Ford lança, via web, Ranger Storm 4×4

José Oswaldo Costa*  (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 03/04/2020)

Com motor 3.2 de 200 cv, modelo apresentado como conceito no Salão do Automóvel chega às ruas

FordRangerStorm-1A Ford apresentou, nessa semana (via internet), a Ranger Storm, nova versão off-road da picape voltada para o segmento de esportes radicais e aventura, com uma combinação de desempenho, estilo e equipamentos, de acordo com a fabricante.

A expectativa da Ford, com a nova versão, é conquistar uma fatia maior do bolo. Ela vem perdendo terreno para modelos como a Volkswagen Amarok, que cresceu muito nas vendas com a chegada da versão com motor V6.

Dentre todos os modelos de picapes (pequenas, médias e grandes), a Ranger ficou com a 6ª colocação no ranking do primeiro trimestre, com 4.476 unidades vendidas, e 3ª no seu segmento.

Nesse ranking geral, a primeira posição é da Fiat Strada, com 15.328 unidades emplacadas. A Toyota Hilux, concorrente direta da Ranger, aparece na 3ª colocação geral e 1ª no segmento, com 9.279 unidades comercializadas.

 A 2ª colocação, no segmento de picapes médias (5ª no ranking geral), é da Chevrolet S10, que vendeu no primeiro trimestre 5.738 unidades. Os números, computados até o último dia 30 de abril, são da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave).

O modelo cabine dupla apresentado como conceito no último Salão do Automóvel de São Paulo teve, segundo a Ford, grande aceitação e foi desenvolvido especialmente para o mercado brasileiro.

A grade dianteira com o nome Storm em destaque é a assinatura da nova picape, personalizada também com faixas no capô e nas laterais, alargadores de paralamas, estribos, rodas e santantônio exclusivo, todos na cor preta.

As lanternas traseiras com lentes escurecidas são emprestadas da série especial global Wildtrak. Ela conta, ainda, com dois acessórios especiais: snorkel e capota marítima.

A Ford informou que, como oferta de lançamento, esses dois itens serão gratuitos para os 60 primeiros compradores da nova versão da picape. Quando forem vendidas as 60 primeiras unidades, os dois itens terão o preço de R$ 5,66 mil e só poderão ser adquiridos juntos.

A Ranger Storm vem equipada com tração 4×4, transmissão automática de 6 marchas,  diferencial traseiro blocante e motor Duratorq 3.2 turbodiesel, de cinco cilindros, das versões de topo XLT e Limited. Ele é capaz de gerar 200 cv e um torque de 47,9 kgfm.

FordRangerStorm-4Outro grande diferencial são os pneus todo-terreno Scorpion AT Plus. Desenvolvidos especialmente para a picape em parceria com a Pirelli.

Resultado de um projeto de um ano, eles foram feitos sob medida, com mais de 90 parâmetros personalizados, para entregar o melhor desempenho tanto na terra, lama, água, cascalho e pedra como no asfalto, com grande equilíbrio entre performance e conforto, de acordo com a Ford.

O alto torque do motor, a tração 4×4, o diferencial traseiro blocante e os novos pneus permitem transpor com facilidade todo tipo de terreno.  O sistema 4×4 possui três opções de funcionamento: 4×2 (tração somente nas rodas traseiras), 4×4 High (tração nas quatro rodas e velocidade máxima de até 120 km/h) e 4×4 Low (tração reduzida e torque em dobro para situações extremas).

A picape vem equipada com o sistema AdvanceTrac, composto por controle eletrônico de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, controle automático de descida, controle de oscilação de reboque, assistência de frenagem de emergência e luzes de emergência em frenagens bruscas, além de sistema anticapotamento e controle adaptativo de carga, exclusivos no segmento. A capacidade de reboque é de até 3.500 kg.

Como toda a linha 2020, o novo modelo tem um ajuste de suspensão com a posição dos amortecedores invertidos no eixo traseiro, o que melhora a dirigibilidade e o conforto tanto no asfalto como fora de estrada. E a caçamba conta com um sistema de assistência que facilita a abertura e fechamento da tampa.

