Emplacamentos de veículos mostram recuperação em março

Da Redação

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) divulgou, ontem, que os emplacamentos de veículos, considerando todos os segmentos automotivos (automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros), fecharam o mês de março/2021 com alta de 8,26% sobre março/2020, chegando a 269.944 unidades vendidas, contra 249.357 unidades, emplacadas em março do ano passado.

Sobre fevereiro (242.066 unidades), o desempenho de março/2021 foi ainda melhor, com alta de 11,52% nos emplacamentos.

“Muitas dessas vendas já tinham sido realizadas, nos meses anteriores, e os clientes estavam aguardando a entrega dos veículos, pelos fabricantes, o que ocorreu em março. Isso justifica o bom desempenho do mês, mesmo com o fechamento do comércio em estados importantes, como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, por exemplo”, observou o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior.

Mesmo com os resultados positivos de março, o saldo do primeiro trimestre foi de queda, de 6,55%, no acumulado de janeiro a março/2021, quando foram emplacadas 786.083 unidades, contra 841.173 veículos, comercializados no primeiro trimestre de 2020.

Em função das incertezas do momento, a Fenabrave decidiu não rever as projeções para o ano de 2021 ao final deste 1º. trimestre. “Aguardaremos a evolução da pandemia e seu impacto no cenário econômico para podermos avaliar melhor as projeções e indicadores do setor, o que deve ocorrer até o final do 1º. semestre”, ponderou Alarico Assumpção Júnior.

Falta de produtos e lockdown – O setor da distribuição de veículos continua enfrentando desafios com a falta de produtos e o aumento das restrições de circulação, por conta da pandemia.

“Os concessionários de veículos estão passando por um período muito difícil. Em 2020, quando ocorreu a primeira onda da pandemia da COVID-19, tínhamos estoques e a indústria trabalhava sem problemas de abastecimento. Hoje, os estoques, praticamente, não existem, tanto nas concessionárias como nos pátios das montadoras. A falta generalizada, de peças e componentes, vem provocando a paralisação das linhas de montagem de várias montadoras, prejudicando a oferta de veículos”, analisou Assumpção Júnior.

O presidente da entidade mencionou, também, a piora da pandemia no Brasil como um dos fatores para a queda na comercialização de veículos novos no País.

“Apesar de as concessionárias não gerarem aglomeração e obedecerem, rigidamente, aos protocolos sanitários, preconizados pelo Ministério da Saúde, elas têm sofrido com o fechamento das áreas de vendas, na maior parte dos Estados que decretaram lockdown. Onde os protocolos estão mais rígidos, apenas as áreas das oficinas estão funcionando, por serem consideradas serviços essenciais”, disse o presidente.

Automóveis e Comerciais Leves

Os segmentos de Automóveis e Comerciais Leves apresentaram alta de 13,69% em março de 2021 (177.109 unidades emplacadas), se comparados com o mesmo mês do ano passado (155.784 unidades).

Com relação a fevereiro de 2021, quando foram licenciadas 158.226 unidades, houve alta de 11,93%.

Já no acumulado do 1º trimestre do ano, houve retração de 6,5%, totalizando 497.885 Automóveis e Comerciais Leves emplacados, contra os 532.506 registrados no mesmo período de 2020.

Caminhões

Apesar de ainda faltar produtos, para atender a alta demanda, as vendas de Caminhões permanecem aquecidas e as entregas melhoraram um pouco. Em março, foram emplacados 10.796 Caminhões, numa alta de 65,79% sobre março de 2020, quando foram vendidas 6.512 unidades do veículo.

“Apesar do alto percentual de elevação, vale ressaltar que a comparação se dá por uma base muito baixa, registrada em 2020”, revelou o presidente da Fenabrave.

Já na comparação com fevereiro de 2021, quando foram emplacados 7.718 Caminhões, o aumento foi de 39,88% e, no acumulado deste primeiro trimestre do ano (25.776 unidades), houve acréscimo de 27,55% sobre igual período do ano passado, quando foram comercializados 20.209 Caminhões.

Ônibus

Em março, o mercado de Ônibus emplacou 1.500 unidades, o que significa alta de 15,83% sobre março de 2020, quando foram negociadas 1.295 unidades.

Sobre fevereiro/2021, que teve 1.428 Ônibus emplacados, o crescimento de março representou alta de 5,04%.

