1.2 Turbo Premier

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Fiat Strada evolui na 2ª geração mantendo os principais atributos que lhe renderam a liderança nos últimos 20 anos

Muito mais tecnológica, a picape se tornou um produto completo para vários perfis de clientes, podendo ser utilizada tanto para o trabalho quanto para o lazer

José Oswaldo Costa

(Publieditorial)

Nova Fiat Strada Endurance Cabine Plus 1.4 Fire

A Fiat Strada é líder do seu segmento há 20 anos. Em 2019, foram comercializadas 76.223 unidades da picape, uma média de cerca de 6.351 unidades/mês.

Para que se tenha uma melhor idéia de sua incontestável liderança, a concorrente direta emplacou, no mesmo período, 42.270 unidades (cerca de 3.522 unidades/mês). Esses números são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

De acordo com a Fiat Chrysler Automóveis (FCA), já são mais de 1,5 milhão de exemplares da Fiat Strada vendidos até hoje e, no ano passado, o modelo bateu seu recorde histórico de vendas com 58,2% de participação no segmento.

Mas, engana-se quem acha que não se mexe em time que está ganhando. O que já é muito bom pode sempre melhorar. Dessa forma, a FCA lançou, no fim do mês de junho, a segunda geração da Fiat Strada.

Essa nova geração passou a atender também os proprietários que usam a picape nos momentos de lazer com suas famílias, mas sem deixar de lado seu uso no trabalho, onde o modelo sempre se destacou e angariou admiradores.

Para se ter uma ideia da incrível receptividade alcançada pela Nova Fiat Strada, hoje a demanda média diária é de 770 unidades. Isso significa vendas 3,5 vezes maiores comparadas a 2019, e uma procura quatro vezes superior ao previsto à época do lançamento, informou a FCA.

Cerca de 70% das vendas da picape são feitas para micros, pequenos e médios empresários. Tanto da cidade, quanto do campo. Ainda assim, com a ampliação do público-alvo, as vendas para pessoa física, no varejo, saltaram de 5% na geração anterior para 25% com a Nova Fiat Strada.

Como destaca o gerente de Veículos Comerciais da FCA, Felipe Daemon, “no território work, a Fiat Strada sempre foi líder. E essa liderança se dá pelos seus atributos diferenciados: versatilidade, qualidade do produto (refletida em sua robustez para o trabalho) e o custo-benefício”.

“A Nova Fiat Strada vem se destacando pela tecnologia embarcada, pelo design e pela segurança, que evoluíram muito em relação à geração anterior, fazendo com que ela atinja uma maior faixa de público. Ou seja, o segredo é que ela passou a ser um produto completo que atende a vários perfis”, completa Daemon.

Dentro dessa evolução mencionada pelo executivo, podemos destacar alguns quesitos importantes para o segmento. O primeiro deles, diretamente ligado à sua vocação para o trabalho, é o aumento da capacidade da caçamba.

Cabine Plus – Foi muito interessante a criação da versão Cabine Plus em substituição à Cabine Simples, que saiu de linha. É uma solução híbrida entre simples e estendida. A nova versão para dois passageiros ganhou em espaço volumétrico para a caçamba e, também, no espaço interno.

A Fiat Strada Cabine Plus é capaz de acomodar até 1.354 litros, um acréscimo de 134 litros. Já a capacidade de carga passou de 705 kg para 720 kg.

Além disso, o novo posicionamento da suspensão traseira permitiu maior vão de carga na caçamba entre as picapes da categoria: os 1.059 mm entre as torres no compartimento de carga facilitam muito a acomodação de grandes volumes. Há novas molas, amortecedores e geometria, além de novas travessa de suspensão e barra estabilizadora na dianteira, e novo eixo traseiro.

E essa nova engenharia da suspensão manteve o DNA já consagrado pelo mercado de trabalho, como o feixe de molas, mas evoluiu muito. Foi mantida a robustez e obteve-se um nível de conforto muito interessante.

Outra novidade é que a caçamba conta com um vão de carga modular. Ele recebeu trilhos para acessórios da Mopar, como divisórias e cargo box, além de contar com ganchos inferiores e superiores, que tornam o espaço preparado para diferentes funções.

Com o travamento da tampa, fica bloqueado também o acesso ao estepe, localizado abaixo do assoalho da caçamba para liberar mais espaço para carga. Aliás, a nova tampa traseira está 60% mais leve, facilitando o seu manuseio.

A tampa suporta cargas de até 400 kg, o que ajuda muito, como apoio, no momento de acomodar volumes mais pesados na caçamba. Não menos importante é que ela pode se tornar uma prática mesa para serviços no campo ou para momentos de lazer, por exemplo, possuindo, para isso, até mesmo porta-copos.

O protetor de caçamba é de série para todas as versões. Através da Mopar, a Fiat oferece alguns opcionais interessantes para o serviço diário, como divisores de caçamba que impedem o deslocamento de cargas menores no interior dela, e o extensor.

Esse último possui dupla função. Serve para “fechar” a caçamba, quando é necessário transitar com a tampa aberta, e como rampa de embarque. Para as duas funções, o melhor exemplo é quando o proprietário precisa embarcar e realizar o transporte de uma motocicleta.

Internamente, o ganho de espaço foi grande. A antiga versão Cabine Simples contava com 49 litros, além de ter o estepe alojado atrás do banco, para acomodar bagagens e outros objetos. A Nova Fiat Strada Cabine Plus, com a otimização do espaço interno, conta com 151,2 litros. Não menos importante, o proprietário ganhou mais espaço para reclinar o encosto do banco.

No que diz respeito aos porta-objetos espalhados na cabine, houve um ganho de 30% em relação à geração anterior. Destaque para o nicho localizado acima da tampa do porta-luvas que pode acomodar uma máquina para cartões de crédito ou outra ferramenta de trabalho.

A Fiat Strada Cabine Plus oferece duas versões de acabamento: Endurance e Freedom.

Motores – Quando se fala em trabalho utilizando uma picape, o consumidor fica atento à motorização oferecida. No caso da Nova Fiat Strada, são duas opções: 1.4 Fire e 1.3 Firefly. Os dois são os únicos do segmento que contam com o selo A de consumo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

O motor 1.4 Fire gera potência de 88 cv a 5.750 rpm (etanol) e 85 cv a 5.750 rpm (gasolina). Seu torque é de 12,4 kgfm com gasolina e 12,5 kgfm com etanol, ambos a 3.500 rpm.

Na média, seu consumo é o seguinte: Cidade – 11,8 km/l (gasolina) e 8,3 km/l (etanol); Rodovia – 12,4 km/l (gasolina) e 8,9 km/l (etanol).

O motor 1.3 Firefly é uma evolução do Fire. Ele conta com quatro cilindros e oferece 109 cv de potência a 6.250 rpm e 14,2 kgfm de torque (etanol). Com gasolina, são 101 cv a 6.000 rpm e torque de 13,7 kgfm a 3.500 rpm. Interessante ressaltar, também, sua autonomia de 725 km.

Consumo do motor Firefly: Cidade – 12,8 km/l (gasolina) e 9 km/l (etanol); Rodovia – 14,2 km/l (gasolina) e 9,8 km/l (etanol).

Equipamentos de Série – É importante destacar que, nos dias de hoje, mesmo que o veículo seja mais voltado para o uso no trabalho, o consumidor não abre mão de alguns recursos tecnológicos (inclusive os de segurança) e de conveniência. Ou seja, ele não se contenta mais com um carro “pelado”, o conhecido “pé de boi”.

De olho nessa tendência, a FCA trouxe uma Nova Fiat Strada bem equipada desde as versões de entrada. Todas elas contam com: airbags frontais, freios ABS, controle de estabilidade, controle de tração, assistente de partida em rampas (Hill Holder), luzes de condução diurnas, ar-condicionado, volante com regulagem de altura, computador de bordo, iluminação da caçamba, grade de proteção do vidro traseiro, entre outros.