FordRangerStorm-7

Preço, visual , motorização e tração 4×4  têm  foco em fãs de aventuras

Com preço sugerido de R$150,99 mil, a Ranger Storm chega para ocupar um novo espaço entre as versões intermediárias e topo da linha, ampliando o leque de opções para os consumidores.

Importante destacar que a Ranger Storm passa a ser a opção mais barata com a motorização 3.2 turbodiesel no portfólio da Ford. No site da Ford, o preço da Ranger XLT é R$ 183,79 mil , enquanto, a Limited, tem o preço de R$199,99 mil.

Sua lista de equipamentos inclui, também, direção elétrica, ar-condicionado digital de duas zonas, central multimídia SYNC 3 com Android Auto e Apple CarPlay além de uma tela de 8 polegadas, painel configurável com duas telas de 4,2 polegadas, faróis de neblina, sete airbags, câmera de ré e rodas de liga leve de 17 polegadas.

O pacote de equipamentos, que dispensa diversos recursos tecnológicos presentes nas versões topo de linha, é “herança” da versão XLS 2.2 turbodiesel 4×4 automática (R$ 160,89 mil)

Aliás, o acabamento do interior da Ranger Storm é idêntico ao da versão XLS. Um bom exemplo disso são os bancos forrados com tecido e, não, com material sintético que imita o couro, como ocorre com a versão Limited.

Ford-Ranger-Storm_16Uma vez que possui o mesmo interior e pacote de itens de série, além de um motor superior ao da versão XLS, tudo leva a crer que a Storm canibalizará as vendas de sua “irmã”. Para que se tenha uma idéia ainda melhor desse quadro, a Storm é mais barata, até mesmo, do que a XLS equipada com câmbio manual (R$ 154,09 mil).

 “A Ranger Storm oferece tudo o que o cliente fã de aventura quer e precisa: uma picape off-road de verdade, com plataforma robusta, motor potente, tração 4×4, visual personalizado e preço atraente”, disse Fabrizzia Borsari, gerente de marca da plataforma Ranger da Ford.

“Ela foi desenvolvida especificamente para o consumidor brasileiro, com um nível superior de desempenho, atributos e funcionalidades, além de um visual marcante, de muita personalidade”, concluiu Borsari.

As dimensões da Ford Ranger são as seguintes: 5,35 metros de comprimento; 3,22 metros de entre-eixos; 1,82 metro de altura e 1,86 metro de largura. O tanque de combustível tem capacidade para 80 litros.

Garantia e Revisões – A nova picape tem cinco anos de garantia e oferece, também, baixo custo de posse, tanto nas revisões e seguro como no valor das peças e manutenção não programada, de acordo com a Ford.

FordRangerStorm-6As três primeiras revisões, com preço fixo, somam R$2,79 mil, (10.000 km = R$ 599,00 / 20.000 km = R$ 999,00 / 30.000 km = R$ 1,19 mil). Já o programa de seguros Ford oferece uma apólice calculada em 3,1% do valor do veículo.

Ela é disponível em sete cores: as sólidas vermelho e branco, a metálica prata e as perolizadas azul, vermelho, cinza e preto, sempre combinadas com acessórios na cor preta.

A Ranger Storm foi desenvolvida no Brasil, atendendo todos os rígidos controles de qualidade da marca líder mundial em picapes. Seu projeto incluiu testes nos EUA, Tailândia e Austrália para garantir o desempenho e durabilidade de todos os seus componentes, informou a assessoria de imprensa da marca.

“A Ranger 2020 trouxe vários avanços e os novos componentes da Storm foram desenvolvidos com o mesmo cuidado, com foco na funcionalidade e no estilo para entregar tudo o que os clientes esperam de um produto de classe mundial”, disse Gilmar de Paula, engenheiro-chefe da plataforma Ranger na América do Sul.