No acumulado do 1º. Trimestre de 2021, no entanto, foram emplacados 4.252 Ônibus, o que significa queda de 19,68%, na comparação com 2020 (5.294 unidades).

“As vendas de Ônibus se mantêm em um nível baixo, por conta da retração da demanda, como consequência do avanço da segunda onda da COVID-19. As restrições de circulação e cancelamento de viagens continuam afetando as empresas do setor”, explicou Assumpção Júnior.

Implementos Rodoviários

O mercado de Implementos Rodoviários, que acompanha a evolução de Caminhões, registrou, em março de 2021, 7.983 unidades emplacadas, num crescimento de 93,76% sobre o mesmo mês do ano passado, quando foram comercializadas 4.120 unidades, e de 21,01% sobre fevereiro deste ano (6.597 unidades).

No acumulado do ano, houve crescimento de 61,79% (21.306 unidades) sobre igual período de 2020 (13.169 unidades).

Motocicletas

Em março, o segmento de Motocicletas registrou 62.290 unidades emplacadas, o que significa uma baixa de 17,38% sobre março de 2020, quando foram comercializadas 75.392 motos.

Em relação ao mês de fevereiro de 2021, quando 57.426 motos foram vendidas, houve alta de 8,47%.

No acumulado do 1º. trimestre de 2021, os emplacamentos de Motocicletas somaram 205.553 unidades, um resultado que, se comparado às 246.920 unidades, comercializadas em igual período de 2020, demonstra uma baixa de 16,75%.

“O mercado de Motocicletas continua aquecido, mas ainda há impactos específicos na produção, que têm afetado o abastecimento para as concessionárias. Devido a essas dificuldades pontuais, muitas vendas estão com programação de entrega para até 60 dias, mas a indústria vem, aos poucos, se recuperando. Desde o início da pandemia, em 2020, as Motocicletas vêm se consolidando como uma alternativa de transporte individual e de trabalho. O crédito está favorável a quem pretende adquirir Motocicletas, com a aprovação de 4,7 propostas para cada 10 enviadas aos bancos”, avaliou Alarico Assumpção Júnior.

Tratores e Máquinas Agrícolas têm bimestre positivo

OBS.: Por não serem emplacados, os Tratores e as Máquinas Agrícolas apresentam dados com um mês de defasagem, pois dependem de levantamento junto aos fabricantes.

Em fevereiro de 2021, as vendas de Tratores e Máquinas Agrícolas atingiram 3.606 unidades, numa alta de 16,89%, na comparação com o mês de janeiro, quando foram comercializados 3.085 veículos.

Na comparação com fevereiro de 2020, quando foram vendidas 2.606 unidades, a alta foi de 38,37%.

Também no acumulado do 1º. Bimestre de 2021 houve crescimento nas vendas de Tratores e Máquinas Agrícolas. Foram negociadas 6.691 unidades, o que representa crescimento de 33,23% sobre as 5.022 unidades vendidas no mesmo período do ano passado.

“Com o cenário positivo para o agronegócio, considerando o bom desempenho das commodities e as boas perspectivas para o setor, a demanda de Tratores e Máquinas Agrícolas se mantém aquecida”, explicou Assumpção Júnior.

Fenabrave / Divulgação

Acesse o  nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Mercedes-AMG GLE 63 S 4Matic+ combina design esportivo, exclusividade e alta performance

Modelo é equipado com motor 4.0 V8 biturbo capaz de gerar 612 cv de potência

 Da Redação (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 02/04/2021)

A Mercedes-Benz anunciou, nessa semana, que o Mercedes-AMG GLE 63 S 4Matic+ Coupé está chegando ao País para completar o portfólio de modelos SUV (utilitários esportivo) da marca.

“Com o novo Mercedes-AMG GLE 63 S 4Matic+ Coupé entregaremos tudo aquilo que nossos clientes mais procuram atualmente: luxo esportivo, alto nível de tecnologia, conectividade e muita exclusividade. E tudo isso aliado à muito desempenho e esportividade”, afirmou Jefferson Ferrarez, CEO da Mercedes-Benz Cars & Vans do Brasil.

O novo GLE 63 S Coupé é facilmente identificado como um modelo Mercedes-AMG graças à grade do radiador específica AMG cromada de alto brilho. O para-choques dianteiro tem um design de Jet-Wing e é pintado na cor do veículo com as entradas de ar na cor preta.