Inclusive, devido à boa relação Preço X Conteúdo, Felipe Deamon destaca que muitos clientes estão partindo para a versão intermediária Freedom. Deamon também faz questão de lembrar as dimensões da nova picape: “A Nova Fiat Strada traz entre-eixos superior à antiga geração, o maior comprimento da categoria, ganhou em largura e em altura. Ou seja, ela está maior, mais alta e mais robusta”.

Nova Fiat Strada Freedom Cabine Plus 1.3 Firefly

Falando em números, vamos a eles, com destaque para a altura mínima do solo e para os ângulos de entrada e saída, que permitem ultrapassar obstáculos com mais facilidade e segurança:

Nova Fiat Strada Cabine Plus: comprimento – 4,48 metros; largura – 1,73 metro; altura – 1,61 metro; distância entre-eixos – 2,74 metros; altura mínima do solo – 208 mm; ângulo de entrada – 23,4°; ângulo de saída – 26,7° e ângulo de rampa – 20,8°. O tanque de combustível tem capacidade para 55 litros.

Nova Fiat Strada Cabine Dupla: comprimento – 4,48 metros; largura – 1,73 metro; altura – 1,60 metro; distância entre-eixos – 2,74 metros; altura mínima do solo – 212 mm; ângulo de entrada – 23,7°; ângulo de saída – 26,5°; ângulo de rampa – 20,9°. O tanque de combustível tem capacidade para 55 litros.

Cabine Dupla – Outra novidade da linha 2021 da Fiat Strada é a nova carroceria com cabine dupla. Com esse grande diferencial, e sua versatilidade, a nova picape está atraindo consumidores de outros segmentos.

Afinal, a ampla gama de versões com a inédita cabine dupla de quatro portas, e única na categoria para cinco ocupantes, faz da picape a melhor opção para atender múltiplos usos, seja para o trabalho, seja para o lazer.

Nova Fiat Strada Volcano Cabine Dupla 1.3 Firefly

As versões com cabine dupla possuem capacidade volumétrica para 844 litros. A capacidade de carga é de até 650 kg.

Com essa carroceria, a Fiat Strada pode contar com alguns itens a mais de segurança e tecnologia, de série ou como opcionais. Vale destacar os airbags laterais, que são de série em todas as versões com cabine dupla, aumentando a segurança para os passageiros.

A Fiat Strada Cabine Dupla é equipada com direção elétrica progressiva e, na versão de topo Volcano, com faróis em LED e a nova central multimídia Uconnect 7”, que apresenta tela sensível ao toque de sete polegadas e traz recursos como Apple CarPlay e Android Auto com projeção sem fio (wireless).

A tela é personalizável e apresenta os controles de todas as funções da picape. O multimídia oferece, ainda, a possibilidade de parear até dois smartphones.

Ele traz diversas funções, como: navegação via Waze e Google Maps; música (Streaming | MP3); reconhecimento de voz (Siri | Google Voice); leitura e resposta de mensagem handsfree para SMS e WhatsApp e integração com calendário.

Além disso, a picape chega com controle de tração avançado E-Locker (TC+) de série em todas as versões. Esse sistema é voltado para situações de off-road leve e auxilia em manobras quando o veículo que se encontra em terreno escorregadio e com a roda patinando.

O E-Locker funciona transferindo mais torque para a roda com maior aderência, fazendo com que a picape vença os obstáculos. A função, acionada através do botão TC+, é desativada automaticamente a partir de 65 km/h.

A Fiat Strada Cabine Dupla oferece três versões de acabamento: Endurance, Freedom e Volcano.

A Nova Fiat Strada conta com três anos de garantia, tendo o cliente a opção de adquirir um dos planos da Garantia Adicional Fiat de 12 ou 24 meses, para chegar a até 5 anos de cobertura.

Nas versões com motor 1.3, o valor das três primeiras revisões é de R$ 1.284, 27,3% mais baixo que o da principal concorrente, informou Felipe Daemon. “Quando se analisa o trio de revisões iniciais das versões com propulsor 1.4, o custo total é de R$ 1.336, 22% a menos do que na mesma rival em versão equivalente”, disse o gerente de Veículos Comerciais da FCA.

Por fim, Daemon faz questão de ressaltar que a Nova Fiat Strada manteve os mesmos preços praticados na geração anterior.

A Fiat Strada, desde a concepção de sua primeira geração, é um veículo que encontrou o equilíbrio entre robustez, conforto, acessórios e baixos custos de manutenção para o proprietário, apresentando um ótimo custo-benefício. A nova geração evoluiu em todos esses quesitos.

Investimentos – A FCA está vivendo um ciclo de investimentos na planta de Betim (MG). Para tanto, houve o aporte de R$ 8,5 bilhões. Este montante foi utilizado na modernização do Polo Automotivo Fiat, bem como no desenvolvimento da nova Fiat Strada, além de outros dois modelos que chegarão ao mercado no ano que vem.

A planta de Betim também passa a contar com novas áreas instaladas: Hub FCA, Safety Center, Design Center, Virtual Center e de transformação digital.

Não menos importante, o valor engloba a capacitação permanente dos colaboradores do Polo Automotivo Fiat.

NovaFiatStradaVolcanoCD33

NovaFiatStradaVolcanoCD_externas2Fotos: Fiat Chrysler Automóveis (FCA) / Divulgação

Nova Fiat Strada – Versões e Preços:

Endurance Cabine Plus 1.4 Fire (manual) – R$ 63,59 mil

Endurance Cabine Dupla 1.4 Fire (manual) – R$ 74,99 mil

Freedom Cabine Plus 1.3 Firefly (manual) – R$ 69,49 mil

Freedom Cabine Dupla 1.3 Firefly (manual) – R$ 77,99 mil

Volcano Cabine Dupla 1.3 Firefly (manual) – R$ 79,99 mil

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Fiat apresenta linha 2021 do Argo

Da Redação

FiatArgoDrive13dianteira_2

Após ultrapassar a marca de 200 mil unidades vendidas no mercado brasileiro, a Fiat começou a distribuir a toda sua rede de concessionárias a linha 2021 do Argo.

O hatch recebu o novo logo da marca e a Fiat Flag (bandeira da Itália estilizada em 4 barras) na grade frontal, que fizeram sua estreia na nova Strada. A nova logomarca também estampa o centro da nova calota na versão de entrada e nas rodas de alumínio.

Obviamente, essa logo nova ocupa todos os lugares nos quais a antiga estava presente, como no centro do volante, no cluster e na tela de boas-vindas da central multimídia UConnect de 7 polegadas, que passou a ser equipamento de série desde a versão Drive 1.0. Já a Fiat Flag também está presente no revestimento do câmbio.

Os propulsores Firefly 1.0 e 1.3 equipam as versões do modelo e ambos têm nota A no Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular. O 1.0 conta com 3 cilindros, 77 cv e 10,9 kgmf de torque com etanol. Já o 1.3 traz 4 cilindros, 109 cv e 14,2 kgmf de torque (etanol).

A versão esportiva HGT é equipada com o motor 1.8 de 139 cv a 5.750 rpm e torque máximo de 19,3 kgfm a 3.750 rpm (ambos com etanol). Segundo a Fiat, a versão HGT pode levar o Argo aos 192 km/h de velocidade máxima, com aceleração de zero a 100 km/h em 9,2 segundos. O câmbio é automático de 6 marchas.

FiatArgoSDesignlateral

Novidade – Vale destacar a inclusão da série S-Design, disponível para a versão Drive nas motorizações 1.0 e 1.3. Ela confere um acabamento exclusivo que potencializa a esportividade.