FordRangerStorm-5Fotos: Ford / Divulgação

*Com informações da Ford

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Emplacamentos de veículos registram queda de mais de 7% no primeiro trimestre de 2020

Da Redação

Sofrendo impacto direto da pandemia do Coronavírus, e da consequente paralisação, quase que absoluta, das concessionárias de veículos, em todo o Brasil, em função dos decretos de quarentena, o setor da distribuição de veículos sofreu forte retração nas vendas, em março, revertendo a curva de crescimento que vinha sendo registrado no primeiro bimestre deste ano.

De acordo com o levantamento da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), em março, foram licenciados 249.158 veículos, considerando automóveis, comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros veículos.

Esse número reflete retração de 15,02% na comparação com fevereiro, quando foram emplacadas 293.211 unidades. Já na comparação com os 305.510 veículos, licenciados em março do ano passado, a baixa foi de 18,45%.

No acumulado do primeiro trimestre de 2020, foram emplacadas 840.800 unidades, o que representa uma queda de 7,06% em relação ao mesmo período de 2019, quando foram vendidos 904.698 veículos.

Os dados da Fenabrave mostram que os licenciamentos de automóveis e comerciais leves apresentaram baixa de 19,11% em março, totalizando 155.810 unidades, contra 192.627 unidades registradas em fevereiro.

Se comparado com março do ano passado, este resultado também aponta retração de 21,91% (199.516 unidades). No acumulado do primeiro trimestre de 2020 (532.549 unidades), as vendas desses segmentos registraram queda de 8,18%, comparadas às realizadas de janeiro a março do ano passado, quando foram vendidos 579.988 automóveis e comerciais leves.

Para o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, o mês de março foi impactado, drasticamente, em função da pandemia do Coronavírus. “Nosso Setor, que representa 4,5% do PIB e gera, diretamente, mais de 315 mil empregos, por meio de 7,3 mil concessionárias, está praticamente paralisado, em função dos decretos de quarentena. Apenas algumas concessionárias estão com as oficinas abertas, para atender caminhões, ambulâncias e outros veículos essenciais para serviços de primeira necessidade, como os ligados à saúde e alimentação”, comentou.

Segundo Assumpção Júnior, ainda não é possível revisar as projeções do setor para o ano de 2020, em função da falta de previsibilidade de retorno do comércio e dos reais impactos ao final do período de quarentena.

“Sabemos que a prioridade é a saúde da população, mas, a continuar como está, em um mês de estagnação, cerca de 20% dos empregos do nosso setor podem ser comprometidos, pois os concessionários estão sem receita e, ao contrário, têm despesas fixas. Por enquanto, as concessionárias estão segurando a situação como podem, antecipando férias, utilizando banco de horas, mas, chegará um momento em que isso não se sustentará”, revelou o presidente da Fenabrave.

Para atenuar a situação dos empresários do setor, a Fenabrave tem solicitado diversos pleitos, tanto aos Governos Estaduais e Municipais, como junto ao Governo Federal, BNDES, entre outros órgãos.

Entre os pedidos, direcionados aos estados e municípios, estão alguns já atendidos, como a autorização de funcionamento das oficinas, em algumas cidades, para a realização de serviços essenciais e de garantia.

“Se não fizermos a manutenção dos caminhões, motos, táxis ou veículos que trabalham por aplicativos, como esses poderão transportar itens de primeira necessidade à população? Como as ambulâncias e ônibus poderiam atender e transportar as pessoas? Como a população será reabastecida, de alimentos, se os tratores e máquinas agrícolas não funcionarem?”, explicou Assumpção Júnior.