Os domos no capô, as rodas de 22 polegadas, o novo spoiler traseiro com um difusor em preto e o sistema de escape especial AMG, com dois elementos de acabamento do tubo de escape duplo retangulares, completam o design exterior.

Como parte do equipamento de série, o pacote AMG Night inclui vidros escuros com isolamento térmico, acabamento do spoiler dianteiro e traseiro, inserções nas saias laterais, capas dos espelhos e moldura das janelas em preto.

Os assentos AMG são estofados em couro napa e proporcionam bom suporte lateral. Eles contam com um padrão específico para AMG e com um emblema “AMG” nos encostos dianteiros, além dos cintos de segurança cinza e costuras contrastantes nos bancos em cinza prata.

A iluminação ambiente ajustável individualmente também faz parte dos equipamentos de série. O volante é de três raios AMG Performance e possui “borboletas” de alumínio.OEle também é forrado em couro napa.

O console central inclui uma unidade de controle específica do AMG com interruptores adicionais que são usados para regular o ESP de 3 estágios, o modo de transmissão manual, o Adaptive Damping System, o sistema de escapamento AMG Performance e a altura do veículo.

Juntamente com os pedais esportivos AMG em aço inoxidável escovado e detalhes em borracha, os painéis das soleiras das portas e os tapetes pretos com a inscrição “AMG” e os acabamentos AMG em fibra de carbono acentuam o visual esportivo do interior.

Motor – O motor 4.0 biturbo V8 de 612 cv está equipado com um alternador de arranque EQ Boost integrado e um sistema elétrico de 48 volts, tudo para entregar uma resposta imediata na partida e estar alinhado com todo o processo de sustentabilidade e eletrificação da marca, informou a MB.

O propulsor combina o motor de partida e um alternador em um único e potente motor elétrico integrado de forma compacta entre o motor e a transmissão. Os 250 Nm de torque adicionais permitem características de aceleração e retomadas de velocidade mais rápidas e seguras.

Este componente que alimenta o sistema elétrico de bordo de 48 volts é utilizado como gerador de energia e também desempenha funções híbridas. Isso inclui impulsionar, recuperar, mudança do ponto de carga e a reinicialização praticamente imperceptível do motor com a função start / stop.

Para maior eficiência, a Mercedes-AMG equipou esse motor V8 com o sistema de desativação de cilindro. Quando em uma faixa de aceleração constante, os cilindros dois, três, cinco e oito são desativados, o que reduz o consumo de combustível.

Quando o motorista seleciona o programa de direção Comfort, o sistema de desativação do cilindro está disponível na faixa de rotação do motor de 1000 a 3250 rpm. Um display especial no painel de instrumentos indica se o sistema de desativação do cilindro está em uso e se o motor está operando atualmente no modo de quatro ou oito cilindros.

A transição entre esses dois estados operacionais é imediata, rápida e com torque neutro, informou a Mercedes.

De acordo com a fabricante, o modelo leva 3,8 segundos para sair da imobilidade e alcançar os 100 km/h. A velocidade máxima é de 280 km/h.

Câmbio – A transmissão AMG Speedshift TCT 9G é especialmente ajustada para os requisitos do motor de oito cilindros do GLE 63 S Coupé. O desenvolvimento sistemático de hardware e software tornou possível otimizar ainda mais os tempos de trocas, de acordo com a Mercedes.

O software permite tempos de mudança extremamente curtos e várias reduções rápidas de marcha, oferecendo uma experiência especialmente emocionante graças à função de desacoplamento duplo.

As mudanças de marcha são realizadas sem interrupção na força de tração. A aceleração dinâmica e tempos de trocas muito curtos estão disponíveis como um estilo de condução com baixo consumo de combustível, dependendo do modo selecionado.

O sistema de tração integral garante a melhor relação possível de dinamismo, tração e eficiência. Uma embreagem controlada eletromecanicamente conecta o eixo traseiro acionado permanentemente de forma variável ao eixo dianteiro.

A melhor distribuição de torque é continuamente calculada de acordo com as condições de condução e as informações do motorista.

A tração nas quatro rodas é controlada de acordo com o estágio selecionado do Programa Eletrônico de Estabilidade (ESP) de 3 estágios, desde esportivo com foco na segurança até altamente dinâmico.