No exterior há nova calota com pintura shadow (1.0) e rodas de liga leve de 15 polegadas com a mesma pintura (1.3). O retrovisor elétrico e o spoiler são pintados em preto, há faróis de neblina, friso lateral em dark chrome e badge S-Design, que reforça a exclusividade da série.

O interior escurecido conta com ar-condicionado digital, controles de tração e estabilidade, hill holder, logos escurecidos e chave Keyless Entry n’ Go (abertura das portas sem o uso da chave e ignição por botão de partida). O preço da série S-Design não foi divulgado.

Confira como ficou a linha 2021 do hatch com principais itens de série, kits e preços:

Fiat Argo 1.0 – R$ 53,99 mil

Versão de entrada para a família Argo traz: direção elétrica, ar-condicionado, vidros elétricos dianteiros, alarme antifurto e travas elétricas, chave canivete com telecomando para abertura de portas, gancho universal para fixação cadeira criança (Isofix) e volante com regulagem de altura.

O modelo recebeu calotas com novo design e um pacote de opcionais com predisposição para som com antena, dois alto-falantes dianteiros e traseiros e dois tweeters, além de limpador e desembaçador do vidro traseiro.

Fiat Argo Drive 1.0 – R$ 58,89 mil

Apresenta os mesmos itens da versão anterior com o acréscimo de: banco do motorista com regulagem de altura, desembaçador temporizado e limpador com intermitência do vidro traseiro, além de maçanetas e retrovisores na cor do veículo.

A linha 2021 recebeu novas calotas e a central multimídia UConnect de 7” com volante multifuncional e entrada USB traseira.

Estão disponíveis, como opcionais, o pacote Plus (espelhos retrovisores elétricos, vidros traseiros elétricos e sensor de estacionamento traseiro), a série S-Design, que acrescenta aos itens do Plus sensor de pressão dos pneus, e a pintura bicolor da carroceria para maior personalização do modelo.

Fiat Argo Drive 1.3 – R$ 61,99 mil

Além dos equipamentos presentes na versão Drive 1.0, apresenta faróis com LED Design e sistema de monitoramento de pressão dos pneus. Na linha 2021, a versão foi equipada, além da central multimídia UConnect de 7” com volante multifuncional e da entrada USB traseira, com itens de série como retrovisores e vidros elétricos e sensor de estacionamento traseiro.

A série S-Design também está disponível, assim como a pintura bicolor da carroceria.

FiatArgoTrekking18dianteira_1

Fiat Argo Trekking 1.3 – R$ 64,99 mil

O Argo Trekking 2021 apresenta novos adesivos alusivos à versão no capô, na lateral inferior e na traseira. O veículo tem suspensão elevada e vão livre de 210 mm, sendo 40 mm mais alta em relação à versão Drive 1.3. Ela traz, ainda, pneus com banda de rodagem para uso misto.

De acordo com a Fiat, é o único do segmento com teto bicolor de série. Traz, ainda, barras no teto pintadas em preto, assim como os retrovisores e aerofólio. Há também faróis com design em LED, moldura da caixa de rodas e do para-choque traseiro na parte inferior, logomarca da Fiat em cromo escurecido na traseira e ponteira de escapamento trapezoidal com cor exclusiva.

Por dentro, conta com bancos com tecido escuro e costura laranja, textura quadriculada e o logotipo Trekking bordado. Além disso, o logo Fiat do volante é escurecido, assim como a peça central do painel e a moldura do console central. As saídas de ar são cromadas.

A versão traz, de série, os itens da Drive 1.3 e acrescenta controles de tração e estabilidade (ESC), além de hill holder. Como pacotes opcionais, oferece o kit Plus (rodas de liga leve de 15 polegadas exclusivas e câmera de ré) e o kit Full (Plus + Keyless Entry n’ Go e ar-condicionado digital automático).

Fiat Argo Trekking 1.8 AT – R$ 69,99 mil

Além de contar com os equipamentos de série da versão Trekking 1.3, como ESC, hill holder e controle de tração, a versão é equipada com rodas de liga leve de 15 polegadas com acabamento escurecido.

A versão oferece os pacotes Plus (câmera de ré, Keyless Entry n’ Go e ar-condicionado digital automático) e Full (Plus + rebatimento elétrico dos retrovisores, quadro de instrumentos em TFT 7 polegadas colorido, bancos em material sintético que imita o couro bipartido com apoia braço dianteiro, sensores de chuva e crepuscular, além de retrovisor interno eletrocrômico).

HGT18traseira

Fiat Argo HGT 1.8 AT – R$ 74,99 mil

Para a linha 2021, a versão recebeu como equipamento de série quadro de instrumento digital TFT de 7 polegadas, volante em couro e apoia-braço dianteiro.

A versão conta com novas rodas esportivas de 17 polegadas pintadas de preto, aerofólio traseiro e capa dos retrovisores com pintura exclusiva na cor cinza, escapamento traseiro esportivo, grade inferior dianteira com aplique na cor vermelha, para-choque traseiro com moldura inferior exclusiva, suspensão com calibração esportiva, faróis de neblina e moldura nas caixas de roda.

Como opcionais, conta com os kits Full (Keyless Entry n’ Go, retrovisores externos com rebatimento elétrico, ar-condicionado digital, câmera de ré, sensor de chuva crepuscular, retrovisor interno eletrocrômico, sobretapetes, piloto automático e câmbio tipo borboleta com trocas de marchas atrás do volante); bancos em material sintético que imita o couro; side bags dianteiros e pintura bicolor.

HGT18interior_3

HGT18dianteiraFotos: Fiat Chrysler Automóveis (FCA) / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Transações de veículos usados crescem 10,44% em agosto

Da Redação

Segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), as transações de veículos usados, considerando todos os segmentos automotivos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos), apresentaram crescimento de 10,44% em agosto, na comparação com o mês anterior, totalizando 1.258.743 unidades, contra 1.139.802, em julho.

Na comparação com agosto de 2019, quando foram transacionados 1.304.539 veículos, houve retração de 3,51%.

No acumulado do ano, entre janeiro e agosto de 2020, o mercado de veículos usados apresentou retração de 27,05% ante o mesmo período de 2019.

Automóveis e comerciais leves

As transferências de automóveis e comerciais leves usados apresentaram alta de 9,98% em agosto, na comparação com julho, somando 917.259 unidades, contra 834.031 em julho.

Na comparação com agosto de 2019, houve queda de 7% nas transações destes veículos. No acumulado de 2020, este mercado retraiu 28,38% sobre o mesmo período de 2019.

Entre os automóveis e comerciais leves transacionados, os modelos de um a três anos de fabricação representaram 14,19% do total negociado em agosto, e 12,58% do acumulado do ano.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, a melhora do crédito é um dos componentes que têm ajudado na recuperação do Setor.

“Alguns fatores contribuíram para o aumento das transações de usados no mês passado, como a manutenção da taxa Selic em um nível baixo e a melhora dos índices de inadimplência, o que refletiu nas aprovações cadastrais para financiamentos de veículos, tanto de novos como de usados”, comentou Assumpção Júnior.

unnamed12

Tabela: Fenabrave

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Peugeot lança o novo 208 com muita tecnologia, mas sem o motor turbo

Da Redação

PEUGEOT_208_2019_140_FR

A série 200 representa um “número sagrado” para a Peugeot. Afinal, ela reúne modelos como os 205 e 206, que fizeram sucesso ao longo dos anos nos mercados por onde passaram.

Com eles, a Marca escreveu importantes capítulos da história do automóvel e conquistou fãs pelo mundo: foram mais de 20 milhões de unidades vendidas.

Assim, a chegada do novo Peugeot 208 não só simboliza mais um grande marco dentro da série 200, como também coroa a bem-sucedida trajetória de 210 anos da Peugeot.