Outros pedidos têm sido encaminhados às autoridades e entidades ligadas ao setor, como, por exemplo:

  • Suspensão de pagamento do IPVA, aos estados;
  • Linha de crédito especial, ao BNDES, para empresas do setor;
  • Desoneração de folha de pagamentos e encargos, ao Governo Federal, a quem está sendo solicitada e, ainda, a redução ou postergação de tributos, por 120 dias;
  • Solicitação, às entidades que representam as instituições financeiras, para que não elevem as taxas de juros, tanto para empresas como para pessoas físicas;
  • Solicitação de liberação de crédito, às instituições financeiras, para a comercialização de tratores e máquinas agrícolas sem o registro das cédulas em cartório;

Além de pedidos, a Fenabrave fez manifestos de apoio às categorias que têm se mobilizado para atender à população, durante a pandemia, como é o caso dos caminhoneiros, taxistas e motoristas de aplicativos, motoboys e profissionais de saúde, entre outros. A entidade também manifestou apoio ao Ministério da Saúde, pela condução ágil e assertiva em relação à contenção da pandemia no Brasil.

“Temos orgulho desses profissionais, que não poupam esforços e colocam suas vidas em risco para atender à população. Da mesma forma, acreditamos no nosso Governo e no nosso País. Não estamos pedindo benefícios. Estamos solicitando medidas de contenção para evitar o colapso do nosso e de outros setores importantes para a nossa economia”, enfatizou o presidente da fenabrave, concluindo que “já passamos por uma forte crise recente e devemos tentar mitigar os impactos desta nova crise para que, quando a pandemia passar, as empresas continuem abertas, gerando empregos”.

Segundo o Alarico Assumpção Júnior, tão logo seja possível e autorizada a reabertura total dos estabelecimentos comerciais, conforme deliberação de cada estado e município, as concessionárias estarão preparadas para voltar a operar, normalmente, e com todas as garantias de segurança sanitária e de saúde, preconizadas pela OMS.

“A Fenabrave criou um Guia Prático, contra a disseminação do Coronavírus, disponibilizado para as concessionárias, para que garantam a saúde de seus colaboradores e clientes, com orientações sobre a devida assepsia dos ambientes, equipamentos, peças, acessórios e veículos, até os cuidados no trato pessoal, oferecendo álcool em gel em todas as áreas de permanência dos clientes, distância mínima de 1,5m entre as pessoas, entre outros cuidados, preconizados pelo Ministério da Saúde e OMS”, comentou Assumpção Júnior.

Segundo ele, entre os colaboradores das redes, casos de grupos de risco, como pessoas com mais de 60 anos de idade ou com acometimentos de doenças pré-existentes, como hipertensão arterial, cardiopatias, lúpus, em tratamento contra o câncer, entre outros, continuariam atuando, remotamente, por tele trabalho, de seus domicílios, até que a pandemia estivesse totalmente controlada.

“Não queremos colocar a vida de ninguém em risco, mas precisamos de uma certa previsibilidade sobre quando voltaremos a operar, assim como necessitamos de medidas que permitam, às empresas e pessoas, postergar despesas, às quais, não terão condições de pagar nesse momento”, finalizou o presidente da Fenabrave.

unnamed(1)

Tabela: Fenabrave / Divulgação

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Ranking dos veículos mais vendidos no 1º trimestre de 2020

Da Redação

*GERAL:

1º) Chevrolet Onix – 47.121 unidades (cerca de 15.707 unidades/mês)

2º) Chevrolet Onix Plus – 24.514 unidades (cerca de 8.171 unidades/mês)

3º) Ford Ka – 22.620 unidades (cerca de 7.540 unidades/mês)

4º) Hyundai HB20 – 21.998 unidades (cerca de 7.332 unidades/mês)

5º) Volkswagen Gol – 17.655 unidades (cerca de 5.885 unidades/mês)

6º) Fiat Argo – 16.781 unidades (cerca de 5.593 unidades/mês)

7º) Renault Kwid – 16.661 unidades (cerca de 5.553 unidades/mês)

8º) Volkswagen Polo – 14.883 unidades (cerca de 4.961 unidades/mês)

9º) Jeep Renegade – 14.170 unidades (cerca de 4.723 unidades/mês)

10º) Volkswagen T-Cross – 13.128 unidades (cerca de 4.376 unidades/mês)