O sistema de controle de manuseio dinâmico 4ETS aumenta a segurança e agilidade no manuseio, em particular em superfícies escorregadias ou com diferentes coeficientes de atrito.

Ele usa intervenções de freio para evitar que as rodas acionadas individualmente patinem durante a partida ou aceleração. Ao mesmo tempo, o efeito de travamento do diferencial permite que o torque de acionamento seja deslocado para as rodas que não estão girando.

O SUV apresenta um diferencial de travamento controlado eletronicamente no eixo traseiro como padrão. O deslizamento é assim suprimido na roda interna durante as curvas, garantindo melhor aderência e máxima segurança no manuseio.

O condutor pode, portanto, acelerar nas curvas mais cedo e com mais potência, graças à tração aprimorada. O veículo permanece mais estável ao frear em alta velocidade, enquanto o diferencial de travamento também melhora a tração ao acelerar a partir de uma paralisação.

O novo GLE 63 S Coupé é equipado com um sistema de freio com pinças fixas (na cor vermelha) de seis pistões e discos de freio de 400 x 38 mm na frente e pinças de freio flutuantes com pistão e discos de 370 x 32 mm na parte traseira

Tecnologias embarcadas garantem desempenho, segurança e conforto

O sistema de estabilização ativa de rolagem (AMG Active Ride Control) compensa os movimentos da carroceria, aumentando a segurança de condução em situações perto do limite.

Ele usa dois atuadores eletromecânicos de operação independente nos eixos dianteiro e traseiro, cada um com uma engrenagem planetária integrada. Isso significa que o sistema de estabilização não apenas reduz a oscilação da carroceria nas curvas, mas também permite um ajuste mais preciso em cada curva e na distribuição de peso.

Além disso, aumenta o conforto de condução ao dirigir em linha reta porque as irregularidades de um lado da estrada, por exemplo, são compensadas automaticamente.

O ajuste de amortecimento adaptativo ADS (Adaptive Damping System) permite que as características de amortecimento possam ser pré-selecionadas em três estágios: Comfort, Sport e Sport +.

Graças ao auto nivelamento pneumático, o novo GLE 63 S 4Matic+ Coupé mantém uma altura do solo constante, independentemente da carga do veículo. Isso pode ser ajustado dependendo do modo de condução ou manualmente no console central.

Os sete programas Dynamic Select (Comfort, Sport, Sport +, Individual, Race, Trail e Sand) permitem uma experiência de condução muito variada com uma ampla distribuição entre o máximo conforto e a agilidade. Os modos modificam os principais parâmetros, como a resposta do motor, transmissão, suspensão e direção.

Os parâmetros relevantes para a condução, como a resposta do motor e da suspensão ou os limites de controle do ESP, são adaptados de forma inteligente de acordo com o programa de direção. O espectro varia de extremamente orientado para a segurança a altamente dinâmico.

Independentemente do programa de direção, o motorista pode usar as teclas no console central ou o volante multifuncional para selecionar diretamente o modo de transmissão manual, o nível de suspensão preferido e também o sistema de escapamento, por exemplo.

Tecnologia – O novo GLE 63 S Coupé oferece a última geração do sistema de entretenimento MBUX (Mercedes-Benz User Experience).

Os menus especiais AMG, como o modo Supersport com um conta-giros central e escalas de aparência 3D, conferem profundidade visual ao quadro de instrumentos e acentuam a exclusividade do modelo.

A visualização Supersport fornece informações adicionais extensas específicas para AMG, como um aviso para mudar de marcha no modo de transmissão manual, um recurso conhecido como Shiftlight.

Através do menu AMG, o condutor pode acessar vários menus especiais: Visor de marcha com o símbolo amarelo “M” no modo manual; Menu de aquecimento do motor e temperatura do óleo da transmissão; Configurações do menu AMG Dynamic Select; G-meter (forças de aceleração longitudinal e lateral); Racetimer (cronômetro, tempos de volta e setor) e dados do motor (saída e torque, óleo do motor e temperatura do óleo da transmissão).

O novo Mercedes-AMG GLE 63 S 4Matic+ Coupé está disponível para encomendas em toda a rede de concessionários com preço público sugerido de R$ 1,18 milhão.

Fotos: Mercedes-Benz AG / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br