O novo Peugeot 208 tem no estilo um de seus pontos mais fortes, com um design que inaugura a nova identidade mundial da marca no Brasil. Sua carroceria encorpada é mais longa, mais larga e mais baixa que a do antecessor, apresentando as seguintes dimensões: 4,06 metros de comprimento, 1,74 metro de largura, 1,45 metro de altura e entre-eixos de 2,54 metros.

PEUGEOT_208_2019_132_FR

Seguindo uma das principais características da marca, a dianteira do modelo é imediatamente identificável. Ela associa elementos da nova assinatura visual Peugeot na parte inferior e um “olhar felino” ressaltado pela iluminação com faróis full LED.

O desenho do para-choque dianteiro é composto por uma linha única e uma ampla grade integrada, que passa a ostentar o logotipo ao centro. Já o nome do modelo está posicionado na extremidade frontal do capô.

A traseira é caracterizada por um acabamento em black piano, que se estende por toda a largura da tampa do porta-malas, unindo as lanternas – também dotadas de elementos luminosos na forma de três “garras”, em harmonia com o estilo frontal.

Lançado para produção com o Peugeot 208, no início de 2012, o primeiro i- Cockpit foi revelado em 2010 no carro-conceito SR1.

PEUGEOT_208_2019_126_FR

Mais uma vez por meio do 208, mas agora tendo como base a segunda geração do modelo, a Peugeot traz ao mercado uma nova geração do seu moderno painel.

Batizada como i-Cockpit 3D, a evolução do conceito adiciona o primeiro cluster em três dimensões, complementada pelo volante Sport Drive, de dimensões reduzidas e base achatada, painel de instrumentos elevado, central multimídia touchscreen de 7 polegadas com Google Android Auto e Apple CarPlay, e a série de teclas de “alternância”, que permitem acesso direto às principais funções do veículo.

O novo cluster dispõe de tecnologia holográfica em 3D, para que algumas informações sobre a condução do veículo sejam projetadas em destaque, mais à frente do visor principal.

Há a possibilidade de criar e salvar dois modos de visualização, o que permite a personalização do painel àqueles que fazem uso compartilhado do carro. Conta-giros, mídia em reprodução ou detector de fadiga: quem escolhe a informação exibida com maior destaque é o motorista.

PEUGEOT_208_2019_189_FR_a

O novo 208 é fabricado no centro de produção de Palomar, na Argentina, e marca a estreia da produção de hatches na plataforma CMP (Common Modular Platform), uma das mais modernas do Groupe PSA.

O uso da plataforma CMP faz com que o novo 208 ofereça aos consumidores brasileiros um modelo com robustez, confiabilidade, melhor conforto acústico e térmico, nível de vibração reduzido e melhores índices de consumo (em função de menores peso e resistência aerodinâmica).

É ela também a responsável pela introdução de inovações tecnológicas de assistência à direção, segurança e comodidade do Peugeot Driver Assist, que reúne os seguintes sistemas:

Alerta de colisão: alerta o condutor em caso de risco de colisão com o veículo à frente, ou com um pedestre atravessando a rua. Dependendo do risco detectado e do nível de alerta configurado pelo condutor, diferentes tipos de avisos podem ser acionados e exibidos no painel de instrumentos:

Nível 1: alerta visual apenas, indicando que o veículo à frente está muito próximo. Uma mensagem recomenda, então, atenção enquanto a área ao redor do veículo é exibida;

Nível 2: alerta visual e sonoro indicando uma colisão iminente. Uma mensagem avisando para frear é exibida.

P21_MSC_INT_CAM_MOTORISTA_IN_N2_ACTIVE

Frenagem de Emergência: o sistema automático de frenagem de emergência entra em ação para reduzir a velocidade de impacto ou evitar uma colisão frontal do veículo, caso o motorista não consiga reagir. Com uma câmera localizada na posição superior do para-brisa, essa função detecta obstáculos – como outro carro rodando na mesma direção ou estacionado – atuando no sistema de frenagem do veículo.

Em velocidades entre 5 km/h e 85 km/h, o sensor ativa a frenagem automaticamente ao detectar um risco de colisão. A velocidade do veículo não deverá exceder 80 km/h quando for detectado um veículo parado, e 60 km/h quando se tratar de um pedestre.

Alerta e correção de mudança de faixa: O veículo é equipado com uma câmera na parte superior do para-brisas, que reconhece as linhas (contínuas ou seccionadas) da estrada e alerta o condutor no caso de ultrapassagem involuntária de uma marcação longitudinal no solo das vias de circulação.

Para a total segurança da condução, a câmera analisa a imagem antes de acionar um alerta, no caso de queda de atenção do condutor, a uma velocidade superior a 60 km/h. Caso seja detectado um desvio da direção, o condutor é alertado por um alarme sonoro e também visual, no painel de instrumentos.

PEUGEOT_208_2019_303_FR_N2_ACTIVE_PT_CORRIGIDA

O Alerta de Ultrapassagem de Linha também corrige a trajetória do veículo: assim que o sistema identifica um risco de ultrapassagem involuntária de uma das linhas de marcação detectadas no solo, a direção é progressivamente corrigida para manter o veículo na sua faixa.

 Condições de funcionamento:

. A velocidade do veículo deve estar entre 65 km/h e 180 km/h;

. A pista deve ter no mínimo uma linha de marcação no solo (contínua ou descontínua) e a correção é efetuada apenas no lado em que a linha for detectada;

. As duas mãos do condutor devem estar no volante;

. A seta indicadora de direção não deve estar ativa;

. O sistema ESC deve estar ativado.

Se desejar manter a trajetória do veículo, o condutor pode impedir a correção mantendo com firmeza o volante. A correção também será interrompida se as setas indicadoras de direção forem ativadas (caso as setas indicadoras de direção estejam ativas e durante vários segundos depois de serem desligadas, o sistema considera que qualquer mudança de trajetória é deliberada e não aciona nenhuma correção).

Auxílio de farol alto: a câmera de vídeo situada no alto do para-brisas faz a análise das fontes luminosas, e o sistema alterna, automaticamente, entre luz alta e luz baixa, dependendo das condições do trânsito e de iluminação. Ele otimiza o tempo de circulação em luz alta, para maior segurança. Para ativar/desativar essa função, basta fazer a escolha por meio do menu Condução na tela sensível ao toque – o status é memorizado quando a ignição é desligada.

PEUGEOT_208_2019_634_UK

Reconhecimento de placas de velocidade: a câmera de vídeo situada no alto do para-brisas efetua a leitura das placas de limitação da velocidade. O sistema detecta e lê as placas de limite de velocidade e as exibe no painel de instrumentos (o sistema também utiliza as informações sobre limites de velocidade contidas nos mapas do sistema de navegação).

O limite de velocidade exibido no painel de instrumentos é atualizado quando o veículo passa por uma placa destinada a automóveis (veículos leves) – os limites de velocidade específicos, como aqueles destinados a veículos pesados de carga, não são exibidos.

O limite de velocidade recomendado completa a função: o condutor pode optar por adaptar a regulagem da velocidade do veículo em função do limite de velocidade lido pela câmera, pressionando o botão MEM do comando do regulador/limitador de velocidade – uma pressão registra a velocidade recomendada, e uma nova pressão confirma a nova regulagem da velocidade.

Carregamento de smartphone wireless: a recarga sem fio do smartphone é um recurso inteligente de alta praticidade no dia-a-dia. Por meio de indução magnética, a energia carrega a bateria de celulares, bastando que estes sejam compatíveis com o padrão Qi 1.1 em sua concepção original, ou mediante o uso de um “estojo” de compatibilidade.

PEUGEOT_208_2019_127_FR

A operação é simples: basta posicionar o smartphone compatível na área de recarga (de preferência no centro). Assim que detectado, a recarga da bateria se inicia.