11º) Fiat Mobi – 12.521 unidades (cerca de 4.173 unidades/mês)

12º) Nissan Kicks – 12.362 unidades (cerca de 4.120 unidades/mês)

13º) Toyota Corolla – 12.088 unidades (cerca de 4.029 unidades/mês)

14º) Jeep Compass – 12.055 unidades (cerca de 4.018 unidades/mês)

15º) Hyundai Creta – 11.681 unidades (cerca de 3.893 unidades/mês)

*UTILITÁRIOS ESPORTIVOS (SUVs):

1º) Jeep Renegade – 14.170 unidades (cerca de 4.723 unidades/mês)

2º) Volkswagen T-Cross – 13.128 unidades (cerca de 4.376 unidades/mês)

3º) Nissan Kicks – 12.362 unidades (cerca de 4.120 unidades/mês)

4º) Jeep Compass – 12.055 unidades (cerca de 4.018 unidades/mês)

5º) Hyundai Creta – 11.681 unidades (cerca de 3.893 unidades/mês)

6º) Honda HR-V – 9.071 unidades (cerca de 3.023 unidades/mês)

7º) Ford EcoSport – 6.727 unidades (cerca de 2.242 unidades/mês)

8º) Chevrolet Tracker – 4.201 unidades (cerca de 1.400 unidades/mês)

9º) Citroën C4 Cactus – 3.441 unidades (cerca de 1.147 unidades/mês)

10º) Chery Tiggo 5X – 3.115 unidades (cerca de 1.038 unidades/mês)

11º) Renault Captur – 3.022 unidades (cerca de 1.007 unidades/mês)

12º) Renault Duster – 2.888 unidades (cerca de 962 unidades/mês)

13º) Volkswagen Tiguan – 2.500 unidades (cerca de 833 unidades/mês)

14º) Toyota Hilux SW4 – 2.399 unidades (cerca de 799 unidades/mês)

15º) Peugeot 2008 – 1.406 unidades (cerca de 468 unidades/mês)

*COMERCIAIS LEVES:

1º) Fiat Strada – 15.408 unidades (cerca de 5.136 unidades/mês)

2º) Fiat Toro – 13.371 unidades (cerca de 4.457 unidades/mês)

3º) Toyota Hilux – 9.406 unidades (cerca de 3.135 unidades/mês)

4º) Volkswagen Saveiro – 9.109 unidades (cerca de 3.036 unidades/mês)

5º) Chevrolet S10 – 5.765 unidades (cerca de 1.921 unidades/mês)

6º) Ford Ranger – 4.513 unidades (cerca de 1.504 unidades/mês)

7º) Volkswagen Amarok – 4.135 unidades (cerca de 1.378 unidades/mês)

8º) Fiat Fiorino – 3.602 unidades (cerca de 1.200 unidades/mês)

9º) Nissan Frontier – 2.017 unidades (cerca de 672 unidades/mês)

10º) Mitsubishi L200 – 1.985 unidades (cerca de 661 unidades/mês)

*Os números foram computados pela Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave)

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

 

Há 35 anos, os brasileiros conheciam o Fiat Prêmio

Da Redação

Foto1411A partir de março de 1985, os brasileiros foram premiados com mais uma opção de automóvel vinda da linha de produtos da Fiat. O Prêmio chegava para inovar e impressionar o mercado com atributos e itens inéditos no país, consolidando a fabricante italiana no segmento de sedans.

Ele foi o primeiro carro nacional a oferecer um importante item presente nos modelos atuais: o computador de bordo, apresentando, no display, médias de consumo e velocidade, além de autonomia.

premio-cs-2O Prêmio também inaugurou o motor 1.5 Sevel, com 71,4 cv de potência e torque de 12,3 kgfm (etanol), alcançando o mesmo desempenho do Uno Sx, mesmo sendo o sedan 13 kg mais pesado.