O novo 208 chega ao mercado brasileiro em quatro versões de acabamento: Active, Active Pack, Allure e Griffe. Confira, abaixo, as versões e principais equipamentos:

Peugeot Active 1.6 | Câmbio automático AT6

R$ 74,99 mil

Grade frontal cromada

DRL em LED

Rodas de liga leve de 16 polegadas Kenobi

Faixa traseira em preto brilhante

Comandos do volante com contorno em preto brilhante

Toggle Switches com contorno dos botões cromados

Abertura de portas interno

Peugeot 208 Active 1.6 | Câmbio automático AT6 + PACK

R$ 82,49 mil

Todo o conteúdo da versão anterior acrescido de:

Teto de vidro panorâmico

Ar condicionado digital

Câmera de estacionamento traseira

Peugeot 208 Allure 1.6 | Câmbio automático AT6

R$ 89,49 mil

Todo o conteúdo da versão anterior acrescido de:

Rodas de liga leve de 16 polegadas diamantadas Kenobi

Escapamento cromado

Ar condicionado automático digital

Peugeot i-Cockpit 3D

Volante multifuncional em couro

Bancos em Alcantara

Apoio de braço para o condutor

Carregador de smartphone por indução

Painel de bordo com acabamento Slush

Chave keyless (presencial) com comandos de abertura das portas e porta-malas e partida do motor pelo botão Start/Stop

Airbags de cortina

PEUGEOT_208_2019_011_FR

Peugeot 208 Griffe 1.6 | Câmbio automático AT6

R$ 94,99 mil

Todo o conteúdo da versão anterior acrescido de:

Faróis Full LED

Capa dos retrovisores em preto brilhante

Aerofólio traseiro em preto brilhante

VisioPark 180°

Sensor de chuva

Sensor crepuscular

Sensor de estacionamento traseiro

Alerta de Colisão

Frenagem de Emergência Automática

Alerta e correção de mudança de Faixa

Auxílio de Farol Alto

Sistema de Reconhecimento de Placas de velocidade

Todas as versões são equipadas com o motor 1.6 16V Flex, que desenvolve 118 cv de potência e 151,8 Nm de torque, sempre associado a uma transmissão automática sequencial de 6 marchas. O motorista tem à sua disposição os modos Eco e Sport do câmbio.

PEUGEOT_208_2019_599_FR

Em Eco, as trocas de marcha são feitas de maneira antecipada em relação à operação normal, resultando em maior economia de combustível e em um nível de conforto acústico ainda mais acentuado.

Já o modo Sport é o mais indicado para situações nas quais o motorista busca priorizar a performance, com as trocas de marcha realizadas em rotações mais elevadas do motor. O câmbio oferece, ainda, a possibilidade de mudanças manuais, bastando para isso deslocar lateralmente a alavanca e movê-la para trás ou para frente – realizando, respectivamente, trocas ascendentes ou reduções das marchas.

É no quesito motorização que reside a maior decepção do mercado com o novo 208. Ao contrário da Europa, e remando contra a maré da concorrência, o “nosso” 208 não será equipado com o motor 1.2 Pure Tech, turbo, de 130 cv.

Ou seja, os preços elevados das versões 2021 estão intimamente ligados ao (farto) pacote de tecnologia. Esse conteúdo de segurança é mais do que bem-vindo e a Peugeot acertou nesse ponto. Mas, pelo preço, o 208 vendido aqui merecia, ao menos, uma versão com motorização turbo. Vamos aguardar para ver como o mercado reagirá.

Disponível nas cores branco Banquise (sólida), branco Nacré (perolizada) e nas metálicas cinza Aluminium, preto Perla Nera e azul Quasar, o novo Peugeot 208 chega com 3 anos de garantia sem limite de quilometragem e revisões com preços fixos.

PEUGEOT_208_2019_002_FR_1

Peugeot 208 e-GT:

A versão elétrica do novo 208, importada da Europa, ainda não teve o preço divulgado pela Peugeot.

Segundo a fabricante, o 208 e-GT faz de 0 a 100 km/h em 8,3 segundos, tem motor com 260 Nm de torque imediatos e 136 cv de potência (100 kW).

Há três modos de condução disponíveis. O modo eco tem como foco a otimização da autonomia; já o drive é indicado para garantir o conforto ideal nos deslocamentos do dia a dia, enquanto o sport prioriza o desempenho, utilizando-se da potência e torque máximos.

O modelo também oferece dois modos de frenagem distintos, selecionados por meio da alavanca de câmbio e com tipologias de regeneração de bateria adaptadas: moderado, para sensações semelhantes às de um veículo a combustão, e aumentado, para uma desaceleração controlada pelo pedal do acelerador.

O espaço e o volume do porta-malas são idênticos aos da versão a combustão (265 litros), levando em conta que as baterias, com volume de 220 litros, encontram-se debaixo do piso do veículo.

PEUGEOT_208_1902HM_101Fotos: Peugeot / Divulgação

Já o sistema de suspensão do 208 e-GT conta com regulagem e soluções técnicas específicas, com repartição de peso otimizada.

O 208 e-GT pode ser carregado em tomadas convencionais do tipo residenciais ou carregadores rápidos, como os encontrados em estações de recarga. Dependendo no nível de carga e do carregador utilizado, é possível carregar 80% da bateria em apenas 30 minutos.

Para rodar com plena segurança no Brasil, o time local de engenharia da marca aplicou um pacote de alterações com reforços específicos para as nossas condições topográficas, climáticas e, principalmente, de pavimentação.

O pacote inclui a aplicação de chapas metálicas de proteção em toda a região do assoalho e também na área abaixo do cofre. As bandejas de suspensão também ganharam reforços. Os pneus do seguem com as mesmas medidas, mas passam a ser do tipo Classe C, mais reforçados.

Nem mesmo o sistema de fixação da bateria de 12 volts escapou: ele também foi adaptado para garantir um funcionamento perfeito e seguro em nosso País.

O conforto também foi considerado e, assim, o sistema de climatização sofreu ajustes para obtenção do máximo desempenho térmico mesmo em situações de elevada temperatura ambiente.

Quem comprar um Peugeot 208 e-GT receberá um sistema de recarga das baterias da unidade de potência desenvolvido especificamente para recargas em tomadas convencionais, como as encontradas em nossas casas.

Este conjunto foi completamente concebido no Brasil, considerando todo o espectro técnico local, como padrão das tomadas, tensão e frequência da rede.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Jeep Wagoneer retorna celebrando o renascimento de um ícone norte-americano

Da Redação

Grand Wagoneer Concept

O novo Grand Wagoneer Concept, apresentado nessa semana em Detroit (Estados Unidos), marca o renascimento de um ícone norte-americano e antecipa a visão moderna do próximo SUV premium da Jeep.

A estreia do sofisticado Grand Wagoneer Concept posiciona o lendário nome Wagoneer como a extensão premium da marca Jeep.

“Nosso Grand Wagoneer Concept é o primeiro passo para o renascimento do Wagoneer, um genuíno ícone norte-americano. Com a eletrificação chegando a todos os modelos da Jeep nos próximos anos e a reintrodução do Wagoneer, cresceremos rapidamente em novos segmentos e espaços premium”, disse Christian Meunier, presidente global da marca Jeep.

“O Wagoneer está inquestionavelmente ligado às raízes da lendária marca Jeep e seu legado incomparável de capacidade, autenticidade e liberdade. Seu retorno nos permite entrar totalmente nos segmentos premium com novos níveis de design e recursos sofisticados de segurança e tecnologia”, acrescentou Meunier.

jeep-grand-wagoneer-concept-2020

“À medida que os veículos Jeep trazem capacidade, eficiência e desempenho para o mercado de SUVs, o Wagoneer se tornará uma luxuosa família de veículos que mais uma vez redefinirá o conceito american premium para se tornar o auge da sofisticação, autenticidade e mobilidade moderna”.

O Grand Wagoneer Concept conta com tecnologia de ponta, incluindo um sistema de propulsão eletrificado, sofisticados sistemas off-road 4×4 e uma seleção de interiores luxuosos, incluindo o primeiro display para passageiros em um SUV.

“Por mais de um quarto de século, os primeiros Wagoneer e Grand Wagoneer desenvolveram um novo segmento para o consumidor norte-americano. O novo Grand Wagoneer Concept é a interpretação moderna de um ícone atemporal que antecipa nossa recriação do SUV premium de referência”, disse Meunier.

Nascido nos Estados Unidos, em 1962 como um modelo de 1963, o Wagoneer foi o precursor do SUV moderno ao se tornar o primeiro veículo com sistema de tração nas quatro rodas acoplado a uma transmissão automática.

Grand Wagoneer Concept

Duas décadas depois, o Grand Wagoneer de 1984 simbolizou o nascimento do SUV premium, oferecendo aos compradores uma combinação de itens de série que incluíam estofamento de couro, ar-condicionado, rádio estéreo AM/FM/CB e sistema de isolamento acústico, com um aumento espetacular de potência e torque.

Sempre na vanguarda, esta família de veículos exibia um design artesanal e, ao mesmo tempo, exalava classe, elegância e distinção. Essa fórmula é mantida no novo Grand Wagoneer Concept.

“O Grand Wagoneer original foi o primeiro SUV premium da história, cujo design atemporal combinado com o espírito norte-americano o fez ocupar um lugar especial em muitos corações”, disse Ralph Gilles, head de Design da FCA.

“O Grand Wagoneer Concept é inspirado no original, mas recebe uma interpretação moderna de luxo e liberdade. Procuramos criar um design elegante com uma silhueta imperecível, com inúmeros e marcantes detalhes artesanais que se unem numa imagem integral de presença indiscutível”.

Grand Wagoneer Concept

“O interior do Grand Wagoneer Concept é espaçoso e apresenta materiais premium que acentuam a obsessão de nossa equipe pela atenção aos detalhes e que prestam homenagem ao artesanato puramente norte-americano”, acrescentou Gilles.

“O cockpit totalmente digital utiliza tecnologias de ponta na indústria automotiva que são excepcionalmente bem representadas graças ao uso extensivo de telas e ao uso limitado de botões. Com isso, pretende-se colocar o foco em uma experiência intuitiva e agradável para o motorista e passageiros”.

Com este novo carro conceito, o Grand Wagoneer oferece – pela primeira vez em sua história – uma espaçosa terceira fila de assentos. As versões de produção do Wagoneer e do Grand Wagoneer estão programadas para chegarem às concessionárias nos Estados Unidos no próximo ano e serão produzidas na planta de Warren, no estado do Michigan (EUA), perto do centro de Detroit. Como uma homenagem à fábrica e sede da empresa, o telhado de vidro panorâmico exibe um mapa da cidade e sua área metropolitana.

Segundo a Jeep, quando a versão de produção do Grand Wagoneer chegar ao exterior no próximo ano, terá capacidade líder em sua categoria, cortesia de três sistemas 4×4 disponíveis e a renomada suspensão pneumática Quadra-Lift, dinâmica de direção premium com suspensão dianteira e traseira independentes, capacidade de reboque incomparável, desempenho potente, tecnologia avançada, segurança e conectividade, um novo nível de conforto e o melhor volume de passageiros de seu segmento.

jeep-grand-wagoneer-concept-119-1598973491

Seu impressionante design exterior é dominado pela impactante carroceria em azul claro Artic Ice com as letras do nome Wagoneer iluminadas acima da grade. A equipe de Design criou uma fonte exclusiva.

O design exterior do Grand Wagoneer Concept é ancorado por uma proeminente grade com as sete fendas icônicas da marca Jeep com detalhes em Obsidian Black. Cada espaço acima e entre cada fenda é iluminado para criar um design elusivo de LED, o que contribui para realçar as dimensões do painel frontal. Em ambos os lados estão fixados, ainda, projetores de LED bifuncionais em madeira de teca genuína.

O SUV traz rodas de alumínio com acabamento em Obsidian de 24 polegadas e vários raios, com elementos impressos em 3D logo abaixo dos icônicos arcos das rodas trapezoidais. Uma tampa de roda de três peças apresenta o logotipo Wagoneer suspenso em acrílico.

No terço inferior de ambas as portas dianteiras está o nome Gran Wagoneer gravado com letras de alumínio e detalhes em cobre. Uma bandeira norte-americana envolve as letras e homenageia o país de origem da marca.

Grand Wagoneer Concept

As luzes em LED envolvem a traseira do veículo e criam uma forma sólida e uma imagem mais sofisticada que reforça a declaração estética deste conceito. Um difusor sutil está localizado sob a porta traseira para melhorar a aerodinâmica do veículo.

Um amplo teto panorâmico fornece luz natural abundante a todos os ocupantes e expande visualmente o espaço interior do veículo. Ele é rodeado por dois trilhos com quatro laços duplos de madeira de teca e uma moldura de bronze.

Essa madeira transcende o uso quase exclusivo em iates e em propriedades extravagantes e hoje é a material premium escolhida por designers de muitos setores diferentes.

Fazendo jus ao seu nome, o Grand Wagoneer Concept oferece um interior enorme para sete pessoas graças às suas duas primeiras filas confortáveis ​​com assentos independentes e uma terceira fila de bancos para três passageiros (pela primeira vez em um Grand Wagoneer).

Grand Wagoneer Concept

A amplitude do espaço interior é realçada por grandes janelas que lembram uma estufa, uma característica que distinguia o Grand Wagoneer original e que a Jeep traz de volta para esta interpretação moderna.

A grande maioria das características do interior homenageia a rica história do Grand Wagoneer, como o volante de dois raios. A abertura da porta do motorista revela uma inscrição na borda externa do painel de instrumentos – EST. 1963 – que presta homenagem ao primeiro Wagoneer de produção.

Dentro da cabine, uma lâmina de vidro ônix atravessa todo o painel de instrumentos para destacar com elegância a amplitude da cabine. O vidro é um material sustentável e totalmente reciclável que oferece benefícios ambientais e é feito a partir de uma abundante matéria-prima natural.

Esta tira de vidro ônix parece flutuar em uma placa estrutural de alumínio bruto, o mesmo material usado para os alto-falantes das portas, a alavanca de câmbio e os contornos das aberturas.

Grand Wagoneer Concept

Ele também apresenta em todo o painel de instrumentos e nas portas dianteiras um 3D de madeira de sicômoro tratada termicamente e a palavra Grand Wagoneer inscrita em alumínio no painel de instrumentos do lado do passageiro.

Abaixo da placa de alumínio estrutural, o console central emerge, adicionando um elemento de design fluido à espaçosa cabine.

Todo o espaço do painel de instrumentos é praticamente ocupado pelas 45 polegadas das quatro telas que cumprem várias funções de ajuda e informação.

Uma primeira tela de 12,3 polegadas, atrás do volante, projeta dados importantes para o motorista. Uma segunda tela touch de 12,1 polegadas, no console central, horizontal permite gerir o sistema de infoentretenimento, enquanto uma terceira tela de 10,25 polegadas, localizada por baixo da anterior e separada deste pela placa de aço estrutural, serve como elemento de conforto. Além disso, o copiloto tem à disposição uma quarta tela de 10,25 polegadas.

2021-jeep-grand-wagoneer-screens

A segunda fila de assentos também tem mais 30 polegadas de três novas telas: uma de conforto de 10,25 polegadas, localizada no console central entre os dois assentos, e outras duas de entretenimento, de 10,1 polegadas cada, para os dois passageiros da segunda fileira.