O modelo impressionava pela suspensão macia, grande espaço interno, conforto e qualidade do acabamento. Um dos destaques era o porta-malas: com capacidade de 530 litros, era o maior da categoria no País.

Foto147Também trazia uma solução inteligente por não carregar o estepe no compartimento, e sim no cofre do motor.

Outra diferenciação era a carroceria com opção de duas e quatro portas (um relevante argumento de vendas), enquanto a maioria de seus concorrentes da época só oferecia duas portas.

Foto188Desenvolvido no Brasil, o Fiat Prêmio logo atravessou fronteiras e foi comercializado em países da América Latina e Europa com o nome Duna. Sucesso por onde passou, o sedan chegou a ser um dos veículos mais vendidos na terra natal da Fiat, a Itália, segundo a fabricante.

Lançado com o slogan “Estamos vivendo um novo tempo e você merece um Prêmio”, o veículo foi reconhecido como “Carro do Ano 1986” pela Revista Autoesporte.

Foto189

painel-comando-fiat-premio-elba-argentino-com-ac-D_NQ_NP_6997-MLB5139831170_102013-F

Fotos: FCA – Fiat Chrysler Automóveis / Divulgação

Em seus dez anos de comercialização, foi um sucesso em vendas com a marca de quase 180 mil veículos emplacados no Brasil.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Chevrolet estende prazo de garantia

Da Redação

Com as medidas temporárias de fechamento do comércio no Brasil imposta pela pandemia do Covid-19, a Chevrolet informou que decidiu estender temporariamente os prazos de garantia, assim como a tolerância de quilometragem para realização das revisões recomendas segundo o manual do proprietário dos veículos da marca.

Assim, os veículos Chevrolet que estejam com suas garantias de fábrica válidas de acordo com os termos do manual do proprietário e com vencimento entre 1° de março e 30 de junho de 2020, terão a extensão de suas garantias por 3 meses.

Adicionalmente, a tolerância para execução das revisões (necessárias a cada 10 mil km, de acordo com o plano de manutenção preventiva), que é de 1 mil km para menos ou para mais, subirá para 3 mil km.

A data limite para realização das revisões nesta condição será estabelecida tão logo a situação se normalize.

A Chevrolet reforçou, ainda, que os Centros de Relacionamento Chevrolet e OnStar continuam atendendo normalmente e estão à inteira disposição dos clientes para suportá-los no que for necessário.

Por fim, a nota informa que a Chevrolet continuará avaliando a situação da pandemia e poderá revisar este plano de acordo com as necessidades.

Quando o veículo está parado por muito tempo, ele pode apresentar, por exemplo, redução de carga da bateria (ocasionando eventual dificuldade de partida).

Para preservar a operação e manter o desempenho do carro, o serviço de pós-venda da Chevrolet recomenda o seguinte:

  • Ligar semanalmente o veículo: é importante fazê-lo até que a temperatura ideal de operação seja atingida (isso leva aproximadamente 10 minutos). É importante garantir que você faça isso em um ambiente adequadamente ventilado, pois os gases de escape são tóxicos. Este conselho não implica sair de casa de carro.
  • Ventilação: ligar periodicamente o ar condicionado serve para recircular o ar e minimiza a geração de bactérias que geram um odor ruim no interior do veículo.
  • Movimente o veículo: na medida do possível, pelo menos o suficiente para girar o pneu algumas vezes, que ajudará a evitar possíveis deformações, que podem ser resultantes de longo tempo de estacionamento na mesma posição.
  • Limpeza externa: o melhor conselho para cuidar da pintura do carro é limpá-la periodicamente. Se você não tiver espaço para lavar, é recomendável cobrir o carro com um pano ou capa.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Caoa Chery anuncia mudanças nos serviços de pós-venda

Da Redação

A Caoa Chery informou, hoje, que adotou mudanças em seus serviços de pós-venda devido a pandemia da Covid-19.