O sistema Uconnect 5 oferece velocidades operacionais 5 vezes mais rápidas do que a geração anterior. Possui mais conectividade e mais conteúdo, é mais prático e agrega mais possibilidade de customização. Além disso, o sistema operacional Android do Uconnect 5 estabelece as bases para acessar uma ampla gama de aplicativos que respondem imediatamente às crescentes demandas em termos de experiência do usuário.

O Grand Wagoneer Concept apresenta o único sistema de áudio para veículos fabricado pela McIntosh. A histórica marca de luxo americana, conhecida por seus famosos sistemas de som doméstico, oferece um conjunto com 23 alto-falantes feitos sob medida para este conceito e conectados a um amplificador de 24 canais que, juntos, proporcionam uma experiência auditiva envolvente. Todos os componentes são projetados em alumínio e preto brilhante, fiel à estética dos sistemas McIntosh para o lar.

O Grand Wagoneer apresenta um powertrain elétrico híbrido plug-in (PHEV) em linha com os planos da Jeep de oferecer opções de eletrificação em todos os seus modelos nos próximos anos.

Grand Wagoneer Concept

A eletrificação vai modernizar a Jeep em sua busca para se tornar líder em tecnologia verde premium comprometida com o meio ambiente. Esses veículos serão os Jeep mais eficientes e ecologicamente corretos já feitos e proporcionarão uma experiência de direção tranquila e silenciosa ao ar livre, ao mesmo tempo em que elevam o desempenho, as capacidades off-road e a diversão nas estradas graças ao maior torque e resposta imediata.

A Jeep não informou dados técnicos e de desempenho desse propulsor híbrido.

Nascido nos Estados Unidos em 1962, o Jeep Wagoneer foi o primeiro veículo com tração nas quatro rodas equipado com transmissão automática, tornando-se assim o precursor dos SUVs modernos.

Foi também o primeiro veículo deste tipo a combinar as capacidades de tração integral com uma condução de qualidade de vanguarda, uma aparência elegante e um interior premium.

A suspensão dianteira independente era opcional, enquanto o sistema Quadr-Trac, o primeiro de tração nas quatro rodas permanente, foi introduzido em 1973.

A estreia do Grand Wagoneer em 1984 significou o surgimento do SUV premium ou, para os compradores, uma combinação sem precedentes de itens de série que incluíam estofamento de couro, ar condicionado, rádio estéreo AM/FM/CB e isolamento acústico.

0-jeep-grand-wagoneer-uk-may-2020

Considerado “o padrão de ouro do mercado de SUVs”, o Grand Wagoneer usava um V8 de 5.9 litros com grande potência e torque e a melhor capacidade de reboque em seu segmento.

Grand Wagoneer ConceptFotos: Fiat Chrysler Automobiles – FCA / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Honda e General Motors assinam acordo para aliança estratégica na América do Norte

Da Redação

General Motors and Honda announced they have signed a non-bindin

A General Motors e a Honda, após extensas discussões preliminares, anunciaram, hoje, a assinatura de um memorando de entendimento não vinculativo para o estabelecimento de uma aliança automotiva na América do Norte.

O escopo da aliança proposta inclui uma gama de veículos a serem vendidos sob as marcas distintas de cada empresa, bem como cooperação em compras, pesquisa e desenvolvimento, e serviços conectados.

Sob a aliança proposta, Honda e GM irão colaborar em uma variedade de segmentos na América do Norte, com a intenção de compartilhar plataformas de veículos em comum, incluindo sistemas de propulsão eletrificados e de combustão interna, alinhados com as plataformas de veículos. As discussões sobre o planejamento de desenvolvimento conjunto começarão imediatamente, e o trabalho de engenharia começará no início de 2021.

O anúncio é um avanço a partir do acordo assinado entre as empresas, em abril, para desenvolver em conjunto dois veículos elétricos totalmente novos para a Honda utilizando a plataforma EV global altamente flexível da GM movida por baterias Ultium.

A relação GM-Honda, que começou há mais de duas décadas, inclui a recente colaboração entre as empresas em células de combustível, baterias e o veículo autônomo compartilhado Cruise Origin.

“Esta aliança ajudará as duas empresas a acelerar o investimento em futuras inovações em mobilidade, disponibilizando recursos adicionais. Dado nosso forte histórico de colaboração, as empresas perceberam sinergias significativas no desenvolvimento do portfólio atual de veículos”, disse Mark Reuss, presidente da General Motors.

“Por meio dessa nova aliança com a GM, podemos alcançar eficiências de custo substanciais na América do Norte, o que nos permitirá investir em tecnologia de mobilidade futura, enquanto mantemos nossas próprias ofertas de produtos distintos e competitivos. Combinando os pontos fortes de cada empresa e determinando cuidadosamente o que faremos por conta própria e o que faremos em colaboração, nos esforçaremos para construir uma relação ganha-ganha para criar novo valor para nossos clientes. Desta forma, a Honda continuará fazendo progresso constante na solidificação dos nossos negócios existentes, concretizando produtos fortes, com forte capacidade de fabricação e uma forte estrutura de negócios”, disse Seiji Kuraishi, vice-presidente executivo da Honda Motor Co., Ltd.

Aliança para aumentar a escala e melhorar o desempenho por meio do compartilhamento de plataforma

A aliança entre a Honda e a GM na América do Norte alavancará as melhores tecnologias e gerará eficiências de custo substanciais a partir de plataformas de veículos e sistemas de propulsão compartilhados, compras conjuntas, eficiências de fabricação em potencial e outros esforços de colaboração.

Isso permitirá que a GM e a Honda façam maiores investimentos em tecnologias avançadas e de próxima geração. GM e Honda também planejam compartilhar P&D e custos de engenharia para selecionar futuros veículos desenvolvidos conjuntamente e plataformas de propulsão.

Isso criará eficiências substanciais e liberará capital, permitindo que ambas empresas atendam às necessidades crescentes de investimento em várias tendências de mobilidade futuras e oportunidades de crescimento adicionais para as marcas distintas de cada empresa.

Colaboração em compras para aumentar escala e eficiência

A Honda e a GM planejam colaborar em atividades de compras conjuntas para criar mais eficiências de custo, aproveitando a escala, visão e melhores práticas de ambas as empresas. A colaboração em compras será focada na aquisição conjunta de materiais, logística e estratégias de localização.

Cooperação em P&D e serviços conectados para superar as expectativas do consumidor

A introdução de tecnologias avançadas é imperativa, dadas as mudanças nos requisitos regulatórios e desejos dos consumidores. Para enfrentar este desafio de forma eficiente, a aliança irá explorar a combinação dos esforços de P&D entre as duas empresas relacionadas às áreas de tecnologia avançada, incluindo arquitetura elétrica, sistemas avançados de assistência ao motorista, infoentretenimento, conectividade e comunicação de veículo para tudo.

Em abril, as empresas anunciaram que a Honda irá incorporar os serviços de segurança, emergência e serviços conectados do OnStar da GM aos dois veículos elétricos totalmente novos da Honda com base na plataforma EV global da GM, integrando-os com o HondaLink.

Com base nessa colaboração, a GM e a Honda irão explorar novas oportunidades de desenvolvimento conjunto de futuros serviços de conectividade, incluindo o OnStar da GM e infoentretenimento.

Todos os pormenores da aliança serão deliberados por um comitê conjunto, composto por executivos seniores de ambas as empresas.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Emplacamentos de veículos registram alta de 7,35% em agosto

Da Redação

De acordo com dados divulgados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), hoje, as vendas de veículos, considerando todos os segmentos somados (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros) registraram crescimento de 7,35%, em agosto, na comparação com julho deste ano.

No período, foram emplacadas 299.627 unidades, contra 279.105 no mês anterior. Se comparado com agosto de 2019 (347.061 unidades), a retração foi de 13,67%, a menor queda desde o início da pandemia do Coronavírus.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, o resultado é uma mostra de que o mercado se ajusta à nova realidade. “Mesmo com dois dias úteis a menos em agosto (21 dias), em relação a julho (23 dias), os emplacamentos tiveram alta, o que demonstra que o mercado vem retomando patamares mais altos de volume e se ajustando ao ‘novo normal”, analisa.