A partir de agora, a obrigatoriedade das manutenções periódicas, relacionadas à garantia dos veículos, terá carência aumentada até 30 de abril de 2020, podendo ser estendida em função da evolução do cenário do novo coronavírus no País.

No entanto, caso seja necessária a utilização do veículo além de 2.000 km do plano de manutenção definido no manual do proprietário, o cliente deve entrar em contato com os canais de atendimento da empresa para consultar sobre como proceder.

O funcionamento do pós-venda na rede de concessionárias também foi alterado. As oficinas, em concordância com as últimas regulamentações dos governos federal, estaduais e municipais, seguem abertas, uma vez que o serviço de manutenção automotivo é considerado essencial em ocasiões como esta.

Para garantir o bem-estar dos clientes, medidas extras de higienização, seguindo todas as recomendações e orientações de saúde e segurança, foram adotadas. Tanto em relação à limpeza das lojas e veículos, quanto na conduta dos profissionais de atendimento ao público, segundo a Caoa Chery.

Já o atendimento nas concessionárias, passam a ter como prioridade os seguintes grupos: agentes de saúde pública (médicos, enfermeiros, etc), idosos e profissionais do transporte público (táxi, Uber, etc).

Os demais clientes serão atendidos normalmente após os públicos prioritários.

A Caoa Chery recomenda, ainda, que todos os consumidores entrem em contato com a concessionária antes de se descolarem até as oficinas, para se certificarem que as mesmas estão em funcionamento.

A empresa orienta, também, o agendamento prévio dos serviços para que sejam evitados aglomerações e contato com um grande número de pessoas neste momento delicado.

A montadora também está à disposição para dúvidas relacionadas aos serviços por meio do seu site, que conta com um vídeo exclusivo sobre as novas medidas, e dos seus canais de atendimento:

Telefone: 0800 772 4379

E-mail: relacionamento@sac.caoachery.com.br

Chat: www.caoachery.com.br

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br

Ford adota ações para garantir os serviços pós-venda aos clientes

Da Redação

A Ford informou, hoje (30 de março), que adotou ações emergenciais na área de serviços pós-venda para garantir o atendimento essencial aos clientes durante o período de restrições e isolamento social devido ao coronavírus.

As medidas abrangem desde a adequação do funcionamento das oficinas da rede e dos prazos de revisão e garantia até os serviços de assistência e carro reserva para dar o apoio que os clientes precisam neste momento de grande necessidade.

Os serviços de manutenção e fornecimento de peças continuam a funcionar nas concessionárias da marca, respeitando as proibições e determinações legais de cada localidade, para garantir a operação dos veículos, principalmente os que são utilizados na prestação de serviços essenciais à população.

Ao mesmo tempo, estão sendo tomadas todas as medidas de prevenção para proteger a saúde e a segurança dos profissionais envolvidos nesse trabalho, disse a Ford.

Os clientes da marca que estão no período de revisão do veículo não precisam se preocupar com a perda do prazo de garantia. A contagem de tempo só será retomada depois que a situação for normalizada.

O serviço de assistência 24 horas Ford Assistance também continua em operação. Em caso de solicitação de guincho, o veículo será levado para a concessionária em operação mais próxima ou para a residência do cliente, ao seu critério.

Na solicitação de veículo reserva, também foram adotadas novas regras, dando total prioridade ao atendimento dos profissionais da área médica e segurança pública. Além disso, o cliente pode devolver o carro em outra cidade sem a cobrança de taxa de retorno, em todo o território nacional.

“Todos os nossos times estão fazendo um grande esforço para garantir a continuidade dos serviços pós-vendas para os nossos clientes, neste momento em que os veículos são extremamente necessários para a população e para o trabalho dos órgãos públicos”, disse Joaquim Pereira, diretor de Serviço ao Cliente da Ford América do Sul.

“Estamos buscando soluções alternativas para contornar essas limitações e vamos continuar trabalhando em novas ações para poder prestar a devida assistência aos nossos clientes”, concluiu Pereira.

Acesse o nosso site: http://www.diariodocomercio.com.br