No acumulado de janeiro a agosto/2020, os 1.804.338 veículos emplacados representam queda de 31,01% sobre o mesmo período de 2019 (2.615.446 unidades).

Com o resultado, o mês de agosto ocupa a 14ª posição do ranking histórico (entre todos os meses de agosto, desde o início da série histórica, em 1957) e o acumulado está na 16ª colocação, na somatória dos meses de janeiro a agosto. “Já estivemos em pior colocação, o que demonstra que, aos poucos, o mercado está se recuperando”, comemorou Assumpção Júnior.

Automóveis e comerciais leves:

Em agosto, o segmento de automóveis e comerciais leves registrou 173.544 emplacamentos, alta de 6,42% em relação a julho (163.075 unidades). Na comparação com agosto de 2019, a queda foi de 24,77%, quando foram emplacados 230.693 veículos. No acumulado de janeiro a agosto (1.099.862 unidades), a retração é de 35,75% sobre o mesmo período de 2019 (1.711.739).

Na avaliação do Assumpção Júnior, uma conjunção de fatores contribuiu para que o mercado de automóveis e comerciais leves reagisse positivamente. “A manutenção da taxa Selic, em níveis baixos, assim como a pandemia, têm estimulado a compra de carros para o transporte individual das pessoas. Além disso, os financiamentos ficaram mais acessíveis. Atualmente, o índice de aprovação cadastral é de quase 7 aprovações para cada 10 avaliações enviadas aos bancos”, explicou.

O mês de agosto de 2020 ficou na 14ª colocação entre todos os meses históricos de agosto, e o acumulado de janeiro a agosto ficou na 17ª colocação histórica.

Caminhões:

Os emplacamentos de caminhões retraíram 15,23%, em agosto (8.072 unidades), na comparação com o mês de julho (9.522 unidades) e, em relação a agosto de 2019 (9.579 unidades), a queda foi de 15,73%.

No acumulado de janeiro a agosto, os resultados de 2020 (55.213 unidades) também seguiram em queda, com retração de 15,63% na comparação com os resultados do mesmo período de 2019 (65.444 unidades).

O mercado de caminhões não foi melhor por conta do entrave na produção, enfrentado pelas montadoras, que sofrem com a falta de componentes importados, resultando em defasagem no segundo turno de trabalho nas fábricas. Com relação ao crédito, há boas ofertas no mercado, com taxas abaixo de 1%, e a aprovação é de 7 fichas para cada 10 solicitações. Com isso, já estamos operando com pedidos para o final do ano, em alguns modelos, principalmente, de extrapesados”, disse o presidente da Fenabrave.

No ranking histórico de caminhões, o mês de agosto/2020 está na 12ª colocação e, entre os acumulados de janeiro a agosto, este ano está na 11ª posição histórica.

Ônibus:

O segmento de ônibus foi bastante afetado pelas quarentenas e muitas empresas de transporte, tanto urbanas quanto rodoviárias, enfrentam dificuldades. O Programa Caminho da Escola, do Governo Federal, foi responsável por boa parte do volume de vendas de agosto, que totalizou 1.777 unidades, contra 1.893 em julho/2020, queda de 6,13%.

Sobre agosto de 2019 (2.709 unidades), esse resultado foi 34,40% menor e, se considerarmos o acumulado de janeiro a agosto/2020 (11.546 unidades), houve queda de 34,05% sobre igual período do ano passado (17.507 unidades).

No ranking histórico, o mês de agosto/2020 está na 13ª colocação e, entre os acumulados de janeiro a agosto, este ano está na 17ª posição histórica.

Motocicletas:

Em agosto, os emplacamentos de motocicletas somaram 95.998 unidades, contra 85.171, em julho, numa expansão de 12,71%. Se comparada a agosto de 2019 (88.651), a alta foi de 8,29%.

“Com a retomada de parte da produção, pelas montadoras, os volumes de emplacamentos vêm crescendo para atender à demanda reprimida. Contudo, ainda permanecem problemas de produção, pela falta de peças e componentes”, explicou Assumpção Júnior, que complementou: “Um fator positivo para o setor de duas rodas é que a liberação de crédito tem melhorado, com cerca de 4,2 cadastros aprovados a cada 10 apresentados”.

Os problemas na produção também podem explicar uma queda mais acentuada nos volumes de emplacamentos, no acumulado de janeiro a agosto/2020, quando foram emplacadas 531.456 motocicletas, num resultado 25,03% menor, se comparado às 708.862 registradas no mesmo período de 2019.

No ranking histórico, o mês de agosto/2020 está na 11ª colocação entre todos os meses de agosto, e o acumulado deste ano ficou na 18ª posição, entre os acumulados de janeiro a agosto da série histórica (desde 1957).

Tratores e Máquinas agrícolas:

Os segmentos de tratores e colheitadeiras estão com forte demanda em função da safra recorde, que está sendo finalizada, com crescimento da produtividade e da renda agrícola, gerando riquezas, principalmente, no interior dos estados brasileiros.

Diante desse cenário, foram comercializadas 4.417 unidades, em julho, o que representa crescimento de 27,33% em relação a junho (3.469 unidades). Vale ressaltar que, por não serem emplacados, esses veículos sofrem uma defasagem de um mês, em relação aos dados de comercialização e, por isso, os volumes e percentuais referem-se a julho de 2020.

O resultado de julho/2020, na comparação com julho de 2019 (3.737 unidades), também foi positivo, com crescimento de 18,20%.

Porém, a pandemia e a crise de abastecimento de peças e componentes importados influenciaram, negativamente, os resultados do acumulado do ano (janeiro a agosto/2020) para máquinas agrícolas. Entre janeiro a agosto de 2020, o segmento registrou queda de 4,75%, totalizando 22.679 unidades, contra as 23.811 máquinas agrícolas comercializadas no mesmo período de 2019.

“A alta dos preços da soja e do milho tem mantido o segmento de máquinas agrícolas aquecido, mas as Concessionárias trabalham com estoque abaixo do ideal. Além da alta demanda do varejo, as montadoras estão enfrentando falta de peças, pois a pandemia tem afetado a cadeia de suprimento dos fabricantes. Alguns modelos já estão em falta no mercado”, explicou o presidente da Fenabrave.

unnamed10

Tabela: Fenabrave

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

 

Ford Territory esgota lote de pré-venda

Da Redação

ford-territory-externas-13_1280x853Foto: Ford / Divulgação

A Ford está comemorando o sucesso da pré-venda do Territory, novo SUV que teve o lote de lançamento com 250 unidades comercializado em pouco mais de duas semanas, antes do prazo oficial que terminaria hoje.

A marca conseguiu também antecipar a data de entrega, que estava prevista para o final de setembro, e já iniciou o faturamento das primeiras unidades.

“A aceitação do Territory foi excelente, mesmo antes do início da campanha de lançamento. É um veículo fantástico, que se diferencia principalmente nos aspectos de espaço interno, conectividade, tecnologia embarcada e acabamento”, disse Antonio Baltar Jr, diretor de vendas da Ford. “E quem não aproveitou a pré-venda continua a dispor das melhores condições de financiamento e seguro, dois pilares que garantem o baixo custo de posse do veículo.”

Segundo ele, a Ford continua a disponibilizar para o Territory condições de financiamento que permitem buscar a melhor solução financeira para o cliente.

“Oferecemos as melhores taxas do mercado e planos que se adequam ao orçamento do cliente, com a inovação de parcelas pela metade até fevereiro de 2022, além da possibilidade de incluir o valor da blindagem no financiamento”, completou.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br